Lição 19: Herança

"Lição 19: Herança," Aprender sobre História da Família e Ordenanças do Templo, ()


Objetivo

Fazer com que cada jovem compreenda a importância das tradições que recebe e transmite a futuras gerações.

Preparação

  1. 1.

    Examine a visão de Leí da árvore da vida registrada em 1 Néfi 8.

  2. 2.

    Providencie lápis e papel para os membros da classe.

  3. 3.

    Selecione uma ou mais das atividades descritas na primeira parte da lição e prepare-a conforme as instruções. Reúna todo o material que for precisar e faça as designações necessárias para ter certeza de que esta parte da lição seja agradável e benéfica para a classe.

  4. 4.

    Leia o material suplementar no final da lição. Utilize-o como auxílio na preparação da aula. Se desejar, compartilhe parte do material com as alunas.

  5. 5.

    Designe algumas jovens para apresentarem as histórias, escrituras ou citações que desejar.

Sugestão para o desenvolvimento da lição

Todos Possuem uma Herança Incomparável

Citação

Na abertura do musical Um Violinista no Telhado, Tevye, um leiteiro russo de descendência judia, diz estas palavras:

“Aqui, em Anatevka, temos tradições para tudo—como comer, como dormir, como trabalhar, até como usar roupas. Por exemplo: sempre mantemos a cabeça coberta; usamos estes pequenos xales de oração. Isso mostra nossa constante devoção a Deus. Talvez você pergunte: “Como começou essa tradição?” Eu lhe direi—Não sei! Mas é uma tradição! Graças a nossas tradições, todos aqui sabem quem são e o que Deus espera que façam.”

Debate

Solicite às jovens que dêem alguns exemplos de tradições que façam parte de sua família, cultura e nação. As respostas podem incluir histórias, crenças, costumes e objetos passados de geração em geração. Saliente que cada um de nós tem tradições próprias porque viemos de famílias diferentes, e nossas famílias vêm de nações e culturas diversas. Cada tradição possui um significado especial para aquela determinada família.

Atividades optativas

Selecione uma ou mais das seguintes atividades para exemplificar tradições. Essas atividades devem aumentar o conhecimento e interesse das jovens a respeito de sua própria herança. Selecione a atividade ou as atividades que melhor se adaptem aos membros da classe e sua situação. Certifique-se de que cada jovem tenha oportunidade de demonstrar ou descobrir uma tradição que integre sua herança.

  1. 1.

    Descubra o país de origem dos antepassados de alguns membros da classe. Conheça a respeito de algum costume de um ou mais desses países. Demonstre ou fale sobre esses costumes para a classe. Faça com que as alunas identifiquem de que países se originam.

  2. 2.

    Solicite a todos os membros da classe que tragam uma relíquia ou objeto de herança da família, como uma renda, um trabalho feito à mão ou uma fotografia que represente sua herança única. Elas devem estar preparadas para falar sobre o item—de onde veio, quem o fez e seu significado para a família.

  3. 3.

    Designe cada jovem a explicar ou demonstrar uma tradição familiar, por exemplo, o modo como celebram aniversários e feriados. Peça-lhe que explique como desenvolveu-se essa tradição e o que significa para ela. 4. Se as circunstâncias permitirem, entre em contato com a mãe ou avó de cada jovem. Peça-lhe que escreva uma carta para a filha ou neta, contando sobre uma tradição própria de sua família ou um aspecto de sua herança que seja edificante para a jovem. As cartas devem ser surpresa para as alunas e devem ser entregues durante a aula.

Apresentação pela professora

Saliente que cada jovem foi abençoada com uma herança inigualável repleta de emocionantes possibilidades. Esta herança é sua por causa de seus antepassados. Ela deve orgulhar-se de sua cultura e alegrar-se com ela.

Diga às jovens que, a fim de unir as gerações passadas e futuras de sua família, você as focalizará agora.

Vivendo em Retidão, Podemos Transmitir uma Herança Digna para Nossa Posteridade

Debate de escritura

Escreva no quadro-negro: “Que tipo de antepassado você será?”

Explique às jovens que embora não possamos controlar o tipo de antepassados que temos, todos nós podemos determinar o tipo de ancestral que seremos para nossa posteridade.

Solicite à classe que leia 1 Néfi 1:1. Em seguida, peça-lhes que examinem rapidamente 1 Néfi 2:1–15 e respondam à seguinte pergunta:

  • Em que aspectos os pais de Néfi eram bons?

  1. 1.

    Eram fiéis aos mandamentos (Ver 1 Néfi 2:1)

  2. 2.

    Eram obedientes (Ver 1 Néfi 2:3)

  3. 3.

    Abençoavam e ensinavam seus filhos (Ver 1 Néfi 2:9–14)

Diga-lhes que devemos desejar a retidão para nossos filhos. Leí sentiu esse desejo profundamente. Examine a visão da árvore da vida conforme registrada em 1 Néfi 8. Solicite à classe que leia 1 Néfi 8:12.

Saliente que o maior desejo de Leí era de que os membros de sua família partilhassem do fruto, que representava o amor de Deus. Também na nossa época, a maior tradição que podemos transmitir a nossa posteridade é a de ser um membro fiel da Igreja, tendo um forte testemunho do evangelho.

Peça às jovens que leiam Mosias 1:5.

  • Que efeito as tradições dos pais tiveram sobre os nefitas e lamanitas?

Solicite às jovens que leiam Helamã 15:7–8.

  • Como pode ser mudada a influência de uma tradição ruim? Saliente que as tradições ruins podem ser sobrepujadas, desenvolvendo-se fé no Senhor, estudando as escrituras e passando-se por uma mudança de coração proveniente da conversão ao evangelho.

Citação

Para salientar a importância de se transmitir uma boa herança, leia a seguinte citação:

“Vocês possuem uma herança de santidade (…) São filhas espirituais de Deus e receberam o dom da vida por Seu poder e amor. Por vocês, Ele deu Seu Filho Unigênito. Por vocês, Cristo viveu, morreu e continua a viver.

Esta Igreja proporciona-lhes uma herança em verdade, em convênios, em motivação, coragem, direção, amizades e liderança, em força para erguer-se do pó da terra desta vida para um nível mais elevado de ser.

Agarrem-se à sua herança. Ela é valiosa. Orgulhem-se dela.

Alegrem-se por serem quem são—não outra pessoa. A tudo o que herdaram, acrescentem algo próprio. Contribuam. Realizem. Sirvam. Alcancem a excelência. Bebam profusamente das coisas boas da vida e do espírito. Vivam de modo que possam um dia transmitir aos seus filhos e aos filhos de seus filhos a bênção de uma herança ainda melhor do que a sua.” [Elaine Cannon, “What of Your Heritage?” (“O que Dizer de Sua Herança?”), Improvement Era, agosto de 1964, p. 690.]

Debate com uso do quadro-negro

  • O que podem vocês fazer agora a fim de se prepararem para tornarem-se bons pais, tendo uma herança de boas tradições para transmitir aos seus filhos?

Anote as respostas das alunas no quadro-negro no transcorrer do debate. As respostas poderão incluir o seguinte:

Para ser um bom pai ou boa mãe devo—

  1. 1.

    Estudar o evangelho;

  2. 2.

    Obter um testemunho;

  3. 3.

    Guardar os mandamentos;

  4. 4.

    Aumentar as boas tradições da família;

  5. 5.

    Desenvolver dons e talentos;

  6. 6.

    Aprender as boas tradições de outras famílias;

  7. 7.

    Servir aos outros;

  8. 8.

    Contribuir para o reino do Senhor.

Conclusão

Atividade escrita

Distribua papel e lápis para as jovens. Como início de uma herança de boas tradições para sua posteridade, solicite a cada jovem que registre seu testemunho ou uma experiência espiritual que tenha tido. Se for apropriado, ela pode escrever a história de sua conversão ao evangelho. Este papel deve ser guardado num livro de recordações ou de história pessoal.

Testemunho

Preste testemunho de que as jovens devem começar hoje a desenvolver boas tradições que possam ser passadas à sua posteridade. Testifique que o evangelho é o maior tesouro que pode ser dado às futuras gerações.

Material de consulta

“Suponhamos que você vá dar uma aula ou um discurso para um grupo de jovens santos dos últimos dias sobre o tema das primeiras palavras do Livro de Mórmon: “Eu, Néfi, tendo nascido de bons pais (…) (1 Néfi 1:1). Não seria muito difícil, não é? Além do mais, provavelmente não existe fato mais universalmente aceito: de que é uma vantagem maravilhosa ter nascido de bons pais e num lar onde a criança é desejada e será amada, treinada, ensinada e receberá bons exemplos.

Suponhamos, contudo, que você esteja bem familiarizada com o grupo para o qual dará sua aula e saiba que entre eles há alguns jovens a quem esta lição, se ensinada da maneira usual, causaria sofrimento, desconforto e embaraço. Lá está João, cujos pais deram-lhe maus exemplos e separaram-se ou divorciaram-se, após constantes e amargas controvérsias, até mesmo trágicas deslealdades. João está tentando levar uma vida normal, ansioso e determinado a ser alguém e a preparar-se para ter seu próprio lar feliz . Vemos Patrícia, cujos familiares escolheram um curso diretamente oposto ao que uma vez seguiram e que ela própria deseja viver. Do outro lado da sala está Roberto, que ama o pai, mas está confuso porque este considera a caça, pesca e futebol, talvez até o álcool e o fumo, mais importantes do que suas oportunidades no sacerdócio.

Como ensinará você esta lição tendo esses jovens no grupo?

Comece por encarar a situação honestamente, reconhecendo que embora todos nós entendamos que gozo de uma herança desejável é uma grande bênção, muitos pais e lares não são o que deveriam ser. Freqüentemente, jovens dedicados e corajosos exercem boa influência sobre os pais e o lar, o que é elogiável; mas muitas vezes, infelizmente, é muito pouco o que os filhos podem fazer para mudar os pais, mesmo que esses jovens estejam tentando resolutamente melhorar sua herança.

O que podemos e devemos ensinar é que embora não tenhamos condições de fazer muito para melhorar os pais, podemos fazer tudo para melhorar a nós mesmos e escolher que tipo de pais nossos filhos terão! Utilizando a grande afirmação da escritura: “Eu, Néfi, tendo nascido de bons pais (…)” podemos ensinar com sinceridade e com a devida ênfase: “Eu, João, desejando sinceramente tornar-me um dia um bom pai (…)”

Alguém disse: “é muito bom ser de boa descendência, mas a glória é dos antepassados.”

Tornar-se um bom pai ou mãe é um desafio e meta adequada aos jovens mais fortes e determinados, e o cumprimento desta meta repousa diretamente sobre os ombros do indivíduo. A pessoa pode tornar-se o que sinceramente deseja e quer ser (…)

Os jovens têm dentro de si agora as sementes do futuro. Sob circunstâncias e expectativas normais, chegará o dia em que alguém os chamará de “pai” ou “mãe” e será tremendamente influenciado pelo tipo de pais que eles são. Como pais em perspectiva, os jovens precisam aprender a importância maravilhosa da boa herança, mas podem ser ensinados sobre esse assunto pelas escrituras, numa forma estimulante e inspiradora que lhes proporcionará o desafio e o incentivo de se tornarem “bons pais”. [Marion D. Hanks, “I, Johnny, Parent-to-Be…” (“Eu, João, que um Dia Serei Pai…”), Improvement Era, fevereiro de 1961, pp. 97, 113.]