4: Buscar o dom da caridade

"4: Buscar o dom da caridade," Parte A: Seu Chamado para Ensinar — Preparar-se Espiritualmente, ()


Já perto do fim de Seu ministério mortal, Jesus disse a Seus discípulos: “Um novo mandamento vos dou: Que vos ameis uns aos outros; como eu vos amei a vós, que também vós uns aos outros vos ameis”. (João 13:34) Essa admoestação foi importante para os professores do evangelho daquela época e ainda o é para os de hoje.

O apóstolo Paulo ressaltou a necessidade da caridade, ou o puro amor de Cristo: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda a fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria. E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria”. (I Coríntios 13:1–3)

Se vocês tiverem o amor de Cristo, estarão mais bem preparados para ensinar o evangelho. Serão inspirados a ajudar as pessoas a conhecer o Salvador e segui-Lo.

O que Você Pode Fazer para Receber o Dom da Caridade

A caridade é um dom que você pode receber ao orar para ser cheio de amor, ao servir e ao procurar o que há de bom nas pessoas.

Orar para ser cheio de amor. O profeta Mórmon admoestou-nos: “A caridade é o puro amor de Cristo e permanece para sempre; e para todos os que a possuírem, no último dia tudo estará bem. Portanto, (…) rogai ao Pai, com toda a energia de vosso coração, que sejais cheios desse amor”. (Morôni 7:47–48) Pode ser que não sintamos imediatamente o puro amor de Cristo em resposta a nossas orações. Porém, se vivermos em retidão e continuarmos a orar com sinceridade e humildade por essa bênção, nós a receberemos.

Servir. Desenvolvemos amor pelas pessoas quando as servimos. Quando deixamos de lado nossos próprios interesses em prol do bem comum, conforme o exemplo do Salvador, tornamo-nos mais receptivos ao Espírito. Ao orarmos pelas pessoas a quem ensinamos, ponderarmos suas necessidades e prepararmos as aulas, nosso amor por elas aumentará. (Em “Tocar Cada Pessoa”, pp. 35–36, há outras maneiras de servirmos a nossos alunos.)

Procurar o que há de bom nas pessoas. Ao descobrirmos as qualidades de nossos semelhantes, aumentaremos nossa percepção de que eles são filhos de Deus. O Espírito confirmará a verdade de nossas descobertas sobre eles e os amaremos com mais intensidade e seremos mais gratos por eles.