Construção e Dedicação do Templo de Salt Lake

Primária 5: Doutrina e Convênios, 1996


Propósito

Ajudar as crianças a terem o desejo de viver a lei da castidade e serem dignas de se casar no templo.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude os relatos históricos desta lição; Doutrina e Convênios 46:33; 109:20; 131:1-4; 132:15–21 e Moisés 2:27–28. Em seguida, estude a lição e decida como pretende usar os relatos escriturísticos e históricos para ensinar as crianças. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi–vii, e “Como Usar os Relatos Escriturísticos e Históricos para Ensinar as Crianças”, p. vii–xii.)

  2. 2.

    Leitura adicional: Helamã 5:12 e Princípios do Evangelho (31110 059), capítulos 38 e 39.

  3. 3.

    Escolha as perguntas do debate e atividades complementares que mais envolvam e ajudem as crianças a alcançar o propósito da lição.

  4. 4.

    Prepare nove pedaços retangulares de papel que lembrem pedras de construção, ou consiga objetos reais como blocos de madeira ou tijolos. Cole uma etiqueta em cada bloco com as seguintes declarações:

    • Acreditar no Pai Celestial, em Jesus Cristo e no Espírito Santo.

    • Seguir o profeta e outros líderes da Igreja.

    • Viver a lei da castidade.

    • Ser honesto.

    • Tratar os familiares com respeito e amor.

    • Freqüentar as reuniões sacramentais e outras reuniões da Igreja.

    • Pagar integralmente o dízimo.

    • Obedecer à Palavra de Sabedoria.

    • Arrepender-se dos pecados cometidos.

  5. 5.

    Materiais Necessários:

    1. a.

      Um exemplar de Doutrina e Convênios para cada criança;

    2. b.

      Pérola de Grande Valor e um Livro de Mórmon;

    3. c.

      Gravura 5-7, O Anjo Morôni no Alto do Templo de Salt Lake; gravura 5-53, Parelha de Bois Carregando Blocos de Granito para o Templo; gravura 5- 54, A Praça do Templo Repleta de Blocos de Granito; gravura 5-55, Templo de Salt Lake [Pacote de Gravuras do Evangelho (34730 059) – 502]; gravura 5-56, Adão e Eva [Pacote de Gravuras do Evangelho (34730 059) – 101]; gravura 5-57, Jovem Casal a Caminho do Templo.

Observação para o professor: O Presidente Howard W. Hunter, décimo quarto Presidente da Igreja, disse: “As crianças de hoje precisam aprender sobre moralidade mais cedo do que nunca. Isso pode ser feito ensinando-se o mandamento da castidade em termos claros que as crianças possam entender facilmente e estabelecendo-se padrões específicos de conduta pelos quais as crianças se possam guiar. Os membros adultos da Igreja reforçam esse ensino, quando dão exemplo de virtude e recato no vestir e nos modos. Quando as crianças crescerem e passarem a compreender o amor do Senhor por elas, seu comportamento provavelmente refletirá o amor que elas têm pelo Senhor pois atenderão ao Seu conselho a respeito do recato e da castidade”. (Memorando para a Presidência Geral da Primária, 27 de agosto de 1994.)

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Mostre a gravura do Templo de Salt Lake. Converse brevemente com as crianças sobre a beleza e a dignidade do templo.

• O que faz com que esse edifício permaneça de pé e firme?

Diga que o edifício tem fortes alicerces de blocos de pedra, de mais de dois metros de altura. Os construtores do templo puseram essas pedras ali para que as paredes do templo tivessem uma superfície firme em que se apoiar. Assim o restante do edifício permaneceria firme e não racharia nem desmoronaria.

Desenhe um esboço simples do Templo de Salt Lake no quadro-negro. (Ver ilustração.)

Diga que assim como o Templo de Salt Lake foi construído sobre um firme alicerce, o Pai Celestial deseja que edifiquemos nossa vida sobre um firme alicerce, para que sejamos sempre justos, firmes e dignos de entrar no templo. Podemos edificar um firme alicerce fazendo as coisas que nos ajudarão a ser dignos de entrar no templo. Usando os blocos que você preparou, recapitule brevemente com as crianças os requisitos para entrarmos no templo. (Pode salientar que as crianças aprenderão mais sobre a lei da castidade nesta lição.) Enquanto examina cada requisito, pregue o bloco correspondente no quadro- negro, embaixo do esboço do templo, para que os blocos formem um alicerce. (Se tiver blocos ou tijolos de verdade, empilhe-os sobre a mesa ou no chão, próximo à ilustração.)

• O que aconteceria se um ou mais dos blocos do alicerce que estão sob o Templo de Salt Lake fossem removidos ou se quebrassem? (O alicerce ficaria enfraquecido, e o templo poderia rachar ou ruir.)

Aponte para os blocos que preparou.

• O que aconteceria se um ou mais desses blocos do alicerce estivessem faltando em nossa vida? (Nosso alicerce de retidão ficaria enfraquecido, e não seríamos dignos de entrar no templo.)

Explique às crianças que nesta lição aprenderão mais a respeito de como o Templo de Salt Lake foi construído e como podemos edificar um alicerce de retidão em nossa própria vida.

Relatos Escriturísticos e Históricos

Ensine a respeito da construção e dedicação do Templo de Salt Lake, conforme descrito nos relatos históricos a seguir. Depois, usando a seção “A Lei da Castidade” e as escrituras relacionadas na seção “Preparação”, ajude as crianças a compreenderem a importância de vivermos a lei da castidade para podermos ser dignos de nos casarmos no templo e recebermos as bênçãos eternas lá prometidas. Mostre as gravuras no momento oportuno.

Assentados os Alicerces do Templo

Em fevereiro de 1853, cinco anos e meio após os santos terem entrado no vale do Lago Salgado, Brigham Young e outros irmãos realizaram uma cerimônia de abertura de terra para iniciar a construção do Templo de Salt Lake. Dois meses depois, realizaram outra cerimônia para assentar as pedras de esquina do templo. Nesse dia, o Presidente Young disse aos membros da Igreja que tinha uma visão do templo sempre que olhava para o local em que ele seria construído.

O Presidente Young desenhou o esboço do templo, conforme o vira em uma visão, e o arquiteto Truman O. Angell desenhou uma planta detalhada de como o templo deveria ser construído. O Presidente Young enviou o irmão Angell à Ingalterra para estudar os magníficos edifícios lá existentes a fim de saber como construir um templo belo e firme. O Presidente Young disse que desejava que o templo fosse construído forte o bastante para “durar até o Milênio”. [Citado em Richard Neitzel Holzapfel, Every Stone a Sermon, (Cada Pedra um Sermão) p. 21.]

Os trabalhadores começaram a assentar os alicerces do templo usando várias camadas de blocos de arenito. Os alicerces tinham mais de dois metros e meio de profundidade, e os homens trabalharam nele por cinco anos. Em maio de 1858, a construção do templo foi interrompida por causa de problemas com o governo dos Estados Unidos. O presidente dos Estados Unidos ouviu falsas histórias de que os membros da Igreja não estariam obedecendo à lei e enviou o exército para restaurar a ordem. Brigham Young receou que o exército profanasse o local do templo, por isso ordenou que os alicerces fossem enterrados para que o lugar parecesse com um simples campo de cultivo.

Depois que os problemas com o governo foram resolvidos, o Presidente Young ordenou que os alicerces fossem desenterrados. Os trabalhadores descobriram que parte do cimento e as pequenas pedras usadas entre os grandes blocos do alicerce haviam rachado e saído da posição. Isso fez com que alguns dos grandes blocos rachassem e ficassem pouco firmes. Não sustentariam adequadamente o templo. Os trabalhadores removeram as pedras e o cimento de todos os blocos de arenito da primeira camada, substituindo-os por blocos duros de granito. Esses blocos de granito foram cortados de modo a se encaixarem perfeitamente, de maneira que não houvesse necessidade de detritos ou cimento para nivelá-los. Quatorze anos depois do início da construção do templo, a reposição do alicerce foi terminada e os trabalhadores começaram a erguer as paredes.

Preparados os Blocos de Pedra

Os imensos blocos de granito para o templo eram cortados em uma pedreira, num desfiladeiro a trinta quilômetros do local do templo. Os blocos pesavam várias toneladas e tinham que ser transportados em carroções puxados por parelhas de bois. Às vezes, eram necessários quatro dias para se transportar um bloco de pedra do desfiladeiro até o local do templo. Freqüentemente os carroções se quebravam ou os pesados blocos de pedra caíam e se quebravam ou rachavam. Quando a estrada de ferro chegou a Utah, em 1869, uma via férrea foi construída entre a pedreira e o local do templo, e máquinas a vapor transportavam muitos blocos em um só dia. Assim, o trabalho de construção do templo começou a progredir muito mais rapidamente.

Assim que os blocos chegavam ao local de construção, eram lavrados por cortadores de pedra habilidosos. Alguns blocos eram esculpidos com símbolos como o sol, a lua e as estrelas, que representavam importantes princípios do evangelho revelados nas ordenanças do templo. Cada pedra levava dias ou até mesmo semanas para terminar de ser talhada ou esculpida. As crianças que moravam próximo ao local do templo gostavam de brincar de esconde-esconde entre as enormes pedras que iam ser assentadas.

John Moyle foi um dos cortadores de pedra que trabalharam no templo. Todas as segundas-feiras pela manhã, ele andava trinta quilômetros, de sua casa até o local do templo. Trabalhava no templo a semana inteira, e na sexta-feira andava de volta os trinta quilômetros para cuidar de sua fazenda. O irmão Moyle foi ferido em um acidente e teve a perna amputada, mas fez para si mesmo uma perna de madeira. Treinou até conseguir andar com a perna de pau e suportar a dor que ela causava. Depois, continuou caminhando com a perna de pau até Salt Lake City para trabalhar no templo. Ele gravou as palavras Santidade ao Senhor na face leste do templo.

Terminado e Dedicado o Templo

Trinta e nove anos após o início da construção do templo, a pedra do ápice (a esfera que fica no topo da agulha mais alta do templo) foi assentada. Cinqüenta mil pessoas lotaram a Praça do Templo e milhares assistiram das ruas e dos prédios vizinhos o Presidente Wilford Woodruff, quarto Presidente da Igreja, apertar um interruptor elétrico e fazer com que a pedra fosse colocada no lugar. Mais tarde, a estátua do anjo Morôni foi colocada sobre a pedra do ápice.

O interior do templo foi terminado durante o ano seguinte por carpinteiros, estucadores, pintores e outros artesãos habilidosos. O teto e os trabalhos de madeira foram decorados com esplêndidas esculturas. Artistas que haviam estudado na Europa pintaram belos murais nas paredes das salas de ordenanças. De maneira admirável, o interior do templo foi completado em um ano.

O templo foi dedicado em abril de 1893. A primeira sessão da dedicação foi realizada no dia 6 de abril, exatamente sessenta e três anos depois da organização da Igreja e pouco mais de quarenta anos depois do início da construção do templo. Era um dia frio e tempestuoso, com fortes ventos, chuva e neve, mas no interior do templo havia paz e tranqüilidade. O Presidente Woodruff ajoelhou-se e ofereceu a oração dedicatória. Depois da oração, como nas dedicações anteriores de templos (Ver lições 26 e 35), a congregação deu o brado de Hosana e cantou “Tal como um Facho”.

Muitas pessoas que estiveram presentes à cerimônia de dedicação viram anjos e ouviram cânticos celestiais. O Presidente Woodruff comentou mais tarde: “A Hoste Celestial estava presente à [primeira] sessão de dedicação. Se os olhos da congregação fossem abertos, eles teriam visto Joseph e Hyrum [Smith], Brigham Young, John Taylor e todos os bons homens que viveram nesta dispensação ali reunidos conosco, além de [Isaías] (…) e todos os Santos Profetas e Apóstolos que profetizaram a obra dos últimos dias”. [Citado em LaRene Gaunt, “‘The Power of God Was with Us’”, (“O Poder de Deus Estava Conosco”) p. 29; ver atividade complementar 1.]

Os eventos sagrados que ocorreram durante a dedicação do Templo de Salt Lake ajudaram as pessoas a sentirem a presença de Deus e terem grande reverência pelo templo e suas ordenanças. Atualmente, ao vermos o templo, lembramo-nos do amor do Pai Celestial e de Jesus Cristo por nós e Seu desejo de que voltemos a viver com Eles.

A Lei da Castidade

Lembre às crianças que para vivermos com o Pai Celestial, Jesus Cristo e nossa família no mais alto grau do reino celestial, devemos casar-nos no templo e cumprir as promessas que nele fizermos. (Ver D&C 131:1–4.)

Volte aos blocos do alicerce mostrados durante a atividade motivadora e aponte para o bloco em que está escrito “Viver a lei da castidade”. Diga que viver a lei da castidade é uma das coisas que devemos fazer para sermos dignos de entrar no templo. A próxima parte da lição explicará o que é a lei da castidade e por que é importante vivermos essa lei.

Mostre a gravura de Adão e Eva. Peça às crianças que digam quem são essas pessoas e, em seguida, peça a uma delas que leia Moisés 2:27–28, até enchei a Terra.

• O que o Pai Celestial ordenou que Adão e Eva fizessem depois de se casarem? (Pode ser necessário explicar que “multiplicar e encher a Terra” significa ter filhos.)

• Por que era importante que Adão e Eva tivessem filhos?

Lembre às crianças que uma das razões pelas quais viemos à Terra foi receber um corpo de carne e ossos. Diga que, como parte de Seu plano para nossa felicidade, o Pai Celestial deu-nos o privilégio de ter filhos e preparar corpos para outros espíritos que virão àTerra. Faz parte do plano de felicidade do Pai Celestial que rapazes e moças cresçam, casem-se no templo e tornem-se pais e mães.

Diga que por ser esse poder de ter filhos um privilégio tão sagrado, o Pai Celestial deu-nos instruções específicas sobre como usar esse poder. Essas instruções são chamadas de a lei da castidade. A lei da castidade é o mandamento de nos mantermos sexualmente limpos e puros. Isso significa que não devemos ter relações sexuais com nenhuma pessoa, exceto nossa esposa ou marido. A lei da castidade também inclui pureza no falar, nos pensamentos e nas ações. Não devemos dizer, pensar ou fazer qualquer coisa que desrespeite esse grande poder que o Pai Celestial nos deu.

Diga às crianças que o Espírito Santo pode ajudar-nos a saber se nossas ações são certas ou erradas. Diga-lhes que quando tiverem qualquer dúvida específica em relação à lei da castidade, devem consultar seus pais ou a outro adulto em quem confiem.

Ajude as crianças a compreenderem que a obediência à lei da castidade é tão importante para nossa felicidade, que Satanás irá tentar fazer com que a desobedeçamos. Quando as crianças crescerem, serão tentadas a quebrar a lei da castidade. Se edificarem um firme alicerce de retidão e decidirem hoje que irão cumprir a lei da castidade, terão mais condições de resistir às tentações.

Debate

Estude as perguntas e passagens das escrituras a seguir quando preparar a aula. Use as perguntas que, na sua opinião, ajudarão as crianças a compreenderem melhor as escrituras e aplicarem seus princípios na própria vida. A leitura das passagens com as crianças, na sala de aula, irá ajudá-las a ganhar maior entendimento das escrituras.

• Quais são alguns dos desafios que os santos enfrentaram durante a construção do Templo de Salt Lake? Como acham que as pessoas se sentiram quando finalmente o templo ficou pronto? Por que os templos são tão importantes?

• O que os construtores do templo tiveram que fazer para que ele pudesse durar até o Milênio, como queria Brigham Young? Por que foi necessário construir o templo sobre um firme alicerce? Por que é necessário edificar nossa vida sobre um alicerce de retidão? (Helamã 5:12) Como podemos edificar esse alicerce? (Ver atividades complementares 2 e 3.)

• Por que é tão importante que nos casemos no templo? Que bênçãos o Pai Celestial prometeu àqueles que se casarem no templo e guardarem seus convênios? (D&C 131:1–4; 132:19–21) Lembre às crianças que as pessoas que se casarem no templo e cumprirem os convênios viverão no mais alto grau do reino celestial com o Pai Celestial, Jesus Cristo e seus familiares dignos.

• Por quanto tempo as pessoas estarão casadas, se forem seladas no templo e cumprirem seus convênios? (D&C 132:19; ver atividades complementares 4 e 5.) Diga que estarão casadas nesta vida e por toda a eternidade, o que significa que permanecerão casadas para sempre.

• Por quanto tempo as pessoas estarão casadas, se não forem seladas no templo? (Somente até a morte; ver D&C 132:15.) O que acontecerá com essas pessoas? (D&C 132:16) Explique às crianças que, caso sua família ainda não tenha sido selada no templo, não precisam ficar desanimadas. Podem orar, dar bom exemplo e dizer a seus pais como se sentem a respeito de serem seladas como família. Poderão um dia ter a oportunidade de ser seladas a seus pais.

• Por que é tão importante viver a lei da castidade? Diga que uma das conseqüências da desobediência à lei da castidade (sem o arrependimento) é deixarmos de ser dignos de entrar no templo e participar de suas ordenanças,o que nos impediria de viver com o Pai Celestial e Jesus Cristo no reino celestial.

• Peça a uma criança que leia Doutrina e Convênios 46:33. O que significa praticar a virtude e a santidade? Diga que praticar a virtude significa mantermos nossa mente e corpo limpos e puros. Como podemos praticar continuamente a virtude? (Ver atividade complementar 2.)

• Por que nunca devemos usar linguagem vulgar? Diga que a linguagem vulgar geralmente descreve o corpo de modo desrespeitoso. Lembre às crianças que a lei da castidade envolve não apenas o que fazemos, mas também o que pensamos e dizemos. O Pai Celestial quer que falemos de nosso corpo e das suas funções sagradas de modo respeitoso.

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. 1.

    Diga que a construção do Templo de Salt Lake, no Estado de Utah, cumpriu uma profecia feita por Isaías centenas de anos antes do nascimento de Jesus Cristo. Peça a uma criança que leia Isaías 2:2. Saliente que Salt Lake City fica localizada nas montanhas Wasatch, na parte oeste dos Estados Unidos.

  2. 2.

    Prepare as seguintes tiras com palavras, fazendo-as todas do mesmo comprimento:

    • Vestir-se com recato.

    • Usar linguagem limpa e pura.

    • Assistir somente a filmes, programas de televisão e fitas de vídeo bons.

    • Ver e ler apenas bons livros e revistas.

    • Ouvir música inspiradora.

    • Manter o corpo sagrado e puro.

    • Obedecer à Palavra de Sabedoria.

    • Ter pensamentos puros.

    • Não namorar até os dezesseis anos de idade.

    • Escolher bem os amigos.

    Desenhe uma pedra de construção grande e irregular no quadro-negro (desenhe-a suficientemente grande para conter todas as tiras com palavras) e dê-lhe o nome de Castidade. (Ver ilustração.) Peça às crianças que finjam ser talhadores de pedra que vão esculpir essa pedra de modo a encaixar-se perfeitamente em um alicerce firme.

    Dê uma das tiras preparadas a cada criança. Peça às crianças que leiam as palavras das tiras em voz alta e depois preguem-nas na figura retangular da pedra. Depois, apague o desenho irregular do quadro-negro, deixando a pedra retangular do alicerce terminada. Ajude as crianças a compreenderem que quando fazem as coisas mencionadas nas tiras, estão construindo um firme alicerce que as ajudará a viver a lei da castidade.

    Lembre às crianças que o cimento e as pedrinhas usadas no primeiro alicerce do Templo de Salt Lake racharam e saíram do lugar, provocando rachaduras nas grandes pedras de alicerce. Peça às crianças que mencionem coisas que podem fazer com que a pedra de alicerce da castidade rache, tais como usar palavras vulgares, ler ou ver pornografia ou vestir roupas pouco recatadas. Incentive as crianças a não fazerem essas coisas.

  3. 3.

    Diga que o Presidente Spencer W. Kimball, décimo segundo Presidente da Igreja, disse que os jovens devem tomar, cedo na vida, as decisões que irão levá-los ao casamento celestial mais tarde. Leia ou peça a uma criança que leia a seguinte citação:

    “Essas [decisões] são de dois tipos: ‘Isto eu farei’ e ‘Isto eu não farei’. (…) Desde bem cedo, os jovens devem começar a seguir um plano. (…) [Devem] antecipadamente [planejar] seus estudos, missão, a procura de alguém puro e virtuoso para tornar-se o companheiro de toda a vida, o casamento no templo e o trabalho que farão na Igreja. Quando tal plano está traçado e o objetivo já está determinado, é mais fácil resistir às muitas tentações e dizer ‘não’ ao primeiro cigarro, ‘não’ à primeira bebida alcoólica, (…) ‘não’ às (…) práticas imorais.” [O Milagre do Perdão, (São Paulo: Centro Editorial Brasileiro, 1974), pp. 227–228; grifo no original.]

    Faça com que as crianças estabeleçam metas que esperam cumprir na vida e que irão ajudá-las a serem dignas de casar-se no templo, como o Presidente Kimball sugeriu. Dê-lhes papel e lápis e peça-lhes que escrevam Meu Plano para Me Casar no Templo. Embaixo desse título, peça-lhes que escrevam Farei e Não Farei. Peça-lhes que relacionem diversas coisas em cada coluna, tais como: “Farei: freqüentar a Igreja todos os domingos, obedecer a meus pais, ter bons amigos; ser digno de entrar no templo” ou “Não farei: ouvir música que afaste o Espírito; assistir a programas de televisão ou filmes imorais, dizer palavrões”.

    Ajude as crianças a perceberem que as escolhas que fizerem na vida determinarão o tipo de pessoa que irão se tornar. A meta de se casarem no templo irá ajudá-las a tomar decisões corretas.

  4. 4.

    Diga que o dia em que alguém se casa no templo é um dos mais importantes de sua vida.

    • Por que esse dia será tão importante para vocês? (É um passo importante para voltarmos a viver com o Pai Celestial e Jesus Cristo no mais alto grau do reino celestial.)

    Se você se casou no templo ou foi selado no templo depois do casamento, expresse seus sentimentos sobre o que aconteceu no dia em que foi selado. Mostre gravuras do dia de seu casamento no templo, se tiver. Se ainda não foi selado no templo, convide, com a aprovação de sua presidente da Primária, alguém que foi selado para dizer o que sente a respeito dessa experiência às crianças.

  5. 5.

    Conte o seguinte relato de Heber J. Grant, sétimo Presidente da Igreja:

    Antes do término da construção do Templo de Salt Lake, os membros da Igreja que moravam na cidade de Salt Lake precisavam viajar ao templo de St. George, Utah, que ficava a uma distância de quinhentos quilômetros, para participar das ordenanças do templo. O Presidente Grant conta: “Sempre serei grato, até o dia de minha morte, por não ter dado ouvidos a alguns de meus amigos, quando eu era um jovem de vinte e um anos de idade, e ter percorrido o longo caminho entre o condado de Utah e St. George para me casar no Templo de St. George (…) Naquela época, era uma viagem longa e difícil por acidentadas estradas de terra, que levava sete dias na ida e sete na volta.

    Muitos me aconselharam a não fazer o sacrifício de viajar até St. George para me casar. Disseram que o presidente da estaca ou o bispo poderiam casarme, e quando o Templo de Salt Lake estivesse terminado, eu poderia ir lá com minha esposa e filhos, sendo então selado a ela e meus filhos, a nós, para toda a eternidade.

    Por que não dei ouvidos a eles? Porque desejava casar-me para esta vida e para a eternidade; porque desejava começar a vida da maneira correta. Mais tarde, tive motivos para muito me regozijar por causa de minha determinação de casar-me no templo naquela época, em vez de esperar uma ocasião aparentemente mais conveniente. (…)

    Estava fora de casa, participando da conferência de uma das estacas, e uma de minhas filhas (…) [fez um discurso], dizendo: ‘Sou muito grata ao Senhor por ter nascido da maneira correta, por ter nascido dentro do convênio, de pais que haviam sido devidamente casados e selados no templo do Senhor’.

    Meus olhos encheram-se de lágrimas, porque sua mãe havia morrido antes que o Templo de Salt Lake ficasse pronto, e eu me sentia grato por não ter dado ouvidos aos comentários de meus amigos que tentaram me convencer a não ir até o Templo de St. George para me casar. Sou grato pela inspiração e determinação que tive de começar a vida do modo certo.” [Gospel Standards, comp. G. Homer Durham (Salt Lake City: Improvement Era, 1941), pp. 359–360.]

  6. 6.

    Ajude as crianças a decorarem a 13ª Regra de Fé. Troque idéias com elas sobre como essa regra se relaciona com a lei da castidade.

  7. 7.

    Cante ou leia a letra de um ou mais dos seguintes hinos: “O Senhor Deu-me um Templo” (Músicas para Crianças, p. 73), “As Famílias Poderão Ser Eternas” (Músicas para Crianças, p. 98), “Eu Gosto de Ver o Templo” (Músicas para Crianças, p. 99), “Ouse Ser Bom” (Músicas para Crianças, p. 80), “Vou Cumprir o Plano de Deus” (Músicas para Crianças, p. 86.)

Conclusão

Testemunho

Testifique a respeito da importância de obedecermos à lei da castidade e sermos dignos de entrar no templo. Diga às crianças que, se forem dignas de entrar no templo, encontrarão a verdadeira felicidade e poderão viver com o Pai Celestial e Jesus Cristo e os membros dignos de sua família, por toda a eternidade, no mais alto grau do reino celestial.

Sugestão para Designação de Leitura

Sugira às crianças que estudem Doutrina e Convênios 131:1–4 e 132:15–21 em casa, para recapitularem a lição.

Sugestão para Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversarem com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou lerem com a família a “Sugestão para Designação de Leitura”.

Convide uma criança para fazer a última oração.