Serviço

Moças – Manual 1, 1992


Objetivo

Ajudar cada aluna a encontrar alegria em servir.

Preparação

  1. 1.

    Providenciar duas ou três ferramentas ou gravuras dos mesmos, como martelo, serrote, ancinho, pá ou chave de fenda.

  2. 2.

    Escrever “Servi-vos Uns Aos Outros Pelo Amor” (Gálatas 5:13) numa tira de papel, para ser usada durante a aula.

  3. 3.

    Antes da lição, debata com a presidência da classe o que significa serviço e como a classe poderia servir, cada uma individualmente, ou em grupo. Ao final da aula, as jovens poderão escolher um projeto individual ou de grupo.

  4. 4.

    Peça a quatro alunas que se preparem para apresentar os exemplos de serviço tirados da vida de quatro profetas (encontram-se na segunda parte desta lição).

  5. 5.

    Designar algumas jovens para apresentarem histórias, escrituras ou citações, se desejar.

Sugestão para o desenvolvimento da lição

Introdução: As Ferramentas do Senhor

Exposição

Mostre as ferramentas ou as gravuras que arranjou.

• O que faz com que estas ferramentas funcionem?

Explique-lhes que, não importa qual seja o propósito dessas ferramentas, elas somente podem desempenhar suas funções nas mãos de seres humanos.

Citação e debate

O Élder Marion D. Hanks falou sobre o tipo de ferramentas que o Pai Celestial tem para trabalhar.

“O Senhor disse, falando a seus servos: ‘O seu braço será o meu braço’. (D&C 35:14.) Já pensaram nisso? Para mim essa é uma das incumbências pessoais mais sagradas e significativas que encontrei nas santas escrituras ou em outro lugar. O Senhor diz que este meu braço é o braço dele. Esta mente, esta língua, estas mãos, estes pés, esta bolsa — são as únicas ferramentas que ele possui para trabalhar no que me diz respeito…No que lhes diz respeito, seus braços, seus recursos, sua inteligência, sua língua, sua energia, são as únicas ferramentas de que o Senhor dispõe para trabalhar.” (Service, Brigham Young University Speeches of the Year, Provo, 15 de outubro de 1958, p. 3.)

• O que estas palavras significam para vocês?

Nossos Profetas Nos Ensinaram, pelo Exemplo, a Servir ao Próximo Desinteressadamente

Apresentação pela professora

Os profetas, a quem o Pai Celestial chamou para liderar a Igreja e ensinar o povo, mostraram pelo exemplo, como podemos, desinteressadamente, servir de instrumentos do Senhor. As alunas que foram designadas previamente deverão agora apresentar as seguintes histórias: Histórias e debate

Joseph Smith

Mercy R. Thompson, uma mulher que conheceu o Profeta Joseph, escreveu: “Jamais poderei esquecer a ternura e a bondade fraternal que sempre demonstrou por mim e por minha filha, que era órfã de pai. Quando viajávamos com ele e sua mulher Emma, em seu carroção, vi-o descer para apanhar flores do campo para minha filhinha.” (Recollections of the Prophet Joseph Smith”, Juvenille Instructor, 1º de julho de 1892, p. 399.)

• Que atitude Joseph Smith demonstrou com esse ato de serviço?

George Albert Smith

Durante uma viagem de trem entre a Cidade do Lago Salgado e São Francisco, o Presidente George Albert Smith conheceu um homem de Napa, Califórnia. Os dois tiveram uma conversa muito agradável, e depois de se despedirem, começaram a se corresponder.

Mais tarde, o Presidente Smith notou que havia algum tempo não tinha notícias do amigo, John Delaney. Informando-se, soube que o Sr. Delaney estava no hospital. O Presidente Smith enviou-lhe cartas de alegria e encorajamento e sugeriu-lhe que ouvisse o programa do Coro do Tabernáculo, que era irradiado todo domingo, pela manhã. O Sr. Delaney aceitou a sugestão, e sentiu seu espírito fortalecer-se. Escreveu ao Presidente Smith, agradecendo-lhe e mencionou que gostaria de alguma vez ouvir o coro cantar uma de suas músicas preferidas, “O Pai Nosso”. Para sua surpresa e grande alegria, no domingo seguinte já ouviu o coro cantar aquela música. Imaginem o prazer do Sr. Delaney, quando ouviu o grande órgão do Tabernáculo tocando os primeiros acordes do hino que seu amigo se preocupara em providenciar para ele. (Ver Edith Smith Elliott, “The Joy of Serving Humanity”, Instructor, novembro de 1966, p. 427.)

• O que podem aprender sobre servir ao próximo, com o exemplo do Presidente George Albert Smith?

Joseph Fielding Smith

Quando Joseph Fielding Smith tinha trinta e quatro anos, foi chamado para o Conselho dos Doze Apóstolos. Por causa do trabalho, viajava pelo mundo todo e era conhecido pelos membros de todos os lugares. Sua esposa deu-nos uma visão mais especial deste grande homem:

“O homem que eu conheço é um marido e pai bondoso e amoroso, cuja maior ambição na vida é a felicidade de sua família, inteiramente esquecido de si mesmo nesse empenho. É o homem que embala a criança irrequieta até fazê-la dormir, que conta histórias aos pequenos à hora de dormir, que nunca se mostra cansado ou ocupado demais para ficar acordado até tarde, ou levantar-se bem cedo, a fim de ajudar os filhos maiores a resolverem os problemas escolares mais difíceis. Em caso de doença, o homem que conheço vela carinhosamente junto ao enfermo e cuida dele.” (Ethel Smith, citado em Bryant S. Hinckley, “Joseph Fielding Smith”, Improvement Era, junho de 1932, p. 459.)

• O que o Presidente Joseph Fielding Smith fez que demonstrou seu amor à família?

• O que vocês podem aprender com o exemplo do Presidente Smith, a respeito de servir sua própria família?

Spencer W. Kimball

Élder Boyd K. Packer relata a seguinte história sobre o Presidente Spencer W. Kimball:

“A família, os amigos e os companheiros do Presidente Kimball sabem que ele nunca fica parado. Sempre houve nele certa impaciência de ver as coisas sendo feitas…

“Certa vez, passei por eles (Presidente e Irmã Kimball) na estrada, perto da fronteira entre Utah e Idaho. Estavam indo para o norte, a uma conferência. Irmã Kimball estava ao volante, e o Irmão Kimball sentado no banco de trás com sua pequena máquina de escrever sobre os joelhos, como de costume, rodeado de papéis — era uma oportunidade para trabalhar, fazer mais para ajudar os outros.” (“President Spencer W. Kimball: No Ordinary Man”, Ensign, março de 1974, p. 6.)

• Como o Presidente Kimball mostrou que ama os membros da Igreja?

• De que maneira a Irmã Kimball prestou serviço?

• Como o trabalho do Presidente da Igreja abençoa sua vida, agora?

• O que vocês aprendem sobre o servir na Igreja, com a experiência do Presidente Kimball?

Citação e debate

Podemos seguir o exemplo de serviço ao próximo dado pelos profetas. Disse o Presidente Spencer W. Kimball: “Deus nos observa, ele vela por nós, mas é geralmente por meio de outra pessoa que ele atende a nossas necessidades. Portanto, é vital que sirvamos uns aos outros… Em Doutrina e Convênios, lemos como é importante socorrer os fracos, erguer as mãos que pendem e fortalecer os joelhos enfraquecidos (ver D&C 81:5). Muito freqüentemente, nossos atos de serviço consistem de um simples encorajamento ou de ajuda material através de serviço material – mas que gloriosas conseqüências podem fluir desses atos materiais e de pequenos gestos espontâneos!” (“There Is Purpose In Life”, New Era, setembro de 1974, p. 5.)

Explique-lhes que esses atos mencionados são coisas do dia-a-dia, coisas simples. O Presidente Kimball ensinou, e a vida dos profetas exemplifica, que os atos de serviço abençoam nossa vida. Por meio do serviço, as pessoas agem como ferramentas do Pai Celestial.

A Atitude com que uma Pessoa Serve É Tão Importante quanto o Serviço Prestado

Tira de papel

Coloque a tira de papel com as palavras “Servi-vos Uns Aos Outros pelo Amor”.

História

A seguinte história demonstra como um grupo de jovens foi um instrumento eficiente, servindo:

Karen nasceu com um problema cerebral, mas as possibilidades de ter uma vida significativa eram boas, em parte devido à ajuda de várias jovens. Durante os primeiros meses de vida, Karen parecia uma criança normal, como qualquer outra. Aos poucos, porém, seus pais começaram a notar que ela não fazia o mesmo progresso dos outros irmãos quando tinham a mesma idade. Ao descobrirem que tinha um problema cerebral, os pais de Karen ficaram arrasados, mas os médicos os encorajaram, dizendo que a menina poderia aprender a fazer várias coisas, desde que alguém trabalhasse com ela.

Os pais de Karen tentaram dar todo o amor e atenção de que ela necessitava, mas os outros filhos também precisavam de atenção. Ao saberem do problema da menina, as jovens da ala ofereceram-se para ajudar. Durante o verão, organizaram um rodízio, de modo que passassem uma hora todas as manhãs e todas as tardes com a menina. Quando as jovens iniciaram o trabalho, Karen não tinha força nos músculos para sustentar o corpo. A mãe explicou: “As jovens ajudaram a formar os músculos que ela tem agora. Ela começou engatinhando um pouco; depois de algum tempo que passaram tentando exercitá-la, passou a engatinhar ainda mais. Necessitava de estímulo e incentivo constantes.

O médico sugeriu que ela passasse duas horas por dia pulando em uma cama elástica, para fortalecer os músculos das pernas. Durante esse tempo, Karen tinha de ser entretida, para poder passar essas duas horas de manhã e à tarde com alegria, enquanto fazia os exercícios, pulando sem parar. As jovens brincavam com ela para mantê-la em constante movimento”.

Quando as aulas recomeçaram, cinco das jovens, uma Laurel e quatro Meninas-Moças, continuaram a visitar Karen. Cada jovem escolheu um dia da semana, depois das aulas, para ficar durante uma hora com a menina. Por causa disso, Karen aprendeu a fazer coisas que jamais poderia ter feito ou que demoraria muito mais tempo a aprender, se não fosse a ajuda prestada pelas jovens da ala.

A mãe de Karen comentou: “As jovens foram tão dedicadas! Levaram-na para passear, liam para ela, ficavam com ela no jardim e tornaram-se boas amigas. Karen esperava-as ansiosamente todos os dias. Com dois anos e meio, ela estava andando, exatamente um ano depois que as meninas iniciaram seu projeto de serviço com ela”.

A mãe de Karen também acha que, depois de toda a atenção dispensada à filha pelas jovens, que conversavam com ela, carregavam-na e ajudavam-na a fazer os exercícios, o fator mais importante foi o amor e a preocupação que demonstraram. (Ver “Young Women’ s Loving Service”, Church News, 27 de novembro de 1976, pp. 8,13.)

Debate

Mostre a tira de papel e pergunte:

  • O que acham que o Apóstolo Paulo quis dizer com as palavras: “Servi-vos uns aos outros pelo amor?

  • Como as jovens mostraram que amavam Karen e seus pais?

  • Que sacrifícios as meninas tiveram que fazer para prestar aquele serviço cheio de amor a Karen?

  • Qual deve ser nossa atitude, quando prestamos serviço?

Escritura

Para responder a esta pergunta, peça a uma aluna que leia II Coríntios 9:7.

As Jovens Podem Sentir Alegria Servindo por meio de Atos Diários

Citações e debate

Peça às alunas que ouçam os comentários feitos pelas próprias jovens que trabalharam com Karen, os quais expressam seus sentimentos sobre o serviço prestado:

“Sinto-me bem em saber que ajudei alguém…A princípio, pensei que Karen jamais conseguiria andar. Tentei colocar-me na posição dela e imaginar como seria. Acho que isso fez com que tivesse maior determinação em meus esforços para ajudá-la a aprender a andar.”

“Outra jovem comentou que uma de suas maiores recompensas era ver Karen entusiasmar-se por aprender algo novo. `Acho que o tempo foi bem empregado’, disse ela.” (“Young Women’s Loving Service”,p.13.)

Se alguma das jovens tiver uma experiência que gostaria de relatar, incentive-a a fazê-lo.

• Quais são as recompensas de servir alguém?

• Se prestarem serviço a alguém que não lhes agradece, não parece apreciar sua gentileza, ou que não sabia que era você quem realizava o serviço, como devem reagir? (Ajude as alunas a entenderem que o serviço não deve ser prestado com o propósito de receber agradecimentos ou elogios.)

Apresentação pela professora

Lembre às alunas as palavras do Presidente Kimball: “Muito freqüentemente, nossos atos de serviço consistem de um simples encorajamento ou de uma ajuda material em coisas materiais — mas que gloriosas conseqüências podem fluir desses atos materiais e de pequenos gestos espontâneos!”

Debate

• Como podem servir de instrumentos do Pai Celestial nesta vida?

• Que tipo de serviço cheio de amor podem prestar diariamente a sua família, seus amigos e outras pessoas que encontram?

• De que maneira este serviço lhes trará alegria?

Dê tempo às jovens para pensarem nessa pergunta, antes de responderem. Depois, permita que troquem idéias a respeito. Você poderá sugerir alguns tipos de serviço, como ler para um irmão mais novo, dar um sorriso ou dirigir uma palavra amável a um vizinho, executando algum serviço para uma pessoa da família ou para um vizinho.

Aplicação da Lição

Incentive as alunas a estabelecerem uma meta na área de serviço e solidariedade, se já não estiveram trabalhando em alguma.

Apresentação pela presidente da classe

Permita que a presidente da classe converse com as jovens sobre um projeto de serviço em grupo. Elas deverão escolher uma meta e colocá-la no calendário da classe.