Joseph Smith Começa a Traduzir as Placas de Ouro

Primária 5: Doutrina e Convênios, 1996


Propósito

Ajudar as crianças a compreenderem que, quando oramos, devemos procurar obter uma resposta do Pai Celestial e seguir Sua orientação.

Preparação

  1. 1.

    Em espírito de oração, estude o relato histórico desta aula; Mórmon 9:32 e Doutrina e Convênios 3:1–3, 7–10; 10:1–19, 30–32, 38–46. Em seguida, estude a lição e decida como pretende usar os relatos escriturísticos e históricos para ensinar as crianças. (Ver “Preparação das Aulas”, p. vi–vii, e “Como Usar os Relatos Escriturísticos e Históricos para Ensinar as Crianças”, p. vii–xii.)

  2. 2.

    Leitura adicional: Palavras de Mórmon 1:3–7 e Doutrina e Convênios 3:4–6, 11–20; 10:20–29, 33–37.

  3. 3.

    Escolha as perguntas do debate e atividades complementares que mais envolvam e ajudem as crianças a alcançar o propósito da lição.

  4. 4.

    Materiais Necessários:

    1. a.

      Um exemplar de Doutrina e Convênios para cada criança;

    2. b.

      Livro de Mórmon;

    3. c.

      “Os Títulos do Livro de Mórmon”, que se encontra no final da lição;

    4. d.

      Mapa da região de Nova York-Ohio, que se encontra no fim da lição 1;

    5. e.

      Gravura 5-13, As Placas de Ouro.

Sugestões para o Desenvolvimento da Lição

Convide uma criança para fazer a primeira oração.

Atividade Motivadora

Mostre a página “Títulos do Livro de Mórmon”. Pergunte às crianças se conseguem ler qualquer das palavras ou caracteres. Ajude as crianças a identificarem cada língua.

Converse sobre o grande número de línguas faladas no mundo e diga que a palavra traduzir significa passar um texto, escrito ou falado, de uma língua para outra.

Mostre a gravura das placas de ouro e fale sobre a tarefa que Joseph Smith teve de traduzir os estranhos escritos da placa. Peça a uma das crianças que leia Mórmon 9:32 em voz alta.

• Em que língua foram escritos os caracteres das placas de ouro? (Egípcio reformado.)

Diga que geralmente os tradutores precisam compreender ambas as línguas com que trabalham. Joseph Smith, contudo, tinha muito pouca escolaridade e não sabia falar nem ler outras línguas além do inglês. Os caracteres das placas, em egípcio reformado, eram-lhe muito estranhos. Teve que confiar no Espírito do Senhor, não em seu próprio conhecimento, a fim de traduzir os caracteres das placas para o inglês.

Relatos Escriturísticos e Históricos

Recapitule brevemente os problemas que Joseph Smith teve de enfrentar depois que recebeu as placas de ouro de Morôni e a ajuda que recebeu de Martin Harris. (Ver lição 5.)

Ensine as crianças a respeito da perda das 116 páginas do manuscrito traduzido das placas de ouro, conforme descrito no seguinte relato histórico. (Mostre o mapa no momento adequado.) Debata as revelações relacionadas com este evento, dadas a Joseph Smith em Doutrina e Convênios 3 e 10.

Depois que Joseph e Emma Smith estabeleceram-se em Harmony, Pensilvânia, Joseph começou a traduzir as placas de ouro. A princípio, Joseph passou muito tempo familiarizando-se com as placas e a língua na qual haviam sido escritas. Ao estudar e orar, o Urim e Tumim ajudaram-no a compreender os caracteres das placas. Joseph aprendeu que o processo de tradução requer fé, trabalho árduo, dignidade, paciência e obediência.

Martin Harris visitou a casa de Joseph Smith em Harmony para ajudar o Profeta no trabalho de tradução das placas de ouro. Enquanto Joseph lia em voz alta o que estava escrito nas placas, Martin Harris escrevia as palavras lidas por Joseph. Depois de dois meses de trabalho, Joseph terminou de traduzir a primeira parte das placas. A tradução foi escrita em 116 folhas de papel.

Martin perguntou a Joseph se ele poderia levar consigo as 116 páginas traduzidas de volta para Palmyra. A esposa e os amigos de Martin tinham-no criticado por deixar sua fazenda para ajudar Joseph, e Martin queria mostrarlhes as páginas para que acreditassem que ele estava fazendo o trabalho do Senhor.

Joseph pediu ao Senhor para deixar que Martin levasse as páginas traduzidas, mas o Senhor disse “não”. Martin pediu a Joseph que rogasse novamente ao Senhor. Joseph pediu novamente ao Senhor, e mais uma vez a resposta foi “não”. Martin implorou a Joseph que pedisse novamente ao Senhor. Joseph queria fazer a vontade de Martin, por isso pediu ao Senhor pela terceira vez. Dessa vez, o Senhor disse que Martin poderia levar a tradução, se prometesse mostrar apenas para a esposa e algumas outras pessoas da família. Martin prometeu que não mostraria as páginas a mais ninguém e levou as páginas traduzidas para sua casa em Palmyra.

Poucos dias depois de Martin partir, Emma Smith deu à luz um menino que sobreviveu apenas algumas horas. Emma ficou muito doente e quase morreu. Por duas semanas, Joseph permaneceu ao lado de Emma, ajudando a cuidar dela. Quando Emma melhorou, Joseph começou a ficar preocupado com Martin Harris, pois já se passavam três semanas que ele partira, levando as páginas traduzidas. Emma incentivou Joseph a ir a Palmyra procurar Martin.

Joseph voltou à casa dos pais, em Palmyra, e enviou uma mensagem a Martin, pedindo-lhe que fosse vê-lo. Quando Martin chegou, ele gritou: “Oh, minha alma está perdida! Minha alma está perdida!” Joseph ergueu-se abruptamente de onde estava sentado e exclamou: “Martin, você perdeu o manuscrito? Quebrou seu juramento, trazendo condenação sobre minha cabeça tanto quanto sobre a sua?” [Citado em Lucy Mack Smith, History of Joseph Smith (História de Joseph Smith), p. 128.] Martin admitiu que havia quebrado sua promessa e mostrado as páginas traduzidas a outras pessoas. As 116 páginas tinham sido perdidas ou roubadas.

Joseph exclamou: “Tudo está perdido! O que farei? Eu pequei—fui eu que tentei a ira de Deus. Devia ter-me contentado com a primeira resposta que recebi do Senhor; pois Ele me disse que não era seguro deixar os escritos saírem de minhas mãos” (Citado em Smith, p. 128).

Joseph e Martin sofreram muito por causa da perda da tradução. Joseph voltou a Harmony, onde orou pedindo perdão. O anjo Morôni tirou-lhe as placas de ouro e o Urim e Tumim por algum tempo. Mais tarde, devido ao sincero arrependimento de Joseph, o Senhor perdoou-o, e Morôni devolveu as placas e o Urim e Tumim. Nesse período, Joseph recebeu as revelações que se encontram em Doutrina e Convênios 3 e 10.

Diga que o Senhor disse a Joseph que Satanás influenciara algumas pessoas más a roubarem as páginas. Essas pessoas pretendiam alterar as palavras, para que ninguém acreditasse no Livro de Mórmon. (Ver D&C 10:10–19.) Joseph recebeu ordem de não traduzir novamente a primeira parte das placas. (Ver D&C 10:30–31.) Como o Senhor conhece todas as coisas, Ele sabia que isso iria acontecer. Tinha, portanto, ordenado ao antigo profeta Mórmon que escrevesse um relato semelhante ao que estava incluído nas 116 páginas, em outra parte das placas de ouro. (Ver Palavras de Mórmon 1:3–7.) Joseph traduziu essa parte em vez de retraduzir a parte que fora perdida. (Ver D&C 10:38–42.) Joseph aprendeu que Satanás e os homens maus não podem impedir o progresso do trabalho do Pai Celestial. (Ver D&C 3:1; 10:43.)

Debate

Estude as perguntas e passagens das escrituras a seguir quando preparar a aula. Use as perguntas que, na sua opinião, ajudarão as crianças a compreenderem melhor as escrituras e aplicarem seus princípios na própria vida. A leitura das passagens com as crianças, na sala de aula, irá ajudá-las a ganhar maior entendimento das escrituras.

• O que Joseph precisou fazer para conseguir traduzir? (Precisou ter fé e ser dedicado, obediente e paciente.)

• Quantas vezes Joseph Smith pediu ao Senhor para deixar que Martin Harris levasse as páginas traduzidas? O que o Senhor disse a Joseph nas primeiras duas vezes? O que o Senhor disse na terceira vez?

• Por que Martin Harris insistiu com Joseph Smith que tornasse a pedir permissão ao Senhor, mesmo depois de ter recebido um “não” como resposta? De que modo Joseph temeu mais aos homens do que a Deus (D&C 3:7) por que às vezes temos medo do que os outros vão pensar de nós se obedecermos aos mandamentos do Pai Celestial?

• O que vocês acham que Joseph aprendeu com essa experiência sobre nosso dever de aceitar a vontade do Pai Celestial? Por que é importante orar pedindo o que é certo em vez do que nós queremos? Por que é importante aceitar a resposta que o Pai Celestial dá a nossas orações?

• Como Joseph se sentiu quando as 116 páginas foram perdidas? O que o Senhor disse que Joseph deveria fazer? (D&C 3:10) Por que o arrependimento é um princípio maravilhoso?

• O que Joseph recebeu ordem de fazer, a fim de frustrar o plano daqueles que haviam roubado as 116 páginas? (D&C 10:31–31, 38–42) O que significa “os propósitos de Deus não podem ser frustrados”? (D&C 3:1)

• O que o Senhor nos revela em Doutrina e Convênios 10:5, que irá nos ajudar a vencer a influência de Satanás?

Atividades Complementares

Você pode usar uma ou mais das atividades abaixo, em qualquer momento da aula, ou como recapitulação, resumo ou desafio.

  1. 1.

    Diga que quando oramos, devemos ouvir a resposta do Pai Celestial e seguir sua orientação. As respostas às orações podem vir de muitas maneiras, como por meio de um conselho de um pai ou líder da Igreja, da leitura das escrituras ou de uma aula ou discurso da Igreja.

    Nossas orações sinceras sempre serão respondidas, apesar de nem sempre da maneira que esperamos. Às vezes a resposta é “não”, porque o que pedimos não é o melhor para nós. Às vezes a resposta é “sim”, e experimentamos um calor no coração e um sentimento agradável que nos mostram o que devemos fazer. Às vezes a resposta é “espere um pouco”. Nossas orações serão sempre respondidas no momento e da maneira que o Pai Celestial sabe que será melhor para nós.

    Se for adequado, conte às crianças uma ocasião em que recebeu um “não” como resposta a uma oração sincera. Convide as crianças a contarem experiências próprias semelhantes.

  2. 2.

    Mostre a gravura Jesus Orando no Getsêmani [Pacote de Gravuras do Evangelho (34730 059) – 227]. Diga que Jesus Cristo é o exemplo perfeito de como devemos aceitar a vontade do Pai Celestial. No final de Sua vida terrena, Jesus sabia que havia chegado a hora de sofrer grande agonia para expiar os pecados do mundo. Jesus foi ao Jardim do Getsêmani, caiu ao chão e orou.

    Peça a uma criança que leia em voz alta o que Jesus disse em sua oração, que se encontra em Mateus 26:39: “(…) Meu Pai, se é possível, passa de mim este cálice; todavia, não seja como eu quero, mas como tu queres”.

    Diga que um anjo apareceu a Jesus para dar-lhe força espiritual. (Ver Lucas 22:43.) Jesus aceitou a vontade do Pai Celestial; expiou por nós, sofrendo no Jardim do Getsêmani e entregando Sua vida na cruz.

  3. 3.

    Escreva no quadro-negro: “Quando o Senhor ordenar algo, faça-o”.

    Diga que Joseph Smith aprendeu com seus erros e desafios. Apesar de passar por grande desespero quando as 116 páginas foram perdidas, aprendeu a importância de obedecer, arrepender-se e aceitar a vontade do Pai Celestial. Aprendeu a ouvir os sussurros do Espírito e aumentou sua capacidade de usar o Urim e Tumim. Mais tarde, pôde dizer: “Esta tornou-se a minha regra de vida: Quando o Senhor ordenar algo, faça-o” [History of the Church (História da Igreja) 2:170.]

    Peça às crianças que copiem a frase em uma folha de papel para levarem para casa.

  4. 4.

    Diga que apesar de Martin Harris ter perdido as 116 páginas traduzidas, ele arrependeu-se e continuou a ajudar a Igreja de modo significativo. Não teve mais permissão de ajudar Joseph na tradução das placas de ouro, mas chegou a vender sua fazenda para ajudar a pagar a impressão do Livro de Mórmon. Foi uma das Três Testemunhas do Livro de Mórmon e testificou a veracidade do livro por toda a vida. Mostre às crianças o “Depoimento de Três Testemunhas”, impresso no início do Livro de Mórmon.

  5. 5.

    Deixe que as crianças mostrem as gravuras das primeiras seis lições deste manual, enquanto recapitulam os acontecimentos nelas retratados.

Conclusão

Testemunho

Expresse sua gratidão pelo Profeta Joseph Smith e seus esforços para traduzir o Livro de Mórmon. Preste testemunho de que seremos abençoados se aceitarmos a vontade do Pai Celestial e fizermos o que Ele espera de nós.

Sugestão para Designação de Leitura

Sugira às crianças que estudem Doutrina e Convênios 3:1–3 e 10:1–5 em casa, para recapitularem a lição.

Sugestão para Atividade com a Família

Incentive as crianças a conversarem com a família a respeito de uma parte específica da lição, como, por exemplo, uma história, pergunta ou atividade, ou lerem com a família a “Sugestão para Designação de Leitura”.

Convide uma criança para fazer a última oração.