Amar e Servir Uns aos Outros

Élder Edson D. G. Ribeiro
Dos Setenta


 

Quando jovem, em minha preparação para receber o sacerdócio de Melquisedeque, aprendi que quando o sacerdócio é conferido a um homem, esse homem é chamado para servir e viver para isso. O poder do sacerdócio permanece com ele em cada minuto de sua vida, da mesma forma que suas oportunidades de servir. E a melhor maneira de servir é quando a oportunidade se apresenta.

Em certa ocasião, quando Jesus estava ensinando o povo, um determinado doutor da lei aproximou-se dele e perguntou-lhe: “Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” O Mestre replicou ao homem com outra pergunta: “Que está escrito na lei? Como lês?”

O homem respondeu com um decidido resumo dos dois grandes mandamentos: “Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças, e de todo o teu entendimento, e ao teu próximo como a ti mesmo.”      

Aprovando a resposta, o mestre respondeu: “Faze isso, e viverás” ( Lucas 10:25-28 ).

A resposta do Mestre ao doutor da lei poderia ser considerada como a definição da vida eterna, a vida de Deus, a vida que buscamos e que está enraizada nesses dois mandamentos. As duas andam juntas, são inseparáveis no mais elevado sentido e são mandamentos que todos nós podemos viver. O Senhor medirá nossa devoção pela forma que amamos e servimos nossos semelhantes e essas duas virtudes, amor e serviço, são requeridas de nós. Ao vivê-las sentiremos a alegria e teremos maior compaixão, que é uma medida de nossa dedicação, amor e serviço que nos torna semelhantes ao Mestre. 

O evangelho nos leva a amar e servir uns aos outros e, uma vez tendo tomado sobre nós o nome de Cristo, devemos demonstrar por nossos atos, que somos Dele. O compromisso exterior e interior que fazemos, quando somos batizados, pode ajudar-nos muito, quando nos esforçamos para servir e amar nosso próximo. Uma vez comprometidos, podemos fazer muito mais coisas boas do que se permanecermos indecisos e vacilantes. Nosso compromisso de servir deve ser mais e mais forte e inabalável, pois vamos descobrir que o mundo está cada vez mais se tornando egoísta e iníquo. Mas ao servirmos, descobriremos que nosso testemunho aumenta e que a nossa capacidade de servir e amar nosso próximo se torna mais forte.

O Presidente Gordon B. Hinckley declarou que “existem muitos entre nós, cujos fardos podemos aliviar. Os desabrigados, os que têm fome, os pobres que nos cercam. Os idosos que se sentem solitários em asilos. As crianças excepcionais, os jovens drogados, os enfermos e acamados que imploram por uma palavra bondosa. Se não o fizerdes, quem o fará ?” ( Ensign, junho de 1989, p.73).

Quando obedecermos a nosso convênio batismal de servir e amar nosso próximo, aprendermos a reconhecer as necessidades alheias, e nos lembrarmos do grande amor que o Pai tem por todos os Seus filhos, estaremos prontos a servir espontânea e amorosamente e nossa vida e a dos que nos cercam se encherão de alegria.