Lição 26: O Espírito Santo Pode Ajudar-nos

Primária 3: Conserva a Tua Rota B, 1994


Propósito

Ajudar as crianças a entenderem que o Espírito Santo pode ajudar-nos a fazer o que é certo. Ele também nos avisa do perigo.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude 1 Néfi 4:1–6; 2 Néfi 32:5 e Doutrina e Convênios 8:2.

  2. 2.

    Prepare nove perguntas em tiras de papel para a brincadeira da lição. Coloque as perguntas num saco.

  3. 3.

    Prepare-se para cantar ou repetir a letra de “Escolhendo o Que É Certo” (Músicas para Crianças, p. 160) e “O Espírito Santo” (Músicas para Crianças, p. 56); a letra acha-se incluída no fim deste manual.

  4. 4.

    Materiais necessários:

    1. a.

      Livro de Mórmon e Doutrina e Convênios;

    2. b.

      Um lenço ou pedaço de pano para ser usado como venda;

    3. c.

      Giz, quadro-negro e apagador;

    4. d.

      Gravura 3-52, Um Pai Parando um Cavalo e Salvando Seu Filho; e gravura 3-53, A Oração de Karolina.

  5. 5.

    Faça os preparativos necessários para quaisquer Atividades Complementares que deseje utilizar.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Verifique alguma designação que tenha sido dada na semana anterior.

O Espírito Santo Nos Alerta

Atividade motivadora

Escolha uma criança para ajudá-lo na seguinte atividade:

Coloque uma criança em pé junto à porta. Coloque-lhe a venda e dê-lhe instruções para encontrar sua cadeira e sentar-se. Não lhe dê nenhuma ajuda. (No entanto, tenha cuidado para que ela não se machuque, nem machuque outras crianças.)

Repita a experiência, mas desta vez peça a outra criança que ajude a de olhos vendados, dando orientação.

Retire a venda e peça à criança que sente.

  • Por que foi mais fácil para (o nome da criança) encontrar a cadeira na segunda vez?

Debate no quadro-negro

Escreva a palavra ajuda no quadro-negro. Leia a palavra para as crianças, e diga que, quando alguém recebe ajuda, geralmente recebe orientação ou lhe é dito o que fazer ou dizer.

Diga que o Pai Celestial e Jesus Cristo sabiam que precisaríamos de Sua ajuda e orientação especiais. Eles prometeram enviar alguém para alertar-nos.

Escritura, gravura e história

Leia Doutrina e Convênios 8:2 para as crianças. Depois, mostre a gravura 3-53, A Oração de Karolina, contando a seguinte história com suas próprias palavras:

Karolina era uma menininha que morava na Suécia. Ela e o irmãozinho Erik estavam sempre juntos. Karolina tomava conta de seu irmãozinho porque o amava. Erik tinha quatro anos. Muitos navios chegavam ao porto perto da casa onde moravam. Às vezes os navios levavam cargas de alimentos e maquinaria. O pai de Karolina e Erik trabalhava nesses navios.

Certo dia, as crianças estavam em um morro, observando um grande navio que se movia vagarosamente na água. Karolina disse: “Erik, vamos descer e olhar os homens descarregando o navio. Ele é tão grande! Vamos ver o que é que ele traz. Papai não se incomodará, se formos só olhar e não ficarmos no caminho. Podemos nos sentar em uma grande caixa e ficar vendo tudo”.

Erik alegremente segurou a mão de Karolina e eles correram, morro abaixo. Quando acabaram de descer, acharam que seria muito mais divertido se andassem pelos trilhos do trem. Seria muito mais rápido chegar às docas desse modo.

Enquanto andavam pelos trilhos, Karolina viu umas flores silvestres muito bonitas. Soltou a mão de Erik para poder pegar algumas.

Erik continuou andando à sua frente, pisando com cuidado entre os dormentes da linha férrea. Ele gostava muito dessa brincadeira. De repente, Karolina ouviu um grito de dor. Assim que se voltou para ver o que tinha acontecido, Erik gritou para a irmã: “Karolina! Karolina! Meu pé está preso! Não consigo tirá-lo!”

Karolina deixou cair as flores e correu para ajudá-lo. Erik já estava chorando de dor e medo. Karolina pegou seu braço e puxou, e puxou mais, tentando tirar o pé de Erik do buraco. Mas não conseguia. Ela abraçou-o pela cintura e tentou levantá-lo. Seu irmãozinho gritava de dor, porque o pé estava machucado. Quanto mais Karolina empurrava e puxava, mais Erik chorava. Finalmente, Karolina disse: “Erik, não consigo soltar o seu pé; precisamos conseguir alguém para ajudá-lo a tirar o pé daí. Volto logo”.

Ela começou a correr pelos trilhos, mas, ao fazer uma curva, viu um trem que vinha vindo a alguma distância. Karolina sabia que não teria tempo de conseguir ajuda porque dentro de poucos minutos o trem estaria chegando e o maquinista poderia não ver seu irmãozinho a tempo de diminuir a velocidade.

  • O que Karolina poderia fazer?

Karolina voltou-se e correu de volta para Erik. Estava com muito medo e, enquanto puxava novamente o pé de Erik, fez uma pequena oração, pedindo ajuda: “Nosso Pai Celestial, ajude-me. Não sei o que fazer. Por favor, ajude-me!”

Repentinamente, Karolina pensou ter ouvido bem baixinho uma voz, dizendo: “Desamarre o sapato”. Com as mãos trêmulas, ela desamarrou os cadarços do sapato. Embora o sapato ainda estivesse preso firmemente nos trilhos, quando Karolina puxou com força, o pé de Erik saiu. Ele caiu por cima dela e ambos foram ao chão. Pularam para fora dos trilhos e o trem apareceu apitando na curva e passou zunindo por eles.

Depois de passado o trem, Erik começou a chorar: “Ó, veja o meu sapato!” O sapato estava todo arranhado, mas Karolina pôde apertá-lo e retirá-lo. Karolina abraçou Erik e disse: “Não ligue para o sapato. Agradeça pelo Pai Celestial ter ouvido minha oração. Eu nunca teria sabido o que fazer, se Ele não me tivesse ajudado”.

Karolina abraçou seu irmãozinho, feliz por ter podido salvar-lhe a vida. Depois, segurando fortemente as mãos, eles seguiram juntos para contar ao pai como o Pai Celestial, pelo poder do Espírito Santo, tinha ouvido a oração de Karolina pedindo ajuda.

Debate

  • Quem ajudou Karolina?

  • Como o Espírito Santo ajudou Karolina a salvar seu irmão?

Diga que o Espírito Santo ajuda as pessoas de diversas maneiras diferentes. Na maioria das vezes, Ele fala a nossa mente. Quando faz isso, podemos sentir alguma coisa ou ter um pensamento que nos pode ajudar a saber o que fazer. Às vezes, no entanto, as pessoas realmente ouvem uma voz, falando-lhes e dando-lhes ajuda.

Música

Cante ou repita com as crianças a letra de “O Espírito Santo”.

O Espírito Santo Nos Ajudará a Fazer o Que É Certo

Peça às crianças que ouçam as seguintes histórias de Anita e Jorge, para saber como o Espírito Santo os ajudou a fazer o que é certo.

História e debate

No começo do verão, uma das amigas de Anita convidou-a para ir nadar com ela. Antes de ir, Anita experimentou seu maiô do ano anterior. Ficou surpresa ao notar o quanto ela havia crescido. Como resultado, o maiô não cobria seu corpo o suficiente e não era recatado.

Anita sabia que a amiga estava esperando que ela fosse, e ela desejava ir depressa para a casa dela para poder brincar. No entanto, um pensamento que lhe veio à mente ajudou-a a decidir o que fazer. Ela foi lembrada de que o Pai Celestial e Jesus Cristo querem que seja recatada. Se fosse à casa da amiga com esse maiô, não se sentiria à vontade perto da família da amiga. Ela sabia que deveria vestir-se de maneira diferente.

Rapidamente Anita foi procurar a irmã mais velha e lhe perguntou se tinha um maiô que lhe coubesse e que lhe pudesse emprestar. Elas procuraram juntas e encontraram um maiô antigo que serviu bem em Anita. Ela agradeceu à irmã, trocou-se imediatamente e correu para a casa da amiga, feliz por ter escolhido a coisa certa a ser feita.

  • Como o Espírito Santo ajudou Anita a fazer o que era certo?

História e debate

Jorge e seus amigos gostavam muito de futebol. Eles jogavam na escola, assistiam aos jogos na televisão e até compravam revistas e liam a respeito de suas equipes favoritas. Gostavam de assistir aos jogos e falar sobre as jogadas emocionantes.

O jogo do campeonato estava-se aproximando. Jorge sabia que seria muito bom e desejava assisti-lo. Mas o jogo seria televisionado no domingo, no mesmo horário das reuniões da Igreja.

Seus amigos decidiram ficar em casa e assistir ao jogo com os pais. Jorge fora convidado para assistir com eles, mas sentia que não deveria perder as reuniões da Igreja.

Ele começou, então, a pensar se seria certo ficar em casa e assistir ao jogo. “Afinal”, pensava, “posso ir à igreja todas as semanas, mas o jogo do campeonato só passa uma vez por ano. Com certeza não fará mal se eu deixar de ir à igreja só esta vez.”

Ele quase já se convencera a faltar à igreja quando um pensamento lhe veio à mente: “O que o Pai Celestial e Jesus Cristo gostariam que eu fizesse?”

Quando Jorge respondeu a esta pergunta soube qual seria sua escolha. Ele iria à igreja.

  • Quem vocês acham que estava ajudando Jorge?

  • Como o Espírito Santo ajudou Jorge?

Diga que o Espírito Santo alertou Anita para que fosse recatada e Jorge para ir à igreja. As duas crianças seguiram os avisos e viveram os mandamentos. Diga que o Espírito Santo nos alertará e devemos segui-Lo escolhendo o que é certo, conservando nossa rota.

Anel CTR

Lembre às crianças que usar o anel CTR pode ajudá-las a se lembrar de conservar sua rota, fazendo o que é certo.

Música

Cante ou repita a letra de “Escolhendo o Que É Certo”.

Somos Abençoados Quando Obedecemos ao Alerta do Espírito Santo

Gravura e história

Diga que somos muito abençoados quando ouvimos e obedecemos ao alerta do Espírito Santo.

Mostre a gravura 3-52, Um Pai Parando um Cavalo e Salvando Seu

Filho. Conte como o Pai Celestial abençoou Bruce R. McConkie e seu pai, porque o pai obedeceu ao alerta do Espírito Santo:

“Uma das primeiras lembranças de minha infância é de andar a cavalo em um pomar de maçãs. O cavalo era manso e bem domesticado e eu me sentia à vontade na sela.

Certo dia, alguma coisa amedrontou minha montaria, que disparou pelo pomar. Fui arrancado da sela pelos galhos baixos e uma perna escorregou pelo estribo.”

Mostre o estribo na gravura.

“Agarrei-me desesperadamente a uma alça de couro quase arrebentada, daquelas usadas pelos vaqueiros para prender uma corda à sela.

Meu peso deveria ter arrebentado a alça, mas, de alguma forma, ela resistiu por um momento. Mais um tranco ou dois do cavalo assustado teria partido a alça ou a arrancado de minhas mãos, deixando-me ser arrastado e, conseqüentemente, machucado ou morto com o pé preso no estribo.

Repentinamente, o cavalo parou e notei que alguém estava segurando firmemente as rédeas e tentando acalmar o animal agitado. Quase imediatamente fui arrebatado para os braços de meu pai.

O que havia acontecido? O que trouxera meu pai em meu socorro no momento exato, antes que eu escorregasse para baixo dos cascos de meu cavalo apavorado?

Meu pai estava em casa, lendo o jornal, quando o Espírito (o Espírito Santo) lhe sussurrou: “Corra para o pomar!”

Sem um momento de hesitação, não esperando para saber por que razão meu pai correu. Encontrando-se no pomar sem saber por que ali estava, ele viu o cavalo galopando, e pensou: Preciso parar esse cavalo.

Ele o fez e me encontrou. E foi assim que fui salvo de graves ferimentos ou possível morte.” [Bruce R. McConkie, “Hearken to the Spirit”, (Ouvi ao Espírito), Friend, setembro de 1972, p. 10.]

Debate

  • Como o Espírito Santo salvou o jovem Bruce McConkie de se machucar gravemente?

  • O que poderia ter acontecido se o pai de Bruce não tivesse obedecido ao sussurro do Espírito tão depressa? (Diga que Bruce R. McConkie mais tarde foi chamado para ser um Setenta e depois um Apóstolo; poderíamos não ter tido esse importante líder.)

  • Como uma experiência como esta poderia fortalecer o testemunho de uma pessoa? Por quê?

Diga às crianças que, às vezes, podemos não notar imediatamente as bênçãos recebidas por ouvirmos o alerta do Espírito Santo. No entanto, podemos estar certos de que seremos abençoados se obedecermos aos sussurros que chegam a nós.

Resumo

Brincadeira com perguntas

Peça às crianças que, uma de cada vez, escolham uma pergunta do saco que você preparou e respondam a ela. Você precisará ler as perguntas em voz alta para as crianças menores. Use as perguntas seguintes. Prepare algumas perguntas extras, se for necessário, para que cada criança tenha a oportunidade de escolher uma pergunta do saco.

  1. 1.

    O que significa alertar alguém? (Dar instruções ou dizer a alguém o que fazer.)

  2. 2.

    Quem nos alerta? (O Espírito Santo.)

  3. 3.

    Como o Espírito Santo nos alerta? (Ele nos alerta tocando nosso pensamento, fazendo-nos sentir alguma coisa ou falando-nos.)

  4. 4.

    Como o Espírito Santo nos ajuda? (Ele nos ajuda a saber as coisas certas a fazer.)

  5. 5.

    Como o Espírito Santo ajudou Anita? (Ele a alertou para que fosse recatada.)

  6. 6.

    Como o Espírito Santo ajudou Jorge? (Alertou-o para fazer o que o Pai Celestial e Jesus Cristo queriam que fizesse—ir à igreja.)

  7. 7.

    O que o Espírito Santo alertou Karolina para fazer? (Desamarrar o sapato do irmão para que pudesse tirar o pé dele do sapato.)

  8. 8.

    Como o jovem Bruce R. McConkie foi abençoado por ter seu pai ouvido e obedecido aos sussurros do Espírito Santo? (Foi salvo de ferimentos ou morte.)

  9. 9.

    O que devemos fazer ao sermos tocados pelo Espírito Santo? (Ouvir, obedecer e escolher o que é certo, conservando nossa rota.)

Testemunho

Expresse sua gratidão pelos sussurros do Espírito em sua vida. Conforme tocado pelo Espírito, conte uma experiência pessoal sobre alguma ocasião em que o Espírito Santo tenha alertado você ou alguém que você conheça.

Diga que o Espírito Santo nunca nos induzirá a fazer alguma coisa errada. Ele nos ajudará a fazer o que o Pai Celestial e Jesus Cristo querem que façamos.

Regra de fé

Peça às crianças que repitam a primeira regra de fé.

Lembre às crianças que o dom do Espírito Santo é um dom especial que recebemos, depois de sermos batizados e confirmados.

Peça à criança que fará a última oração que expresse gratidão pelos sussurros do Espírito Santo. Sugira que ela peça ao Pai Celestial que ajude cada pessoa da classe a reconhecer o alerta do Espírito Santo quando o receberem.

Atividades Complementares

Escolha, dentre as atividades seguintes, as que melhor se adaptem às crianças de sua classe. Você pode utilizá-las na própria lição ou como revisão ou resumo. Para informações adicionais, ver “Distribuição do Tempo da Aula” em “Auxílios para o professor”.

  1. 1.

    Conte a seguinte história sobre o Élder Thomas S. Monson:

    Há algum tempo, o Élder Monson e sua mulher foram enviados pelo profeta para visitar as ilhas Samoa.

    Enquanto estavam lá, visitaram uma classe de crianças que moravam na vila de Sauniatu.

    Tanto o Élder como a irmã Monson falaram à classe. Depois de terminarem seu discurso e quando o professor das crianças estava anunciando o último hino, um pensamento veio à mente do Élder Monson. Foi-lhe sussurrado que cumprimentasse pessoalmente cada uma das 247 crianças.

    No entanto, olhando para o relógio, ele viu que estava

    ficando tarde e que não teria tempo de cumprimentar cada uma pessoalmente.

    Ele tentou tirar a idéia da cabeça, mas não conseguiu.

    Antes da última oração, mais uma vez lhe foi sussurrado que usasse o tempo para apertar a mão de cada criança.

    Ele finalmente virou-se para o professor e disse: “Eu gostaria muito de apertar a mão de cada menino e menina. Será que isso é possível?”

    O professor sorriu e falou às crianças em samoano. Elas acenaram em sinal de ansiosa aprovação. Ele explicou ao Élder Monson a razão de seus sorrisos. Quando o professor soubera que o Presidente da Igreja pedira a um dos Doze Apóstolos que os visitasse na Samoa, dissera às crianças que se cada uma orasse sinceramente e tivesse fé como as pessoas da Bíblia e do Livro de Mórmon, o Apóstolo visitaria sua aldeia. Ele seria também alertado pelo Espírito Santo a apertar a mão de cada criança. (Ver Thomas S. Monson, “Talofa Lava”, Friend, maio de 1972, pp. 12-13.)

    • Quem sussurrou ao Élder Monson?

    • Como o Espírito Santo sussurrou ao Élder Monson?

    Diga que o Espírito Santo alerta às pessoas de diferentes modos. Na maioria das vezes, Ele fala a nossa mente, como fez com o Élder Monson.

    Diga que, por ter o Élder Monson ouvido os sussurros ou instruções do Espírito Santo, pôde fazer o que o Pai Celestial e Jesus Cristo queriam que fizesse.

  2. 2.

    Deixe que as crianças contem quaisquer experiências de sua própria vida em que sentiram ter recebido a orientação do Espírito Santo.