Capítulo 5: Andar na Luz do Testemunho

"Capítulo 5: Andar na Luz do Testemunho," Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Harold B. Lee, (2001)


Introdução

Durante mais de 32 anos, Harold B. Lee foi uma testemunha especial do Salvador Jesus Cristo. Ele testificou: “Com toda a solenidade e com toda a minha alma, presto testemunho de que sei que Jesus vive e é o Salvador do mundo”. 1

Ao falar sobre como podemos adquirir um testemunho, disse:

“Certa vez, tive a oportunidade de conversar com um padre católico que viera até mim acompanhado de um missionário de estaca do Colorado. Perguntei-lhe o motivo da visita, e ele respondeu: ‘Vim para vê-lo’.

‘Por quê?’, indaguei.

‘Bem’, disse ele, ‘há muito tenho buscado determinados conceitos que ainda não conseguira encontrar. Mas acho que agora estou achando-os na comunidade mórmon’.

Começamos ali uma conversa que durou meia hora. Eu disse a ele: ‘Quando seu coração começar a dizer-lhe coisas que sua mente desconhece, então você saberá que se trata do Espírito do Senhor’.

Ele sorriu e disse: ‘Acho que isso já está acontecendo’.

‘Então não espere demais’, incentivei-o.

Algumas semanas depois, ele telefonou-me e anunciou: ‘No próximo domingo, serei batizado e me tornarei membro da Igreja, pois meu coração me disse coisas que minha mente desconhecia’.

Ele converteu-se. Viu o que deveria ter visto, ouviu o que deveria ter ouvido, compreendeu o que deveria ter compreendido e dispôs-se a agir em conformidade com isso. Adquiriu um testemunho.” 2

Ensinamentos de Harold B. Lee

O que é um testemunho?

O testemunho pode ser definido simplesmente como revelação divina concedida ao homem de fé. O salmista ecoa o mesmo pensamento: “(…) o testemunho do Senhor é fiel (…)”. (Salmos 19:7) O Apóstolo Paulo declarou: “(…) ninguém pode dizer [ou saber] que Jesus é o Senhor, senão pelo Espírito Santo”. (I Coríntios 12:3) Os profetas ensinaram ainda que se “[perguntarmos] com um coração sincero e com real intenção, tendo fé em Cristo, ele [nos] manifestará a verdade (…) pelo poder do Espírito Santo. E pelo poder do Espírito Santo [poderemos] saber a verdade de todas as coisas”. (Morôni 10:4–5) (…)

Deus vive! Jesus é o Salvador deste mundo! O evangelho de Jesus Cristo, contido em sua plenitude nas escrituras antigas e modernas, é verdadeiro! Essas coisas sei pelo testemunho do Espírito a meu espírito. 3

Gostaria de relatar-lhes uma experiência que tive com um de nossos executivos de negócios. A esposa e os filhos dele são membros, mas ele não. (…) Certa vez, ele disse-me: “Não posso entrar para a Igreja sem antes receber um testemunho”. Eu disse a ele: “Em sua próxima viagem a Salt Lake City, venha fazer-me uma visita”. Algumas semanas depois, ao conversarmos após nossa reunião de negócios, eu disse a ele: “Não sei se você sabe se tem ou não um testemunho; ou se sabe o que vem a ser um testemunho”. Diante disso, ele demonstrou interesse em saber o que era um testemunho. Respondi: “Quando chegar o momento em que seu coração lhe disser coisas que sua mente desconhece, trata-se do Espírito do Senhor sussurrando-as para você”. Prossegui dizendo: “Ao conhecê-lo melhor, percebo que seu coração sabe que determinadas coisas são verdadeiras. Anjo nenhum vai aparecer-lhe para confirmar”. O Mestre falou muito bem sobre o Espírito do Senhor ao declarar: “O vento assopra onde quer, e ouves a sua voz, mas não sabes de onde vem, nem para onde vai; assim é todo aquele que é nascido do Espírito”. (João 3:8) Então eu disse para meu amigo, o executivo: “Agora, lembre-se de que seu testemunho não chegará de maneira extraordinária, mas quando chegar, lágrimas de alegria molharão seu travesseiro à noite. Você saberá, amado amigo, quando esse testemunho chegar”. 4

Testifico que sei que o Salvador vive e que o testemunho mais vigoroso que podemos ter de que Ele vive nos advém quando o poder do Espírito Santo presta à nossa alma testemunho disso. Ainda mais marcante do que vê-Lo ou andar e conversar com Ele é o testemunho do Espírito. E por esse testemunho seremos julgados caso dermos as costas para Ele. Mas é responsabilidade de todos nós desenvolver esse testemunho. Constantemente nos perguntam: como se recebe revelação? Nos primeiros dias da Restauração, o Senhor declarou numa revelação: “Eu te falarei em tua mente e em teu coração, pelo Espírito Santo que virá sobre ti e que habitará em teu coração. Ora, eis que este é o espírito de revelação; eis que este é o espírito pelo qual Moisés conduziu os filhos de Israel através do Mar Vermelho, em terra seca”. [Ver D&C 8:2–3.] Quando esse Espírito tiver testificado a nosso espírito, essa é uma revelação do Deus Todo-Poderoso. 5

[Quando Lázaro morreu, o Salvador declarou a Marta:] “Eu sou a ressurreição e a vida; quem crê em mim, ainda que esteja morto, viverá; E todo aquele que vive, e crê em mim, nunca morrerá”. Então, olhou para Marta e indagou: “Crês tu isto?” Algo foi tocado no âmago dessa humilde mulher, e ela disse com a mesma convicção demonstrada por Pedro: “Sim, Senhor, creio que tu és o Cristo, o Filho de Deus, que havia de vir ao mundo”. [João 11:25–27]

Onde ela havia aprendido isso? Não foi lendo livros, tampouco estudando teologia, ciência ou filosofia. Ela recebera um testemunho no coração, assim como acontecera com Pedro. Se o Mestre houvesse respondido, teria dito: “Bem-aventurada és tu, Marta, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus”. (…) A mais preciosa de todas as coisas que podemos ter é o testemunho no coração de que essas coisas são verdadeiras. 6

Poucos viram o Salvador face a face na mortalidade, mas todos nós que fomos abençoados com o recebimento do dom do Espírito Santo após o batismo podemos alcançar uma certeza perfeita de Sua existência, como se O tivéssemos visto. De fato, se tivermos fé na realidade de Sua existência mesmo sem O termos visto, tanto melhor. Como o Mestre sugeriu em Sua declaração sobre Tomé, ainda maior será a bênção recebida por aqueles que “não viram e creram” (João 20:29), “porque andamos por fé, e não por vista”. (II Coríntios 5:7) Mesmo sem ver, mas acreditando, rejubilamo-nos com uma alegria indescritível ao alcançarmos o fim de nossa fé, a salvação de nossa alma. (Ver I Pedro 1:8–9.) 7

Podemos então generalizar e dizer que todas as pessoas que tenham recebido um testemunho verdadeiro receberam uma revelação do Deus vivo, ou então não teriam o testemunho? Qualquer pessoa que tenha um testemunho desfrutou o dom da profecia, teve o espírito de revelação. Gozou o dom por meio do qual os profetas puderam falar coisas relativas concernentes a suas responsabilidades. (…)

O Senhor ajuda todos nós em nosso empenho para alcançarmos esse testemunho essencial em nossa preparação para conhecermos a verdade. Quando finalmente soubermos por inspiração divina que Joseph Smith foi e é um profeta e que o evangelho é verdadeiro, todas as outras dificuldades aparentes se desfarão como o gelo ao nascer do sol. 8

Como podemos preparar-nos para receber um testemunho?

[O Salvador] disse que “(…) o reino de Deus está entre [nós]” (Lucas 17:21), ou seja, em nosso meio. Ao pensar na maneira como algumas pessoas interpretam essa passagem (“o reino de Deus está dentro de nós”), lembrei-me de uma experiência que tive com um grupo de alunos da Universidade Brigham Young (…) na Lion House, que pertencia a Brigham Young, em Salt Lake City. Lá, dezesseis alunos, representando dezesseis países, foram convidados a levantarem-se e dizerem como haviam conhecido o evangelho e o aceitado (…) e a prestar testemunho. Foi uma noite interessante e inspiradora. Ouvimos jovens do México, da Argentina, do Brasil, dos países escandinavos, da França e da Inglaterra. A história era a mesma. Ao começarem a relatar como haviam conhecido o evangelho, contavam o seguinte: Eles ansiavam por encontrar a verdade. Estavam em busca de luz. Não estavam satisfeitos e, no meio de sua busca, alguém foi até eles com as verdades do evangelho. Eles oraram a respeito e buscaram ao Senhor com fervor, real intento e todo o coração. Então, receberam um testemunho divino por meio do qual souberam que este é o evangelho de Jesus Cristo. (…) Assim, dentro do coração de todos os buscadores honestos da verdade, caso desejem saber e estudar com real intenção e fé no Senhor Jesus Cristo, poderá estar o reino de Deus ou, em outras palavras, eles terão o poder de recebê-lo. 9

O alicerce do testemunho individual deve ser uma vida digna e pura. Do contrário, o Espírito Santo não poderá testificar da divindade da missão do Senhor ou desta obra em nossos dias. 10

O primeiro aspecto essencial (…) para adquirirmos um testemunho é certificarmo-nos de que nossa situação pessoal esteja em perfeita ordem. Nossa mente e nosso corpo devem estar puros caso desejemos desfrutar uma íntima comunhão com o Espírito Santo, por meio do qual podemos adquirir um testemunho seguro das coisas espirituais. 11

Converter-se significa mais do que apenas figurar nos regis- tros da Igreja ou ter um recibo de dízimo, uma carteira de membro ou uma recomendação para o templo. Significa sobrepujar a tendência às críticas e esforçar-se de maneira contínua para melhorar interiormente e não apenas manter as aparências. 12

Quando nossos missionários saem para proclamar o evangelho, dizemos àqueles com quem eles trabalham: “Não estamos pedindo a vocês que entrem para a Igreja só para que seu nome conste de nossos registros. Não é essa nossa preocupação. Aproximamo-nos para oferecer-lhes o maior presente que o mundo pode dar, a dádiva do reino de Deus. Ele está aqui, basta aceitá-lo e crer nele”. Esse é nosso desafio ao mundo. “Podemos ensinar-lhes as doutrinas da Igreja de Jesus Cristo e prestar testemunho da divindade da obra, mas o testemunho da verdade do que ensinamos precisa brotar de sua própria busca.”

Dizemos às pessoas a quem ensinamos: “Agora perguntem ao Senhor. Estudem, empenhem-se e orem”. Esse é o processo pelo qual as pessoas são levadas à Igreja, e é dessa mesma forma que desde o princípio os honestos de coração de todas as partes foram levados à Igreja. 13

Quando ergueu os olhos ao orar quando “[era] chegada a hora” [ver João 17:1], Jesus expressou uma verdade profunda, que precisa ter grande significado para todos: “E a vida eterna é esta: que te conheçam, a ti só, por único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste”. (João 17:3) Embora o significado dessa declaração transcenda em muito o que abordarei aqui, gostaria de tratar de um aspecto nela contido. Como podemos conhecer o Pai e o Filho? (…) Começamos a adquirir esse conhecimento por meio do estudo. O Salvador exortou-nos: “[Examinai] as Escrituras, porque vós cuidais ter nelas a vida eterna, e são elas que de mim testificam”. (João 5:39) Nelas encontramos a história do relacionamento de Deus com a humanidade em todas as dispensações, as obras e palavras dos profetas e aquelas que o próprio Salvador concedeu por inspiração divina e que, como disse o Apóstolo Paulo, são “[proveitosas] para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra”. (II Timóteo 3:16–17.) Os jovens não devem passar um único dia sem ler esses livros sagrados.

Mas não basta aprender sobre a vida e as obras Dele meramente pelo estudo. Foi o próprio Mestre que respondeu, ao ser inquirido, como uma pessoa pode conhecer a Ele e Sua doutrina: “Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus”. (João 7:17) Conseguem imaginar uma autoridade no campo das ciências que jamais tenha feito experiências em laboratório? Vocês dariam crédito a um crítico de música que não conhecesse música ou a um crítico de arte que não soubesse nada de pintura? Da mesma forma, para que uma pessoa como nós conheça a Deus, precisa fazer a vontade Dele, guardar Seus mandamentos e praticar as virtudes que Jesus demonstrou em vida. 14

A aquisição de conhecimento por meio da fé não é uma maneira fácil de aprender. Exige um enorme esforço e um empenho contínuo impulsionado pela fé. (…)

Em suma, aprender pela fé não é tarefa para os preguiçosos. De fato, alguém já disse que esse processo exige que a alma se curve por inteiro, que a mente humana exerça ao máximo suas faculdades e se una a Deus. Ou seja, é preciso que se estabeleça a conexão correta. Só então virá o “conhecimento pela fé”. 15

O que podemos fazer para fortalecer nosso testemunho?

[O Mestre disse a Pedro]: “Satanás vos pediu para vos cirandar como trigo; Mas eu roguei por ti, para que a tua fé não desfaleça; e tu, quando te converteres, confirma teus irmãos”. (Lucas 22:31–32) Lembrem que Ele está dirigindo-Se ao apóstolo presidente. Estou orando por vocês. Agora, sigam em frente e convertam-se. E quando se converterem, fortaleçam seus irmãos. Em outras palavras, [podemos] afastar-nos tão rapidamente quanto converter-nos. O testemunho é algo que possuímos hoje mas que pode ser que não o conservemos para sempre. 16

O testemunho é tão fugidio como um raio de luar e frágil como uma orquídea. É preciso reconquistá-lo todas as manhãs de nossa vida. Precisamos cultivá-lo por meio do estudo, da fé e da oração. Se nos permitirmos irar-nos, envolver-nos com as companhias erradas, se ouvirmos histórias impróprias e estudarmos assuntos inadequados, estaremos incorrendo em práticas pecaminosas. Nada há de mais devastador do que perder o Espírito do Senhor. É como sair de um ambiente iluminado e passar para um escuro. É como se estivéssemos entrando nas trevas. 17

O que possuímos hoje em termos de testemunho não permanecerá conosco amanhã a menos que façamos algo para conservá-lo. Nosso testemunho aumentará ou diminuirá, dependendo de nós. Portanto, prometem lembrar-se de sua responsabilidade? O Senhor disse: “Se alguém quiser fazer a vontade dele, pela mesma doutrina conhecerá se ela é de Deus, ou se falo de mim mesmo”. (João 7:17) 18

Nenhum santo dos últimos dias verdadeiramente convertido pode ser moralmente impuro. Nenhum santo dos últimos dias verdadeiramente convertido pode ser desonesto, mentir nem roubar. Isso quer dizer que uma pessoa pode ter um testemunho hoje, mas ao rebaixar-se e fazer coisas contrárias às leis de Deus significa que perdeu o testemunho. E ela precisa empenhar-se para reconquistá-lo. O testemunho não é algo que temos hoje e manteremos para sempre. O testemunho cresce, tornando-se um “esplendor de certeza”, ou diminui e acaba por extinguir-se, dependendo do que fizermos. Afirmo que o testemunho que nutrimos dia a dia é o que nos salvará das armadilhas do adversário. 19

De que forma o testemunho é uma âncora para a alma?

Houve uma ocasião durante o ministério [de Cristo] em que Seu apóstolo presidente, Pedro, declarou de modo fervoroso sua fé e testemunho da divindade da missão do Mestre: “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. O Senhor respondeu declarando: “(…) to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus” e “sobre esta pedra” [em outras palavras, o testemunho revelado do Espírito Santo, a revelação de que Jesus é o Cristo] está estabelecida Sua Igreja, “e as portas do inferno não prevalecerão contra ela”. (Mateus 16:16–18) 20

Rápido se aproxima o dia em que, (…) a menos que tenhamos um testemunho e certeza de que essas coisas [o evangelho, a Igreja e assim por diante] são verdadeiras, não conseguiremos resistir às dificuldades que nos sobrevirão e tentarão abalar-nos de nossos refúgios. Mas se soubermos de todo o coração que essas coisas são verdadeiras, (…) saberemos que Jesus nosso Salvador vive e que Deus nosso Pai também vive; saberemos que a influência do Espírito Santo é real. Se tivermos conhecimento dessas coisas, seremos como uma âncora firme em meio a todas as tempestades que se abaterão contra nossa casa, conforme ilustrado pela parábola do Mestre. Aquele que ouvir as palavras Dele e guardar os convênios será como a casa construída sobre a rocha, que ao ser atingida por tempestades, enchentes e ventos, não ruiu por estar edificada sobre a rocha. “E aquele que ouve estas minhas palavras, e não as cumpre, compará-lo-ei ao homem insensato, que edificou a sua casa sobre a areia; e desceu a chuva, e correram rios, e assopraram ventos, e combateram aquela casa, e caiu, e foi grande a sua queda.” (Mateus 7:26–27)

O Mestre disse, assim como lhes digo hoje, que as chuvas do desastre e das dificuldades, as enchentes e ventos das grandes tribulações vão atingir a casa de cada um de vocês. Vocês serão tentados para pecarem, enfrentarão problemas e terão toda sorte de problemas na vida. Os únicos que não cairão quando esses testes chegarem são aqueles cuja casa estiver alicerçada sobre a rocha do testemunho. Vocês saberão que, venha o que vier, não poderão viver com luz emprestada. Só conseguirão sobreviver com a luz que adquirirem por meio do testemunho do Espírito que todos temos o direito de receber. 21 Não basta, como santos dos últimos dias, seguirmos nossos líderes e aceitarmos seus conselhos. Temos a obrigação maior de adquirir por nós mesmos o testemunho inabalável do chamado divino desses homens e o testemunho de que os ensinamentos transmitidos por eles constituem a vontade de nosso Pai Celestial. 22

Dirijo-me a vocês hoje como uma testemunha especial encarregada, acima de qualquer outra coisa, de prestar esse testemunho. Vivi experiências íntimas que confirmaram minha certeza. Enquanto eu buscava o Espírito para fazer um discurso sobre o tema da Páscoa, a ressurreição do Senhor, refugiei-me num local sossegado, li os quatro evangelhos, principalmente os trechos que culminavam na Crucificação e Ressurreição, e algo aconteceu comigo. Enquanto eu lia, era como se, em vez de apenas ler um relato, eu estivesse quase revivendo os próprios acontecimentos. Então, deixei minha mensagem e prestei testemunho de que agora, assim como um de meus pequeninos irmãos, eu também tinha um testemunho pessoal da morte e ressurreição de nosso Senhor e Mestre. Por quê? Porque algo ardera em minha alma e eu podia falar com uma certeza acima de qualquer dúvida. O mesmo pode acontecer com vocês. E a coisa mais agradável de todo o mundo, a melhor âncora para a alma em tempos de dificuldades, tentações, enfermidades, indecisão, problemas e labores [é que] podemos saber com uma certeza inegável que Deus vive. 23

Sugestões para Estudo e Discussão

  • Por que a revelação do Espírito Santo é “o testemunho mais vigoroso que podemos ter” de que o Salvador vive?

  • Que conselho o Presidente Lee nos dá para recebermos um testemunho do evangelho? O que os ajudou a receber seu testemunho?

  • Como podemos conhecer ao Pai Celestial e Jesus Cristo?

  • Em sua opinião, o que o Presidente Lee queria dizer ao afirmar: “O testemunho é tão fugidio como um raio de luar. (…) É preciso reconquistá-lo todas as manhãs de nossa vida”?

  • O que pode fazer com que nosso testemunho enfraqueça ou morra? O que precisamos fazer para que a luz de nosso testemunho cresça até tornar-se um “esplendor de certeza”?

  • Depois de adquirirmos um testemunho, como podemos ajudar as outras pessoas a fortalecerem o delas?

  • De que forma o conhecimento de que Deus vive é uma âncora para nossa alma nos momentos difíceis? Em que ocasiões seu testemunho do Salvador foi uma fonte de força para vocês?

Exibir Referências

  •  

    1. “‘But Arise and Stand upon Thy Feet’—and I Will Speak with Thee”, discurso proferido na Universidade Brigham Young em 7 de fevereiro de 1956. Arquivos do Departamento Histórico, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. p. 2.

  •  

    2.  Stand Ye in Holy Places (1974), pp. 92–93.

  •  

    3.  Stand Ye in Holy Places, pp. 193, 196.

  •  

    4.  The Teachings of Harold B. Lee, ed. por Clyde J. Williams (1996), pp. 140–141.

  •  

    5. Discurso proferido em conferência realizada em Lausanne, Suíça, em 26 de setembro de 1972. Arquivos do Departamento Histórico, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias. p. 8.

  •  

    6. Discurso proferido em Pocatello, Idaho, em 9 de março de 1973. Arquivos do Departamento Histórico, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias.

  •  

    7.  The Teachings of Harold B. Lee, p.93.

  •  

    8. “Church and Divine Revelation”, 1954. Arquivos do Departamento Histórico, A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, pp. 17, 23.

  •  

    9. Relatório da Conferência Geral de outubro de 1953, pp. 26–27.

  •  

    10.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 133.

  •  

    11.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 137.

  •  

    12. Relatório da Conferência Geral de abril de 1971, p. 92; ou Ensign, junho de 1971, p. 8.

  •  

    13.  The Teachings of Harold B. Lee, pp. 135–136.

  •  

    14.  Decisions for Successful Living (1973), pp. 39–40; alterações na disposição dos parágrafos.

  •  

    15.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 331.

  •  

    16.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 138.

  •  

    17.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 139.

  •  

    18.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 135.

  •  

    19.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 139.

  •  

    20.  Stand Ye in Holy Places, p. 40.

  •  

    21.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 140.

  •  

    22.  The Teachings of Harold B. Lee, p. 133.

  •  

    23.  Education for Eternity, “The Last Message”. Palestra ministrada no Instituto de Religião de Salt Lake City em 15 de janeiro de 1971, p. 11.