Registros Pessoais

Moças – Manual 1, 1992


Objetivo

Ajudar cada aluna a compreender a importância de manter um registro pessoal.

Preparação

  1. 1.

    Preparar uma cópia de cada um dos dois conjuntos de perguntas que se encontram no início da lição. Incluir as referências de escrituras, mas não as respostas.

  2. 2.

    Preparar-se para falar às alunas a respeito de um de seus antepassados e como essa pessoa influenciou sua vida; ou peça a um visitante, apoiado previamente por conselheiros do sacerdócio, que fale à classe sobre seus antepassados.

  3. 3.

    Preparar uma folha de citações encontradas na conclusão da lição, para cada uma das alunas.

  4. 4.

    Designar duas ou três jovens para falarem brevemente a respeito de um de seus avós ou bisavós e como essa pessoa afetou sua vida.

  5. 5.

    Se desejar, designe algumas jovens para apresentarem escrituras, histórias ou citações.

  6. 6.

    Veja no final da lição uma atividade optativa sobre história da família.

Sugestão para o desenvolvimento da lição

O Pai Celestial Ordena a Seus Filhos que Mantenham Registros Pessoais

Teste Divida a classe em dois grupos. Certifique-se de que cada um deles possui as obraspadrão e um lápis. Entregue a um grupo as perguntas de escrituras do conjunto A, e ao outro o conjunto B. Conceda cinco minutos para as alunas responderem.

Perguntas - Conjunto A

  1. 1.

    Quem registrou a primeira informação num livro de recordações? (Moisés 6:1,5.)

  2. 2.

    Mencione dois outros profetas do Velho Testamento que escreveram livros de recordações. (Moisés 6:5-8.) (Moisés 6:45-46; Malaquias 3:16.)

  3. 3.

    Quando são realizadas ordenanças do sacerdócio, como batismo e casamento no templo, onde são feitos os registros? (D&C 128:7.)

  4. 4.

    Por que escrevemos um diário ou história pessoal? (2 Néfi 25:23.)

  5. 5.

    Quando Cristo apareceu aos nefitas, soube que alguns eventos importantes não haviam sido registrados. O que ordenou ao povo que fizesse? (3 Néfi 23: 6-13.)

Respostas - Conjunto A

  1. 1.

    Adão.

  2. 2.

    Enoque e Malaquias.

  3. 3.

    Na terra e no céu.

  4. 4.

    Para persuadir nossos filhos a crerem em Cristo.

  5. 5.

    Que escrevessem os eventos que haviam deixado de registrar.

Perguntas - Conjunto B

  1. 1.

    Como sabemos que Jesus é descendente de Davi e Abraão? (Mateus 1:1.)

  2. 2.

    Por que Néfi e seus irmãos voltaram à casa de Labão? (1 Néfi 3:1-4.) 3. Por que Néfi manteve um registro de sua vida quando ele a família de seu pai deixaram Jerusalém e viajaram para a América? (1 Néfi 1:1-4.)

  3. 4.

    Quem ensinou Adão e seus filhos a manter um livro de recordações? (Moisés 6:46.)

  4. 5.

    Como Abraão adquiriu conhecimento dos direitos do sacerdócio e da criação? (Abraão 1:31.)

Respostas - Conjunto B

  1. 1.

    Está informação está registrada na Bíblia.

  2. 2.

    Para obter os registros dos judeus e a genealogia de seus antepassados.

  3. 3.

    Porque conhecia a bondade e os mistérios de Deus.

  4. 4.

    Foram ensinados pela mão do Senhor.

  5. 5.

    Isso estava escrito nos registros de seus pais.

Debate

Faça com que cada grupo relate as respostas de seu conjunto de perguntas à classe. Depois que as jovens tiverem respondido ao teste, à classe que responda ao seguinte:

• Que tipo de informações Moisés, Néfi e Abraão registraram nos livros de recordações? (Os nomes das pessoas da família, eventos importantes, testemunhos pessoais, profecias sobre coisas que iriam acontecer, bênçãos do Pai Celestial e mandamentos que receberam.)

• Por que é importante manter um registro pessoal? (Por meio de um registro pessoal, a pessoa pode partilhar com seus descendentes os eventos de sua vida, seu testemunho, seus pensamentos e sentimentos e um registro das bênçãos que recebeu do Pai Celestial.)

• Como sabem que o Pai Celestial deseja que mantenham um registro de sua vida? (Desde o início dos tempos, ordenou a seus filhos que mantivessem um registro pessoal de sua vida. E os profetas modernos nos encorajam a fazer um diário durante toda a vida.)

Registros de Progenitores Podem Trazer Alegria e Fortalecimento

Leia ou conte a seguinte história de ficção: História “Meu tio-avô Benjamim morreu há mais de 30 anos, e alguns de seus pertences estavam guardados no sótão, dentro de velhos baús.

‘Gostaria de saber por que vovô guardou (estas coisas do tio-avô) durante todos esses anos’, resmungou João, enquanto ajudava a mãe e a irmã a organizá-las. O avô morrera havia algumas semanas e Glória, sua única filha viva, fora limpar a velha casa da família, acompanhada de seus dois filhos.

João atirou um velho e deformado chapéu de feltro dentro de um grande barril que havia no meio do sótão. Por que eles quiseram guardar todas essas coisas inúteis? Veja este velho livro estragado: Pamela, ou a Virtude Recompensada. Credo!’

‘Isso’, replicou sua irmã Alice calmamente, é um exemplar da primeira novela inglesa escrita. Tenha a bondade de colocá-la cuidadosamente na caixa de objetos que devemos guardar.’

‘Bem, e isto aqui? Um caderno de notas parcialmente usado? Quem, em seu juízo perfeito, guardaria isto?’

Glória foi dar uma olhadela no que João estava segurando…

‘Dá para você entender o que é que diz?’ Perguntou Alice, unindo-se à mãe e ao irmão.‘Facilmente’, respondeu João, sentando-se e iniciando a leitura, pulando algumas páginas aqui e ali. “4 de maio de 1888…

‘Ei, parece um diário ou algo semelhante!’

4 de maio de 1888. Hoje mamãe trancou novamente meu violino na caixa de cedro. Ela disse que seria uma tentação muito grande para mim, antes que as vacas fossem ordenhadas. Creio que ela tem razão. É bom que meus irmãos sejam mais diligentes do que eu, pois, do contrário, não conseguiremos tirar desses poucos hectares de terra o alimento para nossa família de oito pessoas. Seria mais fácil se papai ainda estivesse vivo.

3 de setembro de 1888: Hoje o Sr. Carter disse à minha mãe que já me ensinou tudo o que sabe, e que eu preciso de um professor mais adiantado. Existe uma tal de Irmã Kendall, em Coalville, que dizem que tocou certa vez com a orquestra de Filadélfia, antes de entrar para a Igreja e mudar-se para o oeste. Mamãe disse que eu poderia perguntar a ela se me aceitaria como aluno. O único problema será o preço que ela vai cobrar por aula. Tenho permissão de cuidar das galinhas e ficar com o dinheiro da venda dos ovos para pagar minhas lições de música.

8 de abril de 1992: Hoje cheguei à conclusão de que existem três coisas que amo acima de tudo neste mundo: O Senhor, minha família e minha música. E sei que o amor que dedico a um não prejudica o amor que tenho pelos outros. Quando todas as coisas são boas, andam de mãos dadas.

1 de dezembro de 1892: é muito tarde, mas não consigo dormir. Passei a noite toda copiando músicas com a ajuda de mamãe. Pediram-me que fosse à Cidade do Lago Salgado para dar uma audição com vistas a um lugar na orquestra do território…

5 de março de 1893: Depois de muitas semanas de estudo, entremeadas por horas de oração, fui à Cidade do Lago Salgado para minha audição. O Sr. Dean, o regente, disse que eu era o violinista mais talentoso que ouvira a oeste de Denver. Provavelmente ele não ouviu muita gente a oeste de Denver, mas mamãe ficou contente quando lhe contei. Devo estar em Denver no início do outono, para os ensaios, e ganharei o suficiente para as minhas despesas e ainda para enviar um pouco a minha mãe e os outros. Domingo, tocarei na reunião sacramental uma peça de Mozart que ensaiei para a audição.

11 de março de 1893: Por que isso foi acontecer agora? Por que neste ponto de minha vida? Após a reunião sacramental, no domingo, o Bispo Reynolds chamou-me em seu escritório e perguntou-me como me havia saído na audição. Contei-lhe que fui contratado e ele me perguntou se eu não poderia deixar de tocar na orquestra por alguns anos.

Explicou-me que, antes de começar a ganhar dinheiro, existe algo que devo dar ao Senhor. Sem ‘qualquer dúvida’ em sua mente que isto é a vontade do Senhor, pediu-me que aceitasse um chamado para a missão. Sei que devo tudo o que tenho a meu Deus, e alguns anos longe de meu violino não significa pedir muito, mas creio que é uma renúncia maior do que posso suportar. Entretanto, sabia que a incerteza que sentia era mais receio do que dúvidas, por isso prometi ao bispo que, se conseguíssemos arranjar o dinheiro, eu aceitaria o chamado…

13 de março de 1893: Ontem à noite, falei com minha mãe a respeito de meu chamado para a missão. Ela ficou radiante. Meu pai desejou sair em missão, disse ela, mas foi morto antes que o conseguisse. Agora, eu poderia ser missionário em seu lugar. Quando lhe perguntei como levantaríamos os recursos financeiros necessários, ela se entristeceu. Explicando-lhe que não permitiria que vendesse outro pedaço de terra, contei-lhe da promessa condicional que fizera ao bispo. Ela encarou-me silenciosamente por alguns momentos e disse: ‘Ben, existe um meio de levantarmos o dinheiro. Esta família possui uma coisa que tem um valor suficientemente grande para enviá-lo à missão. Você terá de vender seu violino.’

17 de março de 1893: A promessa precisa ser cumprida e existe um meio. Na próxima segunda-feira irei a Lago Salgado para vender meu violino. Se conseguir dinheiro suficiente para a passagem, partirei em missão imediatamente. Tomei uma decisão, e sinto-me em paz.

23 de março de 1893: Acordei esta manhã e retirei o violino do estojo. Durante todo o dia toquei a música que tanto amo. Ao anoitecer, quando a luz começou a diminuir e não conseguia mais enxergar, guardei o instrumento na caixa. Foi o suficiente. Amanhã partirei. ‘É só isso’, disse João com incredulidade. ‘Termina aqui. Não há mais nada. O que aconteceu? Ele voltou e conseguiu outro violino? Conseguiu? E chegou a tocar com uma orquestra sinfônica? mãe, você sabe o que aconteceu?’

‘Não sei, João’, respondeu a mãe, pensativa. ‘Mas deve haver alguém que saiba. Realmente não me importa que a história tenha terminado aqui. Você já conhece a coisa mais importante sobre ele.’

‘Esperem’ gritou João. ‘Olhem, há mais algumas coisas escritas na contracapa do caderno.’ Ele examinou as breves anotações, tossiu um pouco para disfarçar o outro som que quase escapou de sua garganta e passou o caderno para Glória. ‘Leia você, mãe’, disse ele, temendo não poder proferir mais nenhuma palavra.

Glória pegou o caderno, aproximou-se mais da janela para aproveitar a fraca luz crepuscular, e leu o que estava escrito. A mão que escreveu aquelas palavras não era tão firme como a que começara o diário, mas as letras ainda eram cuidadosamente escritas e bem traçadas.

23 de junho de 1938: A maior decisão que já tomei em minha vida foi a de renunciar a uma coisa que amava profundamente, por um Deus a quem amava ainda mais. E por causa disso, ele nunca me desamparou. Benjamin Landart.” (Karen Nolen, “ Benjamin: Son of the Right Hand”, New Era, maio de 1974, pp. 35-37.)

Debate

• Da experiência de Alice e João, o que podemos aprender sobre a importância de um diário?

• O que Alice e João aprenderam a respeito de seu tio-avô, lendo o diário?

• Como o diário de Benjamin Landart pode ter proporcionado alegria à sua própria vida?

• Como um diário pessoal pode abençoar a vida dos filhos, netos e bisnetos de uma pessoa?

• Vocês sabem coisas interessantes sobre a vida de seus pais, quando tinham sua idade?

• Gostam de ouvi-los falar da infância deles, como se conheceram, e sobre vocês, quando eram crianças?

• De que maneira o conhecimento a respeito da vida de seus pais ou qualquer de seus antepassados pode ajudá-las a viver mais corajosamente, hoje?

Apresentação pela professora

Explique-lhes que, ao ler o diário de seu tio-avô, Alice e João apreenderam sobre a família de Benjamin Landart e seus interesses pessoais. Ficaram sabendo do grande amor que dedicava ao Pai Celestial e passaram a amá-lo mais por isso. O diário nos ajuda a recordar acontecimentos de nossa própria vida e pode dar alegria a nossos filhos e netos.

Certa jovem comentou: “Manter um diário pessoal é tradição em nossa família…às vezes, na noite familiar, meu pai lê trechos do diário de meu bisavô, o que me serve de incentivo para fazer o meu. Se meus descendentes sentirem metade da satisfação que sinto ao ler os diários de meus avós, quando lerem o meu, terá valido a pena fazê-lo. (Laura Call, citado em “A Journal Called Lucy”, de Kathleen Lubeck, New Era, novembro de 1981, p.40.)

História

s pessoais Partilhe com as alunas uma história sobre a vida de um de seus antepassados e diga-lhes o quanto essa experiência influenciou sua própria vida; ou peça a um visitante que relate uma experiência. Peça às alunas que prepararam um relato sobre a vida de seus avós ou bisavós, que os conte.

Conclusão

Distribua uma folha com a seguinte citação do Presidente Spencer W. Kimball e peça-lhes que a leiam em voz alta: “Insistimos com nossos jovens que comecem a escrever e registrar todas as coisas importantes de sua vida.” (Spencer W. Kimball, “The Angels May Quote From It”, New Era, outubro de 1975, p.4.)

“Prometo-lhes que, se fizerem diários e registros eles serão fonte de grande inspiração para suas famílias, seus filhos, netos e outras pessoas, por todas as gerações futuras. Cada um de nós é importante para os seus – e quando nossa posteridade ler as experiências de nossa vida, também começará a amar-nos. E, no dia glorioso em que nossas famílias se reunirem na eternidade, já seremos conhecidos uns dos outros.” “Presidente Kimball Speaks Out on Personal Journals”, New Era, dezembro de 1980, p.26.)

Atividade optativa história da família

Identificar Seus Antepassados Utilizando o FamilySearch

Objetivo

Cada aluna aprenderá o que é o FamilySearch, como pode ajudá-la a identificar seus antepassados, e o que elas podem fazer para torná-lo mais útil.

Descrição

Para essa atividade, as jovens precisarão dirigir-se ao local onde o FamilySearch se encontra disponível.

Preparação

Ao preparar a atividade, determine o local onde será realizada. Dependendo das circunstâncias locais, poderá ser realizada no centro de história da família, na sede da estaca, na capela local ou na casa de um membro. Se possível, escolha um local que disponha de mais de um computador com o FamilySearch (para que mais de uma jovem possa trabalhar ao mesmo tempo).

Observação: Se a classe for muito grande, você poderá dividi-la em grupos menores.

Planeje atividades alternativas para o dia. Enquanto algumas das jovens estiverem usando o FamilySearch, as outras poderão aprender a respeito da Extração de Registros Familiares e então participar de algum projeto de extração de nomes. Essa atividade pode ser orientada pelo coordenador de Extração de Registros Familiares da ala. Outras atividades podem incluir instruções a respeito do templo ou jogos que ajudem as jovens a lembrarem-se de seus antepassados.

As jovens deverão ser designadas antes da atividade para preencherem, junto com os pais delas, um gráfico de linhagem com o máximo de informações possível.

Identificar Nossos Antepassados através do Trabalho da História Família

Atividade

Diga às jovens que procuramos identificar nossos antepassados a fim de conceder-lhes a mesma oportunidade que nos recebemos nesta vida de serem selados à família de Deus. Essas ordenanças de salvação (batismo, ordenação ao sacerdócio, investiduras e selamentos) possibilitam nossa entrada no reino celestial, desde que sejamos dignos.

O FamilySearch é um programa de computador que nos possibilita localizar informações a respeito de nossos antepassados. Quando digitamos o nome de um antepassado no computador, o FamilySearch rapidamente verifica milhões de nomes em seus arquivos, identificando aqueles que interessam. A partir desses nomes, ele fornece telas repletas de informações, como datas e locais de nascimento, casamento e morte; nome dos pais, filhos e cônjuges.

Os dados do FamilySearch provêm de fontes como: árvores genealógicas familiares, registros de igrejas e registros do governo.

O FamilySearch é formado por diversos arquivos de dados. O arquivo que lhe será mais útil é o Ancestral File. Esse arquivo contém dados de história da família fornecidos por membros da Igreja e outras pessoas em todo o mundo desde 1979. Ele contém o nome de milhões de pessoas relacionadas em grupos familiares e gráficos de linhagem.

Observação: Você poderá ilustrar para as jovens a importância de contribuir com seus dados de história da família, mostrando-lhes um “Livro de Recordações” cheio de gráficos de linhagem e registros de grupo familiar. Explique que os dados contidos no livro são extremamente valiosos, mas enquanto se encontram na forma impressa são de utilidade para apenas umas poucas pessoas. Quando os dados são convertidos para um computador (utilizando-se o programa de computador Personal Ancestral File), podem ser incluídos no Ancestral File, onde beneficiarão muitas outras pessoas.

Saliente também que o Ancestral File não está completo. Ele contém muitas informações, mas existe muito a ser acrescentado – inclusive os dados que as jovens possuem referentes a seus próprios antepassados.

O Ancestral File também inclui os nomes e endereços das pessoas que contribuíram com os dados nele contidos. Desse modo, as jovens podem identificar parentes que nunca conheceram.

Para ampliar a compreensão das jovens em relação ao FamilySearch, explique que, sem o computador, eles teriam que examinar diversos rolos de microfilmes e páginas de livros para encontrar os dados de seus antepassados. Para muitos que tiveram que fazê-lo, esse foi um trabalho árduo. O computador torna possível pesquisar essa mesma informação em poucos minutos.

Permita que as jovens pratiquem a utilização do FamilySearch na pesquisa de dados referentes a seus antepassados. Ajude-as a chamar os nomes contidos em seus gráficos de linhagem. Se não houver nada a respeito de seus antepassados no Ancestral File, lembreas de que poderão prestar um grande serviço, se providenciarem que esses dados sejam incluídos no arquivo.

Ao utilizar o FamilySearch, as moças devem imprimir as informações que encontrarem. Usando o Ancestral File, elas poderão imprimir um gráfico de linhagem.

Quando todas as moças tiverem tido oportunidade de utilizar o FamilySearch, examine os dados obtidos. Desafie-as a continuar procurando dados dos antepassados e a fornecêlos ao Ancestral File.

Atividade de acompanhamento

Alguns membros da ala podem ter grandes coleções de dados de história da família em formato impresso (Livros de Recordações). As jovens podem realizar um grande serviço computadorizando as informações e ajudando os membros a enviá-las para serem incluídas no Ancestral File. Para que as moças possam realizar essa atividade, é necessário um número suficiente de computadores pessoais com o Personal Ancestral File. Os consultores de história da família da ala podem ajudar a organizar esse projeto de serviço.