Joseph Smith Ensina sobre o Batismo pelos Mortos

Primária 5: Doutrina e Convênios, 1996


Propósito

Ajudar as crianças a compreenderem a importância do batismo pelos mortos.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude João 3:5; Doutrina e Convênios 127:1, 5–10; 128:1, 12–13, 15–18; 138:6–19, 28–35, 58–60 e os relatos históricos desta lição. Em seguida, estude a lição e decida como pretende usar os relatos escriturísticos e históricos para ensinar as crianças. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi–vii, e “Como Usar os Relatos Escriturísticos e Históricos para Ensinar as Crianças”, p. vii–xii.)

  2. 2.

    Leitura adicional: I Coríntios 15:29; Doutrina e Convênios 137:1, 5–10; Regras de Fé 1:4 e Princípios do Evangelho (31110 059), capítulo 20.

  3. 3.

    Escolha as perguntas do debate e atividades complementares que mais envolvam e ajudem as crianças a alcançar o propósito da lição.

  4. 4.

    Materiais Necessários:

    1. a.

      Um exemplar de Doutrina e Convênios para cada criança;

    2. b.

      Uma Bíblia;

    3. c.

      Um pente;

    4. d.

      Gravura 5-36, Pia Batismal do Templo [Pacote de Gravuras do Evangelho (34730 059) – 504].

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Entregue o pente a uma das crianças. Peça à criança que penteie o cabelo sem dobrar o cotovelo. Pergunte à criança:

• Por que você não consegue pentear o cabelo?

Pergunte a todas as crianças:

• Se não pudéssemos dobrar o cotovelo, como faríamos para pentear o cabelo? (Outra pessoa teria que penteá-lo para nós.)

• Quando alguém os ajudou a fazer algo que não conseguiam fazer por si mesmos? Como se sentiram ao serem ajudadas por alguém dessa maneira? (Dê a todas as crianças a oportunidade de responder.)

Peça a uma criança que leia João 3:5. Troque idéias sobre o significado da escritura e lembre às crianças que o batismo é um dos primeiros passos para voltarmos a viver com o Pai Celestial e Jesus Cristo. As pessoas não podem entrar no reino de Deus a menos que tenham sido batizadas.

Diga que muitas pessoas viveram nesta Terra em épocas nas quais não havia o batismo, ou então morreram antes de terem a oportunidade de aprender a respeito do verdadeiro evangelho e do batismo realizado por alguém com a devida autoridade do sacerdócio.

• Se é preciso que todos sejam batizados, como essas pessoas poderão voltar a viver com o Pai Celestial e Jesus Cristo? (Alguém precisa ser batizado por elas.)

Diga que o Pai Celestial ama cada um de Seus filhos do mesmo modo e deseja que todos tenham a oportunidade de viver novamente com Ele. Ele possibilitou aos membros da Igreja ajudar as pessoas que não foram batizadas quando viviam aqui na Terra. Podemos fazer por essas pessoas o que elas não podem fazer por si mesmas.

Relatos Escriturísticos e Históricos

Ensine as crianças a respeito das revelações recebidas por Joseph Smith e Joseph F. Smith a respeito do batismo pelos mortos, conforme descrito nos seguintes relatos históricos e nas escrituras alistadas na seção “Preparação”. Mostre a gravura da pia batismal no momento adequado.

Em maio de 1842, os santos que moravam em Nauvoo ficaram sabendo que Lilburn W. Boggs levara um tiro, em Independence, Missouri. Boggs havia sido governador de Missouri, na época em que os santos moravam lá, e emitira a “ordem de extermínio”, que forçou os santos a fugirem de Missouri. Boggs tinha muitos inimigos políticos que seriam prováveis suspeitos do disparo, mas as autoridades de Missouri acusaram Joseph Smith de tentar matar Boggs. Joseph sabia que era inocente das acusações, por isso enviou uma declaração ao editor de um jornal e esqueceu o assunto.

Dois meses mais tarde, o Profeta e Orrin Porter Rockwell, um de seus guardacostas, foram presos. Boggs havia formalmente acusado Porter Rockwell de atirar nele a mando de Joseph Smith. Pelas leis dos Estados Unidos, porém, o Profeta e Porter Rockwell haviam sido presos de modo irregular e ilegal, por isso foram soltos. Percebendo que estava em perigo, o Profeta permaneceu escondido por alguns meses.

Enquanto estava escondido, Joseph Smith escreveu duas cartas inspiradas aos santos de Nauvoo. Essas cartas continham instruções dadas pelo Senhor a respeito de como os batismos pelos mortos deveriam ser realizados. As cartas constituem hoje as seções 127 e 128 de Doutrina e Convênios.

Vários anos antes disso, no Templo de Kirtland, Joseph Smith tivera uma visão do reino celestial, na qual viu seu irmão Alvin, que havia morrido antes de Joseph ter recebido as placas de ouro. (Ver D&C 137.) Joseph ficou supreso de ver Alvin no reino celestial, porque Alvin não fora batizado antes de morrer. O Senhor explicou a Joseph que todas as pessoas que teriam aceitado o evangelho, sido batizadas e vivido dignamente, caso tivessem tido a oportunidade, poderão ir para o reino celestial. (Ver D&C 137:7.) Joseph aprendeu mais tarde que os batismos pelos mortos podiam ser realizados vicariamente, com pessoas da Terra agindo como procuradoras.

Escreva as palavras vicário e procurador no quadro-negro. Diga que fazer algo vicariamente significa uma pessoa fazer algo em lugar de outra. A pessoa que faz o trabalho ou atividade é chamada de procurador. No templo, podemos ser batizados pelas pessoas que morreram sem ter sido batizadas. Agimos como procuradores daquelas pessoas. Somos nós que entramos nas águas e recebemos o batismo, mas ele é válido para elas. Realizamos batismos vicários.

Diga que todos precisam ser batizados para entrar no reino celestial. Como o batismo é uma ordenança terrena, ele somente pode ser realizado por uma pessoa que esteja vivendo na Terra. Enquanto estamos nesta Terra, podemos ajudar as pessoas que não foram batizadas, realizando batismos vicários em favor delas.

Diga que batismos vicários (pelos mortos) eram realizados depois da ressurreição de Jesus Cristo. (Ver I Coríntios 15:29), até a igreja de Cristo cair em apostasia e o sacerdócio ser tirado da Terra. Antes de o Profeta Joseph ter sido ensinado a respeito do batismo pelos mortos, ninguém na sua época achava que o batismo pelos mortos fizesse parte do evangelho de Jesus Cristo.

Em 1918, Joseph F. Smith, o sexto Presidente da Igreja, recebeu uma revelação explicando mais sobre o que acontece com os que morrem sem batismo. Essa revelação encontra-se hoje em Doutrina e Convênios 138. O Presidente Smith viu Jesus Cristo e alguns de Seus seguidores no mundo espiritual. Jesus organizou Seus seguidores para que ensinassem o evangelho às pessoas que não tiveram a oportunidade de aprender o evangelho e ser batizadas antes de morrer. Esses ensinamentos prepararam as pessoas para aceitar o batismo vicário que seria feito por elas.

Debate

Estude as perguntas e passagens das escrituras a seguir quando preparar a aula. Use as perguntas que, na sua opinião, ajudarão as crianças a compreenderem melhor as escrituras e aplicarem seus princípios na própria vida. A leitura das passagens com as crianças, na sala de aula, irá ajudá-las a ganhar maior entendimento das escrituras.

• Por que precisamos ser batizados? (João 3:5; Regras de Fé 1:4) O que é o batismo pelos mortos? Por que os membros da Igreja realizam batismos pelos mortos?

• Como somos batizados? Por que somos batizados por imersão? (Quando saímos da água, estamos simbolizando a saída da sepultura na Ressurreição; ver D&C 128:12.) Mostre a gravura da pia batismal do templo. Diga que a pia batismal geralmente se localiza no sub-solo ou na parte mais baixa do templo. Por que a pia batismal fica na parte mais baixa do templo? (D&C 128:13)

• Por que o Senhor instruiu os santos a guardarem cuidadosamente os registros dos batismos realizados pelos mortos? (D&C 127:6–7, 9; ver atividade complementar 2.)

• Quem pode ser batizado pelos mortos? (Os membros da Igreja que tiverem pelo menos doze anos de idade e que receberam do bispo a devida recomendação para o templo.)

• O que Joseph F. Smith viu em sua visão do mundo espiritual? (D&C 138:11–19, 28–35) O que acontece com as pessoas que morrem sem que lhes seja ensinado o evangelho? (D&C 138:31–33)

• Por que é importante que cada um de nós tome providências para que a ordenança do batismo seja realizada por nossos antepassados? (D&C 128:15) Diga que outras ordenanças, tais como o casamento no templo, também podem ser realizadas em favor dos mortos por procuradores. Desse modo, todos os membros de nossa família podem ser selados para a eternidade. Todos os nossos antepassados dignos podem fazer parte de nossa família eterna. (Ver atividade complementar 4.)

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. 1.

    Conte a seguinte história com suas próprias palavras:

    Brigitte e Carla conheceram-se na terceira série, na Europa. Carla acabara de ser batizada e queria que todos soubessem que era membro da “única igreja verdadeira”. Alguns dos colegas de classe de Carla zombaram dela por dizer isso, mas Brigitte tornou-se sua amiga.

    A família de Brigitte era ativa em sua própria igreja, mas respeitava as outras religiões. Brigitte até mesmo ia às atividades da Igreja ocasionalmente. Brigitte e Carla continuaram amigas durante todos os seus anos de escola. Então, quando tinha dezessete anos, Brigitte morreu.

    Dois meses depois, Carla acordou no meio da noite e viu Brigitte parada ao pé de sua cama. Ela não disse nada, e Carla ficou imaginando por que Brigitte teria aparecido a ela. No ano seguinte, Brigitte apareceu novamente a Carla. E depois pela terceira vez, no ano seguinte.

    Carla mudou-se para os Estados Unidos e casou-se no Templo de Salt Lake. Depois de Carla ter passado pelo templo, Brigitte começou a aparecer-lhe com mais freqüência. Então, uma semana antes de Carla e seu marido estarem se preparando para ir novamente ao templo, Brigitte apareceu a Carla por três noites seguidas.

    Na terceira noite, Carla acordou o marido e contou-lhe a respeito das visitas de Brigitte. Ambos sentiram que Brigitte havia conhecido o plano do evangelho no mundo espiritual e aceitara-o. Desejava, portanto, ser batizada. Carla e o marido oraram e perguntaram ao Senhor como poderiam obter os registros necessários. Foram inspirados a entrar em contato com um pesquisador e conseguiram obter a certidão de óbito de Brigitte. Carla pôde assim enviar o nome de Brigitte ao templo para que a obra do templo, incluindo seu batismo, fosse realizado.

    Poucas semanas depois, Carla acordou novamente e viu Brigitte. Dessa vez, Brigitte estava vestida com uma túnica branca e encontrava-se em um lugar que parecia ser uma sala batismal. Na manhã seguinte, Carla recebeu uma carta do templo, informando-lhe que o batismo de Brigitte havia sido realizado. (Ver Carla Sansom, “From Beyond the Veil”, Ensign, fevereiro de 1978, pp. 49–50.)

    Observação para o professor: Para que as ordenanças do templo possam ser realizadas por uma pessoa falecida que tenha nascido nos últimos noventa e cinco anos, deve-se obter permissão de seu parente mais próximo.

  2. 2.

    Leia e debata Doutrina e Convênios 127:6–7 e 128:6–8 com as crianças. Ajude as crianças a compreenderem por que é importante que sejam mantidos registros precisos das ordenanças realizadas. Diga que a Igreja guarda um registro contendo informações importantes sobre cada membro, como data de nascimento, batismo e casamento, e o nome de alguns membros da família. É importante que cada um de nós mantenha registros próprios.

    Se possível, mostre às crianças alguns de seus registros importantes, como certidão de nascimento e certificado de batismo. Incentive as crianças a pedirem aos pais que as ajudem a manter uma coleção especial de registros importantes.

  3. 3.

    Se possível, mostre uma fotografia de sua família, incluindo os parentes mais próximos, ou de um antepassado a respeito de quem possa contar algo à classe.

    • Já participaram de uma reunião de família?

    • Quem estava na reunião? Algum de seus avós estava presente? E bisavós?

    Fale às crianças a respeito de uma reunião de família de que você participou, ou a respeito do antepassado da fotografia que você mostrou. Lembre às crianças que os que viverem dignamente e receberem todas as ordenanças terão a oportunidade de viver com sua família para sempre. Fazendo com que ordenanças como o batismo sejam realizadas por todos os nossos antepassados falecidos, estaremos ajudando-os a viver para sempre conosco.

    Convide uma criança a contar histórias que saiba a respeito de seus avós ou outros antepassados.

  4. 4.

    Mostre um gráfico de linhagem de sua família. Saliente que cada pessoa é filha de alguém e que, se cada filho for selado aos pais, as famílias serão unidas por elos de muitas gerações.

    Diga que, se nossos antepassados não tiverem recebidos ordenanças como o batismo ou o selamento aos pais, podemos enviar seus nomes ao templo para que esse importante trabalho seja realizado. Diga às crianças que depois de completarem doze anos de idade, se forem dignas, poderão receber uma recomendação para ir ao templo e participar do batimos pelos mortos.

  5. 5.

    Conte a seguinte história com suas próprias palavras:

    O irmão J. Hatten Carpenter, que serviu como registrador no Templo de Manti, contou a respeito de um patriarca que estava assistindo à realização de batismos pelos mortos certo dia. O patriarca viu “os espíritos daqueles por quem estávamos oficiando na pia batismal por meio de procuradores. Os espíritos esperavam sua vez, e quando o registrador chamava o nome de uma pessoa para ser batizada, o patriarca notava um belo sorriso encher o rosto do espírito cujo nome havia sido chamado. O espírito então saía de junto de seus companheiros e passava para o lado do registrador. Ali, assistia à realização de seu próprio batismo e depois, com um semblante cheio de alegria, ia embora para dar lugar ao próximo que iria desfrutar o mesmo privilégio.

    Depois de algum tempo, o patriarca percebeu que alguns espíritos pareciam muito tristes. Deu-se conta de que as pessoas que estavam no templo haviam terminado os batismos do dia. Os espíritos tristes eram aqueles cujos batismos não seriam realizados naquele dia.

    ‘Penso bastante nesse incidente’, diz o irmão Carpenter, ‘pois muito freqüentemente me sento ao lado da pia batismal e chamo os nomes para a realização de ordenanças que são tão preciosas para os falecidos’.” [Citado em Joseph Heinerman, Temple Manifestations (Manti, Utah: Mountain Valley Publishers, 1974), pp. 101–102; ver também The Utah Genealogical and Historical Magazine 11 de junho de 1920: 119.]

  6. 6.

    Cante ou leia a letra de “As Famílias Poderão Ser Eternas” (Músicas para Crianças, p. 98) ou “Eu Quero Fazer Genealogia” (Músicas para Crianças, p. 100).

Conclusão

Testemunho

Expresse gratidão por seu batismo e pela oportunidade de ajudar a realizar batismos para todas as pessoas que viveram nesta Terra. Se for adequado, incentive as crianças a conversarem com a família sobre a realização de batismos pelos seus antepassados.

Sugestão para Designação de Leitura

Sugira às crianças que estudem João 3:5 e Doutrina e Convênios 128:15; 138:29–34 em casa, para recapitularem a lição.

Sugestão para Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversarem com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou lerem com a família a “Sugestão para Designação de Leitura”.

Convide uma criança para fazer a última oração.