Lição 31: Jesus Cristo Quer que Nos Amemos Uns aos Outros

Primária 3: Conserva a Tua Rota B, 1994


Propósito

Ajudar cada criança a compreender que pode demonstrar amor aos outros, fazendo-os entender seu valor eterno para o Pai Celestial e Jesus Cristo.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude João 13:34 e 3 Néfi 17:18–25.

  2. 2.

    Prepare-se para cantar “Amai-vos Uns ao Outros” (Músicas para Crianças, p. 114; a letra está incluída no final deste manual) e “Eu Gosto de Ler Sobre Jesus” (Músicas para Crianças, p. 35).

  3. 3.

    Materiais necessários:

    1. a.

      Bíblia e Livro de Mórmon;

    2. b.

      Quadro-negro, giz e apagador;

    3. c.

      Gravura 3-57, Jesus Abençoa as Crianças Nefitas.

  4. 4.

    Faça os preparativos necessários para quaisquer Atividades Complementares que deseje utilizar.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Jesus Cristo Quer que Nos Amemos Uns aos Outros

Atividade motivadora

Peça às crianças que contem alguma coisa feita recentemente para demonstrarem gentileza a alguém. (Ver lição 30, Atividade Complementar 5.)

  • Como você se sente quando é gentil com alguém?

  • De que maneira o Pai Celestial e Jesus Cristo nos ordenam que tratemos os outros?

Debate de escritura

Mostre uma Bíblia e um Livro de Mórmon. Diga que as escrituras nos ensinam como devemos tratar as pessoas.

Leia João 13:34 em voz alta.

  • O que esta escritura diz que devemos fazer? (Amarmos uns aos outros.)

Ressalte que, por ser tão importante aprendermos a amar uns aos outros, este mandamento é repetido muitas vezes nas escrituras. O Pai Celestial quer que amemos cada um de Seus filhos, assim como todos os nossos familiares.

Música

Cante ou repita a letra de “Amai-vos Uns aos Outros”. Saliente o fato de Jesus Cristo desejar que nos amemos uns aos outros.

Debate com uso do quadro-negro

Escreva a palavra amor no quadro-negro em letra de forma.

  • De que maneiras Jesus Cristo demonstrou amor aos outros? (Você pode escrever as respostas das crianças no quadro-negro.)

  • De que modo podemos demonstrar amor aos outros, seguindo o exemplo de Jesus e Seus ensinamentos? (Você pode, também, relacionar as respostas no quadro-negro próximo às da pergunta anterior.)

As Escrituras Ajudam-nos a Saber o Quanto Significamos para Jesus Cristo

Atividade com gravura, escritura e debate

Diga que quando Jesus Cristo visitou os nefitas na América, eles ficaram emocionados e honrados por estar em Sua presença. Eles apreciaram muito a oportunidade de ficar perto Dele e ouvir Seus ensinamentos.

Mostre a gravura 3-57, Jesus Abençoando as Crianças Nefitas. Leia 3 Néfi 17:21, começando por “e pegou”.

Aponte para a gravura e pergunte:

  • Como você acha que a menina desta gravura se sente?

Peça às crianças que imaginem estar num grupo de crianças com Jesus Cristo.

  • Como você se sentiria se Jesus colocasse as mãos sobre sua cabeça?

Música

Peça que as crianças cantem ou repitam a letra de “Eu Gosto de Ler sobre Jesus”.

Eu gosto de ler que o meu bom Jesus,
Quando veio na Terra habitar.
Com ternura as crianças nos braços tomou.
Eu quisera entre elas estar.
Quisera também tê-Lo ouvido falar,
Com os braços em volta de mim,
Ter-Lhe visto o olhar quando então declarou:
“Os pequenos deixai vir a Mim.”

Podemos Ajudar os Outros a Saber do Valor que Têm para o Pai Celestial e Jesus Cristo

História

Peça às crianças que ouçam a seguinte história para entender como Hélio ajudou Marcos a sentir-se amado:

“Hélio estava terminando seu almoço (…) quando Rui e Túlio entraram correndo pela porta de trás.

‘Vamos!’, insistiu Rui. (…)

‘Mas’, exclamou Hélio surpreso, olhando para a bola de futebol que seu amigo estava segurando. ‘Pensei que fôssemos passar a manhã com Marcos.’

‘Isto foi antes de marcarmos esta partida. O dia está muito bonito para ficarmos dentro de casa!’

Hélio hesitava enquanto colocava o prato e o copo na pia.

Seu amigo, Marcos Santos, acabara de chegar do hospital. Vários meses atrás, ele ficara muito doente. Os médicos haviam assegurado que Marcos correria e brincaria novamente, mas disseram que isso poderia levar um bom tempo. Antes de adoecer, Marcos jogava na (…) equipe deles.”

Diga que Hélio tinha uma decisão a tomar. Continue, então, a história:

‘Venha, Hélio! Vamos!’, insistia Rui. Mas Hélio balançou a cabeça. ‘Prometi à mãe de Marcos que tomaria conta dele’, disse-lhes. ‘Vocês podem ir, se quiserem.’

‘Mas, Hélio’, protestaram, ‘você é o melhor jogador que temos.’

‘Desculpem-me’, respondeu Hélio com firmeza.

Rui expressou seu descontentamento.

“Nunca pensei que você decepcionaria nossa equipe! (…)”

Após a [saída] dos meninos, Hélio despediu-se de sua mãe, que estava no andar de cima colocando o bebê para dormir.

Minutos depois, Hélio caminhava rua abaixo, devagar, em direção à casa de Marcos.

(…) Hélio queria muito jogar (…) e não se sentia bem por desapontar a equipe, mas estava com pena de Marcos. Aqueles longos dias no hospital não tiveram a menor graça para ele.

‘Onde estão Rui e Túlio?’, perguntou a mãe de Marcos, convidando Hélio para entrar.

‘Eles não puderam vir’, disse Hélio.

A mãe de Marcos suspirou e Hélio pôde ver as rugas cansadas ao redor de seus belos olhos. A doença de Marcos estava sendo difícil para seus pais, também. Então, ela sorriu ao dizer: ‘Mas estou contente por você ter vindo, Hélio. Marcos está esperando’.

Hélio notou que Marcos estava pálido e um pouco triste. Havia uma atadura em uma de suas pernas, mas fazendo um grande esforço ele conseguiu caminhar ao encontro de Hélio.

A mãe deixou os garotos sozinhos e eles sentaram-se na sala para conversar. Poucos minutos depois, Marcos calou-se e Hélio notou que ele olhava pela janela naquela tarde de primavera.

‘Papai diz que vou jogar bola novamente algum dia’, disse esperançoso. ‘Espero que isto realmente aconteça logo.’

De repente, Hélio teve uma idéia.

‘Volto logo’, garantiu ao amigo, correndo agitado em direção à cozinha procurando a mãe de Marcos.

‘Quase tão bom quanto jogar é assistir a uma partida’, explicou Hélio depois de contar-lhe seu plano.

‘Vá em frente, Hélio’ , disse ela. ‘Creio que isto fará muito bem ao Marcos.’

Hélio percebeu o entusiasmo dela. Ele sabia que a distância até o (…) campo seria muito grande para Marcos caminhar; foi, então, à garagem e tirou de lá (…) um carrinho de seu amigo.

Pouco depois, Hélio empurrava Marcos, em direção ao campo, dentro do carrinho. Alguns dos garotos olharam surpresos ao vê-los chegando, mas logo aproximaram-se de Marcos para cumprimentá-lo.

‘Você veio jogar?’, perguntaram a Hélio.

‘Claro (…)!’, exclamou Marcos.

Rui aproximou-se timidamente e Túlio chegou por detrás dele.

‘Não vou jogar agora, Hélio’, disse Túlio. ‘Vou fazer companhia a Marcos.’

Daquele momento em diante, Marcos não ficou mais sozinho e Hélio sabia que Túlio e Rui estavam arrependidos por terem agido daquela maneira.

Foi uma partida vibrante e, quando terminou, Túlio e Rui revezaram-se para empurrar Marcos de volta para casa, enquanto Hélio os acompanhava ao lado do carrinho. [Eva Gregory de Pimienta, “Bad-Weather Friends” (Amigos até Debaixo d’Água), Friend, abril de 1975, pp. 8–10.]

  • De que maneira Hélio ajudou Marcos a sentir-se amado e aceito?

  • Como os outros garotos trataram Marcos quando ele chegou para assistir ao jogo?

História

Peça às crianças que ouçam a seguinte história:

Clarita e sua família acabaram de mudar-se para a ala, vindos de outro país. Quando Clarita chegou à Primária, as crianças de sua classe riram do modo como ela se vestia e falava. Ela sentou-se sozinha e sentiu-se mal recebida.

A lição da Primária, dada pelo irmão Roberto, falava sobre como Jesus Cristo era bondoso com as pessoas e fazia com que as pessoas se sentissem amadas e importantes. Carina, uma das colegas de classe de Clarita, sentira-se mal por ela e as outras terem-na tratado daquela maneira.

  • O que Carina poderia fazer para que Clarita se sentisse amada?

Carina decidiu descobrir os interesses e talentos de Clarita. Quando conversou com ela, descobriu que Clarita era muito boa em matemática. Como estava com dificuldades naquela matéria, Carina perguntou a Clarita se elas poderiam estudar juntas. Ela ajudaria Carina com as lições de sua língua e Clarita lhe ensinaria matemática. Enquanto estudavam juntas, elas descobriram que gostavam de fazer muitas coisas em comum; tornaram-se boas amigas.

Debate

  • Como Carina ajudou Clarita a sentir-se aceita?

Ressalte que, geralmente, não é tão difícil ajudar as pessoas a se sentirem bem a respeito de si mesmas. Podemos fazer isto, interessando-nos por elas e mostrando-lhes quão importantes são para os outros.

Atividade

Apresente as seguintes situações e deixe as crianças debatê-las.

Você pode permitir que elas dramatizem cada situação e depois contem à classe como se sentiram.

  1. 1.

    Você está construindo um viveiro de passarinhos no quintal com seus amigos. Seu irmãozinho chega e pergunta se pode ajudar.

    • O que você poderia fazer para que ele se sentisse útil? (Deixá-lo ajudar pegando os pregos para você e segurando as tábuas no lugar.)

    • Como você se sentiria se fosse um menininho e seu irmão maior o deixasse ajudar a construir o viveiro?

  2. 2.

    Sua classe da Primária está planejando um projeto de serviço. Todos estão contribuindo com idéias, exceto Rita. Ela é tímida e não fala muito. De repente, Rita começa a falar, mas é interrompida por alguém e não consegue concluir sua idéia.

    • O que você poderia fazer a fim de demonstrar consideração por Rita, fazendo com que ela se sentisse importante?

    • Como se sentiria se você fosse Rita e alguém demonstrasse interesse pelo que você diz?

  3. 3.

    Você está brincando no pátio da escola e vê algumas crianças dizendo a uma outra para não brincar com elas; tratam mal aquela criança.

    • O que você faria para mostrar àquela criança que ela é importante?

    • Como se sentiria se alguém o chamasse para brincar enquanto outras crianças não aceitassem você na brincadeira?

  4. 4.

    Há uma nova aluna na sua classe da Primária e algumas das meninas estão caçoando dela porque ela está vestida de modo diferente dos outros membros da classe.

    • O que você faria para que a nova aluna se sentisse querida e aceita?

    • Como se sentiria se fosse novo na igreja e alguém passasse algum tempo conversando com você, fazendo-o sentir-se bem-vindo?

Diga às crianças que temos muitas oportunidades por dia de mostrar aos outros quão importantes eles são para nós.

Resumo

Testemunho e experiência pessoal

Você pode comentar sobre certa vez, quando alguém o ouviu ou deu-lhe atenção, fazendo com que se sentisse bem. Pode, por exemplo, contar como se sentiu bem quando uma criança de sua classe acenou e sorriu para você numa loja ou na rua.

Preste seu testemunho a respeito do amor que o Pai Celestial e Jesus Cristo têm a cada um de nós. Somos importantes para Eles. Tudo o que Eles nos fazem é para nos ajudar. Desejam que voltemos à Sua presença e vivamos com Eles eternamente. Podemos ajudá-Los amando os outros e ajudando aqueles que estão perto de nós a sentirem o valor que eles têm para nós e para o Pai Celestial e Jesus Cristo.

Convide as crianças a compartilharem experiências a respeito de alguém que as ajudou a sentirem-se bem consigo mesmas ou quando elas fizeram com que alguém se sentisse amado e importante.

Regra de fé

Diga às crianças que, como membros da Igreja, nós cremos em fazer o bem a todas as pessoas. Diga que isto faz parte da décima terceira regra de fé.

Faça as crianças repetirem com você a seguinte expressão: “Cremos em (…) fazer o bem a todos os homens”.

Desafie as crianças a tentarem, durante a semana, ajudar alguém a sentir-se bem a respeito de si mesmas e sentirem-se amadas.

Convide uma criança para fazer a última oração.

Atividades Complementares

Escolha, dentre as atividades seguintes, as que melhor se adaptem às crianças de sua classe. Você pode utilizá-las na própria lição ou como revisão ou resumo. Para informações adicionais, ver “Distribuição do Tempo da Aula” em “Auxílios para o professor”.

  1. 1.

    Peça a uma das crianças que se sente numa cadeira no meio da sala e finja ser um príncipe ou uma princesa sentada num trono. O príncipe ou a princesa não podem falar, enquanto as outras crianças expressam sua opinião sobre todos os pontos positivos dele ou dela. Elas podem dizer coisas como: “Ela tem um belo sorriso”; “Eu gosto da cor do cabelo dele”; “Ela é reverente na classe”; “Ele compartilha seus lápis de cor comigo”. Coroe o príncipe ou a princesa com uma coroa simples. Dê a cada criança a oportunidade de ser príncipe ou princesa.

  2. 2.

    Diga que ser um bom ouvinte ajuda os outros a saberem que são importantes. Quando outras pessoas estão falando, as crianças devem ouvir atentamente e não interromper. Peça às crianças que ouçam com atenção a seguinte história e levantem as mãos quando você disser algo que provavelmente não aconteceria.

    Lídia acordou cinco minutos antes da hora de ir à igreja. Se ela não fosse rápida, teria que sair com a aparência de quem acabara de acordar. Ela correu para o banheiro e lavou o rosto com o sucrilho. Enquanto corria de volta ao quarto, ela tropeçou em seu crocodilo de estimação. “Lídia, vamos sair daqui a dois minutos”, gritou sua boneca. Lídia penteou rapidamente seu vestido, pôs sua melhor escova de cabelo, e saiu correndo pela porta.

    Agradeça as crianças por ouvirem atentamente e por não interromperem. Releia a história e peça às crianças que substituam as palavras erradas pelas corretas.

  3. 3.

    Faça uma cadeia de bonecos de papel (ver as ilustrações) para cada criança. Deixe-as colorir os bonecos para ficarem parecidos com membros da classe ou da família. Fale a respeito de como elas podem ajudar os outros a se sentirem amados. (Elas podem dizer coisas amáveis umas às outras, não deixar pessoas de fora quando estiverem brincando, ser boas ouvintes, e ajudar umas às outras quando houver algum problema.)

    paper dolls
  4. 4.

    Prepare uma coluna num dos lados do quadro-negro, entitulada: “Como Jesus Cristo Demonstra Seu Amor por Nós”. Depois, faça uma coluna no outro lado, com o título: “Como Demonstramos Amor pelos Outros”. Relacione as respostas das crianças às perguntas contidas no início da lição nas colunas preparadas. Você pode, também, jogar um saquinho de feijão a uma criança de cada vez, convidando-a a sugerir algo para uma das listas, antes de arremessá-lo de volta a você.