Lição 28: O Serviço Na Igreja

"Lição 28: O Serviço Na Igreja," Desenvolvimento Pessoal e Familiar, ()


O propósito desta lição é ajudar-nos a aceitar chamados para servir na Igreja.

Oportunidades de Servir na Igreja do Senhor

O Senhor ordenou a Seus filhos, por intermédio dos profetas, que servissem uns aos outros. (Ver Salmos 100:2; Mosias 2:18.) Os chamados da Igreja dão-nos oportunidades de servir as pessoas. O Presidente Hugh B. Brown explicou sobre a influência que podemos exercer quando servimos de boa vontade na Igreja:

“Quando servia como coordenador religioso do exército, eu estava em Londres, na Inglaterra. Enviei o seguinte telegrama ao capelão chefe de um grande acampamento perto de Liverpool: ‘Estarei em seu acampamento amanhã de manhã, às 10 horas. Por favor, notifique os rapazes mórmons de seu acampamento de que teremos uma reunião’.

Quando cheguei na manhã seguinte, encontrei setenta e cinco jovens. (…)

Do meio do grupo saiu um homem que me cumprimentou e disse: ‘Sou a pessoa a quem o senhor telegrafou, o capelão deste acampamento. Só recebi seu telegrama hoje de manhã [ou seja, no domingo]. Depois que o recebi, fiz uma pesquisa cuidadosa e descobri que havia setenta e seis rapazes mórmons neste acampamento. Setenta e cinco estão aqui, e um no hospital.

Depois, acrescentou: ‘Gostaria de saber como é que consegue isso. Tenho seiscentos rapazes de minha igreja neste acampamento, e se mandasse avisá-los com seis meses de antecedência, ainda não conseguiria essa freqüência. Diga-me como consegue’.

‘Bem, se o senhor quiser assistir à nossa reunião, mostraremos como conseguimos isso’, respondi. Ele acompanhou-me à reunião e diante de nós sentaram-se os setenta e cinco rapazes. Fiz com que o ministro se sentasse ao meu lado.

Perguntei: ‘Quantos de vocês foram missionários?’ No mínimo cinqüenta por cento levantaram a mão. Apontei para seis deles e disse: ‘Venham administrar o sacramento’. Apontei para outros seis e disse:

‘Venham à frente e preparem-se para falar’. Olhei para meu amigo, o ministro, e vi que ele estava de boca aberta, tão grande era sua surpresa. Ele nunca tinha visto nada igual. (…)

Continuei: ‘Quem sabe reger música?’ A maioria levantou a mão e eu escolhi um. ‘Quem sabe tocar neste órgão portátil?’ Novamente muitas mãos se levantaram e um foi selecionado. (…)

Demos prosseguimento à reunião, e os rapazes escolhidos falaram com grande poder e convicção. (…) Quando terminaram, falei: ‘Rapazes, temos que terminar’.

Eles disseram: ‘Vamos fazer uma reunião de testemunho’. (…)

Virei-me para meu amigo, o ministro, e disse: ‘Sei que para o senhor isso não é comum. Faz duas horas que estamos aqui e vamos ficar mais duas. Se preferir retirar-se, esteja à vontade’.

Ele pôs a mão no meu joelho e indagou: ‘Posso ficar, por favor?’ Eu, naturalmente, o encorajei a ficar e durante duas horas aqueles jovens (…) prestaram testemunho da veracidade do evangelho. (…)

Finalmente chegamos ao fim. Terminamos, e o ministro, virando-se para mim, disse: ‘Sr. Brown, sou ministro do evangelho há vinte e um anos, mas nunca passei por uma experiência semelhante a essa’. E novamente perguntou: ‘Como é que o senhor consegue? Como é que sabia quais os rapazes que deveria chamar?’

Repliquei: ‘Não fazia diferença quem eu chamasse. Estavam todos preparados’. [An Eternal Quest—Freedom of the Mind, Brigham Young Speeches of the Year, (13 de maio de 1969), pp. 14–17]

  • O que o ministro notou de diferente em nossa Igreja? Para que os jovens estavam preparados? Como haviam-se preparado?

  • Por que é importante que nos preparemos para o trabalho na Igreja?

“Na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias não há clero profissional, como em outras igrejas. (…) Todos os seus membros estão sujeitos a serem chamados para prestar serviço e desempenhar atividades na Igreja.” (Boyd K. Packer, Conference Report, abril de 1966, p. 146; Improvement Era, junho de 1966, p. 551.)

Sempre que ramos, alas e estacas são organizados, os membros da Igreja são chamados para servir em todos os cargos dessas unidades.

Como Somos Chamados para Servir na Igreja

Nossos líderes têm a responsabilidade de chamar membros para preencher os cargos na Igreja. Eles conhecem os requisitos de cada cargo e as qualificações desejáveis. Com isso em mente, os líderes da Igreja examinam com cuidado a lista de pessoas elegíveis, buscando inspiração e orientação do Senhor ao fazerem cada chamado.

Quando servia como conselheiro na Primeira Presidência, o presidente Gordon B. Hinckley disse: “Segue-se, na Igreja, um princípio de revezamento nas responsabilidades. A desobrigação é inerente ao chamado e deve ser esperada e bem recebida após um serviço dedicado”. (“Apoio aos Oficiais da Igreja”. A Liahona, julho de 1984. p. 4)

Falando de seu próprio chamado, O Presidente Hinckley disse:

“Nós [os Apóstolos] servimos graças à tolerância do Pai Eterno, cientes de que Ele pode facilmente remover-nos, a qualquer hora que o desejar. Somos responsáveis perante Ele nesta vida, e Lhe prestaremos contas quando estivermos diante Dele para fazer nosso relatório. Espero não estarmos em falta. Espero que nesse dia, eu tenha a oportunidade de permanecer diante de meu Amado Salvador, para prestar contas de minha mordomia, sem ficar envergonhado, sem tristezas ou desculpas. É assim pensando que tento conduzir minha vida. Sei que não sou perfeito, que tenho muitas fraquezas, mas posso dizer que tenho tentado fazer o que o Senhor espera que eu faça, como servo Seu e dos membros desta Igreja no mundo todo, e, em particular, como servo de meu amado Presidente, nosso Profeta, Vidente e Revelador. (A Liahona, janeiro de 1991, p. 61)

  • O que o testemunho do Presidente Hinckley acerca de seu chamado nos ensina a respeito de nosso próprio chamado para servir?

Uma vez escolhidas, somos chamadas pelo líder do sacerdócio para uma entrevista em particular. Nessa ocasião, ele examina as responsabilidades do novo chamado e faz perguntas sobre nossa vida pessoal e familiar, para ajudar-nos a calcular se podemos dispor do tempo exigido para a preparação, assistência às reuniões, viagens etc., que o chamado exige. Devemos saber a quem prestar contas e a quem pedir ajuda. Às vezes é pedido à família que prometa apoiar a pessoa que está sendo chamada.

O Élder Loren C. Dunn declarou a respeito da natureza de um chamado na Igreja: “Um chamado na Igreja é um assunto pessoal e sagrado, e devemos saber que fomos chamados para agir em nome do Senhor. Toda pessoa desta Igreja tem o direito de saber que foi chamada por Deus. Se não tiver essa certeza, eu sugeriria que levasse seu cargo em fervorosa consideração, de maneira que possa receber aquilo a que tem direito”. (Cursos de Estudo da Sociedade de Socorro para 1978–1979, Viver Espiritual, lição 8, p. 51)

  • Como podemos ter certeza de que os chamados que recebemos são do Senhor?

Como Receber Ajuda no Cumprimento de Nossos Chamados

Mesmo sabendo que o chamado é feito por inspiração, às vezes nos sentimos despreparadas, incapazes ou inseguras. As escrituras dizem que Moisés, Jeremias, Enoque e outros escolhidos do Senhor tiveram sentimentos parecidos. (Ver Êxodo 4:10; Jeremias 1:6; Moisés 6:31.)

O Élder Richard G. Scott falou a respeito de como ele venceu suas preocupações quando foi chamado para ser Autoridade Geral:

“Sinto-me tranqüilo, apesar dos sentimentos de incompetência pessoal, pois o Senhor disse: ‘E se os homens vierem a mim, mostrar-lhes-ei sua fraqueza. E dou a fraqueza aos homens a fim de que sejam humildes; e minha graça basta a todos os que se humilham perante mim; porque caso se humilhem perante mim e tenham fé em mim, então farei com que as coisas fracas se tornem fortes para eles’. (Éter 12:27) (…)

Reconheço o quanto são reais as orientações do Espírito Santo. Em momentos de extrema necessidade, após haver meditado e orado profundamente para receber a confirmação de uma atitude que devia tomar, elas me deram o sentimento confortador de que tudo correria bem”. (Richard G. Scott, “Gratidão”, A Liahona, outubro de 1977, p. 70)

  • Mostre o cartaz da seguinte citação ou escreva-a no quadro-negro: “É servindo que aprendemos a servir”. (Spencer W. Kimball, “Pequenos Atos de Serviço”, A Liahona, dezembro de 1976)

Sobre o sentimento de que não estamos em condições de exercer nossos chamados, o Presidente Spencer W. Kimball nos disse:

“Aprendi que é servindo que aprendemos a servir. (…) É importante que nos esqueçamos de nós mesmos e nos mostremos genuinamente interessados naqueles que Deus nos confiou como parte de nossos chamados”. (A Liahona, dezembro de 1976, p. 1)

  • De acordo com o Presidente Kimball, como devemos aprender a servir? Qual o conselho que ele nos dá, para sobrepujar o sentimento de que não temos capacidade de exercer determinado cargo?

  • Mostre o auxílio visual 28-a, “Os chamados dão-nos oportunidade de desenvolver nossos talentos e servir os outros”.

Podemos ganhar mais confiança em nós mesmas, compreendendo que o Senhor conhece nossa capacidade, talentos e potencial, e que, à luz de tal conhecimento, nos selecionou para servir em nossos chamados.

O bispo ou presidente do ramo, distrito ou estaca pode dar-nos uma bênção para ajudar-nos no novo chamado. Essa bênção chamamos de “designação”. Quando somos chamadas para servir na Igreja, não se espera de nós que trabalhemos sozinhas. Podemos receber poder, força e assistência do Senhor. Ele disse que podemos ter Seu Espírito “pela oração da fé”. (D&C 42:14) Podemos também ter certeza de que, se formos dignas, “[seremos] ensinados do alto e (…) investidos de poder“ para servir de acordo com Sua vontade. (D&C 43:16)

Quando o Élder L. Tom Perry foi chamado para o Quórum dos Doze, declarou: “Quando se vive o evangelho, o Senhor sempre está ali. Tive a prova de que, se estudasse e estivesse preparado, o Senhor sempre confirmaria ou me faria saber a direção que eu deveria tomar”. (Cursos de Estudo da Sociedade de Socorro para 1978—1979, Viver Espiritual, lição 8, p. 51)

  • Por que é importante que o Espírito do Senhor nos ajude em nossos chamados?

Os líderes de ramo, ala, distrito e estaca também foram chamados para nos ajudar a cumprir nossos chamados. Devemos procurar sua ajuda e escutar seus conselhos, bem como assistir às reuniões, pois nelas recebemos treinamento, ensino e inspiração.

  • Cite alguns líderes que a tenham ajudado.

Além das escrituras, temos livros de lições e manuais para nos instruir e guiar. A Igreja publica os discursos do profeta e de outras autoridades proferidos nas conferências gerais. As revistas da Igreja publicam esses artigos. Em muitas áreas, os discursos podem ser lidos pela Internet. Devemos estudar e seguir as instruções e conselhos dados nessas mensagens inspiradas de nossos líderes.

  • Como podemos ganhar confiança em nossos chamados seguindo o conselho das Autoridades Gerais e usando o material autorizado pela Igreja?

Nossa Responsabilidade Pessoal para com Nossos Chamados

Quando aceitamos responsabilidades na Igreja tornamo-nos Seus mordomos. Isso quer dizer que determinadas responsabilidades nos são confiadas e somos Seus agentes no cumprimento das mesmas. Também somos responsáveis perante o Senhor por aquilo que nos foi confiado. Foi-nos dada uma mordomia com respeito ao trabalho para o qual fomos chamadas.

  • Ler Doutrina e Convênios 72:3–4. Quem é responsável por sua mordomia perante o Senhor? O que Ele promete aos fiéis nas mordomias ou chamados?

  • Ler Doutrina e Convênios 107:99–100. Por que todo chamado na Igreja é importante? Por que devemos fazer o melhor possível, quando servimos na Igreja?

Conclusão

A irmã Belle S. Spafford, ex-presidente geral da Sociedade de Socorro, disse: “O chamado do Senhor, ‘Segue-me’, é tão válido para nós como o foi no tempo dos antigos discípulos. (…) Sua obra tem que prosseguir. Seu progresso depende do esforço que lhe emprestamos. Ele é tolerante para com nossas fraquezas. Somos chamadas para determinado trabalho por causa de alguma aptidão que possuímos. Cabe a nós a responsabilidade de aceitar chamados, de crescer em Seu serviço”. (Cursos de Estudo da Sociedade de Socorro para 1977–1978, Relações Sociais, lição 4, p. 111)

Temos muitas oportunidades de servir ao Senhor na Sua Igreja e devemos cumprir nossos chamados inspirados da forma que Ele deseja.

Desafio

Lembre-se de que servir ao Senhor é um privilégio. Lembre-se também de que Ele inspira Seus líderes a nos chamar para trabalhar na Igreja. Ao desempenharmos nossos chamados, devemos pedir ajuda ao Senhor e a nossos líderes, usar as escrituras e os manuais autorizados. Devemos estar dispostas a aceitar plena responsabilidade por nossas mordomias. Prepare uma lista das maneiras de melhorar sua mordomia no desempenho de seu chamado atual na Igreja.

Escrituras Adicionais

  • Salmos 100:2 (servir ao Senhor com alegria)

  • João 15:16 (produzir frutos)

  • Hebreus 5:4 (homens chamados por Deus)

  • Mosias 2:16–18 (ao servirmos uns aos outros estaremos servindo a Deus)

  • Doutrina e Convênios 105:35–37 (a voz do Espírito manifesta quem é o escolhido)

Preparação da Professora

Antes de apresentar esta lição:

  1. 1.

    Leia Princípios do Evangelho capítulo 28, “Serviço”.

  2. 2.

    Examine a lição 12, “A Organização da Igreja”, neste manual.

  3. 3.

    Prepare o cartaz sugerido na lição ou escreva os dizeres no quadro-negro.

  4. 4.

    Se desejar, designe às irmãs a apresentação de histórias, escrituras ou citações da lição.