Joseph Smith É Coberto de Piche e Penas

Primária 5: Doutrina e Convênios, 1996


Propósito

Ajudar cada criança a ter o desejo de perdoar.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude Doutrina e Convênios 64:8–11, 15, 16 e os relatos históricos desta lição. Em seguida, estude a lição e decida como pretende usar os relatos escriturísticos e históricos para ensinar as crianças. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi–vii, e “Como Usar os Relatos Escriturísticos e Históricos para Ensinar as Crianças”, p. vii–xii.)

  2. 2.

    Escolha as perguntas do debate e atividades complementares que mais envolvam e ajudem as crianças a alcançar o propósito da lição.

  3. 3.

    Materiais Necessários:

    1. a.

      Um exemplar de Doutrina e Convênios para cada criança;

    2. b.

      Lápis e duas folhas de papel para cada criança;

    3. c.

      Gravura 5-1, O Profeta Joseph Smith [Pacote de Gravuras do Evangelho (34730 059) – 401], ou Joseph Smith [Pacote de Gravuras do Evangelho (34730 059) – 400]; gravura 5-23, Homem Sendo Coberto de Piche e Penas.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Dê a cada criança duas folhas de papel e um lápis. Na primeira folha, peça às crianças que escrevam várias bênçãos que receberam. Na segunda, peça às crianças que escrevam algo desagradável que alguém lhe tenha feito.

Peça às crianças que coloquem no colo o papel no qual escreveram as bênçãos e segurem o papel que descreve a coisa desagradável na frente dos olhos, encostando no nariz.

• Conseguem ver o papel no qual escreveram as bênçãos?

Diga que, às vezes, quando alguém nos magoa, pensamos tanto em nossas mágoas que não podemos mais perceber nem desfrutar nossas bênçãos. Peça às crianças que amassem o papel com o ato desagradável. Apanhe os papéis amassados das crianças e jogue-os no cesto de lixo. Diga que podemos nos sentir mais felizes se perdoarmos e esquecermos as coisas desagradáveis que as outras pessoas fizeram e nos concentrarmos em nossas bênçãos.

Diga que Joseph Smith sofreu perseguição de muitas pessoas. Ministros de outras religiões, estranhos e até mesmo alguns de seus amigos foram-lhe hostis. Teve que decidir entre permitir que essas injustiças o deixassem zangado e infeliz ou perdoar aquelas pessoas.

Relatos Escriturísticos e Históricos

Ensine as crianças a respeito da reação de Joseph Smith para com os que o perseguiram, conforme ilustrado no seguinte relato histórico. Mostre as gravuras no momento adequado.

Logo depois que a Igreja foi organizada, alguns membros começaram a apostatar ou deixar a Igreja. Pararam de freqüentar às reuniões, criticavam o Profeta e perseguiam os santos. As pessoas apostatavam por vários motivos. Por exemplo: um homem deixou a Igreja porque seu cavalo morreu enquanto viajava para se reunir com os santos em Missouri. Outro homem apostatou porque viu Joseph Smith brincando com algumas crianças. Achou que um profeta deveria ser alguém sério demais para brincar com crianças. Certo homem viu seu nome escrito errado em um documento da igreja e achou que aquilo indicava que Joseph Smith não era inspirado por Deus. Outras pessoas deixavam a Igreja porque não receberam a ajuda que esperavam para seus problemas financeiros. Alguns membros afastaram-se da Igreja porque não conseguiam perdoar outros membros que os haviam ofendido. Depois de deixar a Igreja, as pessoas ofendidas muitas vezes se tornavam os piores inimigos da igreja.

Ezra Booth filiou-se à Igreja em 1831, depois de ver o Profeta curar o braço de Elsa Johnson. (Ver lição 19.) Vários meses depois, ele foi chamado para servir como missionário em Missouri. Ficou zangado porque teve que caminhar todo o percurso e porque a vida de missionário não era o que ele esperava. Ficou desapontado por não ver mais milagres como o que curara Elsa Johnson. Começou a pensar e a dizer coisas ruins a respeito dos líderes da Igreja. Devido a seu comportamento inadequado durante a missão, Ezra Booth foi excomungado quando retornou a Ohio. Isso significava que não era mais membro da Igreja. Em vez de se arrepender, Booth começou a escrever cartas para o jornal local, contando mentiras a respeito de Joseph Smith e da Igreja. Essas cartas influíram para que muitas pessoas de Ohio ficassem com suspeitas dos membros da Igreja e passassem a persegui-los.

Certa noite de inverno, um grupo de homens que acreditava nas cartas de Ezra Booth embebedou-se e atacou a casa de Joseph Smith e Sidney Rigdon em Hiram, Ohio. Joseph tinha ficado acordado até tarde, cuidando de seu filho adotivo que estava com sarampo e tinha acabado de dormir, quando uma multidão furiosa invadiu a casa. Os homens arrastaram Joseph para fora, dizendo palavrões e ameaçando matá-lo. Tentaram estrangulá-lo, rasgaram suas roupas e quiseram derramar à força uma pá de piche quente e uma garrafa de ácido em sua boca. A garrafa de ácido quebrou, lascando um dos dentes de Joseph, que passou a falar com um assobio pelo resto da vida. Os homens também arrastaram Sidney Rigdon de sua casa. Quando Joseph viu Sidney caído no chão, pensou que estivesse morto. A multidão decidiu não matar Joseph, mas deixaram-no muito ferido, jogando-lhe piche quente sobre o corpo e cobrindo-o de penas.

Quando finalmente Joseph voltou para casa, Emma olhou para ele e desmaiou, pensando que o piche que cobria Joseph fosse sangue. Os amigos de Joseph ajudaram-no a limpar o piche, num processo longo e doloroso. Sidney Rigdon estava inconsciente por causa de cortes e ferimentos graves na cabeça e delirou por vários dias. Depois dessa terrível experiência, o bebê de que Joseph cuidava naquela noite ficou gravemente doente e veio a falecer.

O dia seguinte era domingo e Joseph foi adorar com os santos no horário de costume. O grupo de pessoas a quem pregou incluía alguns membros do populacho que o cobrira de piche e penas na noite anterior. Apesar de ter a pele ferida e dolorida, Joseph pregou como de costume, sem jamais mencionar a violência que sofrera na noite anterior.

Debate

Estude as perguntas e passagens das escrituras a seguir quando preparar a aula. Use as perguntas que, na sua opinião, ajudarão as crianças a compreenderem melhor as escrituras e aplicarem seus princípios na própria vida. A leitura das passagens com as crianças, na sala de aula, irá ajudá-las a ganhar maior entendimento das escrituras.

• Por que alguns dos primeiros membros da Igreja apostataram? De que modo a disposição de perdoar os teria ajudado? O que o Senhor diz que devemos fazer quando outras pessoas nos ofendem? (D&C 64:8–11)

• O que o Senhor disse que Ezra Booth havia feito de errado? (D&C 64:15–16) O que perdemos quando desejamos o que é errado? (D&C 64:16)

• Que coisas ruins a multidão fez a Joseph Smith e Sidney Rigdon? Por que vocês acham que fizeram isso?

• O que fez Joseph Smith um dia depois de ter sido coberto de piche e penas? Quem estava na congregação? Como as ações de Joseph Smith mostravam que ele tinha a disposição de perdoar? (Joseph Smith não procurou se vingar daqueles que foram cruéis com ele. Sabia que Satanás os havia influenciado para que se opusessem ao importante trabalho de ensinar o evangelho restaurado e estabelecer a Igreja de Jesus Cristo na Terra.)

• O que Joseph Smith fez ao enfrentar tribulações e perseguições? (Continuou o trabalho do Senhor. Sabia que Satanás faria todo o possível para destruir o trabalho do Senhor. Quando coisas ruins aconteciam, Joseph Smith tirava o melhor proveito possível da situação e continuava a servir o Senhor.)

• Como vocês se sentem quando alguém lhes trata com grosseria? Como a raiva nos afeta? Ajude as crianças a compreenderem que ficar com raiva ou ser rude não nos faz sentir melhor. Se continuarmos com raiva ou devolvermos o ato rude, ficaremos ainda mais infelizes. Que poderiam fazer quando alguém fosse rude com vocês? (Ver atividades complementares 1 e 3.) O que pode acontecer se forem rudes com a pessoa que lhes ofendeu? O que pode acontecer se forem gentis com essa pessoa?

• Como podemos seguir o exemplo de Joseph Smith e desenvolver a disposição de perdoar aqueles que nos ofenderam ou feriram?

• De que modo somos influenciados por uma atitude amarga e a falta de disposição de perdoar? Como a disposição de perdoar nos afeta?

• A quem se requer que perdoemos? (D&C 64:10–11) Por que é importante que perdoemos as outras pessoas? (D&C 64:9) Como nos sentimos quando perdoamos alguém que nos feriu ou magoou?

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. 1.

    Leia declarações semelhantes às que se seguem para as crianças. Peça-lhes que ergam o polegar se a declaração demonstrar disposição de perdoar e virem o polegar para baixo se demonstrar falta do desejo de perdoar. Explique como cada ação descrita demonstra se temos ou não disposição de perdoar.

    • Ela não foi cordial comigo por isso não vou ser cordial com ela.

    • Toda vez que o vejo, ele me empurra. Deve ter algum problema, ou não trataria as outras pessoas de modo tão grosseiro.

    • Bati nele porque estava zombando de minha irmã.

    • Meu irmãozinho rabiscou meu trabalho da escola e tive que fazer tudo de novo. Não fiquei zangado porque ele é muito pequeno para entender a importância do trabalho.

    • Eu a perdoo, mas nunca mais vou falar com ela.

    • Minha melhor amiga me tratou mal hoje. Acho que está preocupada com alguma coisa.

  2. 2.

    Leia ou peça a uma criança que leia Provérbios 15:1 e converse com as crianças sobre o significado dessa escritura. Depois conte a seguinte história com suas próprias palavras:

    No verão de 1838, quando Joseph Smith e sua família estavam morando em Far West, Missouri, espalharam o boato de que Joseph teria matado sete homens e iria organizar um grupo para matar todos que não fossem membros da igreja. Um grande grupo de homens armados liderado por oito oficiais foram procurar Joseph na casa de seus pais, onde estava hospedado. Os oficiais disseram a Lucy Smith, a mãe de Joseph, que iriam matar Joseph Smith e todos os outros membros da Igreja. Lucy respondeu calmamente e apresentou Joseph aos homens. Joseph apertou a mão dos homens de modo cordial enquanto eles o encaravam admirados. Depois de todas as histórias que tinham ouvido, era-lhes difícil acreditar que aquele homem sincero e gentil fosse Joseph Smith.

    O Profeta conversou com os homens durante bastante tempo, explicando os pontos de vista da Igreja e a perseguição sofrida por seus membros. Disse aos homens que se algum dos membros da Igreja tivesse quebrado a lei, deveria ser julgado pela lei em um tribunal, antes que qualquer outra pessoa fosse ferida. Depois disso, Joseph preparou-se para sair, explicando a sua mãe que precisava voltar para casa onde Emma o esperava. Dois dos oficiais ergueram-se de um salto e insistiram em acompanhá-lo até sua casa, pois não era seguro que viajasse sozinho. Os homens armados não tinham mais o desejo de ferir Joseph e voltaram para suas casas sentindo grande respeito por ele. [Ver Lucy Mack Smith, History of Joseph Smith (História de Joseph Smith), publicado por Preston Nibley (Salt Lake City: Bookcraft, 1958), pp. 254–256.]

    • Como Lucy e Joseph Smith seguiram Provérbios 15:1 ao lidar com aqueles homens?

    • Qual foi o resultado da “resposta branda” de Joseph?

  3. 3.

    Peça às crianças que representem situações em que possam escolher entre perdoar ou não perdoar. Ajude-as a compreender que mesmo quando forem feridas, têm a liberdade de escolher que atitude terão. Ajude-as também a compreender que a mágoa geralmente é decorrente de mal-entendidos e não de uma real intenção de melindrar a pessoa. Use as seguintes situações ou as da atividade complementar 1:

    • Você limpou seu quarto antes de ir para a escola, mas depois que saiu, sua irmã mais nova desarrumou tudo. Quando voltou da escola, sua mãe não deixou que brincasse com seus amigos porque o quarto não estava arrumado.

    • Você sempre é escolhido por último nas equipes esportivas da escola, o que o deixa muito magoado. No caminho para casa você vê um dos capitães de equipe cair da bicicleta. Seus livros e cadernos espalham-se pelo chão.

    • Sua amiga deu uma festa mas não convidou você.

  4. 4.

    Compartilhe experiências pessoais de quando perdoou ou foi perdoado, pedindo às crianças que contem suas próprias experiências.

  5. 5.

    Cante ou leia a letra de “Faze-me, ó Pai, Perdoar” (Músicas para Crianças, p. 52) com as crianças.

Conclusão

Testemunho

Preste testemunho da paz que podemos sentir quando perdoamos. Incentive as crianças a esforçarem-se para ser compreensivas e gentis, mesmo quando as outras pessoas são rudes conosco.

Sugestão para Designação de Leitura

Sugira às crianças que estudem Doutrina e Convênios 64:9–11 em casa, para recapitularem a lição.

Sugestão para Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversarem com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou lerem com a família a “Sugestão para Designação de Leitura”.

Convide uma criança para fazer a última oração.