Mensagem da Primeira Presidência

Tornar-nos Verdadeiros Discípulos

Presidente Henry B. Eyring

Primeiro Conselheiro na Primeira Presidência

Ouvir Baixar Imprimir Compartilhar
youth, woman, man silhouettes

Em toda reunião sacramental, temos o privilégio de prometer ao Pai Celestial que sempre nos lembraremos do Salvador e guardaremos Seus mandamentos a fim de termos Seu Espírito conosco (ver Morôni 4:3; 5:2; D&C 20:77, 79). Lembrar-nos sempre Dele acontecerá naturalmente se tomarmos Seu nome sobre nós. Fazemos isso de muitas maneiras, mas sobretudo quando servimos ao próximo em Seu nome, lemos Suas santas palavras e oramos para saber o que Ele deseja que façamos.

Isso aconteceu comigo quando realizei o batismo de um rapaz. Eu sabia que tinha sido chamado como missionário por servos ordenados do Salvador para ensinar Seu evangelho e testificar Dele e de Sua Igreja verdadeira. Meu companheiro missionário e eu prometemos ao rapaz que ele seria limpo por meio do poder da Expiação de Jesus Cristo se, com fé no Salvador, se arrependesse e fosse batizado por um de Seus servos autorizados.

Quando ergui o jovem para fora das águas da pia batismal, ele sussurrou em meu ouvido: “Estou limpo, estou limpo”. Naquele momento, lembrei-me do batismo do Salvador realizado por João Batista no Rio Jordão. Ainda mais, lembrei-me de estar fazendo o trabalho de salvação de um Salvador ressuscitado e vivo — orientado pelo Espírito Santo, como o tinha sido João.

Para mim e para cada um de nós, recordar o Salvador pode ser mais do que confiar em nossa memória com relação ao conhecimento e às experiências com Ele. Podemos fazer escolhas diárias que nos aproximem Dele constantemente.

A escolha mais simples pode ser a leitura das escrituras. Ao fazer isso, podemos ter o sentimento de estar próximos a Ele. Para mim, essa proximidade vem com mais frequência quando leio o Livro de Mórmon. Nos primeiros minutos em que leio os capítulos de 2 Néfi, ouço na mente a voz de Néfi e Leí descrevendo o Salvador como se O conhecessem pessoalmente. Sobrevém-me um sentimento de proximidade.

Para vocês, outras passagens nas escrituras podem aproximá-los Dele. Mas, em qualquer lugar e a qualquer tempo que lerem a palavra de Deus, com humilde e real intento para lembrarem-se do Salvador, aumentarão o desejo de tomar Seu nome sobre vocês diariamente.

Esse desejo mudará a maneira como servem na Igreja do Senhor. Vocês orarão ao Pai Celestial pedindo ajuda para magnificar mesmo aquele que parecer ser um pequeno chamado. Pedirão para ter a capacidade de esquecer-se de si mesmos e concentrar-se mais no que o Salvador quer para as pessoas a quem foram chamados a servir.

Senti Sua mão e Sua proximidade em meu serviço com nossos filhos quando orei para saber como ajudá-los a encontrar a paz que somente o evangelho traz. Em tais momentos, minha preocupação não era ser visto como um pai bem-sucedido, mas buscar verdadeiramente o sucesso e bem-estar de meus filhos.

O desejo de dar àqueles a quem servimos o que o Salvador desejaria oferecer leva-nos a fazer orações que são súplicas profundas ao Pai Celestial, em nome de Jesus Cristo. Quando oramos dessa maneira — em nome do Salvador, com fé Nele —, o Pai responde. Ele envia o Espírito Santo para nos guiar, consolar e incentivar. Como o Espírito sempre presta testemunho do Salvador (ver 3 Néfi 11:32, 36; 28:11; Éter 12:41), nossa capacidade de amar o Senhor de todo o coração, mente e força aumenta (ver Marcos 12:30; Lucas 10:27; D&C 59:5).

As bênçãos de recordá-Lo diariamente virão lenta e gradualmente se O servirmos, banquetearmo-nos com Sua palavra e orarmos com fé em Seu nome. E essa lembrança nos moldará para tornar-nos verdadeiros discípulos do Senhor Jesus Cristo em Seu reino nesta Terra — e mais tarde, com Seu Pai no glorioso mundo vindouro.