“Ouve Minhas Palavras”

O Livro de Mórmon: Manual do Professor de Doutrina do Evangelho, 1999


Objetivo

Ensinar aos alunos o conselho que Alma nos deu para que permaneçamos fiéis no evangelho; ajudar os pais a ensinar e orientar tanto os filhos obedientes como os desobedientes.

Preparação

  1. 1.

    Leia e pondere as escrituras a seguir e ore a respeito delas:

    1. a.

      Alma 36–37. Alma conta novamente a história de sua conversão e presta testemunho a seu filho Helamã. Orienta Helamã a preservar os registros sagrados.

    2. b.

      Alma 38. Alma elogia seu filho Siblon por sua fidelidade e incentiva-o a continuar na retidão e perseverar até o fim.

    3. c.

      Alma 39. Alma censura seu filho Coriânton por seus atos imorais e adverte-o das conseqüências de tal pecado.

  2. 2.

    Se a gravura As Placas de Ouro estiver à disposição, prepare-se para usá-la na aula. (Pacote de Gravuras do Evangelho 406)

Sugestões para a Apresentação da Lição

Atividade Motivadora

Se for adequado, use a atividade a seguir ou uma de sua própria escolha para dar início à aula.

Pergunte aos alunos:

• Qual é o melhor conselho que seus pais já lhes deram? Por que esse conselho foi tão valioso?

Dê tempo para os alunos pensarem e, em seguida, peça que digam suas respostas.

Explique-lhes que nos capítulos estudados nesta lição encontramos os conselhos de Alma a seus filhos Helamã, Siblon e Coriânton. Esses conselhos aplicam-se também a nós.

Discussão e Aplicação das Escrituras

Em espírito de oração, escolha as passagens das escrituras, as perguntas e outros tópicos da lição que melhor venham a atender às necessidades dos alunos. Discuta como as escrituras selecionadas podem aplicar-se à vida prática e incentive os alunos a relatar experiências relacionadas com os princípios contidos nas escrituras.

1. Alma presta seu testemunho e entrega os registros a seu filho Helamã.

Discuta Alma 36–37. Peça aos alunos que leiam alguns versículos em voz alta.

• Alma 36 contém o testemunho que Alma prestou a seu filho Helamã. (Ver principalmente os versículos 3–5 e 26–28.) Por que é importante que os filhos ouçam o testemunho de seus pais? De que forma o testemunho de seus pais influenciou sua vida?

• Como parte de seu testemunho, Alma narrou a Helamã sua conversão. (Alma 36:6–24; ver também Alma 38:7–9, onde Alma fala a seu filho Siblon de sua conversão e a lição 20, que discorre em maiores detalhes sobre a conversão de Alma.) Na sua opinião, por que Alma contou a história de sua conversão para seus filhos? Como vocês já se beneficiaram ao ouvir a história de conversão de outras pessoas?

• Em vários momentos, Alma incentivou Helamã a seguir seu exemplo. (Estude com os alunos algumas das frases da lista abaixo que mostram os conselhos de Alma a Helamã.) Por que é importante que os pais dêem um exemplo de retidão aos filhos?

  1. a.

    “Quisera que fizesses como eu fiz.” (Alma 36:2)

  2. b.

    “Peço-te, portanto, que ouças minhas palavras e aprendas de mim.” (Alma 36:3)

  3. c.

    “Tu também deves guardar na lembrança o seu cativeiro, como eu o fiz.” (Alma 36:29)

  4. d.

    “Deves saber, assim como eu sei.” (Alma 36:30)

• Se for utilizar a gravura das placas de ouro, mostre-a agora. Como Alma realçou para Helamã a importância da manutenção de registros? (Ver Alma 37:1–2, 6–12.) De que forma manter os registros era uma coisa “[pequena] e [simples]” por meio da qual grandes coisas poderiam ser realizadas? (Alma 37:6–7) Que grandes coisas as escrituras nos farão se as estudarmos diligentemente? (Ver Alma 37:8–10.)

• O que Alma disse que Helamã deveria ensinar ao povo? (Ver Alma 37:32–34.) Como os pais, professores e outros adultos podem ajudar os jovens de hoje a “[aprender] sabedoria em [sua] mocidade”? (Alma 37:35)

• Peça a um aluno que leia Alma 37:36–37 em voz alta. De que maneira sua vida já foi afetada quando vocês procuraram seguir esse conselho? Como podemos seguir melhor esse conselho?

• De que forma Alma comparou a palavra de Deus à Liahona? (Ver Alma 37:38–45.) O que devemos fazer para que a palavra de Deus se torne uma Liahona para cada um de nós?

• Alma aconselhou Helamã: “Não sejamos negligentes por ser fácil o caminho”. (Alma 37:46; ver também Números 21:5–9; 1 Néfi 17:41.) Em que aspecto o caminho da vida eterna é fácil? Por que o fato de o caminho ser fácil é uma pedra de tropeço para algumas pessoas? Como podemos voltar-nos completamente para a fé simples e salvadora em Cristo? Como podemos “confiar em Deus para que [vivamos]”? (Alma 37:47)

2. Alma elogia e incentiva seu filho Siblon.

Leia e discuta alguns versículos de Alma 38. Ressalte que Alma também prestou testemunho a seu filho Siblon e narrou-lhe sua conversão. (Alma 38:6–9)

• Que qualidades de Siblon davam grande alegria a seu pai? (Ver Alma 38:2–4.) Por que é importante que os pais elogiem seus filhos por suas qualidades e dignidade?

• Peça a um aluno que leia Alma 38:5 em voz alta. Como depositar sua confiança em Deus já os ajudou em momentos de tribulações ou aflições?

• Embora Siblon fosse fiel, Alma terminou suas palavras a seu filho com uma advertência. (Alma 38:10–15) Por que é importante que mesmo os justos recebam conselhos e advertências? Como podemos aprender a receber esses conselhos e admoestações com humildade?

• Alma aconselhou Siblon a continuar a ensinar a palavra de Deus, sendo “diligente e moderado”, usando de ousadia, mas não de despotismo”. (Alma 38:10, 12) Como podemos seguir esse conselho ao falarmos de nossas crenças para as outras pessoas?

• Alma advertiu Siblon para que não se vangloriasse de sua própria sabedoria e força. (Alma 38:11) Como o orgulho de nossa própria sabedoria e força pode induzir-nos a pecados ainda maiores? Como podemos superar esse orgulho? (Ver Alma 38:13–14. Podemos “[reconhecer] a [nossa] indignidade perante Deus em todos os momentos”.)

• Alma aconselhou Siblon a dominar “todas as [suas] paixões”. (Alma 38:12) O que significa dominar nossas paixões? Por que devemos dominar nossas paixões para que “[nos enchamos] de amor”?

3. Alma chama seu filho Coriânton ao arrependimento.

Leia e discuta alguns versículos de Alma 39. Ressalte que os conselhos de Alma a seu filho Coriânton foram bem diferentes dos que dera aos outros filhos. Helamã e Siblon estavam vivendo em retidão, mas Coriânton cometera pecados graves.

• Que pecados Coriânton havia cometido? (Ver Alma 39:2–3.) Por que a imoralidade sexual é um pecado tão sério?

O Élder Boyd K. Packer ensinou:

“Foi concedido a nosso corpo, e trata-se de algo sagrado, um poder de criação, uma luz, por assim dizer, que tem o poder de acender outras. Esse dom foi criado para ser usado apenas nos laços sagrados do matrimônio. Com o uso desse poder de procriação, pode-se conceber um corpo mortal, um espírito pode entrar nele e uma nova alma nascer nesta vida.

Esse poder é bom. Pode criar e manter a vida familiar e é na vida familiar que encontramos a fonte da felicidade. (…)

O poder da criação — ou o chamemos de procriação — não é apenas parte acidental do plano: é-lhe essencial. Sem ele, o plano não iria avante. Por outro lado, o mau uso desse poder pode frustrar o plano.

Grande parte da felicidade que vocês sentirão nesta vida dependerá de como utilizarem esse poder sagrado da criação. (…) Se [Satanás] i ncitá-los a usarem esse poder prematuramente, ou usá-lo cedo demais ou utilizá-lo mal de uma forma ou de outra, vocês poderão acabar perdendo suas oportunidades de progresso eterno. (…)

Protejam e preservem seu dom. Sua própria felicidade está em jogo. A vida familiar eterna (…) pode ser alcançada porque nosso Pai Celestial lhes concedeu o dom mais precioso de todos: esse poder da criação. Ele é a própria chave da felicidade.” (Conference Report, abril de 1972, pp. 136–139; Ensign, julho de 1972, pp. 111–113)

• Por que Alma sentiu a necessidade de falar sobre o pecado de Coriânton com ele? (Ver Alma 39:7–8, 12–13.) O que os pais aprendem com Alma sobre aconselhar os filhos que cometeram erros ou pecados? (Algumas possíveis respostas estão abaixo.)

  1. a.

    Alma lembrou a Coriânton o que o levara ao pecado. (Alma 39:2–4)

  2. b.

    Ele explicou as conseqüências do pecado de Coriânton. (Alma 39:7–9, 11)

  3. c.

    Ele ensinou a Coriânton como poderia arrepender-se e evitar o pecado no futuro. (Alma 39:9–14)

  4. d.

    Ele ensinou a Coriânton sobre o amor e o perdão de Deus. (Alma 39:15–19)

• Que ações ou atitudes de Coriânton o induziram ao pecado? (Ver Alma 39:2–3.) O que podemos fazer para fortalecer-nos contra as investidas de Satanás para que quebremos a lei da castidade? (Ver Alma 39:4, 13; D&C 121:45.)

• Que efeitos os pecados de Coriânton tiveram sobre outras pessoas? (Ver Alma 39:11, 13.) Na sua opinião, por que as atitudes de Coriânton tiveram mais influência sobre os zoramitas do que as palavras de Alma? Por que é importante que os membros da Igreja dêem um bom exemplo? (Peça aos alunos que pensem silenciosamente sobre como suas ações podem influenciar a opinião de outras pessoas sobre a Igreja.)

• Que conselho Alma deu a Coriânton sobre como poderia arrepender-se de seu pecado e evitar tais pecados no futuro? (Ver Alma 39:9–14. Escreva as respostas dos alunos no quadro-negro. Há algumas possíveis respostas abaixo, com perguntas para estimular a discussão e a participação dos alunos.)

  1. a.

    “Não mais [sucumbas] à concupiscência dos teus olhos.” (Alma 39:9) Como as coisas que decidimos olhar ou às quais voltamos nossa atenção influenciam nossa determinação de permanecermos moralmente puros?

  2. b.

    “Ordeno-te que te aconselhes com teus irmãos mais velhos.” (Alma 39:10) Como podemos fortalecer nossa capacidade de resistir à tentação se nos aconselharmos com familiares e amigos dignos?

  3. c.

    “Não te deixes levar por coisas vãs ou insensatas.” (Alma 39:11) Quais são algumas das coisas vãs ou insensatas que Satanás usa na tentativa de desviar-nos?

  4. d.

    “[Volta-te] para o Senhor com toda a tua mente, poder e força.” (Alma 39:13) Como podemos voltar-nos para o Senhor em busca de ajuda quando nos deparamos com tentações?

  5. e.

    “Reconhece as tuas faltas e o mal que praticaste.” (Alma 39:13) Por que reconhecer nossos atos errados é parte essencial do arrependimento?

  6. f.

    “Não busques as riquezas nem as coisas vãs deste mundo.” (Ver Alma 39:14.) Como a busca de riquezas e das “coisas vãs deste mundo” pode tentar-nos a pecar?

• O que Alma ensinou a Coriânton sobre Cristo? (Ver Alma 39:15–19. Escreva as respostas dos alunos no quadro-negro.) Como o entendimento dessas coisas nos ajuda quando somos tentados a pecar?

Conclusão

Ressalte que Alma ensinou a Coriânton como ele poderia arrepender-se e voltar à retidão e também aconselhou Helamã e Siblon e indicou-lhes como poderiam permanecer fiéis. Incentive os alunos a aplicar o conselho de Alma em sua vida. Incentive os alunos que sejam pais a seguir o exemplo de Alma ao ensinar e orientar seus filhos.

Conforme a orientação do Espírito, preste testemunho das verdades ensinadas na aula.

Outras Sugestões Didáticas

Sugere-se o seguinte material para complementar a lição. Você pode utilizálo como parte da aula.

1. Aconselhar os filhos individualmente.

Peça a um aluno que leia Alma 35:16 em voz alta.

• O que podemos aprender nesse versículo sobre ensinar filhos com personalidades, desafios e necessidades diferentes? (Ressalte que Alma falou a cada filho “separadamente”. Ele não se reuniu para conversar com todos os filhos de uma vez nem transmitiu a todos a mesma mensagem; falou a cada filho a sós e disse especificamente o que cada um precisava ouvir.) Qual pode ser a utilidade de ensinar com regularidade os filhos individualmente?

2. A responsabilidade dos pais pelos filhos

• Que responsabilidades os pais têm na criação dos filhos? (Ver Mosias 4:14–15; D&C 68:25–28.)

Peça aos alunos que identifiquem nas escrituras pais dignos que tinham tanto filhos justos como rebeldes. Algumas das possíveis respostas são:

  • Adão e Eva (Abel e Caim)

  • Isaque e Rebeca (Jacó e Esaú)

  • Leí e Saria (Néfi, Sam, Jacó, José, Lamã e Lemuel)

  • Alma, o filho (Helamã, Siblon e Coriânton)

Saliente que até mesmo os pais dignos podem viver a provação de ter filhos iníquos. Ressalte também que os pais têm a obrigação de ensinar o evangelho aos filhos e incentivá-los a viver os princípios do evangelho, mas devem também respeitar seu livre-arbítrio. Os pais não podem forçar os filhos a viver em retidão.

3. “Tão grande crime” (Alma 39:7)

Ressalte o que Alma ensinou sobre a lei da castidade. Certifique-se de que os alunos compreendam o que vem a ser a lei da castidade, qual é a sua importância e como eles podem permanecer firmes na observância desse mandamento. Ao ensinar os jovens sobre a lei da castidade, use a publicação Para o Vigor da Juventude (34285 059). Verifique com o bispo a possibilidade de conseguir exemplares desse livreto para os alunos que ainda não dispuserem do seu.

A seguinte declaração do Presidente Gordon B. Hinckley também pode ser útil:

“Vocês vivem em um mundo de terríveis tentações. A pornografia, com sua imundície ignóbil, varre a Terra como uma horrível maré que a tudo absorve. Ela é venenosa. Não leiam esse tipo de coisas, nem assistam a elas, pois os destruirá se o fizerem. (…) Mantenham distância dela. Fujam dela como fugiriam de uma doença pestilenta, pois é igualmente mortal. Sejam virtuosos em pensamentos e atos. Deus plantou em vocês, para um determinado propósito, um impulso divino que pode ser facilmente subvertido para fins malignos e destrutivos. Enquanto jovens, não se envolvam em namoro firme. Quando atingirem a idade na qual se pensa em casamento, então é época de envolver-se seriamente. Mas vocês, rapazes que estão no 2º grau, não precisam disto, e tampouco as moças.” (A Liahona, janeiro de 1998, p. 63)