Capítulo 20: O Reino de Deus Segue Avante

Ensinamentos dos Presidentes da Igreja: Lorenzo Snow, 2011


“Àqueles que professam estar engajados na obra [de Deus] cabe esforçar-se e seguir avante. (…) Enquanto houver ainda que seja um passo adiante a ser dado, devemos dar esse passo.”

Da Vida de Lorenzo Snow

Em 1844, enquanto no cumprimento de uma designação no leste dos Estados Unidos, Lorenzo Snow recebeu a notícia do martírio de Joseph Smith e de seu irmão Hyrum. Ele afirmou: “É claro que a notícia desse triste evento foi totalmente inesperada e encheu-me de espanto e dor inexprimíveis”. Seguindo as instruções do Quórum dos Doze Apóstolos, ele preparou-se para voltar para casa em Nauvoo, Illinois.1

Tempos depois, ele relembrou: “Quando Joseph era vivo, havia quem achasse que esta Igreja não poderia prosperar sem Joseph às rédeas de seu destino e quando ele deixou este mundo como mártir e passou ao mundo espiritual, os santos de todo o reino de Deus ficaram muito agitados. Isso era de se esperar; pois praticamente não se sabia como as coisas prosseguiriam. A responsabilidade [de liderar a Igreja] passou então ao Quórum dos Doze Apóstolos e, graças às bênçãos de Deus e ao espírito de revelação que havia entre eles, e guiados pelo Todo-Poderoso, o reino seguiu avante”.2

O segundo Presidente da Igreja, Brigham Young, morreu em 1877, tendo liderado a Igreja por 33 anos. O Élder Lorenzo Snow, então membro do Quórum dos Doze, outra vez presenciou a mudança da liderança terrena da Igreja. Ele posteriormente disse que o Presidente Young “falecera quase inesperadamente. Os santos não estavam preparados para isso, mas mesmo assim, o reino de Deus seguiu avante”.3

Quando John Taylor, o terceiro Presidente da Igreja, morreu em 1887, o Élder Snow assegurou aos santos: “Aprouve ao Senhor chamar nosso amado irmão, o Presidente Taylor, e retirá-lo deste mundo de sofrimentos e de martírio; mas a Igreja continua a seguir avante”.4

Em 1898, aproximadamente 11 anos depois de consolar os santos no funeral do Presidente Taylor, foi o próprio Lorenzo Snow quem precisou de consolo. Na época, ele era o Presidente do Quórum dos Doze. Wilford Woodruff era o Presidente da Igreja e sua saúde física vinha decaindo. O Presidente Snow sabia que de acordo com a ordem sucessória estabelecida, presidiria a Igreja se sobrevivesse ao Presidente Woodruff. Certa noite, quando sentia essa responsabilidade pesar ainda mais sobre seus ombros, e considerando-se inadequado para assumir a liderança da Igreja, foi sozinho orar em uma sala do Templo de Salt Lake. Nessa ocasião, pediu a Deus que poupasse a vida do Presidente Woodruff, mas também prometeu que cumpriria qualquer dever que Deus lhe desse.

O Presidente Woodruff faleceu no dia 2 de setembro de 1898, pouco depois da oração fervorosa que o Presidente Snow fizera no templo. Ao receber a notícia, o Presidente Snow estava em Brigham City, cerca de 100 quilômetros ao norte de Salt Lake City. Ele tomou as providências necessárias para ir de trem a Salt Lake City naquela mesma noite. Ao chegar ali, novamente dirigiu-se a uma sala do templo onde pudesse ficar sozinho para orar. Ele reconheceu que se sentia incapaz, mas disse que estava disposto a fazer a vontade do Senhor, também pediu orientação e aguardou pela resposta, mas não a recebeu. Então, saiu daquela sala.

Ao chegar a um largo corredor, recebeu a resposta e o conforto que buscara. Ali, diante de si, viu o Salvador ressurreto, que lhe disse o que precisava fazer. Posteriormente, o Presidente Snow contou essa experiência à neta, Alice Pond. Alice registrou a conversa que tivera com o avô no Templo de Salt Lake:

“No amplo corredor que leva à sala celestial, eu seguia vários passos adiante de meu avô quando ele me fez parar e disse: ‘Espere um pouco, Allie, quero contar-lhe uma coisa. Foi bem aqui que o Senhor Jesus Cristo apareceu a mim por ocasião da morte do Presidente Woodruff. Ele me ordenou que seguisse em frente e reorganizasse a Primeira Presidência da Igreja imediatamente, sem a espera que houvera após a morte dos presidentes anteriores, e disse-me que eu seria o sucessor do Presidente Woodruff’.

Depois meu avô aproximou-se de mim um passo, ergueu a mão e disse: ‘Ele se pôs bem aqui, cerca de um metro acima do chão. Era como se Ele estivesse de pé em uma plataforma de ouro puro’.

Meu avô me disse como a pessoa do Salvador era gloriosa e descreveu Suas mãos e seus pés, seu semblante e seus belos trajes brancos, tudo de uma brancura tão gloriosa e resplandecente que meu avô mal podia olhar para Ele.

Então, [meu avô] aproximou-se mais um passo, colocou a mão direita na minha cabeça e disse: ‘Minha neta, quero que você se lembre que este é o testemunho de seu avô, que você ouviu de seus próprios lábios que ele verdadeiramente viu o Salvador, aqui no templo, e falou com Ele face a face’”.5

A conversa do Presidente Snow com o Salvador foi a confirmação sagrada de uma verdade que ele já sabia há muitos anos: que Jesus Cristo é o cabeça da Igreja. Inspirado por essa verdade, o Presidente Snow frequentemente testificava que a Igreja continuaria a progredir a despeito da oposição. Ele expressou gratidão pelo privilégio de participar do avanço da obra do Senhor nos últimos dias. Na conferência geral de outubro de 1898, na qual foi apoiado Presidente da Igreja, ele disse: “Decretemos em nosso coração, prestemos testemunho do Senhor interiormente para que, na próxima conferência, sejamos pessoas melhores e um povo mais unido do que hoje. Todo homem e mulher presentes nesta assembleia solene deveriam tomar essa decisão. De coração, tentarei ser mais dedicado do que antes aos interesses do reino de Deus e à realização de Seus propósitos”.6 [Ver sugestão 1 da página 249.]

Ensinamentos de Lorenzo Snow

Em cumprimento à profecia, o Senhor restaurou Sua Igreja na Terra.

No papel de servo de Deus, testifico que Sua vontade foi revelada no Século XIX, por meio de Sua própria voz, vinda do céu, pela manifestação de Seu Filho, pessoalmente, e pelo ministério de santos anjos. Ele ordenou que todos em todo o mundo se arrependessem de seus maus caminhos e desejos, que fossem batizados para a remissão dos pecados e que recebessem o Espírito Santo e entrassem em comunhão com Ele. Ele iniciou o trabalho de redenção mencionado por todos os santos profetas, sábios e reveladores de todas as épocas e raças da humanidade.7

O mormonismo, que é o apelido da religião verdadeira dos santos dos últimos dias, não professa ser novo, exceto para esta geração. Ele proclama ser o plano original de salvação, instituído nos céus antes que o mundo existisse e revelado por Deus ao homem em diferentes eras. Que Adão, Enoque, Noé, Abraão, Moisés e outras pessoas dignas contaram com essa religião sucessivamente, em uma série de dispensações, nós, como povo, acreditamos piamente. (…) Em suma, o mormonismo é a fé cristã original restaurada, é o antigo evangelho que nos foi trazido de volta, desta vez, para iniciar a última dispensação, introduzir o Milênio e finalizar a obra de redenção relativa a este planeta.8

Vemos a mão do Todo-Poderoso fundar o reino mencionado por Daniel, o profeta, há muitas eras; reino esse que crescerá e se espalhará até encher toda a Terra [ver Daniel 2:44], quando a luz e a inteligência serão tão universalmente difundidas que não será mais necessário que ninguém diga a seus companheiros “Conhecei ao Senhor; porque todos me conhecerão, desde o menor até ao maior deles” [ver Jeremias 31:34] e quando o Espírito do Senhor será derramado sobre toda a carne a tal ponto que os filhos e as filhas do povo profetizarão, seus velhos terão sonhos e seus jovens terão visões [ver Joel 2:28] e quando não se fará mal nem dano algum em todo o santo monte do Senhor [ver Isaías 11:9].9 [Ver sugestão 2 da página 249.]

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias está edificada sobre um alicerce firme e continuará a progredir a despeito da oposição.

Irmãos e irmãs, Deus estabeleceu Sua Igreja e Seu Reino na Terra para beneficiar e abençoar a família humana, para guiá-la no caminho da verdade e prepará-la para a exaltação em Sua presença, e para Sua vinda em glória e para Seu reino glorioso na Terra. Seus propósitos serão atingidos a despeito de toda a oposição dos iníquos e dos poderes das trevas. Todos os obstáculos a esta obra serão removidos. Nada conseguirá resistir a Seu poder, mas tudo o que Ele decretou será cumprido em todos os pormenores. O amor de Deus a Seu povo será constante e duradouro e esse povo triunfará por Sua força.10

Há quem fale da destruição deste reino! (…) Ora, isso é comparável a tentar arrancar as estrelas do firmamento ou a Lua e o Sol de suas órbitas! Isso é impossível, pois esta é a obra do Todo-Poderoso.11

O Reino de Deus prossegue com força e poder, e com sucesso majestoso e glorioso.12

Esta obra está edificada sobre o alicerce seguro que é a rocha eterna. (…) A despeito dos que se percam pelo caminho ou daqueles cuja fé naufrague, a Igreja prosseguirá.13

Esta Igreja permanecerá, pois seu alicerce é sólido. Ela não é uma Igreja de homens, não vem do estudo do Novo nem do Velho Testamento; não é resultado do conhecimento obtido em faculdades e seminários, mas vem diretamente do Senhor. O Senhor mostrou-nos a luz, pelo princípio revelador do Espírito Santo, e todo ser humano pode desfrutar desse espírito.

(…) Ele nos concede o conhecimento do que temos a fazer, contanto que estejamos dispostos a sacrificar nossa vida em vez de rebelar-nos contra esse conhecimento. Ele nos revela os segredos do reino celestial e constantemente nos faz saber aquilo que não sabíamos antes. Esse conhecimento e essa inteligência que recebemos aumenta continuamente.

(…) Tão grande é o conhecimento que recebemos que nossos propósitos não podem ser frustrados. Quanto àqueles que quiserem perseguir e derrubar o mormonismo, que ajam. (…) Nossa tarefa é aumentar nosso conhecimento de Deus, guardar os mandamentos de Deus, ser fiéis e continuar a multiplicar-nos e a tornar-nos mais perfeitos com o passar dos anos.14 [Ver sugestão 3 da página 249.]

Somos o povo de Deus e Ele nos protegerá se seguirmos adiante e fizermos tudo o que Ele pede.

Muitas vezes (…), quando a destruição do povo de Deus parecia iminente e parecia que não havia escapatória, (…) de repente surgia algo que havia sido preparado para sua salvação, para impedir sua destruição. Vemos que foi assim com os israelitas liderados por Moisés. Quando chegaram ao Mar Vermelho, com o exército egípcio que os perseguia prestes a destruí-los, parecia que não havia escapatória, mas no exato instante em que precisavam ser salvos, surgiu sua salvação [ver Êxodo 14:10–25].

Assim foi e assim será sempre conosco. Ainda que nossas dificuldades aparentemente sejam muito grandes, ser-nos-á dado um meio de escapar, se cumprirmos os deveres que nos cabem como filhos de Deus. Mas, no futuro (e quero frisar isto), pode ser necessário que alguns santos ajam como a rainha Ester e se disponham a sacrificar tudo e a fazer tudo o que for necessário para efetuar a salvação dos santos dos últimos dias.

Primeiro precisamos saber que somos o povo de Deus. (…) Cabe a nós dar um passo à frente, como Ester, e estar dispostos a arriscar tudo pela salvação do povo. Naquela ocasião, Ester disse: “Se perecer, pereci” [ver Ester 4:3–16]. (…) Mas o povo de Deus não perecerá. Sempre haverá um carneiro embrenhado no mato para seu livramento [ver Gênesis 22:13].

(…) O Senhor disse: “(…) Decretei em meu coração (…) que vos provarei em todas as coisas para ver se permanecereis em meu convênio, mesmo até a morte, para que sejais considerados dignos. Porque se não permanecerdes em meu convênio, não sereis dignos de mim” [ver D&C 98:14–15]. Temos algo pelo qual viver; temos uma causa ainda melhor pela qual morrer. Mas não é uma questão de morte. É a questão da salvação e da vida do povo de Deus, daqueles que tomaram sobre si o nome do Senhor Jesus Cristo, caso guardem Seus mandamentos e façam aquilo que é aceitável a Seus olhos. O objetivo do Todo-Poderoso não é permitir que Seu povo seja destruído. Se fizermos o que é certo e guardarmos os mandamentos, Ele certamente nos livrará de todas as dificuldades.15 [Ver sugestão 4 da página 249.]

É hora de nos tornarmos humildes diante de Deus e realizarmos a tarefa que Ele nos confiou.

Àqueles que professam estar engajados em Sua obra, cabe esforçar-se, ir avante (…) sem murmurar nem ser compelidos; enquanto houver ainda que seja um passo adiante a ser dado, devemos dar esse passo.16

Agora é a hora de os santos dos últimos dias se humilharem diante do Todo-Poderoso. (…) Agora é a hora de os santos dos últimos dias descobrirem a que se comprometeram; é a hora de os santos dos últimos dias arrependerem-se de seus pecados e futilidades e invocarem o Todo-Poderoso, para que Ele os ajude; (…) para que sigamos em frente e terminemos a obra grandiosa que nos foi confiada.17

Estamos engajados na obra de Deus. As possibilidades que nos aguardam são gloriosas, mas, em tudo o que fizermos, tenhamos consciência de que somos servos de Deus e que fazemos a Sua vontade. Que nada diminua nossa integridade, mas que nossa fé aumente sem cessar conforme seguimos pela vida. Eu ficaria satisfeito em atuar onde a Providência me colocou e perguntar ao Senhor o que posso fazer para ajudar a edificar o reino de Deus naquele lugar e pedir-Lhe auxílio para sustentar minha família.18

Podemos multiplicar nosso conhecimento, nossa força e nossa capacidade de edificar o reino de Deus na Terra, e isso também por meio de nossa diligência, humildade e fidelidade aos convênios que fizemos.19

Em nossa ignorância e falta de entendimento dos caminhos e propósitos do Senhor, pode parecer-nos que, às vezes, ficamos estagnados em nossa marcha para a realização do programa do Senhor; mas a verdade é que nesse programa, isso não ocorre nem pode ocorrer, contanto que em seus labores as pessoas continuem a confiar nas promessas de Deus.

(…) Que todo homem seja fiel e muito diligente em guardar os mandamentos de Deus e em cultivar o desejo de fazer o bem àqueles que o rodeiam; e, se ao recordar o passado, virmos que não agimos estritamente de acordo com nossa consciência e nosso dever, emendemo-nos diante de Deus e dos homens para preparar-nos para tudo o que venha a acontecer. Que o trabalho de edificação de templos e casas de adoração prossiga; que continuemos a ensinar [nossos] filhos e a criá-los no temor do Senhor, e que o evangelho continue a ser levado às nações distantes. (…)

Esta é a obra de Deus, e Ele dirige seus rumos e o progresso na Terra. Essa obra deveria ter sempre prioridade em nossa mente e, enquanto estivermos na senda do dever, podemos certamente permanecer firmes, inamovíveis e determinados em nosso propósito e, assim, mostrar ao mundo nossa fé e devoção aos princípios da verdade que Deus revelou. (…)

O Senhor pode muito bem fazer com que sejamos grandemente pressionados, de forma que o povo tenha que fazer grandes sacrifícios. Para nós, a questão é: Será que faremos esse sacrifício? Esta é a obra do Todo-Poderoso e as bênçãos que desejamos e que nos foram prometidas nos serão concedidas depois de passarmos na prova e enfrentarmos as aflições. Não tenho nada específico a dizer a este povo quanto a se há ou não uma prova de fogo que os aguarda; para mim a questão é: ‘será que estou preparado para receber e utilizar bem e devidamente toda e qualquer bênção que o Senhor me reserve para o bem comum do povo de Deus? E, além disso, será que estou preparado para fazer todo e qualquer sacrifício que Ele pedir de mim?’ Eu não daria absolutamente nada por uma religião pela qual não valesse a pena viver e pela qual não valesse a pena morrer; e não daria grande coisa pela pessoa que não estivesse disposta a sacrificar tudo por sua religião.

Ora, digo a todos: Avante! Sigam avante e vejam a salvação do Senhor e não fiquem estagnados.20 [Ver sugestão 5 abaixo.]

Sugestões para Estudo e Ensino

Leve em consideração estas sugestões ao estudar o capítulo ou preparar-se para ensinar. Para auxílios adicionais, ver páginas V–VII.

  1. 1.

    Recapitule as histórias das páginas 239–241. Em sua opinião, o que significa dizer que o reino de Deus segue avante? Que experiências o ajudaram a ver o reino de Deus seguir avante?

  2. 2.

    No último parágrafo da página 243, o Presidente Snow menciona quatro profecias do Velho Testamento. Como essas profecias estão-se cumprindo hoje?

  3. 3.

    Estude o que o Presidente Snow disse quanto à como a Igreja progride a despeito da oposição (páginas 245–246). Como esses ensinamentos nos ajudam quando somos perseguidos por causa de nossa fé? Como você lidou com a oposição ao seu testemunho?

  4. 4.

    Releia o terceiro e o quarto parágrafos da página 246. O que o exemplo de Ester nos ensina quanto aos momentos em que é preciso que façamos sacrifícios? Em sua opinião, em situações assim, o que nos ajudaria a saber que somos o povo de Deus?

  5. 5.

    Na última seção deste capítulo, o Presidente Snow aconselha os membros a edificarem o reino de Deus onde quer que o Senhor os coloque. De que forma o trabalho dos pais no lar ajuda a edificar o reino de Deus em toda a Terra? Como os mestres familiares e as professoras visitantes ajudam a edificar o reino de Deus?

Escrituras correlatas: Mateus 24:14; Éter 12:27; Morôni 7:33; D&C 12:7–9; 65:1–6; 128:19–23

Auxílio didático: “Em geral, logo após uma aula, já é bom começar a pensar na seguinte. Imediatamente depois de estar com seus alunos, será mais fácil estimar suas necessidades e interesses” (Ensino, Não Há Maior Chamado, p. 97).

O Presidente Lorenzo Snow prestou testemunho de que o evangelho fora restaurado por meio do Profeta Joseph Smith.

“Irmãos e irmãs, Deus estabeleceu Sua Igreja e Seu Reino na Terra para beneficiar e abençoar a família humana.”

Exibir Referências

    Notas

  1.   1.

    Eliza R. Snow Smith, Biography and Family Record of Lorenzo Snow, 1884, pp. 79–82.

  2.   2.

    “Laid to Rest: The Remains of President John Taylor Consigned to the Grave”, Millennial Star, 29 de agosto de 1887, p. 549.

  3.   3.

    “Laid to Rest: The Remains of President John Taylor Consigned to the Grave”, p. 549.

  4.   4.

    “Laid to Rest: The Remains of President John Taylor Consigned to the Grave”, p. 549.

  5.   5.

    Alice Pond, em LeRoi C. Snow, “An Experience of My Father’s”, Improvement Era, setembro de 1933, p. 677; ver também a correspondência entre o Élder John A. Widtsoe e Noah S. Pond, marido de Alice Armeda Snow Young Pond, 30 de outubro de 1945 e 12 de novembro de 1946, Biblioteca de História da Igreja. Alice tinha pouco mais de vinte anos, tinha investidura e já havia sido selada ao marido quando o Presidente Snow contou-lhe essa experiência no templo.

  6.   6.

    Conference Report, outubro de 1898, p. 55.

  7.   7.

    “Greeting to the World by President Lorenzo Snow”, Deseret Evening News, 1º de janeiro de 1901, p. 5.

  8.   8.

    “‘Mormonism’ by Its Head”, The Land of Sunshine, outubro de 1901, p. 252.

  9.   9.

    Deseret News, 24 de janeiro de 1872, p. 597.

  10.   10.

    Deseret News: Semi-Weekly, 4 de outubro de 1898, p. 1.

  11.   11.

    Deseret News, 24 de janeiro de 1872, p. 598.

  12.   12.

    Deseret Weekly, 4 de novembro de 1893, p. 609.

  13.   13.

    Millennial Star, 12 de maio de 1890, p. 293; de uma paráfrase detalhada de um discurso feito por Lorenzo Snow na conferência geral de abril de 1890.

  14.   14.

    Conference Report, abril de 1900, pp. 3–4.

  15.   15.

    Deseret News, 22 de novembro de 1882, p. 690.

  16.   16.

    Deseret News: Semi-Weekly, 27 de junho de 1882, p. 1.

  17.   17.

    Deseret News, 22 de novembro de 1882, p. 690.

  18.   18.

    Journal History, 11 de julho de 1865, p. 2.

  19.   19.

    Deseret News, 15 de maio de 1861, p. 82.

  20.   20.

    Deseret News: Semi-Weekly, 27 de junho de 1882, p. 1.