Humilhai-vos Perante o Senhor

Élder Mauro Junot de Maria
Dos Setenta

Durante os anos de experiência na liderança do sacerdócio, percebi que um dos maiores desafios do membro da Igreja é ser feliz nos momentos de dificuldades. Nos relacionamos com tantas pessoas diferentes em nossa ala e estaca e algumas vezes nos esquecemos da tolerância, da paciência, do perdão, da humildade e até mesmo do amor que devemos desenvolver pelos irmãos.

Em seu discurso na Conferência Geral de Abril de 2012, na sessão da manhã de domingo, o Presidente Dieter F. Uchtdorf, da Primeira Presidência, disse que “relacionamentos estremecidos ou arruinados são uma coisa tão antiga quanto a própria humanidade (..). Desde aquela época, o espírito de inveja e ódio tem levado alguns a protagonizar as mais trágicas histórias (...) Ao nos sentirmos magoados, nervosos ou invejosos, é muito fácil julgar os outros (...)”. Por isso o Presidente Uchtdorf sugeriu: “Quanto mais permitimos que o amor de Deus governe nossa mente e nossas emoções – quanto mais nosso amor pelo Pai Celestial aumentar em nosso coração – mais fácil será amar os outros com o puro amor de Cristo.”

Cultivar um espírito de humildade é fundamental para que esse amor permaneça em nós. Lembro-me sempre das palavras de Tiago, no Novo Testamento, quando disse: “Humilhai-vos perante o Senhor, e ele vos exaltará. Irmãos, não faleis mal uns dos outros. Quem fala mal de um irmão, e julga a seu irmão, fala mal da lei, e julga a lei; e, se tu julgas a lei, já não és observador da lei, mas juiz. Há um só legislador que pode salvar e destruir. Tu, porém, quem és, que julgas a outrem?” (Tiago 4:10-12).

João demonstrou experiência no que se refere a relacionamentos e foi inspirado em suas três epístolas do Novo Testamento. Na primeira ele ensinou: “E esta é a mensagem que dele ouvimos, e vos anunciamos: que Deus é luz, e não há nele trevas nenhumas. (...) Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado.” (I João 1:5, 7). “Nós sabemos que passamos da morte para a vida, porque amamos os irmãos. Quem não ama a seu irmão permanece na morte. Qualquer que odeia a seu irmão é homicida. E vós sabeis que nenhum homicida tem a vida eterna permanecendo nele. Conhecemos o amor nisto: que ele deu a sua vida por nós, e nós devemos dar a vida pelos irmãos” (I João 3:14-16).

Que nos lembremos sempre da paciência nos momentos difíceis, da tolerância ao observarmos as falhas dos outros, do amor de Deus pelos irmãos, e da humildade que é requerida de um discípulo de Cristo. Sei que, com a aplicação desses princípios em nossa vida, seremos mais felizes ao nos relacionar com nossos irmãos e amigos.