Os Santos Constroem Nauvoo, a Bela

Primária 5: Doutrina e Convênios, 1996


Propósito

Incentivar as crianças a serem trabalhadoras como os santos que construíram Nauvoo.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude os relatos históricos desta lição e Doutrina e Convênios 42:40–42, 56:17, 58:27–29, 75:3, 88:124. Em seguida, estude a lição e decida como pretende usar os relatos escriturísticos e históricos para ensinar as crianças. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi–vii, e “Como Usar os Relatos Escriturísticos e Históricos para Ensinar as Crianças”, p. vii–xii.)

  2. 2.

    Leitura adicional: Doutrina e Convênios 124:22–24.

  3. 3.

    Escolha as perguntas do debate e atividades complementares que mais envolvam e ajudem as crianças a alcançar o propósito da lição.

  4. 4.

    Escreva em pedaços de papel separados diversos esportes olímpicos que as crianças possam representar por mímica, como: levantamento de peso, atletismo, patinação artística, natação, arremesso de disco, futebol e basquete. (Podem-se incluir sugestões sobre como representar cada esporte por mímica.) Prepare pelo menos uma folha de papel para cada criança. Coloque os papéis em um recipiente.

  5. 5.

    Materiais Necessários:

    1. a.

      Um exemplar de Doutrina e Convênios para cada criança;

    2. b.

      O mapa de Missouri e regiões adjacentes, que se encontra no final da lição 30;

    3. c.

      Gravura 5-33, A Cidade de Nauvoo; gravura 5-34, Joseph Smith Ajudando Criancinhas; gravura 5-35, Emma Smith, uma Mulher Eleita.

Observação para o professor: A atividade complementar 1 pode ser usada como atividade motivadora alternativa.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Dê a todas as crianças a oportunidade de tirar um pedaço de papel do recipiente e representar por mímica o esporte mencionado no papel. Faça com que as outras crianças tentem adivinhar que esporte a criança está representando. Quando todas as crianças tiverem tido sua vez, pergunte:

• Como uma pessoa deve preparar-se para competir em um desses esportes nas olimpíadas [ou outra competição esportiva]?

Saliente que não é suficiente a pessoa ter o desejo de ganhar. Deve também empenhar-se arduamente no aprendizado e na prática do esporte. Diga que é preciso ter mais do que apenas um desejo para se realizar algo que valha a pena; exige também trabalho árduo e determinação.

• Que coisas vocês conseguiram realizar por meio de esforço árduo? (Dê a todas as crianças a oportunidade de responder.)

Diga que o Pai Celestial e Jesus Cristo deram-nos o mandamento de trabalhar. Leia ou peça que uma criança leia Doutrina e Convênios 75:3 e 88:124. Diga que ser ocioso significa ter preguiça e não ter o desejo de trabalhar, ou ainda perder tempo sem fazer nada ou realizando muito pouco.

Relatos Escriturísticos e Históricos

Ensine as crianças a respeito do valor do trabalho, enquanto conta-lhes sobre a construção de Nauvoo, conforme descrito nos seguintes relatos históricos.

Ensine também a respeito dos mandamentos do Senhor referentes ao trabalho, que se encontram nas escrituras relacionadas na seção “Preparação”. Mostre as gravuras e o mapa no momento adequado.

Os Santos Constroem Nauvoo

Depois que os santos foram expulsos de Missouri, reuniram-se em Illinois e estabeleceram-se às margens do rio Mississippi, em uma pequena cidade chamada Commerce. O Profeta trocou o nome da cidade para Nauvoo, que significa “a bela” em hebraico. Nauvoo foi construída numa região pantanosa que precisou ser drenada e desmatada antes que as casas e outros edifícios fossem erigidos. Enquanto isso, a maioria dos santos morava em barracas ou carroções. Joseph Smith e sua família moravam em uma das poucas casas de toras já existentes, e várias famílias moravam em alojamentos militares desocupados, no outro lado do rio.

Os santos trabalharam arduamente para fazer de Nauvoo uma cidade próspera. Os homens iniciaram plantações, construíram casas e abriram empresas comerciais; as mulheres cuidavam das crianças, dos doentes e do lar. Elas cozinhavam em fogueiras, faziam as roupas da família, cuidavam dos animais, plantavam hortas, faziam sabão, velas, tecidos, conservas de carne e frutas, manteiga, queijo, geléia e xarope de bordo. [N.T.: O xarope de bordo (maple syrup) é uma calda feita com a seiva do bordo (uma árvore de clima frio), misturada à água e açúcar, muito utilizada em panquecas, torradas e outros alimentos nos Estados Unidos e Canadá.] Os homens, muitas vezes, eram chamados para ser missionários e a famíia tinha que assumir seu trabalho. O marido de Louisa Barnes Pratt foi chamado para a missão; enquanto estava fora de casa, Louisa supervisionou a construção de uma casa para a família e até trabalhou pessoalmente na construção. Trabalhava como costureira para prover alimento e outras necessidades da família. Era uma costureira talentosa e fez ternos para Joseph e Hyrum Smith. No ano seguinte, passou a lecionar em sua casa para ganhar o sustento.

As crianças também ajudaram a construir Nauvoo. As que tinham idade suficiente ajudavam a cuidar dos animais e da fazenda, juntavam lenha, colhiam frutos silvestres e ajudavam a fazer sidra, sabão e velas. Também freqüentavam a escola. Certa vez, um grupo de meninos ajudou de um modo singular. Muitos criminosos chegavam a Nauvoo, e os santos não queriam essas pessoas na cidade, mas também não queriam usar de violência para livrarem-se deles. Vários meninos organizaram um grupo chamado “a brigada do assobio e do canivete”. Sempre que os meninos viam um estranho suspeito na rua, cercavamno e acompanhavam-no. Não falavam nada, apenas assobiavam e entalhavam um pedaço de madeira com um canivete, enquanto seguiam o estranho para todo o lado. O estranho ficava incomodado e frustrado, mas não podia lutar com todos os meninos de uma vez e, por isso, em breve deixava a cidade. (Ver atividade complementar 2.)

Com o trabalho dos santos, Nauvoo cresceu rapidamente até tornar-se uma grande e bela cidade. Havia muitas casas de toras, e algumas pessoas estavam construindo casas de tijolos. As casas e jardins eram limpos e bem cuidados.

Uma casa chamada Mansion House foi construída pelo Profeta para receber e hospedar visitantes. Mais tarde, o Senhor ordenou aos santos que construíssem a Nauvoo House, um hotel que tivesse mais quartos para as muitas pessoas que visitavam Nauvoo. (Ver D&c 124:22–24.)

Os santos trabalhavam muito mas também se divertiam e tinham momentos de lazer. Iam ao teatro e faziam bailes, apresentações de corais e bandas e desfiles. Jogavam bola, praticavam luta romana e competições de puxar o bastão (uma prova de força em que duas pessoas se sentavam de frente uma para a outra, seguravam um bastão e tentavam levantar o oponente do chão). Muitas vezes combinavam o trabalho com o prazer, ao se reunirem para fazer acolchoados, construir estábulos e casas ou fazerem competições de serrar toras.

Os visitantes ficavam impressionados com Nauvoo. Certo homem escreveu a um amigo:

“Você ficaria surpreso se estivesse aqui, ao ver o enorme progresso alcançado em tão pouco tempo (…) Não verá ociosidade aqui, mas apenas o som do trabalho diligente e expressões de alegria. (…) Quando ocorre um pequeno deslize entre [os santos], o contraste entre o espírito de Cristo e o das trevas é tão grande que causa enorme tumulto e agitação; (…) em outras comunidades, porém, um crime de proporções semelhantes dificilmente seria notado.” [Citado em E. Cecil McGavin, Nauvoo, the Beautiful (Nauvoo, a Bela), p. 73.]

Os Santos Esforçam-se para Ajudar Uns aos Outros

Além de trabalharem para construir suas próprias casas e negócios, os santos de Nauvoo ajudavam uns aos outros. O marido de Drusilla Hendricks, James, recebera um tiro no pescoço na batalha do rio Crooked. (Ver lição 31) e não podia trabalhar; por isso, Drusilla sustentava a família. Em diversas ocasiões, a família Hendricks não morreu de fome porque os vizinhos seguiam o sussuro do Espírito Santo e lhes levaram comida. Certa ocasião, um homem disse a Drusilla que estava muito ocupado, mas interrompeu o que fazia para levar um pouco de comida para a família porque o Espírito Santo lhe dissera: ‘A família Hendricks está sofrendo’.” [Citado em Church History in the Fulness of Times, (História da Igreja na Plenitude dos Tempos) p. 215.]

Em Nauvoo, Drusilla sustentava o marido e cinco filhos alugando quartos, cultivando uma horta, ordenhando vacas e alimentando o gado. Fazia bolo de gengibre e refrescos para vender nas comemorações da cidade e também fazia e vendia luvas. Certo inverno, porém, Drusilla conseguiu comprar apenas um pouco de fubá. O marido pediu-lhe que orasse para que recebessem ajuda. Quando terminou de orar, Drusilla soube que receberia algo para comer. Pouco depois, um homem vendeu-lhes carne de porco, dizendo-lhes que não precisariam pagar por doze meses.

O Profeta Joseph Smith dava um bom exemplo, trabalhando arduamente e ajudando as outras pessoas. Além de suas responsabilidades como Profeta e líder da Igreja, Joseph também era o comandante-geral da Legião de Nauvoo (uma milícia composta de três mil homens) e conselheiro da cidade de Nauvoo. Apesar de estar sempre muito ocupado, sempre encontrava tempo para ajudar as outras pessoas. (Ver atividade complementar 3.)

O Profeta amava as criancinhas e gostava de brincar com elas e ajudá-las. Certo dia, Margarette e Wallace, duas crianças que moravam vizinhas ao Profeta, estavam indo para a escola. Como havia chovido no dia anterior, o chão estava lamacento e as crianças ficaram presas na lama. Começaram a chorar. O Profeta foi ajudá-las e tirou-as da lama, limpou-lhes os sapatos, enxugou-lhes as lágrimas e consolou-as, antes de mandá-las para a escola.

Joseph Smith também ajudava em casa. Sua esposa, Emma, também era muito atarefada, pois freqüentemente tinha que cozinhar e arrumar a casa a fim de receber muitos visitantes para jantar ou passar a noite. Alguns visitantes hospedavam-se em sua casa durante semanas. Joseph ajudava Emma quando podia, acendendo o fogo, limpando a lareira, juntando lenha, trazendo água para a casa e cuidando das crianças.

Certo homem achou que essas coisas eram “tarefas de mulher” e que não eram adequadas a um Profeta. O homem tentou dizer a Joseph como dirigir sua casa, declarando: “Irmão Joseph, minha esposa trabalha muito mais que a sua”. O Profeta gentilmente disse ao homem que ele deveria amar sua esposa, tratá-la com carinho e “cumprir sua obrigação para com ela, cuidando bem dela” e ajudando-a. O Profeta acrescentou que se o homem não tratasse bem sua esposa, não estaria com ela na próxima vida. Depois de conversar com o Profeta, esse homem procurou ajudar mais a sua esposa. [Ver Richard Nietzel Holzapfel e Jeni Broberg Holzapfel, Women of Nauvoo (Mulheres de Nauvoo), p. 28.]

Os Santos Fazem o Trabalho do Senhor

Os santos faziam o trabalho do Senhor ajudando as outras pessoas; em troca, o Senhor ajudava o povo de Nauvoo. Quando os santos chegaram pela primeira vez a Nauvoo, a terra era bastante pantanosa. Os santos não sabiam que os mosquitos que viviam nos pântanos transmitiam uma doença perigosa chamada malária. Muitos dos santos foram acometidos dessa doença, que causava fortes tremores e febre. Emma Smith cuidou de muitas pessoas, e seu filho de seis anos ajudava-a, carregando água para os doentes, até que ele próprio contraiu malária. Até mesmo o Profeta ficou doente. O Senhor abençoou as pessoas, dando ao Profeta a capacidade de curá-las. Wilford Woodruff relatou o que aconteceu quando um grupo de portadores do sacerdócio conduzido por Joseph Smith visitou a casa de um homem doente:

“O próximo lugar que visitaram foi a casa de Elijah Fordham, que aparentemente estava à beira da morte. Quando o grupo entrou na sala, o Profeta de Deus aproximou-se do moribundo, tomou-lhe a mão direita e dirigiu-lhe a palavra. O irmão Fordham, porém, não conseguiu falar, seus olhos estavam vidrados e parecia não ter consciência do que se passava a sua volta. Joseph segurou-lhe a mão e fitou-o nos olhos por bastante tempo. Em breve, uma mudança no semblante do irmão Fordham tornou-se evidente para todos os presentes. Recobrou a visão, e quando Joseph lhe perguntou se o conhecia, respondeu, num sussurro: ‘Sim’. Joseph perguntou se tinha fé para ser curado. Ele respondeu: ‘Creio que seja tarde demais; se tivesse vindo mais cedo acho que eu poderia ter sido curado’. O Profeta disse: ‘Acredita em Jesus Cristo?’ Ele respondeu debilmente: ‘Acredito’. Joseph aprumou-se, ainda segurando-lhe a mão, e permaneceu em silêncio por algum tempo. Depois, com uma voz forte, disse: ‘Irmão Fordham, eu te ordeno, em nome de Jesus Cristo, que te ergas desta cama e fiques curado’. Sua voz foi como a voz de Deus, não de um homem. Pareceu-nos que a casa inteira estremecera desde seus alicerces. O irmão Fordham ergueu-se da cama e ficou imediatamente curado. Tinha os pés envoltos em ataduras, que ele chutou para longe. Vestiu as roupas, comeu uma tijela de pão e leite e seguiu o Profeta até a rua.” [Citado em Joseph Fielding Smith, Essentials in Church History, (Elementos Essenciais da História da Igreja) pp. 223–224.]

Debate

Estude as perguntas e passagens das escrituras a seguir quando preparar a aula. Use as perguntas que, na sua opinião, ajudarão as crianças a compreenderem melhor as escrituras e aplicarem seus princípios na própria vida. A leitura das passagens com as crianças, na sala de aula, irá ajudá-las a ganhar maior entendimento das escrituras.

• Quais são algumas das maneiras pelas quais os santos de Nauvoo obedeceram ao mandamento de Doutrina e Convênios 58:27? Quais são algumas das coisas boas que vocês se esforçam para realizar? Como se sentem quando aprendem algo novo ou cumprem uma tarefa ou trabalho?

• Como Louisa Pratt seguiu o conselho dado em Doutrina e Convênios 42:40–42? Por que devemos aprender a trabalhar arduamente e fazer as coisas por nós mesmo?

• Como trabalhavam as crianças de Nauvoo? Que trabalho vocês fazem para ajudar sua família? Como a “brigada do assobio e do canivete” ajudou a manter a cidade livre de estranhos suspeitos? O que o Senhor diz em Doutrina e Convênios 56:17 sobre aqueles que obtêm dinheiro e bens por meio do roubo, em vez do trabalho? (Diga que ai significa sofrimento e miséria.)

• O que Drusilla Hendricks fez depois que seu marido ficou inválido? Depois que Drusilla fez tudo o que podia para prover o sustento de sua família, de que modo o Senhor a ajudou? Diga que Deus geralmente atende a nossas necessidades enviando alguém para nos ajudar. Como acham que os homens que ajudaram a família Hendricks se sentiram com relação ao que tinham feito? O que devemos fazer quando nos sentimos inspirados a ajudar alguém?

• Que tipo de exemplo deu o Profeta Joseph Smith com relação ao trabalho? Como vocês podem ajudar no trabalho dos membros de sua família? Por que devemos ajudar nossos familiares em seu trabalho? Como o trabalho nos ajuda a sermos mais felizes?

• Saliente que não apenas devemos fazer nossas tarefas pessoais, como também devemos ajudar no trabalho do Senhor. Qual é o trabalho do Senhor? Como os santos de Nauvoo faziam o trabalho do Senhor? Como Emma Smith e seu filho fizeram o trabalho do Senhor? Como o Senhor abençoou os santos de Nauvoo por terem feito o Seu trabalho e terem se ajudado mutuamente? O que podemos fazer para ajudar no trabalho do Senhor?

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. 1.

    Mostre várias ferramentas usadas em diversos tipos de trabalho, como: uma caneta, um livro, uma chave de fenda, uma tesoura, colheres de medida, um termômetro, um martelo e uma fita métrica.

    • O que essas coisas têm em comum? (São todas usadas para o trabalho.)

    Erga um objeto por vez e peça às crianças que identifiquem o tipo de trabalho que pode ser feito com esse objeto.

    • O que vocês mais gostam com relação ao trabalho? O que lhes desagrada com relação ao trabalho?

    • Quais são algumas das coisas que podemos fazer para tornar o trabalho agradável? (Pode-se lembrar-lhes que as pessoas de Nauvoo geralmente aliavam o trabalho ao prazer, reunindo-se para, por exemplo, costurar ou fazer competições de serrar toras.)

  2. 2.

    Relembre às crianças a história da “brigada do assobio e do canivete”. Saliente que esse tipo de brigada pode não ser útil na sociedade de hoje, mas existem muitas outras coisas que cada um de nós pode fazer para ajudar nossa família e a comunidade.

    • Que trabalho vocês podem fazer para ajudar sua família ou a comunidade?

    Anote as respostas das crianças no quadro-negro e peça a cada criança que escolha uma coisa que fará durante a semana seguinte para ajudar a família ou a comunidade.

  3. 3.

    Leve para a classe dois jarros transparentes do mesmo tamanho, uma bolinha ou pedra (aproximadamente do tamanho de uma bola de golfe) que caiba em um dos jarros e areia ou feijão em quantidade suficiente para encher o jarro.

    Mostre os jarros vazios. Peça às crianças que digam coisas que fazem durante o dia. Enquanto elas falam, encha lentamente um dos jarros com o feijão ou areia (não sacuda este jarro.) Diga que às vezes as pessoas desejam fazer tantas coisas no dia que acham não ter tempo suficiente para fazer coisas importantes como ler as escrituras, orar ou ajudar os outros.

    Mostre a bola ou a pedra. Diga que a bola ou a pedra representa as coisas importantes que o Pai Celestial ordenou que fizéssemos, e o feijão ou a areia representam todas as outras coisas que queremos fazer durante o dia.

    Coloque a bola em cima do feijão ou da areia e tente empurrá-la para dentro do jarro. Alguns grãos de feijão irão pular para fora. Diga que se esperarmos até termos terminado tudo o que queremos fazer no dia, talvez não consigamos arrumar tempo para os mandamentos importantes. Depois, coloque a bola no fundo do jarro vazio e derrame lentamente o feijão do primeiro jarro sobre a bola, até que o segundo jarro esteja cheio até a metade. Sacuda gentilmente o jarro para fazer com que o feijão se assente e acrescente o restante do feijão. Saliente que dessa vez a bola e todos os grãos de feijão (ou a maioria deles) couberam dentro do jarro. Diga que se fizermos primeiro aquilo que o Senhor nos pediu, então encontraremos tempo para fazer todas as outras coisas que queremos ou precisamos fazer. Incentive as crianças a fazerem essa demonstração para os familiares, na noite familiar.

  4. 4.

    Conte com suas próprias palavras a seguinte história:

    Joseph Smith possuía uma fazenda a cinco quilômetros de Nauvoo. A fazenda era dirigida por Cornelius Lott, que morava na fazenda com sua esposa, Permelia, e os filhos. O Profeta ia até a fazenda para trabalhar com Cornelius sempre que possível. Certa vez, quando Joseph estava sendo perseguido por uma turba, chegou à fazenda e pediu a Permelia Lott que o escondesse. Permelia estava arrumando as camas. Tirou a palha de seu colchão e disse ao Profeta que entrasse no colchão. Depois arrumou a cama normalmente.

    Quando a turba chegou, vasculharam toda a casa. Permelia perguntou-lhes se queriam vasculhar sua cama, mas os membros da turba ficaram envergonhados e disseram que não. Procuraram nos outros quartos, mas não encontraram o Profeta e acabaram indo embora da fazenda. [Ver Descendants of Cornelius Peter Lott, (Descendentes de Cornélius Peter Lott), 1798–1972, comp. por Rhea Lott Vance (n.p., n.d.), pp. 7–10.]

    • Como a irmã Lott ajudou o Profeta?

    • Como podemos ajudar o profeta atualmente? 5. Ajude as crianças a fazerem uma lista no quadro-negro de algumas pessoas que se esforçam para ajudá-las, como os pais e professores. Peça a cada criança que escolha uma pessoa da lista e lhes escreva um bilhete de agradecimento pelo que faz.

  5. 6.

    Escreva as palavras de Doutrina e Convênios 88:124 em uma folha de papel e corte o versículo em pedaços, separando-o a cada vírgula ou ponto e vírgula. Entregue os pedaços às crianças e peça-lhes que arrumem a escritura na ordem certa. Peça-lhes que tentem fazê-lo sem consultar as escrituras. Depois, se necessário, permita que consultem seus livros de escrituras para arrumar a frase na ordem correta. Troque idéias com as crianças sobre qual acham ser o significado dessa escritura.

  6. 7.

    Cante ou leia a letra de “Nossa Lei É Trabalhar” (Hinos, nº. 142).

Conclusão

Testemunho

Testifique às crianças que a execução de nosso trabalho dando o máximo de nossa capacidade faz-nos sentir realizados e pode abençoar nossa vida e a daqueles a quem servimos. Desafie as crianças a cumprirem suas tarefas da semana com boa vontade, rapidez e cuidado.

Sugestão para Designação de Leitura

Sugira às crianças que estudem Doutrina e Convênios 58:27–28 e 88:124 em casa, para recapitularem a lição.

Sugestão para Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversarem com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou lerem com a família a “Sugestão para Designação de Leitura”.

Convide uma criança para fazer a última oração.