Sião É o Povo Que Ouve os Profetas

Élder Claudio R. M. Costa
Dos Setenta.

 

 

O Presidente George Albert Smith disse: “Nenhum de nós está seguro a menos que guardemos os mandamentos de nosso Pai Celestial. O caminho da retidão é a estrada da felicidade. Não há outra maneira de ser feliz” (Conference Report, abril de 1950, p. 168).

Somos um povo muito abençoado porque conhecemos os mandamentos de Deus e temos a grande bênção de ser ensinados por profetas vivos em nossos dias. Desde a restauração, em 1830, o Senhor tem chamado profetas para nos guiar. Esses amados oráculos de Deus se comunicam com Ele e nos transmitem Sua vontade. Depende de cada um de nós obedecermos às palavras dos profetas ou não.

O Presidente Harold B. Lee disse: “O nosso problema, hoje em dia, é que há muitos de nós que colocam um ponto de interrogação em vez de um ponto final naquilo que o Senhor fala” (“Admoestações para o Sacerdócio de Deus”, A Liahona, setembro de 1973, p. 31).

Somos o povo de Deus e, como tal, precisamos ouvir o Senhor, seja por Sua própria voz ou pela voz de Seus servos, e obedecer. Minha vida tem sido enormemente abençoada ao esforçar-me por obedecer a tudo aquilo que os profetas e líderes ensinam.

Não deve haver em nós um coração duvidoso. A dúvida não vem de Deus. Ele nos concede a bênção do Dom do Espírito Santo para aprendermos tudo o que Ele deseja que saibamos e façamos.

Temos o dever sagrado de fazer a Sua vontade assim como nosso Salvador Jesus Cristo fez. Grandes líderes do passado que reverenciamos e amamos têm como característica ouvir o Senhor e fazer com exatidão o que Ele diz. Líderes especiais como Adão, Moisés, Paulo, Pedro, Leí, Néfi, Alma, Amon, Mórmon e Morôni nunca colocaram um ponto de interrogação no que o Senhor lhes falou ou revelou. Foram sempre completamente obedientes aos comandos do Senhor e O seguiram com total fé e coragem. Eles nunca duvidaram ou se perguntaram se deveriam ou não obedecer. Todos eles foram como o grande Adão que, ao ser questionado por um anjo por que oferecia sacrifícios, com prontidão e sinceridade respondeu que não sabia, mas que fazia porque o Senhor lhe havia ordenado que o fizesse.

Meu grande desejo e visão é que tenhamos Sião estabelecida no Brasil; que sejamos fortes como esses gigantes e que coloquemos um ponto final naquilo que o Senhor nos pede. Confio muito que os membros da Igreja no Brasil irão redobrar seus esforços para abrir a boca e convidar mais pessoas a virem a Cristo e dar as referências dessas pessoas para os missionários.

Confio que farão qualquer coisa para qualificarem-se para obter sua recomendação para o templo e que chegarão até a sacrificar-se para frequentá-lo regularmente. Confio que, custe o que custar, assistirão às reuniões dominicais com fervor, serão fiéis à lei do dízimo e das ofertas, cuidarão melhor dos pobres e necessitados e servirão a Deus de todo coração, poder, mente e força.

Sião está em meu coração e é com o esforço de todos nós que ela será realidade em nosso lar, em nossa capela e em nosso amado Brasil.

Vamos adiante, em direção a essa Sião que buscamos! Amo vocês e é meu privilégio servir-lhes.