Diretrizes Especiais para o Envolvimento de Membros Portadores de Deficiência

Moças – Manual 1, 1992


Quando iniciou seu ministério na mortalidade, Jesus entrou na sinagoga de sua cidade natal, Nazaré, num dia santificado, e pôs-se de pé para ler.

“E foi-lhe dado o livro do profeta Isaías; e, quando abriu o livro, achou o lugar em que estava escrito: O Espírito do Senhor é sobre mim, pois que me ungiu para evangelizar os pobres. Enviou-me a curar os quebrantados do coração, a pregar liberdade aos cativos, e restauração da vista aos cegos, a pôr em liberdade os oprimidos.” (Lucas 4:17-19.)

Durante seu ministério, o Salvador deu prioridade àqueles que precisavam de auxílio especial. Embora os professores da Igreja geralmente não tenham treinamento técnico e meios para prestar assistência profissional a membros portadores de deficiências, esperase que todo professor na Igreja tenha um coração compreensivo e atencioso e o desejo de incluí-los, sempre que possível, em todas as atividades da classe. Precisam de atenção especial determinados membros com problemas mentais, auditivos, de visão, de fala, físicos, culturais (de língua), emocionais, sociais, de idade e aprendizagem. As orientações a seguir ajudarão o professor em seu esforço para alcançar esses membros com necessidades especiais.

Verifique quais são as necessidades e aptidões de cada aluna com seus líderes do sacerdócio, pais e parentes ou, quando julgar apropriado, perguntando à própria pessoa a fim de determinar suas necessidades especiais.

Antes de chamar uma aluna para ler, fazer um discurso ou orar, fale com ela em particular, e pergunte com se sentiria lendo na classe, orando em público, etc.

Procure dar a essas alunas portadoras de deficiências maiores e melhores oportunidades de participação e aprendizado.

Empenhe-se ao máximo para que toda aluna respeite e compreenda as outras alunas.

Aja com naturalidade, amizade e calor humano. Uma pessoa com deficiência é filha de Deus e tem necessidade normal de amor e compreensão, não importando quão grave seja sua incapacidade.

Os professores da Igreja devem lembrar que todo membro, independente de capacidade física, mental, emocional ou social, possui maravilhoso potencial de se desenvolver até atingir a exaltação. Temos a obrigação de fazer um esforço especial, se necessário, para ensinar-lhes tudo que eles são capazes de aprender. Lembre-se das palavras do Salvador: “Em verdade vos digo que quando o fizestes a um destes meus pequeninos irmãos, a mim o fizestes”. (Mateus 25:40)