Father with children

Há alguns anos, meu amigo Louis falou-me um pouco de sua mãe, tão meiga e gentil. Ao falecer, ela não deixou para os filhos e filhas nenhuma fortuna em dinheiro, mas os exemplos de sacrifício e obediência que lhes legou são um verdadeiro tesouro.

Depois dos tributos à falecida e do triste cortejo ao cemitério, os adultos da família organizaram os parcos pertences que a mãe deixara. Entre eles, Louis descobriu um bilhete e uma chave. O bilhete continha estas instruções: “No quarto do canto, na última gaveta de cima para baixo da cômoda, há uma caixinha que contém meu tesouro mais querido. Esta é a chave da caixa”.

Todos ficaram imaginando o que a mãe teria de tanto valor para guardar trancado.

Retiraram a caixa do esconderijo e abriram-na cuidadosamente com a chave. Examinando seu conteúdo, Louis e os irmãos acharam uma foto de cada um dos filhos, com o nome e a data de nascimento. Louis encontrou um cartão em formato de coração feito à mão. Em letra desajeitada, infantil, que ele reconheceu como sendo sua, leu as palavras que ele mesmo escrevera 60 anos antes: “Mamãe querida, eu amo você”.

Aquele momento deixou-os com o coração transbordante, a voz suave e terna e os olhos marejados. O tesouro dessa mãe era sua família eterna. Sua força vinha do alicerce inabalável de um “eu amo você”.

No mundo de hoje, não há lugar em que o alicerce inabalável do amor seja mais necessário do que no lar. E em nenhum lugar do mundo se encontra melhor exemplo desse alicerce do que nos lares dos membros da Igreja que fazem do amor o cerne da própria família.

Àqueles de nós que professam ser Seus discípulos, o Salvador Jesus Cristo deu este abrangente mandamento:

“Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis.

Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros”.1

Se quisermos guardar o mandamento de amarmos uns aos outros, precisamos tratar uns aos outros com compaixão e respeito, mostrando nosso amor pelo modo como agimos diariamente. O amor fala com brandura, responde com paciência, age com abnegação, ouve com compreensão e tem o coração disposto a perdoar. Tratar sempre as pessoas que nos rodeiam dessa forma ajuda a tornar evidente o amor que temos no coração.

O Presidente Gordon B. Hinckley (1910–2008) comentou: “O amor (…) é o pote de ouro no fim do arco-íris. E, contudo, é mais do que o fim do arco-íris. O amor está também em seu princípio, e é dele que emana a beleza que forma esse arco no céu em um dia de tempestade. O amor é a segurança pela qual as crianças anseiam quando choram, é o que os jovens almejam, é a substância que une o casamento e o lubrificante que evita que o atrito na família tenha efeitos nefastos. É a paz dos idosos, a luz da esperança que ilumina a morte. São verdadeiramente afortunadas as pessoas que o têm no relacionamento com os familiares, os amigos, os membros da Igreja e os vizinhos”.2

O amor é a própria essência do evangelho e o atributo mais nobre da alma humana. O amor é o remédio para os males das famílias, das comunidades e das nações. O amor é um sorriso, um aceno, um comentário bondoso, um elogio. Amor é sacrifício, serviço e abnegação.

Maridos, amem a própria mulher. Tratem-na com dignidade, valorizem-na. Irmãs, amem o próprio marido. Tratem-no com honra, sejam um incentivo para ele.

Pais, amem os filhos. Orem por eles, ensinem-nos e prestem-lhes testemunho. Filhos, amem seus pais. Tratem-nos com respeito, gratidão e obediência.

Mórmon declarou que, sem o puro amor de Cristo, “nada [somos]”.3 Rogo que sigamos seu conselho: “[Roguemos] ao Pai, com toda a energia de [nosso] coração, que [sejamos] cheios desse amor que Ele concedeu a todos os que são verdadeiros seguidores de Seu Filho, Jesus Cristo; que [nos tornemos] os filhos de Deus; que quando Ele aparecer, sejamos como Ele”.4

Ensinar Usando Esta Mensagem

O Presidente Monson ensinou o quanto é importante agir com amor verdadeiramente cristão, sobretudo no lar. Pense no que você pode fazer para mostrar amor por aqueles a quem você ensina. Você também pode pedir que eles discutam maneiras de demonstrar mais amor uns pelos outros. Você pode incentivá-los a escolher uma das ideias que tiverem, transformá-la em meta e fazer planos para atingi-la em família. Os membros da família poderiam, por exemplo, tentar praticar secretamente um ato de serviço por outra pessoa da família semanalmente. Você pode também incentivá-los a refletir sobre como o esforço para alcançar essa meta contribuiu para aumentar o amor no lar.

Jovens

Oração Pedindo Paz

A autora mora no Arizona, EUA.

Meus pais muitas vezes tinham outras reuniões depois da Igreja, e eu ficava cuidando de meus três irmãos mais novos e ajudava a dar-lhes almoço. Só que muitas vezes eles estavam de mau humor e com fome. Normalmente quando eles começavam a brigar, eu conseguia resolver o problema rapidinho. Mas nem sempre era fácil acabar com a briga porque eu também ficava agitada.

Uma tarde, meus irmãos estavam mais briguentos que de costume. Minhas tentativas de apaziguar as coisas só pioravam tudo porque eu também estava irritada. Então só servi o meu próprio almoço e parei de falar. Aí, anunciei: “Vou orar. Será que daria para fazer silêncio um minutinho?” Assim que eles se aquietaram, orei para abençoar o alimento. Antes de encerrar a oração, acrescentei: “E, por favor, ajuda-nos a ser pacificadores”.

No início, pareceu que eles nem me ouviram e logo começaram a brigar de novo. Fiquei chateada, pois sabia que precisava ter amor e paciência, já que eu tinha acabado de orar pedindo paz. Depois de um minuto, senti muita calma. Comi sem dizer nada e, depois de algum tempo, os meninos pararam de brigar. Percebi que a paz que eu sentia era a resposta para minha simples oração. Orei e pedi para ser uma pacificadora e o Pai Celestial ajudou-me a ficar calma quando minha maior tentação seria gritar. Sei que Ele é mesmo capaz de dar-nos paz.

Crianças

Um Verdadeiro Tesouro

O Presidente Monson contou a história de uma mãe que tinha uma caixa especial com um tesouro. Quando os filhos abriram a caixa, encontraram fotos de si mesmos. O tesouro dessa mãe era sua própria família!

As coisas mais preciosas não são ouro nem joias, mas as pessoas a quem amamos. Quem você ama? Faça um desenho dessas pessoas ou escreva o nome delas dentro da arca do tesouro.

Exibir Referências

    Notas

  1.   1.

    João 13:34–35.

  2.   2.

    Gordon B. Hinckley, “And the Greatest of These is Love” [E o Maior Destes É o Amor], Ensign, março de 1984, p. 3.

  3.   3.

    Morôni 7:46; ver também o versículo 44.

  4.   4.

    Morôni 7:48.