O Mensageiro e a Mensagem

Mensagem de Liderança da Área

Elder Faustino López, Espanha
Setenta de Área


No manual Pregar Meu Evangelho lemos: “Alguns capítulos de Pregar Meu Evangelho enfocam o que você precisa fazer como missionário: Como deve estudar, ensinar… Mas tão vital quanto as coisas que você faz é quem você é.”[1] Estes dois aspetos estão interligados: “Para além das minhas palavras e ensinamentos e testemunhos, a minha vida deve integrar esse mesmo testemunho de Jesus. Todo o meu ser deve refletir a divindade desta obra.”[2]

O trabalho missionário tem dois aspetos: o mensageiro e a mensagem, e ambos devem ser um só. Jesus Cristo é o exemplo perfeito. Nele, o mensageiro e a mensagem são uma única coisa: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida”[3]  Os missionários devem esforçar-se por seguir o exemplo de Jesus Cristo na medida do possível, e incorporar a Sua mensagem. É como se os missionários estivessem a dizer a um futuro converso: “Se aceitar a mensagem que trazemos e a viver, vai tornar-se um Santo dos Últimos Dias, tal como nós”. E o mesmo acontece quando os missionários trazem as pessoas que estão a ensinar à igreja. A mensagem que eles recebem ao entrar na capela e conhecer os membros é: “Isto é o que se espera de si, se for batizado. Tornar-se parte deste povo, poder estar com estas pessoas e ser uma delas.”

Por esta razão, o Élder Jeffrey R. Holland, do Quórum dos Doze, disse: “Certamente não há mensagem missionária mais poderosa que podemos enviar ao mundo do que o exemplo de uma vida Santo dos Últimos Dias amorosa e feliz. A aparência e atitudes, o sorriso e a bondade de um membro fiel da Igreja transmitem um calor e um alcance que nenhum folheto missionário ou filme pode transmitir”.[4] A conversão das pessoas não passa apenas por saberem se a mensagem dos missionários é verdade ou não; também implica estarem dispostas a viver na companhia de outros membros da Igreja. Por esta razão, o Élder Holland também declarou: “Nenhuma missão ou missionários podem alcançar sucesso sem a participação amorosa e o apoio espiritual dos membros locais que trabalham com eles num esforço equilibrado.” A conversão exige que estejamos interessados na mensagem e no mensageiro.

Recordo-me bem dos missionários que me ensinaram. Eu tinha 19 anos de idade, e eles, que eram tão jovens quanto eu, pareciam ser e ter o que eu andava à procura toda a minha vida. Eu queria ter o que eles tinham e tornar-me no que eles eram. E quando me levaram para a igreja – para o único ramo que então existia em Madrid – e  conheci esse grupo de Mórmons, eu queria ser um deles. Eles eram o tipo de pessoas que eu queria ser. E fui batizado, para poder ser um  deles e para estar com eles.

Como o Presidente Spencer W. Kimball explicou: “A coligação de Israel consiste em [pesquisadores] se filiarem à verdadeira igreja e alcançarem o conhecimento do verdadeiro Deus”.[5] Quando eu fui batizado, passei a fazer parte de um povo, um membro de uma nova sociedade, um concidadão com os santos.[6] Aqueles que não conseguem desenvolver uma nova identidade e não conseguem integrar-se nesta nova sociedade acabam por voltar ao ponto de origem. Por esta razão, todos nós, que estamos na Igreja temos o dever de fazer tudo o que for possível para ajudar aqueles que entram nas águas do batismo a terem um sentimento de pertença, tendo em mente que na Igreja não são “mais estranhos”, mas sim “concidadãos dos santos e membros da família de Deus.”[7] À medida que os missionários compartilham a mensagem, nós, como membros tornamo-nos nos mensageiros do que significa ser um Santo dos Últimos Dias.



[1] Pregar Meu Evangelho, “Como Posso Desenvolver Atributos como os de Cristos,” pág. 121
[2] Elder Jeffrey R. Holland, “Os Milagres da Restauração,” Liahona, Janeiro de 1995, pág. 35; em Preparação Missionária, Religião 130, manual do aluno, pág. 5.
[3] João 14:6

[4] Elder Jeffrey R. Holland, “Testemunhas Perante Mim,” Conferência Geral, Abril de 2001
[5] Os Ensinamentos de Spencer W. Kimball, editado por Edward L. Kimball, 1982, pág. 439; em Preparação Missionária, Religião 130, manual do aluno, pág. 4.
[6] Ver Efésios 2:19.
[7] Efésios 2:19.