Alma Batiza nas Águas de Mórmon

Primária 4: O Livro de Mórmon, 1994


Propósito

Ensinar às crianças o significado de seus convênios batismais e a importância de guardá-los.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude Mosias 17:2–4; 18. Em seguida, estude a lição e decida como pretende ensinar a história das escrituras às crianças. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi, e “Ensinar Usando as Escrituras”, p. vii.)

  2. 2.

    Escolha as perguntas do debate e atividades complementares que mais envolvam e ajudem as crianças a alcançar o propósito da lição.

  3. 3.

    Material necessário:

    1. a.

      Um Livro de Mórmon para cada criança.

    2. b.

      Optativo: Uma fechadura e uma chave para a atividade motivadora (por exemplo: um cadeado, um diário com chave, uma caixa de jóias ou uma mala de viagem.)

    3. c.

      Uma chave recortada em papel em que foi escrita a palavra Convênio (Ver o final da lição.)

    4. d.

      Uma cópia da folha “Meus Convênios Batismais” para cada criança (Ver o final da lição.)

    5. e.

      A gravura 4–23, Alma Batiza nas Águas de Mórmon (Pacote de Gravuras do Evangelho 34730 059 – 309).

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança a fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Mostre a chave. Pergunte às crianças para que serve uma chave. Você pode fazer com que uma criança abra a fechadura com a chave. Mostre a chave de papel de modo que as crianças não vejam a palavra Convênio e rasgue-a ao meio. Explique que uma chave não funciona se tivermos apenas metade dela. Vire os pedaços da chave para mostrar a palavra Convênio. Pergunte às crianças se sabem o que aquela palavra significa. Explique que no evangelho convênio é um acordo ou promessa sagrada feita entre o Pai Celestial e Seus filhos. Se cumprirmos nossos convênios com o Pai Celestial, Ele sempre irá cumprir Sua parte; mas se não cumprirmos as promessas que fizermos, estaremos quebrando nosso convênio. Guardar os convênios do batismo é uma chave para as bênçãos e a vida eterna. Explique que a vida eterna significa tornar-nos semelhantes ao Pai Celestial e vivermos com Ele para sempre. Explique que, ao aprenderem a respeito de Alma e seu povo, recordarão seus convênios batismais e a melhor maneira de cumpri-los.

História das Escrituras

Conte às crianças a história que se encontra em Mosias 17:2–4; 18, sobre os batismos que Alma realizou nas Águas de Mórmon. (Ver sugestões para ensinar a história das escrituras na seção “Ensinar Usando as Escrituras”, p. vii.) Enfatize os convênios que fazemos no batismo e a importância de guardá-los. Use a gravura no momento apropriado.

Debate

Estude as seguintes perguntas e passagens das escrituras ao preparar a aula. Use as perguntas que, na sua opinião, mais ajudarão as crianças a compreender as escrituras e aplicar os princípios na própria vida. A leitura das passagens com as crianças na sala de aula irá ajudá-las a ganhar maior entendimento das escrituras.

• O que Alma fez para se preparar para o batismo? (Mosias 17:2–4; 18:1) Como vocês se prepararam para o batismo?

• O que fazia do lugar chamado Águas de Mórmon um bom esconderijo para Alma ensinar seu povo? (Mosias 18:4–5) Por que eles precisavam se esconder?

• Como as pessoas do povo de Alma se sentiram ao saber que podiam ser batizadas? (Mosias 18:11) Como vocês se sentiram quando foram batizados? O que se lembram a respeito daquele dia?

• Que promessas fizemos ao sermos batizados? O que o Pai Celestial nos prometeu? (Mosias 18:8–10) Mostre a folha “Meus Convênios Batismais” e debata cada uma das promessas. Explique que nenhum de nós é perfeito, mas devemos fazer o melhor possível para guardarmos nossos convênios batismais.

• Como podemos demonstrar que tomamos sobre nós o nome de Jesus Cristo e que somos testemunhas Dele?

• O que significa carregar os fardos uns dos outros e chorar com os que choram? De que maneira Cristo prestou serviço a nós e a outras pessoas quando esteve na Terra? Como podemos seguir o exemplo de Jesus Cristo e servir ao próximo?

• Que mandamentos Alma deu a seu povo para ajudá-los a guardar os convênios do batismo? (Mosias 18:21–23, 27–29) Como podemos viver de modo mais semelhante ao povo de Alma?

• Por meio de que ordenança renovamos nosso convênio batismal a cada domingo? Você pode explicar que renovar significa tornar como novo ou começar de novo. Leia as orações sacramentais com as crianças e ajude-as a encontrar os convênios contidos nas orações. (Ver Morôni 4:3; 5:2) Dê a cada criança uma cópia da folha “Meus Convênios Batismais” e relembre os convênios que fizeram no batismo.

Atividades Complementares

Pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como revisão, resumo ou desafio.

  1. 1.

    Peça a uma criança que segure um livro relativamente pesado na mão e mantenha o braço esticado, enquanto você fala à classe a respeito dos convênios do batismo. Pergunte à criança com o livro se está sentindo o braço ficar cansado. Peça a outra criança que a ajude a segurar o livro. Explique que uma das promessas que fazemos ao sermos batizados é a de “carregar os fardos uns dos outros, para que fiquem leves”. Faça um debate sobre alguns dos fardos que as crianças da idade da classe precisam carregar, como: Ser vítimas de zombarias, ficar doentes, ter problemas com familiares, desejar fazer parte de um grupo ou ter dificuldades na escola. Pergunte às crianças como podem ajudar a tornar mais leves os fardos umas das outras.

  2. 2.

    Antes da aula, peça aos pais que lhe contem uma ocasião em que as crianças ajudaram alguém. Conte essas experiências na classe e elogie as crianças pela ação realizada. Saliente que tais ações tornaram mais leve o fardo das pessoas que foram ajudadas.

  3. 3.

    Explique às crianças que parte do convênio que fizemos quando fomos batizados foi tomar sobre nós o nome de Jesus Cristo, tornando-nos verdadeiros cristãos, ou seja, seguidores de Cristo. Devemos ser dignos de ser chamados pelo Seu nome. Peça às crianças que pensem em como têm honrado o nome de Jesus Cristo, enquanto conta a seguinte história a respeito do Presidente George Albert Smith, o oitavo Presidente da Igreja.

    “Há alguns anos, fiquei tão doente (…) que mal podia me mover de tão fraco.

    Certo dia, (…) perdi a consciência e imaginei ter passado para o outro lado do véu. (…)

    Comecei a explorar os arredores. (…) Depois de ter andado por algum tempo (…) pela floresta, vi um homem aproximando-se. Percebi que era um homem bem alto e me apressei para chegar perto dele, pois reconheci como sendo meu avô. (…) Lembro-me de como fiquei contente em vê-lo. Recebi seu nome e sempre me orgulhei disso.

    Quando meu avô chegou a poucos metros de mim, parou onde estava, (…) encarou-me com muita sinceridade no olhar e disse:

    ‘Gostaria de saber o que você tem feito com o meu nome.’

    Todos os meus atos passaram diante de mim, como um filme numa tela. (…) Toda a minha vida passou diante de meus olhos. Sorri, olhei para meu avô e disse:

    ‘Não fiz nada com seu nome de que tenha que se envergonhar.’

    Ele deu um passo adiante e tomou-me nos braços. Naquele instante, voltei a ter consciência das coisas à minha volta aqui na Terra. Meu travesseiro estava tão molhado como se eu tivesse entornado água nele, por causa das lágrimas de gratidão que derramei por ter podido responder sem me envergonhar.” [“Your Good Name” (Seu Bom Nome), Improvement Era, março de 1947, p. 139].

Conclusão

Testemunho

Preste testemunho de que cumprindo nossos convênios batismais aprendemos a servir melhor uns aos outros e a nos tornar mais semelhantes a Jesus Cristo.

Sugestão para Designação de Leitura

Sugira às crianças que estudem Mosias 18:1–11, 30–35 em casa, como revisão desta lição.Convide uma criança a fazer a última oração.

Observação: Se decidir usar a atividade complementar 1 na próxima lição, faça as designações com pelo menos uma semana de antecedência.