13: Ajudar as pessoas a sentirem-se responsáveis por aprender o evangelho

"13: Ajudar as pessoas a sentirem-se responsáveis por aprender o evangelho," Parte B: Princípios Básicos do Ensino do Evangelho — Incentivar o Aprendizado Diligente, ()


Responsabilidade que Cada Pessoa Tem de Aprender o Evangelho

Em uma carta sobre o estudo do evangelho, o Élder Bruce R. McConkie escreveu: “Agora, cheguemos (…) a uma conclusão que terá impacto decisivo em nossa salvação eterna. É que cada pessoa deve aprender as doutrinas do evangelho por si mesma. Ninguém mais pode fazê-lo por ela. Cada pessoa deve estudar sozinha o evangelho; cada uma tem acesso às mesmas escrituras e tem direito à orientação do mesmo Espírito Santo; cada uma, se quiser conseguir a pérola de grande valor, deve pagar o preço estabelecido pela Divina Providência.

O mesmo princípio governa tanto o aprendizado do evangelho quanto a obediência a seus padrões. Ninguém pode arrepender-se por outra pessoa; ninguém pode guardar os mandamentos no lugar de outrem; ninguém pode ser salvo em nome de outra pessoa. E ninguém pode adquirir um testemunho ou perseverar na luz e verdade até a glória eterna por outra pessoa que não ela mesma. Tanto o conhecimento da verdade como as bênçãos recebidas pelos que a vivem são questões de natureza pessoal. E assim como oferece a mesma salvação a todas as almas que viverem as mesmas leis, um Deus justo concede o mesmo entendimento de Suas verdades eternas a todos os que pagarem o preço de buscar a verdade.

O processo de adquirirmos o conhecimento do evangelho na Igreja é o seguinte: a. A responsabilidade de adquirir conhecimento da verdade é de cada pessoa, que deve fazê-lo por seus próprios esforços; b. Ademais, a família deve ensinar seus próprios membros. Os pais recebem o mandamento de criar os filhos em luz e verdade. O lar deve ser o principal local onde os santos dos últimos dias estudam e ensinam o evangelho. c. A fim de ajudar as pessoas e as famílias, a Igreja, entre os inúmeros serviços que nos presta, fornece muitas oportunidades de ensino e aprendizado. Recebemos o mandamento de ‘[ensinar] a doutrina do reino uns aos outros’. (D&C 88:77) Isso se faz nas reuniões sacramentais, nas conferências e em outras reuniões, no trabalho dos mestres familiares, nas aulas do sacerdócio e das auxiliares, por meio do seminário e instituto e do sistema educacional da Igreja”. (“Finding Answers to Gospel Questions”, Charge do Religious Educators, 3ª ed. [1994], p. 80)

O Papel do Professor de Ajudar as Pessoas a Aprenderem o Evangelho

Sabendo que as pessoas são individualmente responsáveis por aprender o evangelho, poderíamos perguntar: Qual é o papel dos professores? Ajudar as pessoas a sentirem-se responsáveis por aprender o evangelho, despertar nelas o desejo de estudar, compreender e de viver o evangelho e mostrar-lhes como fazê-lo.

A irmã Virginia H. Pearce, que serviu como primeira conselheira na presidência geral das Moças, disse:

“A meta do professor envolve muito mais do que simplesmente pregar a verdade. Consiste em convidar o Espírito e utilizar técnicas que aumentem a possibilidade de o aluno descobrir a verdade por si mesmo [e] motivar-se para aplicá-la. (…)

(…) Imaginem centenas de milhares de salas de aula todos os domingos, cada qual com um professor que compreende que ‘o aprendizado é responsabilidade do aluno. Assim, é ele que deve ser posto em atividade. Quando o professor passa a ser o centro de todas as atenções, torna-se a estrela do espetáculo, monopoliza todas as discussões ou assume o comando de todas as atividades, podemos dizer com quase toda a certeza que ele está prejudicando o aprendizado dos alunos’. [Asahel D. Woodruff, Teaching the Gospel (1962), p. 37]

O bom professor não pensa: ‘O que farei na aula hoje?’, mas pergunta: ‘O que meus alunos farão na aula hoje?’ Não: ‘O que vou ensinar hoje?’, e sim: ‘Como vou ajudar meus alunos a descobrirem o que precisam saber? [Teaching the Gospel: A Handbook for CES Teachers and Leaders (1994), p. 13] O professor consciente e habilidoso não quer que seus alunos saiam da aula admirando-o e elogiando-o. Deseja que saiam admirados e maravilhados com o evangelho!” (Conference Report, outubro de 1996, pp, 13–14; Ensign, novembro de 1996, p. 12)

Os professores que compreendem sua verdadeira responsabilidade respeitam o arbítrio de cada pessoa a quem ensinam. Alegram-se quando seus alunos estudam as escrituras sozinhos, descobrem sozinhos os princípios do evangelho e fazem contribuições inteligentes às discussões. Os professores mais bem-sucedidos são os que induzem os alunos a estudarem com diligência, crescerem no evangelho e buscarem forças em Deus.

Os grandes professores não se consideram os responsáveis pelo aprendizado e crescimento de seus alunos. Assim como os agricultores que plantam e colhem, eles esforçam-se para criar as melhores condições possíveis para o aprendizado. Depois, agradecem a Deus quando vêem o progresso dos alunos. Paulo escreveu: “Nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento”. (I Coríntios 3:7)

Incentivar a Auto-Suficiência no Aprendizado do Evangelho

As sugestões a seguir podem ajudá-lo a estimular as pessoas a sentirem-se responsáveis por aprenderem o evangelho:

  • Cultive seu próprio entusiasmo pelo estudo das escrituras e dos ensinamentos dos profetas modernos. Seu ardor pode inspirar seus alunos a seguir seu exemplo.

  • Ao ensinar, sempre dê atenção às escrituras e aos ensinamentos dos profetas modernos. Isso vai ajudar os alunos a perceberem como a palavra de Deus é preciosa e significativa.

  • Faça perguntas que obriguem os alunos a encontrar respostas nas escrituras e nos ensinamentos dos profetas modernos. Embora às vezes seja válido perguntar aos alunos o que acham de certos assuntos, em geral é melhor perguntar-lhes o que as escrituras e os profetas modernos ensinam.

  • Ensine aos alunos como usar os auxílios didáticos das escrituras. As escrituras podem parecer indecifráveis para alguns, principalmente os que tenham menos experiência na Igreja. Você pode ajudá-los ensinando-os a utilizar as notas de rodapé, o Guia para Estudo das Escrituras, os trechos da Tradução de Joseph Smith e os mapas. (Há mais idéias específicas em “Ensinar a Partir das Escrituras”, nas páginas 54–59.) Quando aprendem a utilizar esses auxílios didáticos, as pessoas tornam-se mais confiantes em sua capacidade de estudar as escrituras.

  • Dê designações que exijam o estudo das escrituras e dos ensinamentos de profetas modernos. Considere a possibilidade de concluir a aula fazendo uma pergunta ou dando uma designação que obrigue os alunos a consultar as escrituras e as palavras dos profetas modernos. Até mesmo as crianças pequenas podem receber esse tipo de designação. Ao fim de uma aula sobre a oração, por exemplo, peça às crianças que leiam com seus pais uma história das escrituras ou um discurso de conferência geral sobre o tema.

  • Ajude os alunos a entender que as pessoas mencionadas nas escrituras eram reais e tiveram provações e alegrias em seu empenho de servir ao Senhor. As escrituras ganham vida ao lembrarmo-nos de que os profetas e outras figuras das escrituras passaram por muitas das mesmas coisas que nós.

  • Mostre aos alunos como encontrar respostas para as dificuldades da vida nas escrituras e nos ensinamentos dos profetas vivos. Por exemplo, pode ajudá-los a usar o Guia para Estudo das Escrituras ou o índice de A Liahona de uma edição da conferência geral para pesquisar assuntos como consolo, arrependimento, perdão, revelação ou oração.

  • Incentive entusiasticamente seus alunos a estudar as escrituras e os ensinamentos dos profetas modernos. Alguns nunca compreenderam sua responsabilidade de aprender o evangelho. Alguns talvez se tenham esquecido. Um bispo contou que certa vez assistira a uma reunião de treinamento da Primária em que os presentes foram desafiados a estudar as escrituras todos os dias. Por causa disso, nos 13 anos seguintes ele deixou de estudar somente um dia. Ele disse que esse estudo mudou sua vida.

  • Preste testemunho do Salvador como centro de tudo o que as escrituras e os profetas modernos ensinam. Seja enfático principalmente ao prestar seu testemunho do Salvador. Quando seus alunos encontrarem o Salvador nas escrituras e nos ensinamentos dos profetas vivos, a fome de estudo deles aumentará e o testemunho deles se fortalecerá.

Outras Informações

Na lição 5 do curso Ensinar o Evangelho (pp. 208-212), há mais informações sobre como ajudar as pessoas a sentirem-se responsáveis por aprender o evangelho.