“A Coligação de Meu Povo”

Doutrina e Convênios e História da Igreja: Manual do Professor de Doutrina do Evangelho, 2000


Objetivo

Ajudar os alunos a compreenderem como a Israel dos últimos dias foi coligada nos primeiros anos da Igreja, como está sendo coligada atualmente e como podemos participar da coligação.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude as seguintes escrituras e outros materiais:

    1. a.

      Doutrina e Convênios 29:1–8; 33:3–7; 37; 38:24–41; 52:2–5, 42–43; 57:1–3; 110:11; Regras de Fé 1:10 e as demais escrituras mencionadas na lição.

    2. b.

      Nosso Legado, pp. 16–23, 37–39.

  2. 2.

    Estude o material do Guia de Estudo do Aluno (35686 059) referente a esta lição. Prepare-se para utilizá-lo durante a aula.

  3. 3.

    Peça a alguns alunos que se preparem para resumir estas histórias de Nosso Legado:

    1. a.

      O sacrifício de Newel Knight e Joseph Knight Sr. para ir para Kirtland. (Página 18)

    2. b.

      O êxodo dos membros da Igreja que saíram de Fayette liderados por Lucy Mack Smith. (Página 19)

    3. c.

      Os sacrifícios que Brigham Young fez para ir a Kirtland. (Página 23)

    4. d.

      A jornada dos membros da Igreja que saíram de Collesvile e foram para o Missouri e como estabeleceram-se ali. (Páginas 37–39)

  4. 4.

    Caso pretenda utilizar a atividade motivadora, leve vários palitos para a sala de aula.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Atividade Motivadora

Considere o que seja mais adequado e utilize esta atividade ou outra de sua preferência para iniciar a aula.

Espalhe vários palitinhos pela sala. Mostre como é fácil quebrar um palito. Depois, peça aos alunos que juntem todos os palitos e peça a alguém que tente quebrar todos os palitos juntos.

• O que essa atividade nos ensina com respeito ao objetivo do Senhor em coligar o Seu povo?

Diga que o tema desta lição é a coligação de Israel e o nosso papel nesse acontecimento.

Discussão e Aplicação

Em espírito de oração, escolha as partes da lição mais adequadas às necessidades dos alunos. Discuta como as escrituras se aplicam à vida diária. Incentive-os a contarem experiências relacionadas aos princípios das escrituras.

1. O Senhor está coligando o Seu povo.

Diga que a coligação de Israel é um tema proeminente em Doutrina e Convênios. Antigamente, quando as doze tribos de Israel entraram em apostasia, foram levadas em cativeiro pelos inimigos e espalhadas entre as nações da Terra, exatamente como o Senhor avisara que aconteceria. Apesar de os profetas haverem-se entristecido com a iniqüidade do povo, alegraram-se quando previram a época em que, nos últimos dias, Israel tornaria a ser coligada. (Ver Guia para Estudo das Escrituras: “A Coligação de Israel”.) Esse importante processo começou com a restauração do evangelho e com o chamado de missionários para “[anunciar] boas-novas de grande alegria a esta geração”. (D&C 31:3)

O Profeta Joseph Smith disse: “Tudo quanto foi escrito pelos profetas, desde os dias do justo Abel, até o último homem que deixou um testemunho escrito para nossas considerações sobre a salvação de Israel nos últimos dias, procura mostrar que essa salvação consiste na obra da [coligação]”. (Ensinamentos do Profeta Joseph Smith, Joseph Fielding Smith (org.), 1975, pp. 81–82.)

• Leia a décima regra de fé e D&C 45:71 com os alunos. O que é a coligação de Israel? (Diga que o significado da coligação de Israel é tanto espiritual como físico, como esquematizado abaixo.)

  1. a.

    Coligação espiritual. A coligação espiritual de Israel acontece à medida que as pessoas aprendem o evangelho, achegam-se a Cristo, são batizadas na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias e guardam os convênios que fizerem. Dessa maneira elas são tiradas do mundo e coligadas na Igreja, ou no reino de Deus na Terra.

  2. b.

    Coligação física. A coligação física de Israel acontece à medida que os membros da Igreja reúnem-se em um determinado lugar ou nas estacas de Sião em todo o mundo.

• Leia D&C 29:1–2, 7–8 com os alunos. O que esses versículos ensinam quanto ao objetivo da coligação? Como a coligação na Igreja do Senhor os abençoou?

• Diga que a autoridade para dirigir a coligação de Israel é concedida por intermédio de chaves específicas do sacerdócio. Quando as chaves da coligação de Israel foram restauradas na Terra? (Ver D&C 110:11 e o cabeçalho da seção.)

• Diga que nesta dispensação, a coligação começou em Nova York, com algumas pessoas. Atualmente ela se está espalhando por toda a Terra, trazendo milhares de pessoas todos os anos para a Igreja do Senhor. Quais são as nossas responsabilidades no que se refere a ajudar a coligar as pessoas na Igreja do Senhor? (Ver D&C 33:7; 38:40; 39:11; 88:81.)

2. Os membros coligam-se em Ohio.

Em dezembro de 1830, somente oito meses depois da organização da Igreja, pela primeira vez nesta dispensação, o Senhor ordenou que os membros da Igreja se coligassem fisicamente. Ele revelou a Joseph Smith que os membros da Igreja deveriam sair de Nova York e reunir-se em Ohio. (D&C 37:3) Sugere-se que você utilize os mapas 1 e 3 nas páginas 274 e 276 deste manual e nas páginas 29 e 31 do Guia de Estudo do Aluno.

• Por que o Senhor ordenou que o Seu povo fosse para Ohio? (Ver D&C 38:31–32; 39:15) De que forma os membros da Igreja foram “investidos de poder do alto” depois que se reuniram em Ohio? (Ver D&C 95:8; 105:33; 110:9. Os membros da Igreja foram investidos desse poder, em parte, por intermédio das aparições do Salvador e da restauração das chaves do sacerdócio, após a construção do Templo de Kirtland.)

• Leia D&C 38:24–27 com os alunos. Que conselho o Senhor deu nesses versículos quando o Seu povo se preparava para reunir-se em Ohio? (Algumas das respostas possíveis são: que fossem virtuosos, amáveis uns com os outros e unidos.) Por que a união é importante na Igreja? Falem das bênçãos que receberam devido ao sentimento de união com outros membros da Igreja. O que podemos fazer para ser mais unidos?

• Leia D&C 38:34–39 com os alunos. Que conselho o Senhor deu nesses versículos ao Seu povo, que se preparava para reunir-se em Ohio? Como esse conselho se aplica a nós? O que o Senhor prometeu a quem atendesse ao mandamento de que se reunissem? (Ver D&C 38:39.)

Diga que entre janeiro e maio de 1831, a maioria dos membros da Igreja em Nova York vendeu, alugou ou abandonou as fazendas que tinham e viajaram 483 quilômetros até Ohio. Muitos fizeram um sacrifício imenso para obedecer à ordem do Senhor. Peça aos alunos designados que resumam a história desse sacrifício, conforme se encontra em Nosso Legado. (Esses são os três resumos relacionados no item 3 da seção “Preparação”.)

• Em sua opinião, por que esses membros da Igreja estavam dispostos a passar por dificuldades financeiras e de outros tipos para obedecer à ordem do Senhor de que se coligassem em Ohio? O que aprendemos com o exemplo deles? Que sacrifícios o Senhor pede que façamos para ajudar a edificar o Seu reino?

3. Os santos coligam-se no Missouri.

Os primeiros membros da Igreja haviam lido as profecias relativas à cidade de Sião, ou à Nova Jerusalém, que seria estabelecida nos últimos dias. (Isaías 2:2–3; 3 Néfi 20:22; 21:22–28; Éter 13:2–12; Moisés 7:61–62) Uma das principais metas dos membros da Igreja era encontrar o lugar para essa cidade e fundá-la.

Poucos meses depois de os membros da Igreja haverem começado a reunirem-se em Ohio, Joseph Smith foi ao Missouri e recebeu uma revelação que designava esse lugar para a construção da cidade de Sião. (D&C 57:1–3) Com essa revelação, o Missouri passou a ser mais um local de coligação da Igreja nesta dispensação. (D&C 63:24, 36–48) De 1831 a 1838, a Igreja centralizou-se em Ohio e no Missouri. Sugere-se que você utilize os mapas 2 e 3 nas páginas 274 e 276 deste manual, e 30 e 31 no Guia de Estudo do Aluno.

A seguinte cronologia resume as primeiras revelações quanto à terra de Sião e ao estabelecimento da Igreja no Missouri. Examine a cronologia com os alunos, utilizando o quadro-negro quando necessário.

  1. a.

    Setembro de 1830 (Nova York): O Senhor revelou que a cidade de Sião seria construída “nas fronteiras, [próxima] aos lamanitas” e que a localização exata seria dada posteriormente. (D&C 28:9)

  2. b.

    Setembro e outubro de 1830 (Nova York): O Senhor chamou quatro missionários para pregarem o evangelho aos lamanitas. (D&C 30:5–6; 32:1–3) Eles foram os primeiros membros da Igreja a irem para o Missouri.

  3. c.

    Fevereiro de 1831 (em Kirtland, logo depois de os membros da Igreja começarem a chegar ao local): O Senhor disse que revelaria a localização da Nova Jerusalém quando considerasse adequado. (D&C 42:62)

  4. d.

    Junho de 1831 (Kirtland, depois da primeira conferência realizada ali): O Senhor chamou Joseph Smith, Sidney Rigdon e outros élderes para irem em missão ao Missouri. O Senhor prometeu também que consagraria a terra do Missouri para o Seu povo, para ser a terra de sua herança. (D&C 52:2–5, 42–43)

  5. e.

    Junho de 1831 (Kirtland): O Senhor revelou que os membros da Igreja do Ramo de Collesvile (de Nova York) que haviam ido para Ohio, deveriam ir para o Missouri. (D&C 54:8)

  6. f.

    Julho de 1831 (depois do Profeta ter ido para o Missouri): O Senhor revelou que a cidade de Sião ficaria no condado de Jackson e que Independence seria o seu centro. Seria construído um templo em Independence. (D&C 57:1–3)

Os membros do Ramo de Colesville foram os primeiros a reunirem-se no Missouri e muitos outros seguiram-nos pouco depois. Peça ao aluno designado que resuma o que os membros de Colesville passaram na viagem para o Missouri e ao começarem a estabelecer-se ali. (Ver o item 3 da seção “Preparação”.)

• Há algo que os impressione nessas histórias dos membros de Colesville? O quê? (Sugere-se que você recapitule algumas das boas qualidades que eles demonstraram em todas as situações difíceis.) O que podemos aprender com o exemplo deles?

4. Atualmente, os membros da Igreja coligam-se nas estacas de Sião em seu próprio país.

Havia muitos membros da Igreja em Ohio e no Missouri entre os anos de 1831 e 1838, quando foram forçados a sair desses lugares devido à perseguição. (Ver as lições 26–28) Em 1839, coligaram-se em Illinois e fundaram a cidade de Nauvoo. Foram obrigados a abandonar Nauvoo em 1846 e, em 1847, o Presidente Brigham Young levou-os para um novo local de coligação nas Montanhas Rochosas, próximo ao Grande Lago Salgado. Sugere-se que você utilize o mapa 3 na página 276 deste manual e na página 31 do Guia de Estudo do Aluno.

Durante muitos anos depois de os membros da Igreja haverem-se estabelecido em Utah, os membros da Igreja de todo o mundo continuaram a ser chamados a reunirem-se ali. Contudo, agora, essa fase da coligação terminou, e os membros da Igreja são aconselhados a coligarem-se nas estacas de Sião no local onde moram. Em uma conferência de área na Cidade do México, em 1972, o Élder Bruce R. McConkie disse:

“[As] palavras reveladas dizem (…) que haveria congregações do povo do convênio do Senhor em todas as nações, falando todas as línguas e entre todos os povos quando o Senhor voltasse. (…)

O local de coligação para os membros da Igreja do México é o México; o local de coligação para os membros da Igreja da Guatemala é a Guatemala; o lugar de coligação dos membros da Igreja do Brasil é o Brasil; e o mesmo acontece em todos os lugares de todo o mundo. O Japão é para os japoneses; a Coréia, para os coreanos; a Austrália, para os australianos; cada país é o local de coligação de seu próprio povo”. [Conference Report (Relatório de Conferência), Conferência da Área México e América Central, 1972, p. 45.]

Em abril de 1973, o Presidente Harold B. Lee, décimo primeiro Presidente da Igreja, citou essas palavras na conferência geral; com isso, ele “anunciou, na prática, que a fase pioneira de coligação estava encerrada. A coligação, a partir dessa época, deveria ser feita na Igreja em todas as nações.” (A Liahona, janeiro de 1993, p. 77.)

• Que condições da Igreja ocasionaram essa mudança, de modo que os membros devam coligar-se em seu próprio país em vez de em um lugar central? (Uma das respostas possíveis é que a Igreja passou a ter um número de membros e uma quantidade de recursos suficiente para que se estabeleçam estacas e se construam templos em muitos lugares do mundo.)

• Um dos objetivos da coligação em um lugar central na época pioneira da Igreja era possibilitar que os membros se fortalecessem mutuamente e proporcionarlhes refúgio e proteção contra o mundo. Como a coligação nas estacas de Sião atualmente se presta a esse mesmo propósito? (Ver D&C 115:6 e a seguinte citação. Peça aos alunos que falem da sensação de proteção e força que as estacas de Sião lhes tenham proporcionado.) O que podemos fazer para assegurarmos que nossas estacas sirvam de refúgio e proteção contra o mal?

O Presidente Ezra Taft Benson disse:

“Atualmente, Israel está sendo coligada às várias estacas de Sião. (…) As estacas têm, no mínimo quatro propósitos:

  1. 1.

    A unificação e o aperfeiçoamento dos membros que morem em [seus] limites, proporcionando-lhes os programas e ordenanças da Igreja e os ensinamentos do evangelho.

  2. 2.

    Os membros das estacas devem ser exemplos, modelos de retidão.

  3. 3.

    As estacas devem ser uma proteção. Isso se consegue quando os membros se unem sob a liderança das autoridades do sacerdócio e se comprometem a cumprir suas obrigações e guardar os convênios que fizeram. (…)

  4. 4.

    As estacas são refúgios contra a tempestade que se abaterá sobre a Terra”. (“Strengthen Thy Stakes”, Ensign, janeiro de 1991, 2, 4–5.)

• A construção de um templo foi parte primordial da coligação em Kirtland, no Missouri, em Nauvoo e em Utah. A construção de templos continua a ser essencial à medida em que os santos da atualidade unem-se às estacas de Sião em todo o mundo. Por que a construção de templos é essencial à coligação? Como a obra do templo contribui para a obra grandiosa de coligação na Terra e no mundo espiritual?

O Profeta Joseph Smith ensinou: “Qual foi o objetivo de coligar (…) o povo de Deus em qualquer era do mundo? (…) O objetivo principal foi construir ao Senhor uma casa em que Ele pudesse revelar ao Seu povo as ordenanças de Sua casa e as glórias de Seu reino, e ensinar ao povo os caminhos da salvação. (…) É com esse mesmo objetivo que Deus coliga o Seu povo nos últimos dias, para que se edifique ao Senhor uma casa em que Ele o prepare para as ordenanças e investiduras, abluções e unções”. (History of the Church, 5:423–424)

Conclusão

Saliente que as promessas do Senhor referentes à coligação de Israel estão sendo cumpridas atualmente. O ritmo desse trabalho grandioso está acelerando-se conforme as pessoas filiam-se à Igreja e adoram juntas nas estacas de Sião, em mais de 160 países em todo o mundo. Incentive os alunos a trabalharem com diligência para que mais pessoas se unam à Igreja e para edificar e fortalecer a Igreja onde morem. Preste testemunho das bênçãos que recebemos por intermédio da coligação.

Sugestões Didáticas Complementares

Você pode utilizar uma ou mais das seguintes idéias para complementar o plano de aula sugerido.

1. “Sião se estenderá (…) por toda esta Terra”

Sugere-se que você explique aos alunos que, apesar do fato de que o ponto central de Sião será no Missouri, por fim ela haverá de estender-se por toda a Terra. O Presidente Brigham Young disse:

“Logo que Joseph [Smith] revelou qual seria o local em que os santos se coligariam, uma mulher do Canadá perguntou-me se achávamos que o condado de Jackson seria suficientemente grande para reunir todo o povo. (…) Responderei a essa pergunta. (…) Sião expandir-se-á, um dia, por toda a Terra. Os lugares mais remotos da Terra farão parte de Sião. Tudo será Sião. (…)

Reuniremos o maior número possível de pessoas, abençoá-las-emos, dar-lhesemos a investidura, etc., pregaremos a verdade a elas, colocaremos os princípios da verdade diante delas, dar-lhes-emos toda a instrução que pudermos e guiá-lasemos no caminho da verdade e retidão”. (Journal of Discourses, 9:138)

2. Os preparativos do Senhor para a coligação física dos “dispersos de Judá” (Isaías 11:12)

Algumas décadas depois da morte do Salvador, os judeus foram “dispersos por todas as nações”. (2 Néfi 25:15; ver também o versículo 14.) Contudo, as escrituras contêm muitas profecias de que, nos últimos dias, os judeus dispersos voltariam a ser coligados e receberiam Jerusalém “como terra de sua herança”. (3 Néfi 20:33; ver também 1 Néfi 15:19–20; 2 Néfi 9:1–2; 2 Néfi 10:8.)

No dia 27 de maio de 1836, na oração dedicatória do Templo de Kirtland, o Profeta Joseph Smith pediu que se iniciassem a coligação de Israel e a redenção de Jerusalém. (D&C 109:62–67) Transmita a seguinte informação aos alunos para mostrar-lhes um dos meios que o Senhor preparou para a coligação dos judeus:

Orson Hyde lembrou-se de que quando filiou-se à Igreja, Joseph Smith profetizou: “Quando chegar o momento, irás a Jerusalém (…); e por tuas mãos o Altíssimo realizará uma obra grandiosa que preparará o caminho para a coligação desse povo e facilitará esse acontecimento”. (History of the Church, 4:375) Na conferência geral de abril de 1840, o Élder Hyde, que na época era membro do Quórum dos Doze, foi chamado para ir em missão à Palestina. (History of the Church, 4:106) Aproximadamente dezoito meses depois, chegou a seu destino.

Logo cedo, na manhã do dia 24 de outubro de 1841, domingo, o Élder Hyde subiu ao Monte das Oliveiras e fez uma oração. Nessa oração, dedicou e consagrou a terra para “a coligação dos remanescentes dispersos de Judá, como predito pelos santos profetas: para a reedificação de Jerusalém (…)e para a construção de um templo em honra ao nome [do Senhor]”. Ele pediu também que o Senhor Se lembrasse da semente de Abraão, Isaque e Jacó eternamente e que “lhes [desse] esta terra por herança eternamente”. (History of the Church, 4: 456)

Como testemunho do que fez, o Élder Hyde erigiu uma coluna de pedras no alto do Monte das Oliveiras. Erigiu uma “coluna de pedras no local que, antigamente, era chamado Monte Sião [possivelmente Monte Moriá], onde ficava o templo”. (History of the Church, 4:459)