Capítulo 34: Como Desenvolver Nossos Talentos

Princípios do Evangelho, (2011), 196–99


Todos Temos Talentos e Aptidões Diferentes

Todos temos dons, talentos e aptidões especiais que nos foram dados pelo Pai Celestial. Quando nascemos, trouxemos esses talentos e aptidões conosco (ver capítulo 2 deste livro).

O profeta Moisés foi um grande líder, mas precisou de Aarão, seu irmão, para ajudá-lo como porta-voz (ver Êxodo 4:14–16). Alguns de nós somos líderes como Moisés ou bons oradores como Aarão. Alguns cantam bem ou tocam um instrumento. Outros são bons esportistas ou habilidosos em trabalhos manuais. Há pessoas que têm o talento de entender os outros, de ser pacientes, de animar ou de ensinar.

  • De que modo vocês se beneficiaram com os talentos de outras pessoas?

Para o professor: Uma forma de mostrar aos alunos que você se preocupa com eles individualmente é chamá-los pelo nome. Aprenda o nome deles. Quando membros novos assistirem à aula, apresente-os aos outros.

Devemos Usar e Melhorar Nossos Talentos

  • Como podemos desenvolver nossos talentos?

Temos a responsabilidade de desenvolver os talentos que recebemos. Às vezes, pensamos que não temos muitos talentos ou que outras pessoas foram abençoadas com mais capacidade de fazer coisas do que nós. Outras vezes, não usamos nossos talentos porque temos medo de falhar ou de ser criticados pelos outros. Não devemos esconder nossos talentos, mas, sim, usá-los. Assim, as pessoas poderão ver nossas boas obras e glorificar o Pai Celestial (ver Mateus 5:16).

Há certas coisas que precisamos fazer para desenvolver nossos talentos. Primeiro, descobri-lo. Precisamos avaliar-nos a fim de descobrir nossos pontos fortes e nossas aptidões. A família e os amigos podem ajudar-nos a fazer isso. Precisamos também pedir ao Pai Celestial que nos ajude a saber quais são nossos talentos.

Segundo, precisamos estar dispostos a despender tempo e esforço para desenvolver o talento que desejamos.

Terceiro, precisamos ter fé no fato de que o Pai Celestial nos ajudará e também ter fé em nós mesmos.

Quarto, precisamos aprender as aptidões necessárias para desenvolver nossos talentos, fazendo um curso, pedindo a um amigo que nos ensine o que desejamos aprender ou lendo um livro.

Quinto, precisamos praticar nosso talento. Todo talento exige esforço e trabalho para se desenvolver. O domínio de um talento precisa ser aprendido.

Sexto, precisamos partilhar os talentos com os outros. É pelo uso que eles se desenvolvem (ver Mateus 25:29).

Todos esses passos serão mais fáceis, se orarmos e buscarmos o auxílio do Senhor. Ele deseja que desenvolvamos nossos talentos e vai nos ajudar.

Podemos Desenvolver Nossos Talentos Apesar de Termos Fraquezas

  • Como podemos desenvolver nossos talentos apesar de termos fraquezas?

Por sermos seres mortais e decaídos, temos fraquezas. Com a ajuda do Senhor, nossas fraquezas e nossa natureza decaída podem ser sobrepujadas (ver Éter 12:27, 37). Beethoven compôs suas melhores obras depois que ficou surdo. Enoque venceu sua dificuldade de falar e tornou-se um extraordinário mestre (ver Moisés 6:26–47).

Alguns dos grandes atletas tiveram que sobrepujar defeitos físicos a fim de serem bem-sucedidos. Um desses exemplos foi a atleta Shelly Mann. “Aos cinco anos de idade, ela teve paralisia infantil. (…) Os pais levavam-na diariamente a uma piscina, na esperança de que a água a ajudasse a levantar os braços ao tentar usá-los de novo. Quando tirou o braço para fora da água com seu próprio esforço, chorou de alegria. A meta seguinte foi atravessar a piscina nadando de ponta a ponta na largura, depois no comprimento e finalmente diversas vezes no comprimento. Ela continuou tentando, nadando, suportando tudo dia após dia, até que ganhou a medalha olímpica de ouro em natação no estilo borboleta — uma das modalidades mais difíceis” (Marvin J. Ashton, Conference Report, abril de 1975, p. 127; ou Ensign, maio de 1975, p. 86).

Heber J. Grant sobrepujou muitas das suas fraquezas, transformando-as em talentos. Seu lema era: “Aquilo que persistimos em fazer torna-se mais fácil de realizar; não que a natureza da tarefa mude, mas nossa capacidade aumenta” (Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Heber J. Grant, 2002, p. 35).

O Senhor Nos Abençoará, Se Usarmos Nossos Talentos Sabiamente

O Presidente Joseph F. Smith disse: “Todos os filhos e as filhas de Deus receberam algum talento e todos serão cobrados pelo bom ou mau uso que fizeram deles” (Gospel Doctrine, 5ª ed., 1939, p. 370). Um talento é uma espécie de mordomia (responsabilidade no reino de Deus). A parábola dos talentos diz que, quando servimos bem em nossa mordomia, recebemos maiores responsabilidades. Se não servirmos bem, nossa mordomia acabará sendo tirada de nós (ver Mateus 25:14–30).

As escrituras dizem que seremos julgados de acordo com nossas obras (ver Mateus 16:27). Desenvolvendo e usando nossos talentos em benefício de outras pessoas, realizamos boas obras.

O Senhor alegra-Se quando usamos sabiamente nossos talentos. Ele nos abençoará, se os usarmos para beneficiar os outros e para edificar Seu reino aqui na Terra. Algumas das bênçãos que recebemos são alegria e amor por servir nossos irmãos aqui na Terra. Também aprendemos autocontrole. Todas essas coisas são necessárias para que sejamos dignos de voltar a viver com o Pai Celestial.

  • Quais são alguns exemplos de pessoas cujos talentos foram magnificados porque elas os usaram sabiamente? (Pensem em pessoas que vocês conhecem ou pessoas citadas nas escrituras ou na história da Igreja.)

Escrituras Adicionais

  • Tiago 1:17 (os dons vêm de Deus)

  • D&C 46:8–11; I Timóteo 4:14 (buscar e desenvolver dons)

  • II Coríntios 12:9 (as coisas fracas se tornarão fortes)

  • Apocalipse 20:13; 1 Néfi 15:33; D&C 19:3 (seremos julgados por nossas obras)

  • Hebreus 13:21 (mostrar boas obras)