Mensagem da Primeira Presidência

“Ele Ressuscitou” — Testemunho de um Profeta


Thomas S. Monson

“Ele Ressuscitou”

“O toque de clarim da cristandade”, declarou o Presidente Thomas S. Monson, é que Jesus de Nazaré ressuscitou dentre os mortos. A realidade da Ressurreição proporciona a todos a paz que ultrapassa o entendimento” (ver Filipenses 4:7).1

Nas declarações a seguir, o Presidente Monson presta seu testemunho e expressa sua gratidão pela Ressurreição do Salvador e declara que, graças ao fato de o Filho ter vencido a morte, todos os filhos do Pai que vierem ao mundo viverão novamente.

Vida Além da Mortalidade

“Creio que nenhum de nós pode conceber o pleno significado do que Cristo fez por nós no Getsêmani, mas agradeço todos os dias da minha vida por Seu sacrifício expiatório por nós.

No último momento, Ele poderia ter desistido. Mas não o fez. Ele desceu abaixo de todas as coisas para poder salvar todas as coisas. Ao fazer isso, Ele deu-nos vida além desta existência mortal. Ele resgatou-nos da Queda de Adão.

Das profundezas de minha alma, sou grato a Ele. Ele ensinou-nos a viver. Ele ensinou-nos a morrer. Ele garantiu nossa salvação.”2

Dissipar a Escuridão da Morte

“Em determinadas situações, como as de grande sofrimento e doença, a morte chega como um anjo de misericórdia. Mas na maior parte das vezes, pensamos nela como a inimiga da felicidade humana.

A escuridão da morte poderá ser sempre dissipada pela luz da verdade revelada. ‘Eu sou a ressurreição e a vida’, disse o Mestre. ‘Quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá. E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá.’

Essa certeza — de fato uma confirmação sagrada — da vida além-túmulo poderia bem trazer a paz prometida pelo Salvador quando Ele declarou a Seus discípulos: ‘Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize.’”3

Ele Não Está Aqui

“Nosso Salvador voltou a viver. O mais glorioso, reconfortante e consolador de todos os acontecimentos da história humana havia ocorrido: a vitória sobre a morte. A dor e a agonia do Getsêmani e do Calvário haviam sido removidas. A salvação da humanidade havia sido garantida. A Queda de Adão fora regenerada.

O sepulcro vazio daquela primeira manhã de Páscoa foi a resposta para a pergunta de Jó: ‘Morrendo o homem, porventura voltará a viver?’ A todos que me escutam declaro: Se um homem morrer, ele voltará a viver. Sabemos disso, porque temos a luz da verdade revelada.

Meus amados irmãos e irmãs, em nossos momentos de maior tristeza, podemos encontrar profunda paz nas palavras do anjo proferidas naquela primeira manhã de Páscoa: ‘Ele não está aqui, porque já ressuscitou’.”4

Todos Viveremos de Novo

“Rimos, choramos, trabalhamos, brincamos, amamos, vivemos. E depois morremos.

E continuaríamos mortos se não fosse por um Homem e Sua missão: Jesus de Nazaré.

De todo o coração e com todo o fervor de minha alma, ergo a voz em testemunho, como uma testemunha especial, e declaro que Deus, de fato, vive. Jesus é o Seu Filho, o Unigênito do Pai na carne. Ele é nosso Redentor, nosso Mediador junto ao Pai. Foi Ele que morreu na cruz para expiar nossos pecados. Tornou-Se as primícias da Ressurreição. Ele morreu para que todos possam viver de novo.5

Testemunho Pessoal

“Declaro meu testemunho pessoal de que a morte foi vencida, conquistada foi a tumba. Que as palavras santificadas por Aquele que as cumpriu se tornem um conhecimento real para todos. Lembrem-se delas. Acalentem-nas. Respeitem-nas. Ele Ressuscitou!6

Ensinar Usando Esta Mensagem

Depois de compartilhar as citações dos discursos do Presidente Monson, observe o testemunho que ele presta do verdadeiro significado da Páscoa. Você pode fazer as seguintes perguntas para os membros da família: “O que significa para você o fato de um profeta vivo ter prestado testemunho dessas verdades hoje em dia? Como você pode aplicá-las a sua vida?” Você pode também prestar seu testemunho.

Jovens

Eu O Verei de Novo

Meu pai fazia com que cada um de nós, seus filhos, nos sentíssemos especiais. Ele nos amava e nos perdoava com facilidade. Ele fazia o melhor que podia para certificar-se de que cada um de nós estivesse feliz e deixava claro que queria o melhor para nós. Eu o amava muito.

Quando eu estava na sexta série, meu pai morreu em um acidente de trânsito. Minha família e eu ficamos totalmente arrasados. Passou a existir um grande vazio em nossa família. Meu pai era aquele em quem nos apoiávamos, a quem procurávamos quando tínhamos problemas. Em vez de procurar ajuda, deixei a mágoa e a raiva permanecerem. Por fim, decidi que era culpa de Deus. Parei de ler as escrituras e de fazer orações. Eu só ia à Igreja porque minha mãe me obrigava. Tentei permanecer distante de meu Pai Celestial.

Então, fui pela primeira vez ao acampamento das Moças. Gostei de fazer novas amigas, mas ainda não lia as escrituras. Na última noite, tivemos uma reunião de testemunho. Senti algo que não sentia havia muito tempo: o Espírito. Admirei as moças que se levantaram e prestaram testemunho, mas continuei sentada por achar que não tinha testemunho. De repente, senti que tinha de me levantar. Abri a boca, sem saber o que ia dizer. Então, eu disse que estava contente por estar no acampamento das Moças. Depois, surpreendi-me dizendo que sabia que Jesus Cristo tinha morrido por mim e que meu Pai Celestial me amava e que a Igreja era verdadeira.

Senti uma paz extraordinária. Graças ao que aconteceu naquele dia, posso dizer que sei que verei meu pai novamente por causa da Expiação e da Ressurreição do Salvador.

Crianças

Ele Vive!

O Presidente Monson ensina que, graças ao fato de Jesus Cristo ter morrido e ressuscitado, todos viveremos de novo. Veja as gravuras abaixo. Escreva um número em cada quadrinho para mostrar a ordem em que aconteceu cada uma dessas coisas.

Porque Jesus Cristo vive, as famílias podem ser eternas. Faça um desenho de sua família no quadro abaixo.

Exibir Referências

    Notas

  1.   1.

    “Ele Ressuscitou”, A Liahona, abril de 2003, pp. 2–7.

  2.   2.

    “Ao Despedir-nos”, A Liahona, maio de 2011, p. 114.

  3.   3.

    “Agora É o Tempo”, A Liahona, janeiro de 2002, p. 68; ver também João 11:25–26; 14:27.

  4.   4.

    “Ele Ressuscitou”, A Liahona, maio de 2010, p. 87; ver também Jó 14:14; Mateus 28:6.

  5.   5.

    “Eu Sei Que Vive Meu Senhor” A Liahona, maio de 2007, p. 22.

  6.   6.

    A Liahona, abril de 2003, p. 2.