O Exemplo da Retidão Influencia outras Pessoas

Moças – Manual 1, 1992


Objetivo

Ajudar cada jovem a ser um bom exemplo para os outros.

Preparação

  1. 1.

    Em uma folha de papel separada, prepare uma cópia das seguintes escrituras: João 13:15; I Timóteo 4:12; I Pedro 2:21; Mateus 5:16.

  2. 2.

    Familiarize-se com as declarações e histórias da lição.

  3. 3.

    Se desejar, designe algumas jovens para apresentarem escrituras, histórias ou citações.

Sugestão para o desenvolvimento da lição

Um Bom Exemplo Pode Influenciar Outras Pessoas

História

Leia a seguinte citação da Irmã Ardeth G. Kapp:

“Quando vocês guardam os mandamentos e seguem o exemplo do Salvador, é como se erguessem uma luz. Seu bom exemplo ajuda outras pessoas a encontrarem seu caminho num mundo obscuro. É preciso coragem para fazer o que sabem que é certo, mesmo quando é muito difícil, mas nunca perderão a coragem, a não ser que o decidam”. Ensign, novembro de 1988, p. 94).

Conte a seguinte história verdadeira:

“Estou com 17 anos e tenho sido um membro da Igreja desde os oito anos de idade. Viver o evangelho realmente nunca foi um problema, até recentemente, quando tive uma experiência inesquecível com um rapaz chamado Craig.

… Um dia, na aula de álgebra, (um certo grupo de rapazes) decide ser grosseiro com a classe e especialmente com Craig, sentado próximo de mim. Craig é sossegado e não é muito brilhante na classe, por isso esses rapazes gostavam de ridicularizá-lo. Um dia eles decidiram dizer a toda a classe que deveriam ignorá-lo. Eu costumava ajudá-lo a resolver os problemas que ele não entendia. Assim, quando ouvi o plano, não sabia o que fazer.

Alguns minutos antes do término da aula, Craig perguntou-me como resolver um certo problema. Todos na classe se voltaram para ver o que eu faria. Meu coração batia forte e minhas mãos estavam úmidas. Eu queria responder-lhe dizendo alguma coisa amável, mas podia sentir a pressão crescendo enquanto todos os meus colegas esperavam que eu o ignorasse.

Eu sentia minha face esquentando e sabia que estava vermelha, quando me voltei para Craig e expliquei como resolver o problema. Isso foi o suficiente. Tão logo a aula terminou, os rapazes começaram a me chamar de nomes grosseiros e realmente estavam sendo rudes comigo. Eu não acreditava que nós estávamos no colegial. Tinha a impressão de estar no primário e estava com vontade de chorar, mas no íntimo eu sabia que tinha feito a coisa certa.

No dia seguinte estava com receio de voltar à aula de álgebra, mas quando cheguei à classe, os mesmos rapazes disseram-me que queriam repetir o que haviam feito na véspera com Craig e pediram-me que concordasse com eles. Naquele momento eu soube que tinha feito a coisa certa e não havia modo de voltar atrás.

Quando lhes disse isso, tive a maior surpresa da vida. Minha melhor amiga, sentada perto de mim, disse-lhes que também não ia cooperar com eles. Outras pessoas uniram-se a nós e logo quase toda a classe decidiu que o plano era infantil e bobo. Antes do final da aula, todos estavam conversando com Craig, e mesmo os rapazes que tinham começado o movimento estavam discutindo alguns problemas com ele.

De tudo isto aprendi que ser um bom exemplo não é tão fácil quanto parece, mas uma pessoa pode fazer uma grande diferença. Se tiver coragem e fé suficiente, poderá influenciar todo um grupo, mesmo sob pressão.”(Stephanie Christensen, When the Pressure Is On”. “New Era, janeiro de 1988, pp. 8-9.)

Debate

Faça as seguintes perguntas. Dê um tempo para algumas jovens responderem a cada questão.

• Por que devemos ser sempre um bom exemplo, mesmo em situações difíceis?

• Que tipo de ajuda pode obter quando está sendo um bom exemplo?

• Como pode influenciar seus amigos para o bem?

Apresentação pela professora

Explique-lhes que os membros da Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias têm a responsabilidade de se aproximar das pessoas e ser um bom exemplo. Nós sabemos distinguir o certo do errado e temos certeza de que o Pai Celestial estará sempre conosco, quando fizermos o que é correto. É melhor ficarmos perto do Pai Celestial, guardando os mandamentos, do que sermos populares aos olhos dos homens, desobedecendo aos mandamentos.

Debate

Convide as alunas a contarem experiências que tiveram quando alguma pessoa as influenciou para o bem, ou quando usaram sua influência positivamente em benefício de outra pessoa.

Peça às alunas que relatem algumas situações em que poderiam ter dado bom exemplo, mas não o fizeram. Diga-lhes que contem como se sentiram depois.

Debate com uso do quadro-negro

Desenhe um sinal de menos (–) bem grande no quadro-negro. Pergunte o que significa dizer que alguém exerceu uma influência negativa sobre outros.

Desenhe um sinal de mais (+) bem grande no quadro-negro. Pergunte o que significa dizer que alguém exerceu influência positiva sobre outrem.

Debata como podemos exercer influência positiva sobre as pessoas.

As Escrituras Salientam a Importância do Exemplo

Debate com uso de escritura

Explique que o Salvador nos mostra como ser um bom exemplo. Ele sempre foi fiel ao que sabia ser certo. Entregue cópias das seguintes citações a quatro alunas e peça-lhes que leiam em voz alta:

  1. 1.

    “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também.” (João 13:15.)

  2. 2.

    “Ninguém despreze a tua mocidade; mas sê o exemplo dos fiéis, na palavra, no trato, no amor, no espírito, na fé, na pureza.” (I Timóteo 4:12.)

  3. 3.

    “Cristo padeceu por nós, deixando-nos o exemplo, para que sigais as suas pisadas.” (I Pedro 2:21.)

  4. 4.

    “Assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem a vosso Pai, que está nos céus.” (Mateus 5:16.)

Debata como essas escrituras se aplicam à vida de uma jovem.

Faça as seguintes perguntas:

  • De que maneira deixar resplandecer a sua luz (ou dar bom exemplo) glorifica o Pai Celestial?

  • Como podem ser um exemplo positivo para suas amigas em caridade, fé e pureza?

Um Bom Exemplo Pode Proporcionar Alegria a Muitas Pessoas

História

Leia o seguinte testemunho da Irmã Shirley Casper, mulher de um famoso golfista americano, Billy Casper. Peça às jovens que observem como o exemplo desempenha um importante papel na história. “Tenho dito em muitas ocasiões que eu estava pronta para entrar na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias muitos anos antes de Bill. Eu tivera mais contato com os mórmons que ele. Quando era menina, algumas das mais queridas amigas de minha mãe eram mórmons. Quando cresci, e quando me casei, tive muitos amigos em várias partes do país, que eram mórmons.

Quando Bill venceu o Campeonato de Golfe dos Estados Unidos, em 1959, e pudemos passar um pouco mais de tempo na Cidade do Lago Salgado, eu era suficientemente versada em religião para poder fazer algumas observações interessantes. Foi nessa época que comecei a prestar grande atenção ao mormonismo. Eu desejava conhecer a religião e, quanto mais aprendia, mais vontade tinha de continuar aprendendo.

Havia uma franqueza entre os mórmons – não de forma arrogante, mas na maneira como cada membro parecia ter confiança de que, em matéria de religião, o que fazia era o que desejava fazer.

Pareciam viver melhor do que outras pessoas, ser prósperos – e não me refiro ao sentido financeiro. Era um povo saudável, feliz e ativo. Estavam sempre envolvidos com a família. Quando conhecia um mórmon, geralmente conhecia também sua família.

Eu gostava dos programas da Igreja para os jovens. Era apreciadora do Coro do Tabernáculo e sempre desejara participar dele. Ninguém nos pressionava a respeito de religião.

Gostávamos de nossos amigos mórmons do modo como eles eram.

Lembro-me de algumas das primeiras festas em Utah. Parecia haver menos bebida e, certamente, menos cigarros. Depois de sentar-me noite após noite, dia após dia, em locais cheios de fumaça, apreciava o luxo do ar puro.

Para repetir, eu gostava da maneira como os mórmons viviam. Isto despertou ainda mais minha curiosidade.

Gostaria de ter entrado no templo com Bill muito antes, mas ele não estava preparado. Nosso Senhor e Salvador é muito bom para nós – ele não nos dá mais leis do que temos capacidade de cumprir. Todos tivemos que progredir até chegarmos a essa capacidade, para podermos receber o que temos agora.

Quando Bill disse que queria ser batizado, eu sabia que ele estava seguro do que ia fazer…

Novos mundos se abriram para nós. Tive oportunidade de sair com algumas jovens missionárias em Hong-Kong, só para aprender sobre o programa missionário.

Por causa do golfe, temos ido a lugares em todo o mundo e descobrimos que os santos são o mesmo povo amável e bondoso onde quer que se encontrem. Não são apenas admiradores de Bill ou do golfe, mas são nossos irmãos no evangelho – os mesmos irmãos e irmãs que tivemos no mundo espiritual como filhos e filhas do Pai Celeste…

Nossa família descobriu que, se deixarmos as pessoas saberem que somos mórmons, da maneira mais agradável possível, a reação será positiva. As pessoas nos respeitam por nossas crenças. Podem não concordar conosco, mas nos respeitam, como nós respeitamos a elas e suas crenças… Somos respeitados por nossos princípios. Somos admirados – se merecemos esta admiração.

E descobri que o exemplo significa tanto em todas as situações! Aceitei a Igreja em parte devido ao exemplo de mórmons que conhecia. Desejo fazer pelos outros tanto quanto fizeram por mim” (Hack Miller, The New Billy Casper [Salt Lake City: Deseret Book Co., 1970], pp.132-35).

Debate

Peça às alunas que discutam como os exemplos de outros influenciaram a Irmã Casper. Saliente que as experiências da Irmã Casper fizerem com que ela ajudasse as pessoas sendo um bom exemplo para elas.

Aplicação da Lição

Encoraje as jovens a estarem conscientes dos bons exemplos das pessoas que as rodeiam e a esforçarem-se por ser exemplos de bondade para todos.