Lição 34: Podemos Orar ao Pai Celestial

Primária 3: Conserva a Tua Rota B, 1994


Propósito

Fortalecer o desejo de cada criança de orar ao Pai Celestial como Jesus Cristo o fazia.

Preparação

  1. 1.

    Estude, em espírito de oração, 3 Néfi 17–19.

  2. 2.

    Prepare-se para cantar ou repetir a letra de “Ó Pai Querido, Dou Graças” (Músicas para Crianças, p. 9).

  3. 3.

    Prepare uma folha de papel para cada criança conforme modelo abaixo:

  4. 4.

    Materiais necessários:

    1. a.

      Livro de Mórmon;

    2. b.

      Um lápis ou lápis de cor para cada criança;

    3. c.

      Gravura 3-60, Menina Orando; gravura 3-61, Jesus Orando com os Nefitas.

  5. 5.

    Faça os preparativos necessários para quaisquer Atividades Complementares que deseje utilizar.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Verifique alguma designação que tenha sido dada na semana anterior.

Podemos Conversar com Nosso Pai Celestial

Atividade motivadora

Mostre a gravura 3-60, Menina Orando.

  • Como podemos conversar com nosso Pai Celestial?

  • Por que oramos ao Pai Celestial?

  • Quando podemos orar ao Pai Celestial?

O Pai Celestial nos ama tanto que providenciou um meio de conversarmos com Ele. Ele deseja que expressemos nossa gratidão pelas bênçãos recebidas. Ele também quer que peçamos Sua ajuda sempre que precisarmos.

Podemos Agradecer a Nosso Pai Celestial

Debate

Diga que quando oramos, devemos agradecer ao Pai Celestial pelas bênçãos recebidas.

  • Que bênçãos o Pai Celestial nos concede pelas quais devemos ser gratos? (As respostas podem incluir nosso lar, nossa família, a beleza do mundo, alimentos e roupas.)

Quando falamos com o Pai Celestial, usamos palavras específicas. Ao agradecermos, dizemos: “Agradecemos-Te”.

Deixe as crianças contarem à classe como agradeceriam ao Pai Celestial por uma bênção específica. Peça a cada criança que pense em algo pelo qual seja grata ao Pai Celestial, usando as palavras agradeço-Te.

História

Diga às crianças que ouçam enquanto você conta, com suas próprias palavras, a história sobre Vera e como ela lembrou de agradecer ao Pai Celestial:

A Inglaterra estava em guerra. Já havia escurecido e Vera estava com medo. Sua avó morava numa cidadezinha perto de Londres e Vera estava a caminho de sua casa para visitá-la. Vera precisava pedalar mais de três quilômetros em sua bicicleta até chegar à estrada principal. Vera orou de todo o coração, pedindo proteção.

Enquanto pedalava e orava, um forte vento frio quase impedia sua respiração. Vera, mais uma vez, orou pedindo segurança e capacidade para enxergar o caminho.

De repente, uma luz apareceu sobre a colina. Vera pedalou em direção à luz, que permaneceu a sua frente pelo resto do caminho.

Vera sentiu-se cheia de gratidão. Ela sabia que o Pai Celestial atendera a sua oração. Sempre que se lembrava disso, ela agradecia ao Pai Celestial novamente. [Ver Lucile C. Reading, “The Light” (A Luz), Children’s Friend, agosto de 1965, p. 45.]

Saliente que, assim como Vera lembrou-se de agradecer ao Pai Celestial, cada um de nós devemos dar-Lhe graças por tudo o que nos dá e pela ajuda recebida.

Hino e debate

Cante ou repita com as crianças a letra da primeira estrofe de “Ó Pai Querido, Dou Graças”.

Ó Pai tão querido, dou graças a Ti,
Por tua bondade, carinho e amor,
Por meus pais bondosos e pelo meu lar
E por toda a bênção que posso gozar.

Peça às crianças que mencionem outras bênçãos pelas quais são gratas ao Pai Celestial.

Podemos Pedir Ajuda ao Pai Celestial

Gravura e testemunho

Aponte para a gravura 3-60, Menina Orando.

Preste seu testemunho de que, seja qual for nosso problema, podemos pedir o auxílio do Pai Celestial sempre que precisarmos.

  • Em que situações podemos pedir ajuda ao Pai Celestial? (Dê tempo para as crianças pensarem. As respostas poderão incluir ajuda para preparar um discurso ou fazer um trabalho escolar; ajuda para aprender os mandamentos, compreendê-los e segui-los; proteção especial e ajuda para melhorarmos quando estivermos doentes.)

Deixe as crianças contarem situações em que oraram por alguma pessoa, tais como membros de sua família, amigos ou vizinhos.

As palavras específicas que usamos ao pedirmos ajuda ao Pai Celestial são: Pedimos-Te. Peça às crianças que repitam essas palavras.

Hino

Cante ou repita a letra da segunda estrofe de “Ó Pai Querido, Dou Graças”. Peça às crianças que ouçam a letra e pergunte o que elas poderiam pedir ao Pai Celestial.

Ajuda-me a ser bom e sempre fiel
E muito obediente ao que dizem meus pais.
No nome sagrado de Cristo Jesus,
Eu peço que me guardes em tua luz.

Devemos Orar Sempre, Como Jesus Cristo Fazia

Apresentação pelo professor

Ressalte que Jesus Cristo orou ao Pai Celestial muitas vezes, quando estava na Terra. Após a ressurreição, Ele também orou ao Pai Celestial. Quando Jesus visitou o povo nefita, Ele ensinou-os e abençoou-os. Orou pelo povo e ensinouos que deveriam orar também.

Gravura

Mostre a gravura 3-61, Jesus Orando com os Nefitas.

Diga que o Livro de Mórmon relata quando Jesus Cristo reuniu a multidão ao Seu redor e ordenou-lhes que se ajoelhassem. Após terem feito isso, Jesus também ajoelhou-Se e orou ao Pai Celestial. Ele fez uma oração tão bonita que as pessoas sentiram-se cheias de alegria ao ouvirem Suas palavras.

Depois de tê-los ensinado tantas coisas maravilhosas, Jesus Cristo disse-lhes que deveriam orar como Ele o havia feito.

Debate de escritura

Leia 3 Néfi 18:16.

  • O que Jesus Cristo ensinou ao povo nefita, conforme relata esse versículo de escritura? (Ensinou-os a orar.)

Diga que Jesus Cristo deixou o povo nefita, mas retornou uma segunda vez. Quando voltou, orou novamente ao Pai Celestial e agradeceu-O por ajudar os discípulos nefitas. Ele também pediu ao Pai Celestial que abençoasse o povo. Jesus Cristo orou muitas vezes enquanto esteve com os nefitas. Algumas de Suas orações eram tão maravilhosas que não puderam ser escritas.

Diga que cada um de nós deve fazer como Jesus Cristo ensinou aos nefitas e orar freqüentemente ao Pai Celestial.

  • Quando podemos orar ao Pai Celestial? (Aceite as respostas e debata sobre as diferentes ocasiões em que as crianças podem orar, incluindo toda manhã e noite, antes das refeições, com a família ou sempre que tiverem problemas ou necessitarem de uma ajuda em especial.)

  • Quais as palavras especiais que usamos ao conversarmos com o Pai Celestial?

Deixe que as crianças repitam: “Agradecemos-Te” e “Pedimos-Te”. Encoraje-as a usarem linguagem adequada ao orar. Elas podem praticar usando “tu”, “ti” e “teu”.

Resumo

Atividade

Dê às crianças as folhas de papel e os lápis preto ou de cor que você preparou. Peça-lhes que façam um desenho em cada uma das metades da folha, mostrando algumas das coisas pelas quais são gratas e outras que elas pediriam em oração.

Testemunho do professor

Compartilhe com as crianças o seu testemunho a respeito da oração. Saliente que é uma grande bênção poder orar ao Pai Celestial para agradecê-Lo e para pedir-Lhe ajuda. Incentive-as a orarem diariamente e lembre-as de que elas podem orar a toda hora e em qualquer lugar que desejarem.

Em preparação para a oração de encerramento, peça às crianças que sugiram algumas coisas pelas quais a pessoa escolhida para orar possa agradecer ao Pai Celestial. Deixe que sugiram, também, coisas que podem ser pedidas.

Faça você mesmo a última oração, lembrando-se de usar as idéias sugeridas pela classe.

Atividades Complementares

Escolha, dentre as atividades seguintes, as que melhor se adaptem às crianças de sua classe. Você pode utilizá-las na própria lição ou como revisão ou resumo. Para informações adicionais, ver “Distribuição do Tempo da Aula” em “Auxílios para o professor”.

  1. 1.

    Recite o poema abaixo, fazendo os gestos. Em seguida, repita-o com as crianças, fazendo os gestos.

    Graças damos-Te, ó Deus, pelo sol a brilhar, (braços para cima, dedos unidos, formando um sol)
    Pela clara manhã com pássaros a cantar, (balance os braços como pássaro voando)
    Por crianças felizes em todos os lugares, (sorria)
    Graças damos-Te, ó Pai, por tanto nos amares (abaixe a cabeça e cruze os braços, como na oração).
  2. 2.

    Conte, com suas próprias palavras, a seguinte história a respeito de como a oração de um menininho foi atendida.

    Um menino de oito anos estava deitado sobre uma mesa de operação num hospital. Seus pais haviam morrido, mas ele aprendera a orar. Ele sabia que a operação seria difícil. “Doutor, antes de começar a operação, poderia fazer uma oração para mim?”, perguntou ao médico que iria operá-lo. O cirurgião olhou atônito para o menino e disse: “Ora, não posso fazer uma oração para você”.

    Assim, o rapazinho fez o pedido aos demais médicos que estavam ajudando e eles responderam da mesma forma. Disse, então, o menino: “Já que não podem orar para mim, poderiam esperar enquanto eu mesmo oro?” Ele ajoelhou-se sobre a mesa de operação, cruzou os braços e disse: “Pai Celestial, sou apenas um menino órfão, mas estou muito doente e esses médicos vão me operar. Ajuda-os, por favor, a saírem-se bem. E agora, Pai Celestial, se me curares, serei um bom menino. Obrigado por me curares”.

    Quando terminou a oração, havia lágrimas nos olhos dos médicos e enfermeiros. O menino deitou-se sobre a mesa e disse: “Agora, estou pronto”. [Adaptado de George Albert Smith, Sharing the Gospel with Others (Compartilhar o Evangelho com os Outros), sel. Presto Nibley (Salt Lake City: Deseret Book Co., 1948), pp. 144–45.]

  3. 3.

    Faça uma tabela para cada criança marcar as orações feitas durante uma semana, numa folha de papel. Elas poderão anotar cada vez que orarem pela manhã e à noite. Na outra metade da folha, deixe que as crianças façam um desenho de si mesmas, orando. Incentive-as a colocarem sua tabela em casa num lugar onde possam vê-la e lembrarem-se de marcá-la pela manhã e à noite.

  4. 4.

    Faça uma revisão da primeira regra de fé.