Apoiar as Pessoas da Família

Moças – Manual 1, 1992


Objetivo

Ajudar cada aluna a aprender como apoiar e ser leal aos membros da sua família.

Preparação

  1. 1.

    Gravuras 4 e 5, de membros da família fazendo coisas uns para os outros, encontradas no final do livro. Mostre as gravuras no momento apropriado durante a aula.

  2. 2.

    Fazer para cada aluna uma cópia da escritura encontrada na Conclusão.

  3. 3.

    Designar algumas jovens para apresentarem as histórias, escrituras ou citações, se desejar.

Observação para a professora

Ao preparar esta lição, considere quaisquer jovens da classe que não tenham pai, mãe, irmãos ou irmãs em casa ou que poderão ter membros da família inativos na igreja.

Sugestão para o desenvolvimento da lição

Introdução

Apresentação pela professora e debate

Peça às jovens que pensem em alguma vez em que estavam conversando com amigos e sentiram que eles não estavam prestando atenção ao que elas diziam. Peça-lhes então que lembrem de uma ocasião em que seus amigos não lhes deram atenção nem se importaram com o que elas estavam dizendo.

• Como se sentiu quando seus amigos pareciam ignorá-la?

• Que diferença fez quando seus amigos a ouviram e demonstraram interesse no que estava dizendo?

Apresentação pela professora

Diga que cada uma de nós necessita da aprovação de pessoas que nos apóiem, nos sejam leais e nos incentivem. Uma família pode proporcionar este tipo de força, entusiasmo e segurança, quando todos os seus membros se unem para apoiar uns aos outros. O Senhor nos pediu que fôssemos unidos nos laços de nossa família terrena. O sentimento de união é a chave para o sucesso da família SUD. Os pais unidos, apoiando os filhos, os filhos unidos apoiando os pais, e irmãos e irmãs apoiando-se mutuamente, ajudam a criar este sentimento. Para que nossa família alcance seu destino eterno, precisamos trabalhar juntos e apoiar uns aos outros.

Citação

“Sede alguém que edifica e apóia. Sede alguém que possui um coração compreensivo e clemente e que procura o que há de melhor nas pessoas. Deixai as pessoas melhor do que quando as encontrastes.” (Marvin J. Ashton, A Liahona, abril de 1992, p. 26; ou Ensign, maio de 1992, p. 20).

Debate

• Quem poderá ser nosso apoio visível? (Pais, irmãos, irmãs, outros parentes, professores, amigos, líderes da Igreja.)

• Quem poderá ser nossa proteção invisível? (Pais Celestiais, pessoas amadas que morreram antes de nós e as que ainda vão nascer.)

Apresentação pela professora

Explique-lhes que é importante aprendermos como e quando dar apoio a nossos familiares. Um bom meio de iniciarmos é descobrir o que cada pessoa de nossa família faz na Igreja, no trabalho, na escola e em casa. Precisamos saber quando eles estão enfrentando desafios especiais.

Apoiar seu Pai

Debate

Diga-lhes que, como chefe de família, o pai é responsável pelo bem-estar espiritual e material dos seus.

• Quais os diferentes tipos de responsabilidades que seus pais têm na família? (As situações individuais variam e as respostas poderão incluir um número de circunstâncias em que os pais atendem a um conjunto de necessidades fisicas, emocionais, intelectuais e espirituais.)

• Como podem saber o que o trabalho diário e o seu chamado na Igreja exigem dele? O que podem fazer para apoiar seu pai nestes importantes deveres?

Apresentação pela professora

Explique-lhes que quando uma jovem descobre todas as responsabilidades de seu pai e ora por ele diariamente, ela perceberá o que fazer para apoiá-lo e ajudá-lo. Algumas vezes o melhor é orar por ele diariamente. Também pode pedir ao pai que ore por ela, ou, quando sentir necessidade, que lhe dê uma bênção. Saliente que pode haver grande poder nesse tipo de apoio mútuo.

Debate

• Quando poderão precisar de ajuda divina e de uma bênção especial? (Quando tiverem um exame importante, no início de um novo ano escolar, quando precisarem fazer um discurso, quando mudarem para outra cidade, etc.)

Explique-lhes que às vezes precisamos de força extra do Senhor, quando nos defrontamos com ansiedades, provações ou tentações. Muitos pais estão prontos a ajudar os filhos, quando eles conhecem suas necessidades, mas cabe a nós contar nossos sentimentos aos pais, pedindo-lhes ajuda.

• Por que pedir uma bênção paterna é um meio de apoiar o pai? Diga que, embora um pai que não seja portador do sacerdócio não possa dar uma bênção sacerdotal, ele pode ajudar de muitas outras formas.

Histórias e debate

Conte as seguintes histórias e use as perguntas para incentivar o debate.

Quando estava estudando em outra cidade, Sara teve um problema e precisou desesperadamente de conselho. O pai não era membro ativo da Igreja, mas Sara sentiu que era a ele que devia pedir ajuda. Quando lhe explicou o problema, a princípio ele relutou em aconselhá-la, mas finalmente lhe deu alguns bons conselhos. O pai de Sara mais tarde confiou à esposa: “Nunca me senti tão orgulhoso como quando minha filha me pediu conselho”.

• Como Sara demonstrou apoiar o pai?

• Que efeito de longo alcance o pedido de Sara poderá ter sobre o pai?

• Que tipo de relacionamento haverá entre um pai e uma filha que se apóiam mutuamente?

Diga que assim como nós apreciamos quando os outros notam nossas realizações ou elogiam nosso trabalho, nossos pais sentem o mesmo. Certa filha escreveu um bilhete especial ao pai no seu aniversário. Terminava dizendo: “Você é o melhor homem que conheço. Às vezes, quando ouço amigas dizendo algo desagradável sobre os pais, sinto grata por você ser meu pai. Amo-o demais. Obrigada pelas coisas que faz por mim e, acima de tudo, por seu grande exemplo”.

• Como um pai se sentiria, recebendo uma carta assim?

• Quais são outras maneiras de demonstrar amor, respeito, cortesia e gratidão?

Pergunte às alunas quando foi a última vez que fizeram um cumprimento ao pai, seja pela aparência ou por alguma realização.

• Como uma filha pode expressar gratidão por coisas como: conforto no lar, roupas, conselhos, um bom exemplo, a própria vida?

Quadro-negro

Peça sugestões rápidas e escreva no quadro-negro as maneiras de uma jovem apoiar o pai.

Apoiar a Mãe

• Que tipos de responsabilidade sua mãe tem para com a família? (As respostas poderão incluir situações em que mães atendem a uma combinação de necessidades físicas, emocionais, intelectuais e espirituais.)

Ajude as jovens a compreenderem quanto trabalho e sacrifício é requerido dos pais para educar uma família e os muitos sacrifícios que os pais fazem.

• Como é o planejamento diário de sua mãe? Quanto é requerido dela pelo seu chamado na Igreja? O que você poderia fazer para apoiar sua mãe em suas importantes responsabilidades?

Apresentação pela professora

Diga às jovens que aprender sobre as responsabilidades de suas mães é o primeiro passo para apoiá-las. Explique que muitas coisas que elas podem fazer para apoiar os pais também ajudarão a apoiar as mães. Elas podem pedir conselhos às mães, orar por elas e expressar gratidão por todas as coisas que elas fazem.

História e debate

Conte a seguinte história:

Após a morte da mãe, uma filha encontrou entre seus pertences pessoais alguns pacotes com bilhetes e cartas. Ela ficou muito tocada ao imaginar que sua mãe tinha guardado durante todos aqueles anos expressões de amor e apreço que recebera de membros da família . Eles eram seu tesouro. A filha não tinha idéia do quanto estas coisas haviam significado para sua mãe.

• Como acha que uma mãe se sente quando os filhos lhe agradecem pelas coisas que ela faz? Acha que ela nota quando eles não lhe agradecem?

Apoiar os Pais

Apresentação pela professora

Ressalte que os pais precisam mais do que expressões verbais de apoio dos filhos. Cada família tem oportunidades únicas que aumentam as responsabilidades dos pais.

História

Relate a seguinte história, mostrando o que uma filha fez para apoiar os pais:

Por ocasião do chamado para a presidência da estaca, recebido pelo marido, uma esposa foi ao púlpito e contou o quanto era grata pelo apoio que sempre recebera da filha mais velha. Recordou que, enquanto o marido servira como bispo, Cristina ajudara-a a atender às necessidades de uma família de oito pessoas. Contou também de um trecho de seu diário que a filha havia mostrado, mais ou menos um ano depois de escrevê-lo. Dizia: “Sei que não faço tanto quanto devia por minha família, por isso estabeleci a meta de ajudá-los sempre que necessitarem de mim. Com o nascimento do bebê, minha mãe precisará de mais ajuda. Quero estar sempre presente quando ela precisar. Sei que estarei servindo ao Pai Celestial, ao servir à minha família”.

Debate

Compartilhe as seguintes situações com as jovens e pergunte o que elas poderiam fazer em cada situação para ajudar os pais ou mostrar amor e interesse por eles.

  1. 1.

    Sua avó está doente e precisa de cuidado extra em sua própria casa.

  2. 2.

    Seu avô teve um infarto e precisa mudar-se para a casa de vocês.

  3. 3.

    É aniversário de casamento de seus pais.

  4. 4.

    O próximo domingo é dia de jejum e você sabe de algumas dificuldades pelas quais sua mãe agora está passando.

  5. 5.

    Seu pai precisa de sua ajuda, mas você vai receber a visita de uma amiga depois da aula e quer ficar com ela.

  6. 6.

    Tanto seu pai quanto sua mãe estarão fora durante o dia, e seus irmãos e irmãs mais novos voltam da escola no mesmo horário que você.

Apoiar Cada Irmão e Irmã

Apresentação pela professora

• Por que às vezes é difícil demonstrar afeição e apoiar seus irmãos e irmãs?

Explique-lhes que algumas pessoas têm vergonha de demonstrar amor aos irmãos e irmãs. Outros têm o mau hábito de diminuir seus irmãos e irmãs, ao invés de edificá-los.

História

A Irmã Emma Rae Mckay, esposa do Presidente David O. Mckay, conta o que ocorreu com uma jovem que gostava de cantar para visitas ou para os amigos, acompanhando-se ao piano. “Um dia seu irmão mais velho ouviu-a e, quando chegaram em casa, imitou-a, riu e brincou com ela, comentando: `Acha que as pessoas gostam de ouvi-la tentando cantar? Estão só fingindo`. Depois disso, muito raramente alguém conseguia persuadi-la a cantar, e, mesmo assim, ela precisava certificar-se de que o irmão não estava nas imediações… Onde quer que se encontrem,…(irmãos) devem orar pelo sucesso uns dos outros, e se a pessoa que estiver se apresentando puder sentir que seu desempenho está sendo auxiliado por essas orações, desejará sempre ter a família presente nos momentos mais importantes da vida, quando estiver sentindo timidez e medo de fracassar. Ela precisa do estímulo do elogio, e isto deve partir dos membros da família. Que felicidade, então, após uma preparação difícil e uma apresentação, saudar a família que nada tem a oferecer além de incentivo e louvor.” (Emma Rae Riggs Mckay, The Art of Rearing Children Peacefully, Provo: Brigham Young University Press, 1952, p.11.)

História

Certa filha conta como o pai demonstrava que os membros de uma família podem preencher as necessidades uns dos outros. “Uma vez meu pai levou dois baldes para a sala — um cheio de água, o outro vazio. Depois, pediu-nos que pensássemos em algo que nos aborrecera, frustrara ou desanimara naquele dia. A cada coisa que mencionávamos, ele tirava uma xícara de água do balde cheio. Disse-nos que éramos como aquele balde, e que, quando durante o dia aconteciam coisas que nos perturbavam, uma xícara de auto- estima era retirada de nós. Pouco a pouco, fomos chegando perto do…fundo (até que o balde ficava completamente vazio). Referiu-se depois, ao outro balde. Pediu-nos sugestões sobre como poderíamos ajudar uma pessoa, cujo balde estivesse vazio, a enchêlo novamente. A cada sugestão, ele nos fazia despejar uma xícara de água no balde vazio.

Papai concluiu que o lar é o local onde vamos para encher nossos baldes e que devemos observar e ser sensíveis às necessidades uns dos outros, porque é nossa responsabilidade ajudar a encher os baldes de nossos irmãos, atendendo a essas necessidades.” (Eric G. Stephan e Judith Stephan Smith, What Happy Families Are Doing, Salt Lake City: Deseret Book Co., 1981, pp. 57-58.)

Debate com uso do quadro-negro

Aliste no quadro-negro as sugestões das jovens de como edificar e apoiar seus irmãos.

Dirija o debate, usando como base a história acima com sua demonstração. Faça perguntas como as que seguem:

• O que sentem quando outro membro da família ganha um prêmio ou realiza algo importante? Estão dispostas a compartilhar o que lhes pertence com outros? Quando foi a última vez que se esforçou realmente para apoiar um irmão ou irmã? Como isto afetou seu relacionamento com a pessoa? Espera que alguém lhe faça uma gentileza para oferecer-lhe apoio?

Debate

• O que uma jovem poderia fazer nas situações seguintes, para demonstrar apoio?

  1. 1.

    Um irmão está em missão.

  2. 2.

    Uma irmã casada não sai muito com o marido, porque eles têm várias crianças pequenas.

  3. 3.

    Uma irmã mais nova recebeu sua primeira designação para proferir uma oração na Primária.

  4. 4.

    Um irmão vai ser avançado no sacerdócio.

  5. 5.

    Uma irmã vai participar de um recital de piano na próxima quinta-feira à noite. Você tem um exame importante na escola, na sexta-feira.

Conclusão

Apresentação pela professora

Solicite a uma das alunas que leia Doutrina e Convênios 108:7. Diga às alunas que o apoio é uma atitude contagiante. Essas atitudes podem espalhar-se, partindo delas para toda a família, reduzindo os desentendimentos e incentivando a solidariedade e a união na família.

Aplicação da Lição

Sugira que cada jovem faça pelo menos uma coisa durante a próxima semana para o pai, a mãe, os irmãos e irmãs, que possa mostrar-lhes que os apóia.