Tomar Decisões

Manual de Sacerdócio Aarônico 1, 1992


Objetivo

Cada rapaz deverá compreender que o ato de tomar decisões deve incluir esforço pessoal, conselho daqueles que são qualificados e a confirmação do Senhor.

Preparação

  1. 1.

    Materiais necessários:

    1. a.

      Obras-padrão para cada rapaz

    2. b.

      Papel e lápis para cada rapaz

  2. 2.

    Faça dois pacotes de tamanhos diferentes, um embrulhado com capricho e o outro de qualquer jeito. Coloque, dentro de cada um, um brinquedinho ou um doce.

Observação ao professor

Todos os dias tomamos decisões. Algumas de pouca conseqüência, mas muitas que determinam a direção de nossa vida e nosso grau de felicidade.

São muitos os planos e procedimentos que podem ser usados ao tomarmos decisões. Os apresentados nesta lição são básicos. Os jovens precisam compreender que é importante aprender a tomar decisões e envolver o Senhor nelas.

Sugestão para o desenvolvimento da lição

Introdução

Lição com uso de objetivo Mostre os dois pacotes previamente embrulhados. Peça a um dos rapazes que venha à frente e diga-lhe que é seu o conteúdo de qualquer um dos pacotes que escolher. Uma vez feita a escolha, pergunte quais foram as razões para tal.

Explique que tomar decisões é algo que precisamos fazer diariamente. É importante aprender a tomar decisões corretas.

Perguntas para meditar

Peça aos rapazes que examinem as seguintes questões.

• Por que razão não tomar uma decisão é uma forma de tomar uma decisão?

• Onde podemos conseguir ajuda para tomar decisões?

• Como podemos saber com antecedência se a decisão é correta?

Tomar Decisões Requer Esforço Pessoal

Escritura e debate

Explique que, durante a tradução do Livro de Mórmon, e Oliver Cowdery desejava ajudar a traduzir. Ele tentou, mas falhou.

• Por que razão ele não conseguiu traduzir?

Peça aos rapazes que leiam Doutrina e Convênios 9:7-9, para saberem a resposta.

• Aparentemente, o que havia feito Oliver Cowdery para receber ajuda do Senhor? (De acordo com o versículo 7 , ele simplesmente pediu a sua ajuda.)

• De acordo com o Senhor, o que deveria ele ter feito? (Devia ter estudado a tradução em sua mente e depois perguntado se era correta.)

• O que podemos aprender sobre tomar decisões, por meio dessa experiência? (Devemos estudar as alternativas, tomar a decisão, depois orar e perguntar se a decisão é correta.)

• Por que razão o Senhor deseja que nos esforcemos para tomar nossas decisões, ao invés de tão somente perguntar-lhe o que devemos fazer? (Porque ele quer que aprendamos a pensar e aprender por nós mesmos.)

Quadro-negro Escreva o seguinte no quadro-negro:

TOMAR DECISÕES É necessário esforço pessoal O irmão de Jared toma uma decisão

História das escrituras

Diga que o Senhor ensinou o irmão de Jared a construir oito barcos para levar seu povo através do oceano, mas não explicou como iluminá-los por dentro. Peça a um dos rapazes que leia Éter 2:22.

• Como foi que o Senhor respondeu?

Leia Éter 2:23.

Peça aos rapazes que expliquem qual foi a resposta do Senhor, em suas próprias palavras. Ajude-os a compreenderem que ele colocou a responsabilidade diretamente sobre os ombros do irmão de Jared, que deveria decidir como iluminar os barcos. O Senhor desejava que ele próprio apresentasse uma possível solução.

Para descobrir o que fez o irmão de Jared, peça a um dos rapazes que leia Éter 3:1-4.

Peça a um ou dois rapazes que contem em suas próprias palavras o que fez o irmão de Jared.

Estudo de caso Dê um pedaço de papel a cada um dos rapazes. Peça-lhes que dividam o papel no meio, desenhando uma linha, e que depois escrevam a palavra PRÓ em cima, do lado direito, e a palavra CONTRA na esquerda. Explique que, ao tomarmos qualquer decisão, devemos examinar os “prós” – razão para fazermos algo – e os “contras” –razão para não fazermos algo.

Considere o seguinte estudo de caso.

Gilberto tem quinze anos e está se saindo razoavelmente bem na escola; demonstra interesse pelos esportes, tanto como participante quanto como espectador. Ele tem dois empregos de meio expediente em vista, mas só pode escolher um. O primeiro requer que trabalhe de duas a três horas depois das aulas. O outro requer que trabalhe na sexta-feira e no sábado, das seis à meia-noite. Se vocês fossem Gilberto, poderiam usar uma folha de decisão para cada emprego e escrever nelas todos os “prós” e “contras” que lhes vierem à cabeça. Divida a classe em duas. Um grupo deverá examinar o primeiro emprego, escrevendo os “prós” e os “contras”. O outro considerará o outro emprego, com seus “prós” e “contras”. Conceda aproximadamente cinco minutos para este exercício, depois debata as seguintes questões:

• Podemos preencher com eficiência uma folha de decisão por outra pessoa? Por quê?

• Quais são alguns dos “prós” e “contras” de se trabalhar depois das aulas, que poderão ser levados em consideração por Gilberto?

• Quais são alguns dos “prós” e “contras” de se trabalhar nos fins de semana, a serem levados em consideração pelo rapaz?

• Se Gilberto tivesse que trabalhar no domingo e pudesse preencher uma folha de decisão, que fator deveria levar em consideração? (Santificar o Dia do Senhor.)

• Como pode a folha de decisão nos ajudar? (Podemos ver à nossa frente os “prós” e “contras”.)

É Sábio Procurar o Conselho Daqueles que São Qualificados

Estudo de caso

Apresente o seguinte estudo de caso aos rapazes:

Desde pequeno, Chiquinho havia sido encorajado a fazer missão. Agora que terminara o segundo grau e tinha um bom emprego, ele já não estava certo de querer fazer missão. Parecia levar tanto tempo! Certamente iria sentir muita falta da família e dos amigos. Quando o bispo lhe perguntou se desejava ir, Chiquinho pediu alguns dias para tomar uma decisão. Foi para casa e pensou no problema. Conversou com a namorada e com os amigos, no trabalho. A namorada disse que, se ele fosse, ela não garantia que estaria a sua espera quando ele voltasse. Os amigos acharam que ele era louco só em pensar em gastar tanto dinheiro, ao invés de ganhá-lo. O patrão lhe disse que não garantia o emprego até a sua volta. No dia seguinte, o rapaz disse ao bispo que havia decidido não ir.

• As pessoas a quem Chiquinho pediu ajuda estavam qualificadas para auxiliá-lo a tomar uma decisão? (Elas provavelmente estavam tentando resolver o problema de maneira egoísta – pensando nas conseqüências da decisão do rapaz para elas pessoalmente.)

• Quais as outras pessoas a quem Chiquinho deveria ter recorrido? (Seus pais, o bispo, parentes, o Pai Celestial.)

Agora conclua a história.

Depois de continuar no emprego mais alguns meses, Chiquinho sentiu-se irrequieto e infeliz. A convite de alguns novos amigos, começou a ir à igreja com maior freqüência. Teve várias conversas com o bispo e começou a ler regularmente o Livro de Mórmon pela primeira vez na vida. Orou com mais fervor e passou várias noites conversando com os pais sobre a obra missionária. Gradualmente, sentiu o desejo de servir uma missão, e acabou telefonando para o bispo e perguntando: “É muito tarde para que eu seja um missionário?”

• Quais foram as coisas acertadas que Chiquinho fez, antes de tomar uma decisão? (Consultou o bispo, leu as escrituras, orou, conversou com os pais.)

Escreva no quadro-negro: Consulte outras pessoas qualificadas.

Devemos Envolver o Senhor nas Nossas Decisões

Revisão no no quadro-negro Adicione o seguinte ao quadro-negro: Devemos envolver o Senhor em nossas decisões.

Escrituras e debate

Explique que, às vezes, o Senhor pode nos dizer especificamente o que fazer.

Peça aos rapazes que leiam e debatam Éter 2:19-20.

Relembre que outras vezes o Senhor espera que tomemos nossas próprias decisões, como já foi debatido na lição (ver também D&C 58:26-27.)

Uma vez que tenhamos estudado o problema e decidido o que é melhor, como podemos envolver o Senhor na nossa decisão? (Depois de termos feito a escolha, aproximamo-nos do Senhor em oração e perguntamos-lhe se a decisão foi correta. Se for, o Espírito Santo confirmará, dando-nos um sentimento de paz e certeza.)

Leia Doutrina e Convênios 6:22-23 e Doutrina e Convênios 9:8.

Explique que, se por alguma razão não escolhemos o que é certo, o Senhor nos promete que revelará o erro de nossa decisão, deixando-nos com um sentimento desconfortável ou de dúvida séria. As escrituras fazem referência a isto, chamando-o de “estupor de pensamento”. Sempre que ocorre, devemos começar de novo o processo de tomar decisões.

Leia Doutrina e Convênios 9:9.

Citaçõese debate

• O que devemos fazer, caso achemos que estamos fazendo tudo o que devemos a fim de tomar uma decisão acertada, e não recebamos uma impressão definida a respeito?

O Presidente Marion G. Romney disse: “Tenho tido problemas que pareciam impossíveis de serem resolvidos, e sofri enfrentando-os, até que parecia não poder continuar, se não encontrasse uma solução para eles. Depois de orar, e , muitas vezes, de jejuar uma vez por semana, durante longos períodos, recebi respostas, reveladas à minha mente. (Look to God and Live: Discourses of Marion G.Romney, comp. George Romney [Salt Lake Cityu, Deseret Book Co., 1971] p. 45).

• E se fizermos tudo o que o Presidente Romney sugere e mesmo assim não recebermos confirmação?

“Às vezes, precisamos jejuar, estudar e orar, para resolvermos problemas sérios. Ocasionalmente, mesmo depois de estudar, orar e jejuar, tomar a decisão e agir de acordo, não recebemos uma confirmação. Em tais casos, devemos simplesmente seguir nosso melhor julgamento, tendo fé, com paciência, de que algum dia a confirmação chegará. Devemos sempre lembrar-nos de que Deus responde as nossas orações, quando, segundo seu julgamento, é melhor para nós.” (Deveres e Bênçãos do Sacerdócio, Parte B, p. 190.)

Conclusão

Apresentação

Explique que somos filhos do Pai Celestial e que ele nos enviou à terra para que passemos por experiências que nos ajudem a progredir. Para podermos tomar boas decisões, devemos ser dignos do companheirismo do Espírito Santo e ter fé em Jesus Cristo. Também devemos ter fé em nós mesmos ao tomarmos nossas decisões. Para tanto, é necessário coragem e boa-vontade.

Examine rapidamente as três declarações que estão no quadro-negro.

Talvez você deseje partilhar uma experiência que teve, na qual envolveu o Senhor ao tomar uma decisão.

Desafio

Desafie os jovens a escolherem pelo menos uma decisão que precisam tomar durante a semana entrante, e que apliquem as idéias ensinadas na lição. Incentive-os a usarem a folha de decisão, a fazerem um esforço pessoal, a consultarem pessoas qualificadas e a pedirem a ajuda e confirmação do Senhor.