O Construtor de Pontes


Thomas S. Monson
Jesus Cristo(…) construiu pontes que teremos de cruzar se quisermos chegar a nosso Lar Celestial.

Há muitos anos li um livro chamado A Rota para o Mar Ocidental, de David S. Lavender. Trata-se de um fascinante relato da épica jornada de Meriwether Lewis e William Clark, que conduziram uma famosa expedição através do continente norte americano para descobrir uma rota por terra para o Oceano Pacífico.

Sua jornada foi um pesadelo de trabalho exaustivo, profundas ravinas a serem cruzadas e longas caminhadas a pé, levando seus barcos carregados de suprimentos até encontrarem o próximo rio que pudessem utilizar.

Enquanto lia suas experiências, pensei muitas vezes: “Que bom seria se eles tivessem pontes modernas para cruzar os desfiladeiros e as águas turbulentas”. Lembrei-me das magníficas pontes de nossa época que cumprem essa tarefa com facilidade: A bela e famosa ponte Golden Gate, de San Francisco; a robusta ponte do porto de Sydney, na Austrália; e outras pontes de muitos países.

Na verdade, somos todos viajantes ou mesmo exploradores da mortalidade. Não temos o benefício da experiência pessoal anterior. Precisamos atravessar profundos precipícios e águas turbulentas em nossas próprias experiências aqui na Terra.

Talvez esse pensamento sombrio tenha inspirado o poeta Will Allen Dromgoole em seu clássico poema épico intitulado “O Construtor de Pontes”.

Um velho, caminhando sozinho pela estrada,
Chegou de noite, fria e escura,
A um abismo, vasto, profundo e amplo,
Pelo qual passava um rio sombrio.
O velho atravessou na penumbra;
Sem temer o rio escuro;
Porém voltou-se ao chegar em segurança à outra margem
E começou a construir uma ponte para cruzar o rio.
Um peregrino que passava disse: “Velho,
Está desperdiçando suas forças construindo aqui;
Sua jornada terminará no final do dia;
Nunca mais terá que passar novamente por aqui;
Você cruzou o abismo, profundo e largo —
Por que construir uma ponte em meio à penumbra?”
O construtor ergueu a cabeça grisalha:
“Meu bom amigo, pelos caminhos que trilhei”, disse ele
“Seguia-me hoje
Um jovem que terá que passar por aqui.
O abismo não foi difícil para mim
Mas para aquele jovem pode ser uma armadilha;
Ele também terá que cruzá-lo na penumbra.
Meu bom amigo, é para ele que estou construindo esta ponte.” 1

A mensagem do poema fez-me pensar e consolou minha alma, porque nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo foi o supremo arquiteto e construtor de pontes para todos nós e para toda a humanidade. Ele construiu pontes que teremos de cruzar se quisermos chegar a nosso lar celestial.

A missão do Salvador tinha sido predita. Mateus relata: “E dará à luz um filho e chamarás o seu nome Jesus; porque ele salvará o seu povo dos seus pecados”. 2

Seguiu-se o milagre de Seu nascimento e a reunião dos pastores que correram para aquele estábulo para ver a mãe com o filho. Até os Sábios que viajaram do Oriente seguiram a estrela e colocaram seus preciosos presentes diante do menino.

As escrituras relatam que Jesus “crescia, e se fortalecia em espírito, cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre ele”, 3 e que Ele “andou fazendo bem”. 4

Que pontes pessoais Ele construiu e cruzou aqui na mortalidade, mostrando-nos o caminho a ser seguido? Ele sabia que a mortalidade estaria cheia de perigos e dificuldades. Ele declarou: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve”. 5

Jesus construiu a Ponte da Obediência. Ele foi um exemplo perfeito de obediência pessoal ao guardar os mandamentos de Seu Pai.

Quando foi conduzido pelo Espírito ao deserto para ser tentado por Satanás, estava fraco e jejuava. Satanás fez o melhor que pôde para seduzi-Lo com suas propostas. Sua primeira oferta foi satisfazer as necessidades físicas do Salvador, inclusive Sua fome. A isso o Salvador respondeu: “Está escrito: Nem só de pão viverá o homem, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus”. 6

Em seguida, Satanás ofereceu poder. O Salvador respondeu: “Também está escrito: Não tentarás o Senhor teu Deus”. 7

Por fim, ele ofereceu ao Salvador riqueza e glória terrenas. A resposta foi: “Vai-te, Satanás, porque está escrito: Ao Senhor teu Deus adorarás, e só a ele servirás”. 8

O Apóstolo Paulo foi inspirado pelo Senhor ao declarar para os nossos dias, bem como para os seus: “Não veio sobre vós tentação, senão humana; mas fiel é Deus, que não vos deixará tentar acima do que podeis, antes com a tentação dará também o escape, para que a possais suportar”. 9

Para que não nos enganemos, gostaria de citar um comentário de Ted Koppel, do programa ABC Nightline: “O que Moisés trouxe do Monte Sinai não foram as Dez Sugestões, mas, sim, os Dez Mandamentos!” 10

Percebemos um humor sutil no relato de uma conversa entre Mark Twain e um amigo. O amigo rico disse a Twain: “Antes de morrer, tenho a intenção de fazer uma peregrinação à Terra Santa. Subirei ao alto do Monte Sinai e lerei os Dez Mandamentos em voz alta”.

Twain respondeu: “Por que você não fica em casa e cumpre esses mandamentos?”

A segunda ponte que o Mestre nos deu para cruzarmos foi a Ponte do Serviço. Olhamos para o Salvador como nosso exemplo de serviço. Embora Ele tenha vindo à Terra como o Filho de Deus, serviu humildemente as pessoas a Seu redor. Ele veio do céu para viver na Terra como homem mortal e estabelecer o reino de Deus. Seu glorioso evangelho mudou o modo de pensar do mundo. Ele abençoou os enfermos, fez o aleijado andar, o cego ver, o surdo ouvir. Até devolveu a vida ao morto.

No capítulo 25 do livro de Mateus, o Salvador nos fala a respeito dos fiéis que estarão à Sua mão direita em Seu retorno triunfal:

“Então dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: Vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;

Porque tive fome, e destes-me de comer; Tive sede, e destes-me de beber; era estrangeiro, e hospedastes-me;

Estava nu, e vestistes-me; adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e fostes ver-me.

Então os justos lhe responderão, dizendo: Senhor, quando te vimos com fome, e te demos de comer? ou com sede, e te demos de beber?

E quando te vimos estrangeiro, e te hospedamos? ou nu, e te vestimos?

E quando te vimos enfermo, ou na prisão, e fomos ver-te?

E, respondendo o Rei, lhes dirá: Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”. 11

O Élder Richard L. Evans aconselhou, certa vez: “Não podemos fazer tudo para todos em toda parte, mas podemos fazer algo para alguém em algum lugar”. 12

Gostaria de relatar uma oportunidade de serviço que tive e que me veio de modo inesperado e incomum. Recebi um telefonema da neta de um velho amigo. Ela perguntou: “Lembra-se de Francis Brems, que foi seu professor na Escola Dominical?” Respondi que sim. Ela prosseguiu, dizendo: “Ele está hoje com 105 anos de idade. Mora numa pequena casa de repouso, mas reúne toda a família a cada domingo e lhes dá uma aula da Escola Dominical. No domingo passado, meu avô anunciou: ‘Meus queridos, vou morrer nesta semana. Poderiam, por favor, ligar para Tommy Monson e dizer-lhe isso? Ele saberá o que fazer’”.

Visitei o irmão Brems na noite seguinte. Não pude falar com ele, porque ele estava surdo. Não consegui escrever uma mensagem para que ele lesse, porque ele estava cego. O que eu poderia fazer? Foi-me dito que a família se comunicava com ele pegando o dedo de sua mão direita e traçando na palma da mão esquerda o nome da pessoa que o estava visitando e depois qualquer mensagem. Segui o procedimento. Tomando seu dedo e soletrei na palma de sua mão: T-O-M-M-Y M-O-N-S-O-N. O irmão Brems ficou entusiasmado e, tomando minhas mãos, colocou-as sobre sua cabeça. Eu sabia que ele desejava uma bênção do sacerdócio. O motorista que me levara à casa de saúde me ajudou e colocamos as mãos sobre a cabeça do irmão Brems e lhe demos a bênção que ele desejava receber. Depois, lágrimas escorreram-lhe dos olhos que já não enxergavam. Ele segurou-nos as mãos e lemos o movimento de seus lábios. Ele dizia: “Muito obrigado”.

Naquela semana, como o irmão Brems tinha predito, ele faleceu. Recebi o telefonema e então me reuni com a família, quando os preparativos para o funeral estavam sendo realizados. Quão grato sou por não ter-me demorado em prestar um serviço.

A ponte do serviço nos convida a cruzá-la freqüentemente.

Por fim, o Senhor nos deu a Ponte da Oração. Ele ordenou: “Ora sempre e derramarei meu Espírito sobre ti e grande será tua bênção”. 13

Compartilharei com vocês uma carta que recebi de uma mãe falando a respeito da oração. Ela escreveu:

“Às vezes me pergunto se estou fazendo alguma diferença na vida de meus filhos. Particularmente por estar criando meus filhos sozinha, trabalhando em dois empregos para sustentar a casa, às vezes volto para casa e encontro uma grande confusão, mas nunca deixo de ter esperança.

Meus filhos e eu estávamos assistindo a transmissão da conferência geral na televisão e você estava falando sobre oração. Meu filho disse: ‘Mãe, você já nos ensinou isso’. Eu disse: ‘O que você quer dizer?’ Ele respondeu: ‘Você nos ensinou a orar e nos mostrou como se faz isso, mas na outra noite, fui até seu quarto perguntar algo e a encontrei de joelhos, orando ao Pai Celestial. Se Ele é importante para você, então é importante para mim’”.

A carta terminava dizendo: “Creio que jamais saberemos o tipo de influência que teremos até que um filho nos observe fazendo o que tentamos ensinar a ele”.

Nenhum relato a respeito da oração me toca tão profundamente quanto a oração feita por Jesus no Jardim do Getsêmani. Creio que a descrição de Lucas é a melhor:

“Foi (…) para o Monte das Oliveiras; e também os seus discípulos o seguiram.

E quando chegou àquele lugar, disse-lhes: Orai, para que não entreis em tentação.

E apartou-se deles cerca de um tiro de pedra; e, pondo-se de joelhos, orava,

Dizendo: Pai, se queres, passa de mim este cálice; todavia não se faça a minha vontade, mas a tua.

E apareceu-lhe um anjo do céu, que o fortalecia.

E, posto em agonia, orava mais intensamente. E o seu suor tornou-se em grandes gotas de sangue, que corriam até ao chão”. 14

Mais tarde, veio a jornada até a cruz. Que sofrimento Ele suportou ao seguir por aquele doloroso caminho, carregando Sua própria cruz. Ouçam as palavras que Ele proferiu na cruz: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem”. 15

Por fim, Jesus declarou: “Está consumado. E, inclinando a cabeça, entregou o espírito”. 16

Esses eventos, juntamente com Sua gloriosa Ressurreição, completaram a construção da ponte final de nossa trilogia: a Ponte da Obediência, a Ponte do Serviço, a Ponte da Oração.

Jesus, o Construtor de Pontes, construiu uma ponte sobre aquele imenso abismo que chamamos de morte. “Porque, assim como todos morrem em Adão, assim também todos serão vivificados em Cristo”. 17 Ele fez por nós o que não poderíamos fazer por nós mesmos; portanto, a humanidade pode cruzar a ponte que Ele construiu, para alcançar a vida eterna.

Termino parafraseando o poema “O Construtor de Pontes”:

“Você cruzou o abismo, profundo e largo —
Por que construir uma ponte em meio à penumbra?”
“Seguia-me hoje
Uma imensa multidão que terá que passar por aqui.
O abismo não foi difícil para mim
Mas para aquela grande multidão ele pode ser uma armadilha.
Eles também terão que cruzá-lo na penumbra.
Meu bom amigo, é para eles que estou construindo esta ponte.”

Que tenhamos a sabedoria e a determinação de cruzar as pontes que o Salvador construiu para cada um de nós, é minha sincera oração, em nome de Jesus Cristo. Amém.

Exibir Referências

    Notas

  1.   1.

    James Dalton Morrison, ed. Masterpieces of Religious Verse (1948), p. 342.

  2.   2.

    Mateus 1:21.

  3.   3.

    Lucas 2:40.

  4.   4.

    Atos 10:38.

  5.   5.

    Mateus 11:28–30.

  6.   6.

    Mateus 4:4.

  7.   7.

    Mateus 4:7.

  8.   8.

    Mateus 4:10.

  9.   9.

    I Coríntios 10:13.

  10.   10.

    Discurso na Formatura da Universidade Duke, 10 de maio de 1987.

  11.   11.

    Mateus 25:34–40.

  12.   12.

    Richard Evans’ Quote Book (1971), p. 51.

  13.   13.

    D&C 19:38.

  14.   14.

    Lucas 22:39–44.

  15.   15.

    Lucas 23:34.

  16.   16.

    João 19:30.

  17.   17.

    I Coríntios 15:22.