“Buscai Conhecimento, Sim, pelo Estudo e também pela Fé”

Doutrina e Convênios e História da Igreja: Manual do Professor de Doutrina do Evangelho, 2000


Objetivo

Incentivar os alunos a aprenderem “pelo estudo e também pela fé” a vida inteira. (D&C 88:118)

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude as escrituras desta lição.

  2. 2.

    Estude o material do Guia de Estudo do Aluno (35686 059) referente a esta lição. Prepare-se para utilizá-lo durante a aula.

  3. 3.

    Caso decida utilizar a atividade motivadora, peça a um aluno que se prepare para contar uma ou duas experiências que teve e que demonstrem as bênçãos do aprendizado.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Atividade Motivadora

Considere o que seja adequado e utilize esta atividade, ou outra de sua preferência no início da aula.

Peça a um aluno que fale brevemente das bênçãos que tem recebido por causa do aprendizado. (Ver a seção “Preparação”, item 3.)

Depois que o aluno terminar, diga que esta lição trata da importância do aprendizado ao longo de nossa vida.

Discussão e Aplicação

Em espírito de oração, escolha as partes da lição mais adequadas às necessidades dos alunos. Incentive-os a contar experiências relativas ao aprendizado.

1. A Escola dos Profetas é um modelo de aprendizado que podemos seguir.

Diga que nesta dispensação, o Senhor salientou bastante a necessidade de estudarmos as coisas seculares e as espirituais.

O Senhor instruiu o Profeta Joseph Smith a fundar a Escola dos Profetas, em Kirtland, Ohio. Essa escola começou a funcionar em janeiro de 1833, em uma salinha no andar superior da loja de Newel K. Whitney, em Kirtland. (Ver a figura da página 128.) Ali, os líderes da Igreja aprendiam a doutrina do evangelho, os assuntos da Igreja e outras matérias. Eles deviam preparar-se para liderarem a Igreja e servirem como missionários. (D&C 88:77–80)

Newel K. Whitney and Company Store

Essas reuniões prepararam o terreno para que tivessem experiências espirituais e discutissem a fundo os princípios do evangelho. Houve várias revelações. Consta nos registros de história da Igreja que “o semblante das pessoas que freqüentavam a Escola dos Profetas e dos membros da Igreja sempre irradiava grande alegria devido ao que era revelado e (…) ao fato de que seu conhecimento das coisas de Deus aumentava”. (History of the Church, 1:334)

• Que oportunidades de aprendizado temos na Igreja? O que podemos fazer para nos prepararmos melhor para aprender nas reuniões da Igreja?

• Leia D&C 88:122–125 com os alunos. O que o Senhor ordenou que os alunos da Escola dos Profetas fizessem? O que Ele ordenou que não fizessem? (Anote as respostas dos alunos no quadro-negro.) O que esses versículos ensinam a respeito de como ensinar uns aos outros? O que esses versículos dizem a respeito de como deveríamos aprender uns com os outros?

2. Devemos aprender “pelo estudo e também pela fé”.

• Leia D&C 88:118 com os alunos. Por que precisamos estudar e ter fé para aprender? (Ver a próxima citação.) Como a fé amplia a nossa capacidade de aprendizado? Citem alguns dos perigos do aprendizado sem fé em Deus e sem a obediência aos Seus mandamentos. (Ver II Timóteo 3:7; 2 Néfi 9:28–29.)

O Presidente Marion G. Romney, da Primeira Presidência disse: Acredito no estudo. Acredito que os homens aprendam muito estudando. (…) Entretanto, também acredito e sei que a fé acelera muito o aprendizado por meio do estudo”. [Learning for the Eternities, George J. Romney (org.), 1977, p.72.]

• Além de estudar o evangelho, devemos empenhar-nos em alcançar conhecimento em outros assuntos, como, por exemplo, história, ciência e boa literatura. Falem de como o estudo desse tipo de assunto tem enriquecido sua vida.

• Que tipo de conhecimento é mais valioso? Qual deveria ser a relação entre o estudo do evangelho e de outros bons assuntos.

O Presidente John Taylor, que foi o terceiro Presidente da Igreja, disse: “Deveríamos expandir a nossa educação e conhecimento em todas as áreas; cultivar o gosto literário; quem tem talento para literatura e ciência deveria desenvolvê-lo e todos deveriam desenvolver os dons que Deus lhes deu. (…) Se houver qualquer coisa boa e louvável na religião, moral, ciência ou qualquer coisa arquitetada para elevar e enobrecer o homem, nós a procuraremos. Queremos empenhar-nos ao máximo em conseguir conhecimento; o conhecimento que emana de Deus”. (The Gospel Kingdom, G. Homer Durham (org.), 1943, p. 277.)

Enquanto fazia parte do Quórum dos Doze Apóstolos, o Élder Gordon B. Hinckley fez um discurso em que citou a ordem do Salvador “aprendei de mim”. (Mateus 11:29) Depois, disse: “Sugiro que vocês sigam essa ordem do Filho de Deus. Aprendam Dele com toda a sua capacidade de aprendizado. Com toda a sua capacidade de estudo, empenhem-se em aprender com o Mestre. Esse conhecimento será um excelente complemento do treinamento secular que receberem e fará com que sua vida e caráter sejam completos, como nada mais faria”. [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), outubro de 1964, p. 118; ou Improvement Era, dezembro de 1964, p. 1092.]

• Falem de como vocês têm percebido que o conhecimento das coisas de Deus é o mais importante.

3. Devemos continuar aprendendo a vida inteira.

Diga que o Senhor e os Seus profetas sempre salientaram a importância do aprendizado. Devemos continuar aprendendo a vida inteira.

O Élder Russell M. Nelson, do Quórum dos Doze, disse: “Devido à nossa consideração sagrada por todo o intelecto humano, consideramos a educação uma responsabilidade religiosa. (…) Nosso Criador espera que seus filhos, em toda parte, se eduquem”. (A Liahona, janeiro de 1993, p. 5.)

Escreva estas perguntas no quadro-negro:

  • Por que devemos aprender?

  • O que devemos aprender?

  • Como devemos aprender?

Leia as seguintes escrituras com os alunos. Peça a eles que procurem as respostas às perguntas do quadro-negro. Anote as respostas que eles encontrarem abaixo da pergunta correspondente.

D&C 6:7

D&C 88:76–80, 118

D&C 130:18–19

D&C 11:21–22

D&C 90:15

D&C 131:6

D&C 19:23

D&C 93:36–37, 53

D&C 136: 32–33

• Em sua opinião, por que nos foi ordenado que aprendêssemos tantas coisas diferentes?

O Presidente Gordon B. Hinckley ensinou aos jovens o valor da educação: “É muito importante que todo rapaz e toda moça estudem o máximo que puderem. O Senhor disse de modo bem claro que Seu povo devia adquirir conhecimento de países e reinos e das coisas do mundo pelos estudos, sim, pelo estudo e também pela fé. A educação é a chave que irá abrir as portas da oportunidade para vocês. Ela vale todo o sacrifício que fizerem. Vale a pena esforçarem-se para adquiri-la. Se educarem a mente e as mãos, vocês serão capazes de fazer uma grande contribuição para a sociedade de que fazem parte e poderão ser um bom exemplo e honrar a Igreja a que pertencem. Meus queridos jovens irmãos e irmãs, aproveitem todas as oportunidade educacionais a que tiverem acesso. E vocês, pais e mães, incentivem seus filhos e filhas a adquirirem uma educação que irá abençoar-lhes a vida.” (“Pensamentos Inspiradores”, A Liahona, junho de 1999, pp. 4–5.)

• A que instituições de ensino temos acesso? (Algumas das respostas são escolas secundárias, escolas técnicas, faculdades e universidades.) Em que o estudo formal nos beneficia? O que podemos fazer para aproveitar melhor as instituições de ensino formal que tivermos acesso?

• O Presidente Brigham Young ensinou: “Nossa formação deveria ser tal que expandisse nossa mente e nos qualificasse de modo a sermos mais úteis; mais úteis à família humana”. [Discourses of Brigham Young, John A. Widtsoe (org.), 1941, p. 255.) Como os estudos nos ajudam a ser mais úteis à nossa família? Como nos ajudam a servir a outras pessoas? Como os estudos nos ajudam no trabalho de edificação do reino de Deus? Peça que alguns alunos contem experiências em que os estudos lhes foram úteis ao prestarem serviços a outros.

• Leia D&C 90:15 com os alunos. Falem de como o estudo de bons livros tem enriquecido a sua vida.

• Quais são as responsabilidades dos pais no que se refere à ensinar os filhos? (Ver D&C 68:25–28. Saliente que os pais tem a séria responsabilidade de ajudar os filhos a aprenderem o evangelho. Os pais devem também ensinar os filhos as coisas práticas como, por exemplo, a manter a boa saúde, trabalhar com diligência, ter bom relacionamento com outras pessoas, administrar o dinheiro e conseguir uma boa educação formal.)

• Como os pais poderiam incentivar os filhos a desenvolverem tal amor ao aprendizado que dure toda a vida?

Quando era membro do Quórum dos Doze, o Élder Gordon B. Hinckley salientou a importância de incentivar as crianças a ler: “Vocês sabem que os seus filhos lerão. Eles lerão livros, revistas e jornais. Cultive neles o gosto pelo que houver de melhor. Enquanto são pequenos, leia para eles as histórias que se tornaram imortais devido às virtudes que ensinam. Coloquem-nos em contato com os bons livros; façam com que em sua casa haja um canto, ainda que pequeno, em que vejam ao menos alguns dos livros que tenham nutrido a mente dos grandes pensadores”. [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), outubro de 1975, p. 57; ou Ensign, novembro de 1975, p.39.]

O Presidente Thomas S. Monson lembrou-nos que as crianças compreendem os ensinamentos das escrituras: “[Uma das características] de um lar feliz se descobre quando ele se torna uma biblioteca de aprendizagem. (…) O Senhor aconselha: ‘(…) Nos melhores livros buscai palavras de sabedoria; procurai conhecimento, sim, pelo estudo e também pela fé”. (D&C 88:118) As obraspadrão oferecem a biblioteca de aprendizagem da qual falo. Devemos ter o cuidado de não subestimar a capacidade infantil de ler e entender a palavra de Deus”. (A Liahona, janeiro de 1989, pp. 73–74.)

Caso queira falar mais detalhadamente do ensino das crianças, sugere-se que você veja as páginas 127–143 da edição de 1999 de Ensino, Não Há Maior Chamado (36123 059). A lição 45 deste manual também trata da responsabilidade dos pais quanto a ensinar os filhos.

• Que tipo de material não devemos ler?

O Presidente Ezra Taft Benson, quando era do Quórum dos Doze, ensinou: “Atualmente, com os muitos livros que há ao nosso alcance, o que distingue as pessoas verdadeiramente educadas é saber o que deixar de ler. (…) Leiam somente os melhores livros. A mãe de John Wesley aconselhou-o: ‘Abstenha-se de tudo o que mine seu raciocínio, prejudique a delicadeza de sua consciência, obscureça sua idéia de Deus, roube-lhe o entusiasmo pelas coisas espirituais, (…) [e] faça com que aumente o controle do corpo sobre a mente’”. (“In His Steps”, 1979 Devotional Speeches of the Year, 1980, p. 61.)

• Além de conseguir uma formação acadêmica e ler bons livros, o que podemos fazer para continuar aprendendo a vida inteira?

4. O que aprendemos no templo é para a eternidade.

Diga que no final de junho de 1833, o Profeta Joseph Smith mandou a planta para a construção da cidade de Sião aos membros da Igreja em Independence, no Missouri.

Mostre a planta da cidade de Sião abaixo. Diga que os membros da Igreja deveriam construir um templo no centro da cidade. Eles não conseguiram construir a cidade de Sião, mas utilizaram esse conceito na construção de Salt Lake City.

City of Zion

• O que aprendemos com os planos de construção do templo no centro da cidade de Sião? (Uma das respostas possíveis é que o templo é um centro de aprendizado dos membros da Igreja e que, na vida, deveríamos dar prioridade a ele.)

• Leia D&C 88:119 com os alunos. Saliente que o templo é “uma casa de aprendizado”. Que métodos o Senhor pode utilizar para nos ensinar quando freqüentamos o templo? O que podemos fazer para conseguir o conhecimento que há no templo?

O Élder John A. Widtsoe, do Quórum dos Doze, ensinou: “O templo é um lugar de ensino. Ali, ensinam-se os princípios do evangelho e revelam-se verdades importantes do reino de Deus. Caso entremos no templo com o espírito certo e prestemos atenção, teremos mais conhecimento do evangelho e sabedoria ao sair”. (“Looking toward the Temple”. Ensign, janeiro de 1972, pp. 56–57.)

O Élder Boyd K. Packer, do Quórum dos Doze, disse:

“O templo é uma grande escola. É uma casa de instrução. A atmosfera mantida ali é ideal para o aprendizado de questões profundamente espirituais. (…)

A cerimônia do templo não será plenamente compreendida da primeira vez. Será apenas parcialmente captada. Voltem muitas e muitas vezes. Voltem para aprender. Coisas que nos vêm perturbando , que nos deixam perplexos ou que nos parecem misteriosas se tornam claras. Muitas delas são aquelas coisas pessoais, silenciosas, que realmente não podemos explicar a mais ninguém. Mas para nós passam a ser conhecidas. (…)

Portanto, voltem os olhos para o templo. Guiem seus filhos em direção ao templo. Desde a infância, chamem a atenção deles para o templo santo, iniciando a preparação para o dia em que nele entrarem.

Nesse ínterim, estejam sempre dispostos a aprender, sejam reverentes. Aproveitem [bem] os ensinamentos—simbólicos e intensamente espirituais – encontrados somente no templo. (O Templo Sagrado, Folheto, 1980, pp. 6, 7, 8.)

Lembre aos alunos de que as ordenanças e cerimônias do templo são sagradas; não devemos falar de nenhum de seus elementos específicos fora do templo. Peça aos alunos que tenham isso em mente ao responder a esta questão:

• Citem algumas das verdades que aprenderam devido à freqüência ao templo.

Incentive os alunos a irem ao templo com a maior freqüência possível. O Presidente Ezra Taft Benson perguntou: “Será que voltamos ao templo sempre, para receber as bênçãos individuais que advêm de ir freqüentemente adorar no templo? Nos templos santos do Senhor, recebemos respostas a orações, revelações e somos ensinados pelo Espírito. [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), abril de 1988, p. 98; ou Ensign, maio de 1988, p. 85.]

Conclusão

Incentive os alunos a continuar a aprender a vida inteira de modo a progredirem e a serem mais úteis aos outros. Lembre-os de que o Senhor mandou que procurássemos conhecimento pelo estudo e também pela fé. (Ver D&C 88:118.)

Siga a orientação do Espírito para testificar das verdades discutidas em aula. Sugere-se que você fale do quanto é grato pelas oportunidades de aprendizado que teve.

Sugestões Didáticas Complementares

Você pode utilizar uma ou mais das seguintes idéias para complementar o plano de aula sugerido.

1. Seguir o conselho de Doutrina e Convênios 88:121–126

• Leia D&C 88:121–126 com os alunos. Saliente que os princípios dessa passagem são úteis em todos os aspectos de nossa vida. Peça-lhes que citem experiências próprias e que demonstrem a importância desses princípios.

2. Aprender sem sentir-se assoberbado pela quantidade de coisas que há para aprendermos

• Como podemos aprender sempre sem nos sentirmos assoberbados por tudo o que há para aprendermos?

O Presidente Wilford Woodruff deu o seguinte conselho: “Não fiquem desanimados por não conseguirem aprender tudo de uma vez. Aprendam uma coisa de cada vez, aprendam bem e entesourem o conhecimento, depois, aprendam outra verdade e entesourem-na e, em alguns anos, terão uma vasta reserva de conhecimento útil que será uma grande bênção para vocês e para seus filhos, bem como para os seus semelhantes”. [The Discourses of Wilford Woodruff, G. Homer Durham (org.), 1946, p. 269.]

Sugere-se que você leia D&C 78:17–18 com os alunos como parte da discussão.

3. Aprender o evangelho nas aulas do seminário e do instituto

Leia a seguinte declaração do Presidente Gordon B. Hinckley: “Nosso excelente programa de educação religiosa está progredindo. Continuamos expandindo o trabalho de ensinar alunos por intermédio do programa do seminário e instituto. (…) Exortamos todos os que o tenham ao seu alcance a beneficiarem-se dele. Não hesitamos em prometer-lhes que o seu conhecimento do evangelho aumentará, sua fé se fortalecerá, vocês conhecerão pessoas maravilhosas e farão excelentes amigos”. [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), abril de 1984, p. 69; ou Ensign, maio de 1984, p. 47.]

Caso haja cursos do seminário e do instituto onde você mora, sugere-se que você despenda algum tempo para incentivar os jovens e adultos jovens a matricularem-se. Considere a possibilidade de fazer estas perguntas:

• Já tiveram alguma experiência com o seminário (ou instituto) que os tenha ajudado? Como poderiam incentivar outras pessoas a freqüentarem o seminário (ou instituto)?

4. Desenvolver os talentos por meio dos estudos

Recapitule a parábola dos talentos. (Mateus 25:14–30; ver também D&C 82:18.) Peça aos alunos que, em um papel, façam uma lista dos talentos e interesses que tenham. Discutam como a educação secular e religiosa os ajudará a desenvolver os próprios talentos e interesses.