Conta as Bênçãos

Letra

  1. 1. Se da vida as vagas procelosas são,
    Se com desalento julgas tudo vão,
    Contas as muitas bênçãos, dize-as de uma vez
    E verás, surpreso, quanto Deus já fez.
  2. Conta as bênçãos, conta quantas são,
    Recebidas da Divina Mão,
    Uma a uma, dize-as de uma vez,
    E verás, surpreso, quanto Deus já fez.
  3. 2. Tens acaso mágoas, triste é teu lidar?
    É a cruz pesada que tens de levar?
    Conta as muitas bênçãos, não duvidarás,
    E num canto alegre os dias passarás.
  4. Conta as bênçãos, conta quantas são,
    Recebidas da Divina Mão,
    Uma a uma, dize-as de uma vez,
    E verás, surpreso, quanto Deus já fez.
  5. 3. Quando vires outro com seu ouro e bens,
    Lembra que tesouros prometidos tens;
    Nunca os bens da terra poderão comprar
    A mansão celeste que vais habitar.
  6. Conta as bênçãos, conta quantas são,
    Recebidas da Divina Mão,
    Uma a uma, dize-as de uma vez,
    E verás, surpreso, quanto Deus já fez.
  7. 4. Quando defrontares os conflitos teus,
    Não te desanimes, mas espera em Deus;
    Seu divino auxílio minorando o mal,
    Te dará consolo, sempre até o final.
  8. Conta as bênçãos, conta quantas são,
    Recebidas da Divina Mão,
    Uma a uma, dize-as de uma vez,
    E verás, surpreso, quanto Deus já fez.
  9. Letra: Johnson Oatman, Jr., 1856–1922
    Música: Edwin O. Excell, 1851–1921