Ser Bons Cidadãos

Doutrina e Convênios e História da Igreja: Manual do Professor de Doutrina do Evangelho, 2000


Objetivo

Incentivar os membros da Igreja a serem bons cidadãos, participando do governo, obedecendo às leis e fortalecendo a comunidade.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude as seguintes escrituras e outros materiais:

    1. a.

      Doutrina e Convênios 58:21–22, 26–28; 98:4–10; 134 e Regras de Fé 1:12.

    2. b.

      Nosso Legado páginas 133–134, concentrando-se no serviço que o Élder Ezra Taft Benson prestou como Ministro da Agricultura dos Estados Unidos da América.

  2. 2.

    Estude o material do Guia de Estudo do Aluno (35686 059) referente a esta lição. Prepare-se para utilizá-lo durante a aula.

Observação para o professor: O tipo de governo e as leis variam de país para país e de cultura para cultura. Esteja alerta para a situação local ao decidir que partes desta lição discutirá. Em alguns lugares, é melhor passar a maior parte do tempo da aula falando a respeito da terceira parte desta lição. Evite os comentários que fomentem a controvérsia e a crítica. Lembre-se de que os líderes da Igreja sempre nos ensinaram a agir de acordo com a lei para tomar as providências que resultem nas mudanças necessárias.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Atividade Motivadora

Considere o que seja mais adequado e utilize esta atividade ou outra de sua preferência para iniciar a aula.

Diga que em 1952, quando o Élder Ezra Taft Benson era membro do Quórum dos Doze Apóstolos, o Presidente dos Estados Unidos, Dwight D. Eisenhower, pediu-lhe que fosse o Ministro da Agricultura do país. Incentivado pelo Presidente David O. McKay, o Élder Benson aceitou o cargo e desempenhou-o bem. No primeiro discurso que fez em uma conferência geral depois de estar no cargo de Ministro da Agricultura, ele disse:

“Fiquei muito contente com o privilégio de servir, pelo menos em certa medida, a este país grandioso e ao nosso governo. Agradeço à Primeira Presidência e aos meus irmãos por estarem dispostos não só a consentir que eu atendesse ao chamado do presidente, mas a dar-me a sua bênção.” [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), abril de 1953, p. 40.]

• Em sua opinião, por que o Élder Benson foi incentivado a aceitar tamanha responsabilidade?

Diga que os líderes da Igreja nos incentivam a ser bons cidadãos e fortalecer a comunidade e a nação. Há muitas maneiras de sermos bons cidadãos. Algumas delas são a participação no governo ou no processo político, a obediência às leis e a prestação de serviço à nossa comunidade. Esta lição fala do que o Senhor ensina no que se refere ao governo e à boa cidadania.

Discussão e Aplicação

Em espírito de oração, escolha as partes da lição mais adequadas às necessidades dos alunos. Incentive-os a contar experiências relacionadas aos princípios das escrituras.

1. Participação no governo

Diga que em agosto de 1835, uma reunião geral da Igreja em Kirtland, Ohio, aprovou unanimemente a declaração de crenças relativas ao governo que se encontra registrada em D&C 134.

• Qual é o propósito do governo civil? (Ver D&C 134:1, 6–8 e 11. Na lista abaixo encontram-se algumas das respostas possíveis.)

  1. a.

    “Para o bem e segurança da sociedade.” (D&C 134:1)

  2. b.

    “Para proteção dos inocentes e punição dos culpados.” (D&C 134:6)

  3. c.

    “Para a proteção de todos os cidadãos no livre exercício de suas crenças religiosas.” (D&C 134:7)

  4. d.

    “A fim de conseguir reparação de todas as injúrias e agravos.” (D&C 134:11)

• O que podemos fazer em nosso papel de cidadãos para atingir esses objetivos de governo?

Leia a seguinte declaração do Élder L. Tom Perry, do Quórum dos Doze:

“Nós, membros da Igreja, vivemos em muitos e diferentes países. Como é importante que compreendamos nosso lugar e situação nas terras em que vivemos! Deveríamos conhecer a história, a herança e as leis da terra que nos governa. Nos países que nos concedam o direito de participar dos assuntos do governo, devemos utilizar o nosso livre-arbítrio e trabalhar ativamente para apoiar e defender os princípios da verdade, do direito e da liberdade.” [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), outubro de 1987, p. 87; Ensign, novembro de 1987, p. 72.]

• O que podemos fazer para participar do governo e, assim, apoiar e defender a verdade, o direito e a liberdade?

• Doutrina e Convênios 134 ensina que devemos procurar e apoiar os líderes que “[administram] a lei com eqüidade e justiça”. (v. 3) Que outras qualidades deveríamos procurar ao escolhermos os governantes? (Ver, por exemplo, D&C 98:10.) O que podemos fazer para nos preparar para escolher os governantes sabiamente?

Diga que ao participar do governo e dos processos políticos devemos ter a consciência de que “a Igreja é politicamente neutra; não endossa partidos, plataformas, ou candidatos políticos. Os candidatos não devem dar a entender que são endossados pela Igreja ou por seus líderes. Os líderes e membros da Igreja não devem fazer nenhuma declaração nem agir de modo que possa ser interpretado como endosso da Igreja a partidos ou candidatos políticos”. (Manual de Instruções da Igreja, volume 2, 1998, p. 325.)

2.A obediência às leis do país

• Qual é a nossa responsabilidade no que se refere às leis do país? (Ver D&C 58:21–22; 98:4–6; 134:5–6 e Regras de Fé 1:12.) De que forma os pais, professores e líderes podem ensinar as crianças a obedecerem às leis do país? • Como devemos tratar os policiais e outras autoridades civis? (Ver D&C 134:3, 6.) Como podemos demonstrar que reconhecemos o trabalho dessas pessoas?

• Qual deveria ser o relacionamento entre a religião e o governo civil? (Ver D&C 134:4, 9. Esses versículos ensinam que o governo não deveria impor leis relativas à religião, exceto quando alguma prática religiosa viole os direitos e a liberdade de outras pessoas.) Como a religião pode fortalecer o governo?

3. Fortalecer a comunidade

Leia a seguinte declaração que se encontra no Manual de Instruções da Igreja:

“Os membros devem cumprir seus deveres cívicos, apoiando medidas que fortaleçam a sociedade do ponto de vista moral, econômico e cultural. Os membros são incentivados a envolver-se ativamente em causas justas para melhorar a comunidade e fazer dela um local sadio para se morar e criar a família.” (Vol. 2, p. 322.)

Escreva no quadro-negro: Fortalecer a Comunidade

• Citem algumas coisas que podemos fazer para fortalecer a comunidade. (Utilize as seguintes informações para comentar ou complementar as respostas dos alunos. Escreva os títulos no quadro-negro.)

Serviço ao próximo

• Por que é importante que os membros da Igreja prestem serviços à comunidade a que pertençam?

• Citem alguns projetos de serviço à comunidade dos quais vocês ou outros membros da Igreja participaram. (Peça aos alunos que contem como foi.) Como vocês ficaram sabendo dessa necessidade? O que o grupo fez para que o projeto fosse bem-sucedido?

• Citem algumas coisas que vocês ou outros membros da Igreja fizeram individualmente para prestar serviço à comunidade de maneira informal.

• Que oportunidades de serviço existem atualmente em nossa comunidade? (Há algumas idéias na segunda sugestão didática complementar.) O que podemos fazer para estar mais alertas às oportunidades de prestar serviço à comunidade? (Algumas das respostas possíveis são: discutindo as necessidades da comunidade nas reuniões de liderança da Igreja e entrando em contato com os líderes da comunidade para discutir em que podemos ajudar.)

• De que forma o serviço comunitário beneficia a comunidade? Citem algumas bênçãos que recebemos quando prestamos serviço.

Prestar serviço ocupando cargos eletivos ou preenchidos por indicação

Leia esta declaração da Primeira Presidência aos membros da Igreja:

“Instamos vigorosamente os homens e as mulheres a estarem dispostos a prestar serviço trabalhando nas juntas de educação, nas comissões regionais e municipais, no legislativo estadual e em outros cargos importantes, sejam eles eletivos ou preenchidos por indicação.” (Carta da Primeira Presidência, 15 de janeiro de 1998.)

• Citem alguns exemplos de cargos públicos existentes em sua comunidade. De que forma as pessoas que ocupam esse tipo de cargo estão em posição de realizar o bem na comunidade?

Apoiar as boas causas e atividades

• Leia D&C 58:27 com os alunos. Como nos podemos “[ocupar] zelosamente” com as boas causas da comunidade?

Leia ou conte a seguinte história de um membro da Igreja que ajudou em muito a comunidade e o país, apoiando uma boa causa:

“Em 1986, Dolina Smith, que era a presidente das Moças na Estaca Toronto Ontário, convidou um especialista para discursar em um serão e falar do problema crescente da pornografia. Posteriormente, participou de um grupo de abrangência nacional, chamado Os Canadenses em Prol do Decoro, que mobiliza milhares de canadenses no trabalho de entrar em contato com os políticos a quem elegeram sempre que surje um problema relacionado à pornografia. (…)

(…) Em 1990, a participação dela tornou-se ainda mais relevante com a indicação de seu nome para presidente dos Canadenses em Prol do Decoro. Nesse novo papel, deu diversas palestras aos integrantes do governo da província e do país que criam e alteram as leis relativas à pornografia. Ela falou também a muitos grupos de cidadãos ligados ao governo de regiões menores, quanto ao controle rígido da propagação da pornografia na comunidade sob sua jurisdição.” (Donald S. Conkey. “Together We Can Make a Difference”, Ensign, fevereiro de 1996, p. 68.)

• Citem algumas boas causas que vocês poderiam apoiar em sua comunidade. O que podemos fazer para lutar, da forma mais adequada, contra as influências maléficas em nossa comunidade?

• Citem alguns dos obstáculos que enfrentamos para servir à comunidade? Como podemos transpor esses obstáculos? (Um dos obstáculos pode ser encontrar o tempo de que precisaríamos para prestar esse serviço. Um modo de vencer esse obstáculo é trabalhar em conjunto com a família ou com os membros da ala, quando possível. Isso permitiria que a família estivesse unida, e não separada ao prestar esse serviço.)

Conclusão

Comente a seguinte afirmação do Élder M. Russell Ballard, do Quórum dos Doze:

“Na Igreja, muitas vezes citamos a frase ‘estar no mundo, mas não ser do mundo’. (…) Talvez devêssemos citá-la (…) como duas advertências distintas. Primeiro: ‘Estejam no mundo’. Envolvam-se; informem-se; tentem ser compreensivos, tolerantes e gostar da diversidade. Façam contribuições significativas à sociedade, prestando serviço e participando ativamente. Segundo: ‘Não sejam do mundo’. São sigam os maus caminhos nem se dobrem para adaptarem-se ao que não seja certo ou para aceitarem essas coisas. (…)

Os membros da Igreja precisam influenciar mais e ser menos influenciados. Temos de empenhar-nos em reverter a maré do pecado e do mal, em vez de, passivamente, deixarmo-nos ser levados por ela. Todos precisam ajudar a resolver o problema em vez de esquivarem-se dele ou ignorarem-no.” [Conference Report (Relatório da Conferência Geral), abril de 1989, pp. 100–101; Ensign, maio de 1989, p. 80.]

Saliente que por sermos membros da Igreja, deveríamos ser bons cidadãos, seja qual for o lugar onde moremos. Incentive os alunos a fazerem o que estiver ao seu alcance para apoiar os bons governos e fortalecer a comunidade da qual façam parte.

Sugestões Didáticas Complementares

O seguinte material serve de complemento para o plano de aula sugerido. Você pode utilizar uma ou mais das seguintes idéias durante a aula.

1. Relato de serviços prestados voluntariamente à comunidade

De antemão, peça a um membro da ala ou ramo que fale dos programas de prestação de serviço organizados existentes em sua comunidade e do que fazer para tomar parte deles; ou peça a um aluno que esteja trabalhando em algum tipo de serviço comunitário que explique o que faz.

Durante a discussão, saliente que não precisamos esperar receber um chamado ou uma designação dos líderes da Igreja para começar, individualmente ou em grupos, a prestar serviço à comunidade.

2. Sugestões de serviço comunitário

Caso os alunos tenham dificuldade de imaginar meios de servirem à comunidade, sugere-se que você dê as seguintes idéias. Durante a discussão, peça aos alunos que leiam Mateus 25:34–40.

Assistência de saúde: Fazer roupas e comida para os doentes, cuidar das crianças doentes em um hospital ou no bairro, levar flores para os pacientes que não têm família e estejam no hospital, lembrar-se dos doentes nos dias em que se comemorem datas especiais.

Assistência social: Ajudar a organizar ou liderar grupos que ajudem os jovens a desenvolverem determinadas habilidades, ensinar costura, culinária, trabalhos manuais e outras coisas em orfanatos e escolas públicas, ou às pessoas com deficiências; ler para os idosos no asilo; ensinar a sua língua a quem precise aprendê-la; ler para os cegos; visitar e conversar com os idosos de sua própria família ou bairro.

3. Fortalecer a comunidade por meio da gentileza

Leia a seguinte declaração do Presidente Gordon B. Hinckley:

“É impressionante ver o que faz um pouco de educação. É trágico ver o que a falta de cortesia pode provocar. Vemos isso todos os dias, ao enfrentar o trânsito da cidade em que moramos. O instante em que permitimos que alguém passe à nossa frente faz bem tanto para a pessoa que recebe a cortesia quanto para a que faz a gentileza. Algo acontece dentro de nós quando somos gentis e prestativos. Tudo isso faz parte de um processo de refinamento que, se for constante, irá transformar nossa própria natureza.” (A Liahona, julho de 1996, p. 50.)

• Quais são as nossas oportunidades de ser gentis com os outros? (Algumas das respostas possíveis são: no trabalho, no trânsito, fazendo compras ou simplesmente andando pela rua.) De que maneira a gentileza pode fortalecer a comunidade?