Restauração das Ordenanças Importantes

Primária 5: Doutrina e Convênios, 1996


Propósito

Ajudar as crianças a serem gratas pelo privilégio de poderem ser batizadas, confirmadas e participarem do sacramento.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude Doutrina e Convênios 20:37, 41, 72–79; 22; 27:1–4 (incluindo os cabeçalhos); 2 Néfi 31:17–21 e o relato histórico desta lição. Em seguida, estude a lição e decida como pretende usar os relatos escriturísticos e históricos para ensinar as crianças. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi–vii, e “Como Usar os Relatos Escriturísticos e Históricos para Ensinar as Crianças”, p. vii–xii.)

  2. 2.

    Leitura adicional: Doutrina e Convênios 58:42 e Joseph Smith—História 1:68–74.

  3. 3.

    Escolha as perguntas do debate e atividades complementares que mais envolvam e ajudem as crianças a alcançar o propósito da lição.

  4. 4.

    Materiais Necessários:

    1. a.

      Um exemplar de Doutrina e Convênios para cada criança;

    2. b.

      Livro de Mórmon e Pérola de Grande Valor;

    3. c.

      Um lápis para cada criança;

    4. d.

      O mapa da região de Nova York—Ohio, que se encontra no final da lição 1.

Observação para o professor: Ao falar sobre o batismo e a confirmação, seja sensível às crianças da classe que não tenham sido batizadas e confirmadas.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Entregue a cada criança um lápis e uma cópia do labirinto que se encontra no final da lição. Peça às crianças que procurem e tracem o caminho desde o “Portão” até a “Vida Eterna”. (Se tiver uma cópia grande do labirinto, faça com que as crianças procurem o caminho juntos.)

Faça com que as crianças comparem os labirintos, a fim de verificarem se todas encontraram o mesmo caminho. Saliente que existe apenas um caminho livre para sair do labirinto; os outros caminhos estão bloqueados.

Explique às crianças que a vida às vezes parece um labirinto. Podemos tomar decisões diferentes e seguir muitos caminhos distintos, mas existe apenas um caminho que nos levará até a vida eterna com o Pai Celestial e Jesus Cristo. Esse caminho é o evangelho de Jesus Cristo.

• Se o caminho pelo labirinto representa o evangelho, o que acham que o “Portão” representa?

Leia ou peça a uma criança que leia 2 Néfi 31:17 em voz alta. Diga que o batismo na Igreja de Jesus Cristo é o “portão” que dá início ao caminho que nos leva para a vida eterna.

• O que vocês recebem depois de serem batizados que os ajuda a fazerem escolhas corretas e permanecerem no caminho da vida eterna? (O dom do Espírito Santo.)

• O que fazemos todas as semanas que nos ajuda a lembrar das importantes ordenanças do batismo e da confirmação? (Tomamos o sacramento.)

Lembre às crianças que depois da Apostasia, o evangelho de Jesus Cristo já não se encontrava na Terra. O sacerdócio também não estava mais sobre a Terra, por isso ninguém podia ser devidamente batizado, confirmado nem tomar o sacramento. O evangelho e o sacerdócio precisaram ser restaurados nestes últimos dias.

Relatos Escriturísticos e Históricos

Recapitule brevemente o modo pelo qual o sacerdócio e a Igreja de Jesus Cristo foram restaurados nestes últimos dias. (Ver lições 8 e 11.) Diga que quando o sacerdócio foi restaurado, os homens que o possuíam puderam batizar, confirmar e abençoar e distribuir o sacramento. Foi a primeira vez desde a Apostasia que essas ordenanças foram realizadas com a devida autoridade.

Ensine às crianças quais foram as instruções do Senhor a respeito do batismo, confirmação e o sacramento, como descrito nas escrituras relacionadas na seção “Preparação”, e sobre o desejo dos primeiros santos de serem batizados e confirmados, como descrito no seguinte relato histórico. Mostre o mapa nos momentos adequados.

Joseph Smith recebeu uma revelação dizendo que todas as pessoas que quisessem se filiar à Igreja de Jesus Cristo deveriam arrepender-se de seus pecados, humilhar-se e estar dispostos a servir Jesus Cristo. (Ver D&C 20:37.) Poderiam então ser batizadas na Igreja e receber o perdão de seus pecados.

Na reunião em que a Igreja foi organizada, as pessoas que já haviam sido batizadas foram confirmadas como membros da Igreja e receberam o dom do Espírito Santo. As pessoas presentes à reunião também tomaram o sacramento. Após a reunião, outras pessoas foram batizadas, entre eles a mãe e o pai do Profeta, Lucy Mack Smith e Joseph Smith Sênior. Os pais do Profeta ficaram muito felizes por serem batizados, e Joseph também se encheu de alegria. Lucy Mack Smith escreveu que quando seu marido saiu das águas depois de ser batizado, “Joseph parou junto à margem e tomou o pai pela mão, exclamando com lágrimas de alegria: ‘Louvado seja meu Deus, por eu estar vivo para testemunhar o batismo de meu pai na verdadeira Igreja de Cristo!’” [Lucy Mack Smith, History of Joseph Smith (História de Joseph Smith), p. 168.]

A Igreja começou a crescer. Muitas das pessoas que ouviram os ensinamentos de Joseph Smith, Oliver Cowdery e outros missionários quiseram ser batizadas na Igreja. Algumas já haviam sido batizadas em outras igrejas e tiveram dúvidas sobre o motivo de ser necessário que fossem batizadas novamente. Joseph perguntou ao Senhor e recebeu a revelação registrada em Doutrina e Convênios 22. Nessa revelação, o Senhor explicou que as pessoas batizadas em outras igrejas não o foram por quem possuísse a devida autoridade do sacerdócio e precisavam, portanto, ser batizadas novamente por alguém que tivesse autoridade.

Dois meses após a organização da Igreja, Joseph e Emma Smith, Oliver Cowdery e outras pessoas viajaram para Colesville, Nova York, porque muitas pessoas daquela região queriam ser batizadas. Quando chegaram a Colesville, represaram um riacho para formar um laguinho para os batismos. Durante a noite, porém, uma turba de inimigos destruiu a pequena represa. O dia seguinte era domingo, e os santos realizaram uma reunião em que Oliver Cowdery pregou e outras pessoas prestaram testemunho do arrependimento, batismo e dom do Espírito Santo. Alguns integrantes da turba estavam presentes e insultaram e incomodaram os santos depois da reunião.

Na manhã da segunda-feira, os membros da Igreja consertaram a pequena represa e realizaram um serviço batismal, no qual foram batizados a esposa do Profeta, Emma, e doze outras pessoas. Quando o serviço terminou, a turba reuniu-se novamente e ameaçou maltratar os santos. Quando os santos foram para uma casa das proximidades, a turba os seguiu, mas o Pai Celestial protegeu os santos e a turba não os molestou.

Uma reunião estava programada para aquela noite, para confirmar as pessoas batizadas naquele dia, mas pouco antes do início da reunião, um oficial da lei apareceu e prendeu Joseph Smith, sob a acusação de ser um “desordeiro (…) que estava causando confusão na região por causa da pregação do Livro de Mórmon”. [History of the Church (História da Igreja), 1:88.] O oficial sabia que a turba planejava ferir Joseph, por isso colocou o Profeta em uma carroça e fugiu da multidão. Enquanto se afastavam, uma das rodas da carroça soltou-se e quase foram cercados novamente pela turba. Consertaram rapidamente a roda e seguiram em frente. O oficial levou Joseph para outra cidade. Naquela noite, o oficial dormiu com uma arma carregada ao lado, para o caso de precisar proteger Joseph da turba.

No dia seguinte, um julgamento foi realizado, mas Joseph foi solto por não haver evidências incriminadoras contra ele. Foi imediatamente preso de novo, por outro oficial, e levado a julgamento em outra cidade, mas novamente não havia evidências incriminadoras, e finalmente permitiram que Joseph voltasse para casa.

Enquanto isso, os santos de Colesville estavam orando pela segurança de Joseph e por seu retorno, para que pudesse confirmá-los como membros da Igreja. No final de agosto, Joseph e Oliver Cowdery retornaram a Colesville com alguns outros homens. No caminho, encontraram um grande grupo de homens trabalhando na estrada. Alguns desses homens eram seus inimigos, mas apesar de olharem de perto o Profeta e seus amigos, não reconheceram ninguém e deixaram-nos passar. Por causa desse milagre, Joseph chegou em segurança a Colesville e os membros puderam ser confirmados e tomar o sacramento.

Anteriormente, no início de agosto, Joseph programara realizar uma pequena reunião para confirmar sua esposa, Emma, e outra mulher. Quando Joseph foi comprar vinho para o sacramento, encontrou-se com um anjo. O anjo ordenoulhe que não comprasse o vinho de seus inimigos. (Ver D&C 27:3.) O anjo também lhe disse que não importava o que fosse comido ou bebido no sacramento, desde que aqueles que o tomassem lembrassem da expiação de Cristo. (Ver D&C 27:2.)

Debate

Estude as perguntas e passagens das escrituras a seguir quando preparar a aula. Use as perguntas que, na sua opinião, ajudarão as crianças a compreenderem melhor as escrituras e aplicarem seus princípios na própria vida. A leitura das passagens com as crianças, na sala de aula, irá ajudá-las a ganhar maior entendimento das escrituras.

• Por que somos batizados? (Para a remissão de nossos pecados e para tornarnos membros da igreja de Jesus Cristo; ver D&C 20:37.) O que devemos fazer para nos prepararmos para o batismo? (D&C 20:37) Se verdadeiramente nos arrependermos e formos batizados, que promessa nos é feita a respeito de nossos pecados? (Serão perdoados; ver D&C 58:42.)

• Que autoridade, ou sacerdócio, é necessário para realizar batismos? (Joseph Smith—História 1:69) Como Joseph Smith e Oliver Cowdery receberam esse sacerdócio? (Joseph Smith—História 1:68–71) Por que os batismos realizados em outras igrejas não foram aceitos pelo Senhor? (D&C 22)

• Depois de sermos batizados, como somos confirmados? (D&C 20:41) Que autoridade do sacerdócio é necessária para essa ordenança? (Joseph Smith—História 1:70, 72) Quando somos confirmados como membros da Igreja, que dom recebemos? Como devemos viver para permanecermos dignos do dom do Espírito Santo?

• Por que vocês acham que Joseph Smith ficou contente quando seus pais foram batizados? Por que vocês se sentem gratos de terem sido batizados na verdadeira igreja de Jesus Cristo?

• De que modo os inimigos da Igreja tentaram impedir que os santos de Colesville fossem batizados? O que impediu que os santos recém-batizados fossem confirmados no mesmo dia? De que modo Joseph Smith foi protegido da turba?

• Por que acham que tantos santos estavam dispostos a enfrentar o perigo para serem batizados e confirmados? Como vocês acham que eles se sentiram quando foram batizados e confirmados? Como vocês se sentem quando fazem o que é certo?

• O que o anjo disse a Joseph Smith a respeito do que devemos usar no sacramento? (D&C 27:2) O que usamos hoje em dia? (Ver o cabeçalho de D&C 27.) De que devemos nos lembrar ao tomarmos o sacramento? (D&C 27:2)

• Ao partilhar do pão do sacramento, o que prometemos fazer? (D&C 20:77) Ao tomar a água do sacramento, o que prometemos fazer? (D&c 20:79) O que significa tomarmos sobre nós o nome de Jesus Cristo? O que significa sempre nos lembrarmos Dele? De que modo vocês se lembram de Jesus durante a semana?

• De que modo o sacramento nos lembra dos convênios que fizemos quando fomos batizados?

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. 1.

    Peça a uma ou mais crianças que leiam Mosias 18:8–10 e peça a outra criança que leia Doutrina e Convênios 20:37.

    Escreva no quadro-negro:

    • Testemunhamos (prometemos) no batismo que iremos:

    • Servir os outros.

    • Guardar os mandamentos.

    • Servir de testemunhas de Deus em todas as ocasiões.

    • Tomar sobre nós o nome de Jesus Cristo.

    • Debata brevemente o significado de cada um desses convênios (promessas.)

    Peça a duas crianças que leiam as orações sacramentais, que se encontram em Doutrina e Convênios 20:77, 79. Peça às crianças que escutem as orações e ergam a mão sempre que ouvirem ser mencionado um convênio semelhante aos que fazemos no batismo.

    Debata como o fato de ouvirmos o hino sacramental e as orações sacramentais pode ajudar-nos a lembrar as promessas que fizemos quando fomos batizados.

  2. 2.

    Ajude as crianças a compreenderem a importância de continuarmos a guardar os mandamentos depois do batismo. (Ver 2 Néfi 31:17–20.) Antes da aula, escreva em folhas de papel declarações que indiquem maneiras pelas quais podemos permanecer no caminho estreito e apertado depois do batismo (como orar, ler as escrituras, pagar o dízimo e obedecer aos pais) e maneiras pelas quais podemos nos afastar do caminho (como brigar com os irmãos, mentir ou desobedecer à Palavra de Sabedoria.)

    Explique às crianças que o evangelho de Jesus Cristo às vezes é chamado de “o caminho estreito e apertado”. (Ver 2 Néfi 31:18.) Estenda um pedaço comprido de corda, barbante ou fita no chão para representar o caminho estreito e apertado.

    Peça a um voluntário que fique de pé em uma extremidade da corda, barbante ou fita que você colocou no chão. Entregue a cada criança uma ou mais das declarações que você preparou. À medida que as crianças lêem as declarações, uma por vez, peça à criança que está no caminho que decida se a declaração faz com que se mantenha no caminho estreito e apertado ou não. Se não fizer, peça-lhe que dê um passo para o lado. Se for lida uma declaração positiva, faça com que a criança volte para o caminho. Prossiga, até que a criança alcance o fim da corda ou fita.

    Lembre às crianças que a obediência aos mandamentos e o cumprimento daquilo que Jesus Cristo quer que façamos ajudam a preparar-nos para viver com o Pai Celestial por toda a eternidade. Entregue lápis e papel às crianças, e peça-lhes que escrevam uma ou duas coisas que farão durante a semana que as ajudarão a permanecer no caminho estreito e apertado.

  3. 3.

    Enquanto uma criança lê Doutrina e Convênios 20:37, escreva no quadro- negro as características de uma pessoa que está preparada para o batismo. A lista pode incluir o seguinte:

    • É humilde;

    • Tem um coração quebrantado;

    • Tem um espírito contrito;

    • Está disposta a tomar sobre si o nome de Jesus Cristo;

    • Está arrependida;

    • Está determinada a servir o Senhor até o fim;

    • Mostra por suas obras que é sincera.

    Converse com as crianças sobre essas características e sobre como podemos continuar a desenvolvê-las depois do batismo. Incentive as crianças a lerem Doutrina e Convênios 20:37 e a meditarem a esse respeito durante a semana, a fim de prepararem-se para tomar o sacramento.

  4. 4.

    Mostre a figura João Batista Batizando Jesus (gravura 208 do Pacote de gravuras do evangelho.)

    • Onde Jesus Cristo foi batizado?

    • Onde vocês foram batizados?

    Diga que muitas pessoas são hoje batizadas em uma pia batismal cheia de água limpa e aquecida. No entanto, podem ser batizadas em qualquer lugar onde haja água suficiente para que sejam completamente imersas. Hoje, assim como no passado, as pessoas são batizadas em riachos, em lagos, no mar, em tanques de água e em piscinas. Joseph Smith foi batizado em um rio, e muitos outros Presidentes da Igreja foram batizados em riachos, lagos e canais. Howard W. Hunter foi batizado em uma piscina. (Ver William G. Hartley, “Our Prophets’ Outdoor Baptisms”, Friend, março de 1988, pp. 30–31; e “President Howard W. Hunter: The Lord’s ‘Good and Faithful Servant’”, Ensign, abril de 1995, p. 9.)

    Lembre às crianças que o importante é sermos batizados por imersão por alguém que possua a devida autoridade do sacerdócio, independentemente de onde sejamos batizados.

  5. 5.

    Diga que muitas pessoas que desejam ser batizadas enfrentam dificuldades. Por exemplo, muitas pessoas não têm o apoio da família e dos amigos. Em alguns países onde a Igreja está apenas começando, pode ser difícil encontrar um lugar para batizar as pessoas.

    Conte a respeito de alguém que precisou vencer dificuldades para ser batizada. Pode-se usar o seguinte relato:

    Na República do Quênia, África, os membros da Igreja tinham que fazer muitos preparativos para realizar batismos. Transportaram um tanque de água de um país vizinho. Passavam cinco horas bombeando água de um poço e carregando-a até o edifício da igreja, que ficava a seis quilômetros do poço. O nível do tanque não era suficiente para imergir completamente a pessoa que estava sendo batizada; por isso, dez pessoas tinham que entrar no tanque para fazer subir o nível da água. (Ver E. Dale LeBaron, “Pioneers in East Africa”, Ensign, outubro de 1994, p. 22.)

  6. 6.

    Ajude as crianças decorarem ou recapitularem a quarta regra de fé.

  7. 7.

    Ajude as crianças a cantarem ou lerem a letra de “Quando Eu For Batizado” (Músicas para Crianças, p. 53.)

Conclusão

Testemunho

Expresse sua gratidão pelas ordenanças do batismo, confirmação e sacramento e pelas bênçãos recebidas devido a essas ordenanças.

Sugestão para Designação de Leitura

Sugira às crianças que estudem Doutrina e Convênios 20:72–79 e 2 Néfi 31:17–21 em casa, para recapitularem a lição.

Sugestão para Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversarem com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou lerem com a família a “Sugestão para Designação de Leitura”.

Convide uma criança para fazer a última oração.