Henry B. Eyring

Minha mãe, Mildred Bennion Eyring, foi criada na comunidade rural de Granger, Utah, EUA. Um dos irmãos dela, Roy, seguiu a profissão da família e tornou-se criador de ovelhas. Quando jovem, ele passava muitas semanas longe de casa. Com o tempo, foi perdendo o interesse pela Igreja. Por fim, mudou-se para Idaho, EUA, casou-se e teve três filhos. Faleceu aos 34 anos de idade quando sua esposa tinha 28 anos e seus filhos eram pequenos.

Embora a pequena família de Roy estivesse em Idaho e minha mãe tivesse se mudado para New Jersey, EUA, que ficava a mais de 4.000 quilômetros dali, ela sempre lhes escrevia cartas de amor e incentivo. A família de meu tio carinhosamente chamava a minha mãe de “Tia Mid”.

Os anos se passaram, e um dia recebi um telefonema de um de meus primos. Era a notícia da morte da viúva de Roy. Meu primo disse: “A tia Mid sem dúvida ia querer que você soubesse disso”. Minha mãe já falecera havia muito tempo, mas a família ainda sentia seu amor e fizera questão de me dizer isso.

Fiquei tocado ao ver o quanto minha mãe havia assumido em sua família um papel semelhante ao que os profetas nefitas exerceram na família deles, permanecendo próximos dos parentes que eles desejavam levar para o evangelho de Jesus Cristo. Néfi escreveu um registro esperando que ele influenciasse os filhos de seus irmãos a retornarem à fé exercida por seu patriarca, Leí. Os filhos de Mosias demonstraram o mesmo amor ao pregarem o evangelho aos descendentes de Leí.

O Senhor providenciou meios para que sintamos em nossa família um amor que pode perdurar para sempre. Os jovens da Igreja sentem hoje o coração voltar-se à sua família. Eles pesquisam nomes de familiares que não tiveram a oportunidade de receber em vida as ordenanças de salvação. Levam esses nomes ao templo. Quando entram nas águas do batismo, têm a oportunidade de sentir o amor do Senhor e do membro da família por quem estão realizando ordenanças vicárias.

Ainda me lembro do amor que havia na voz de meu primo que me ligou e disse: “Nossa mãe morreu, e a tia Mid com certeza ia querer que você soubesse disso”.

Vocês que realizam ordenanças por familiares estão estendendo a mão com amor, como fizeram os filhos de Mosias e o profeta Néfi. Tal como eles, vocês vão sentir alegria por aqueles que aceitarem sua oferta. Também vão sentir a mesma satisfação que Amon, que disse o seguinte a respeito de seu trabalho missionário em meio a parentes distantes:

“Gloriemo-nos, portanto, sim, gloriar-nos-emos no Senhor; sim, rejubilar-nos-emos, pois nossa alegria é completa; sim, louvaremos nosso Deus para sempre. Quem poderá gloriar-se demasiadamente no Senhor? Sim, quem poderá falar em demasia de seu grande poder e de sua misericórdia e de sua longanimidade para com os filhos dos homens? Eis que vos digo que não posso expressar nem a mínima parte do que sinto” (Alma 26:16).

Presto testemunho de que os sentimentos de amor que vocês têm por seus familiares — onde quer que estejam eles — são um cumprimento da promessa de que Elias, o profeta, viria. Ele veio. O coração dos filhos está se voltando para seus pais, e o coração dos pais está se voltando para seus filhos (ver Malaquias 4:5–6; Joseph Smith—História 1:38–39). Quando vocês tiverem um grande desejo de encontrar nomes de seus antepassados e de levar o nome deles ao templo, estarão vivenciando o cumprimento dessa profecia.

É uma bênção viver na época em que está sendo cumprida a promessa de que o coração vai se voltar. Mildred Bennion Eyring sentiu esse desejo no coração. Ela amou a família de seu irmão e estendeu a mão para eles. Eles sentiram o coração voltar-se com amor para a tia Mid porque sabiam que ela os amava.

Ensinar Usando Esta Mensagem

Você pode ler as profecias sobre o espírito de Elias com as pessoas que você visita (ver Malaquias 4:5–6; Joseph Smith—História 1:38–39). Discuta maneiras de envolver-se na história da família, incluindo ferramentas como a indexação, fotografias e blogs. Se as pessoas que você visita não conhecem FamilySearch.org, você pode reservar um tempo para mostrar para elas.

Conhecer Minha Avó

A autora mora agora em Virgínia, EUA.

Para um de meus projetos das Moças, apresentei-me como voluntária para ajudar minha avó a encontrar seus antepassados, examinando rolos de microfilmes no centro de história da família de Mesa, Arizona, EUA. Ao nos sentarmos lado a lado para pesquisarmos nossa família, comecei a me perguntar: “Será que conheço muita coisa sobre minha avó que está bem aqui do meu lado?”

Descobrimos muitos membros da família, preparamos os dados deles e fomos ao Templo de Mesa Arizona para realizar o batismo e a confirmação deles. Pouco tempo depois, minha avó me deu uma compilação encadernada de sua história da família.

Como minha avó sofre de artrite reumatoide, sente muita dor ao digitar. Gosto de ajudá-la no computador. Juntas, escrevemos as histórias da vida dela para benefício espiritual de nossa família. Adoro fazer parte da vida dela e aprender tanto sobre a história da Igreja ao trabalharmos juntas nesses projetos.

Crianças

Com Amor no Lar

Todo o céu pode se abrir,
Com amor no lar!
Todo o mundo refletir
Esse amor no lar!

(“Com Amor no Lar”, Hinos, nº 188)

O Pai Celestial quer que amemos nossa família para que sejamos felizes. Quanto mais servirmos à nossa família, mais amaremos ao Pai Celestial e a nossos familiares.

Desenhe corações como este em uma folha de papel e os recorte. Escreva bilhetes alegres ou faça desenhos neles e os entregue em segredo para seus familiares. Veja como esses bilhetes deixarão seus familiares felizes!