family at sacrament meeting

Consegue imaginar o profeta Morôni gravando as últimas palavras do Livro de Mórmon nas placas de ouro? Ele estava sozinho. Tinha visto sua nação, seu povo e sua família caírem. A terra era “uma cena contínua” de guerra (Mórmon 8:8). Mas ele tinha esperança, pois havia visto os nossos dias! E de todas as coisas que poderia ter escrito, ele nos convidou a lembrar (ver Morôni 10:3).

O presidente Spencer W. Kimball (1895–1985) gostava de ensinar que a palavra mais importante do dicionário poderia ser lembrar. Por termos feito convênios com Deus, ele disse: “A coisa de que mais necessitamos é lembrar-nos” deles.1

Encontramos a palavra lembrar ao longo de todas as escrituras. Quando Néfi admoestava seus irmãos, com frequência os convidava a se lembrarem das palavras do Senhor e de como Deus salvara seus antepassados (ver 1 Néfi 15:11, 25; 17:40).

Em seu grande discurso de despedida, o rei Benjamim usou a palavra lembrar seis vezes. Esperava que seu povo lembrasse “a grandeza de Deus (…) e sua bondade e longanimidade” para com eles (Mosias 4:11; ver também 2:41; 4:28, 30; 5:11–12).

Ao instituir o sacramento, o Salvador convidou Seus discípulos a partilhar dos emblemas “em memória” de Seu sacrifício (Lucas 22:19). Em toda oração sacramental que ouvimos, a palavra sempre acompanha as palavras recordar ou lembrar (ver D&C 20:77, 79).

Minha mensagem é um convite, sim, um pedido de que você se lembre. Aqui estão algumas sugestões do que você pode se lembrar a cada semana ao tomar os sagrados emblemas do sacramento. Espero que lhe sejam úteis, como foram para mim.

Lembrar-se de Jesus Cristo

Em primeiro lugar, lembre-se do Salvador. Lembre-se de quem Ele era quando esteve na Terra, de como falou com as pessoas e de como mostrou bondade em Seus atos. Lembre-se de com quem Ele passou Seu tempo e o que Ele ensinou. O Salvador “andou fazendo o bem” (Atos 10:38). Visitou os enfermos. Estava comprometido a cumprir a vontade do Pai.

Acima de tudo, podemos nos lembrar do grande preço que Ele pagou, devido a Seu amor por nós, para remover a mancha de nossos pecados. Ao nos lembrar Dele, nosso desejo de segui-Lo aumentará. Vamos querer ser um pouco mais bondosos, um pouco mais dispostos a perdoar e um pouco mais dispostos a conhecer a vontade de Deus e cumpri-la.

Lembrar-se do que você precisa melhorar

É difícil pensar no Salvador — Sua pureza e perfeição — sem também pensar em como somos falhos e imperfeitos em comparação a Ele. Fizemos convênios de obedecer a Seus mandamentos, mas costumamos ficar aquém desse elevado padrão. No entanto, o Salvador sabia que isso aconteceria, e foi por isso que nos deu a ordenança do sacramento.

O sacramento tem suas raízes na prática do Velho Testamento de oferecer sacrifícios, que incluía uma confissão do pecado (ver Levítico 5:5). Já não sacrificamos animais, porém ainda podemos abandonar nossos pecados. As escrituras chamam esse sacrifício de “um coração quebrantado e um espírito contrito” (3 Néfi 9:20). Vá ao sacramento com um coração arrependido (ver D&C 59:12; Morôni 6:2). Ao fazer isso, obterá o perdão dos pecados e não se desviará do caminho que conduz de volta à presença de Deus.

Lembrar-se do progresso que está fazendo

Ao examinar sua vida durante a ordenança do sacramento, espero que seus pensamentos se concentrem não apenas nas coisas que fez de errado, mas também nas coisas que fez certo — nas ocasiões em que sentiu que o Pai Celestial e o Salvador ficaram contentes com você. Você pode até reservar um momento durante o sacramento para pedir a Deus que o ajude a ver essas coisas. Se fizer isso, prometo que sentirá algo. Sentirá esperança.

Quando faço isso, o Espírito me reassegura de que, embora eu ainda esteja longe de ser perfeito, sou melhor hoje do que fui ontem. E isso me dá a confiança de que, graças ao Salvador, posso me tornar melhor amanhã.

Sempre é um tempo muito longo, o que implica muito esforço concentrado. Você sabe por experiência própria como é difícil pensar conscientemente em uma única coisa o tempo todo. Mas quer você esteja cumprindo sua promessa de sempre se lembrar Dele ou não, Ele sempre Se lembra de você.

O Salvador conhece seus desafios. Ele sabe como é sentir a pressão das preocupações da vida. Sabe a urgência com que você precisa das bênçãos decorrentes de sempre se lembrar Dele e de obedecer a Ele — “para que [você possa] ter sempre consigo o seu Espírito” (D&C 20:77; grifo do autor).

Assim, Ele lhe dá as boas-vindas de volta à mesa do sacramento todas as semanas, oferecendo-lhe novamente a chance de testificar perante Ele que você vai recordá-Lo sempre.

Exibir Referências

Nota

  1. 1.

    Spencer W. Kimball, “Circles of Exaltation” [Círculos de exaltação], discurso para os educadores religiosos do Sistema Educacional da Igreja, 28 de junho de 1968, p. 5.