As bênçãos de aceitar o convite do profeta para o mundo

Equipe do blog do LDS.org, 1º de outubro de 2017

“Imploro que cada um de nós estude em espírito de oração e pondere o Livro de Mórmon todos os dias.”

Esse foi o convite simples, mas poderoso, feito pelo nosso amado profeta, o presidente Thomas S. Monson, há seis meses, na Conferência Geral de Abril de 2017. O presidente Monson afirmou que o estudo do Livro de Mórmon e a aplicação de seus ensinamentos em nossa vida são uma “necessidade crucial” nestes tempos conturbados.

Seis meses depois, o convite do profeta permanece o mesmo.

O presidente Henry B. Eyring, primeiro conselheiro na Primeira Presidência, e o presidente Russell M. Nelson, presidente do Quórum dos Doze Apóstolos, falaram nesse fim de semana a respeito de como aceitaram o convite do profeta de ler, estudar e ponderar o Livro de Mórmon todos os dias, e de como isso tem abençoado sua vida.

O presidente Eyring disse:

“Assim como muitos de vocês, ouvi as palavras do profeta como se fossem as do Senhor para mim. E também, como muitos de vocês, decidi obedecer. Desde menino, tenho o testemunho de que o Livro de Mórmon é a palavra de Deus, que o Pai e o Filho apareceram a Joseph Smith e falaram com ele, e que os apóstolos antigos vieram ao profeta Joseph Smith restaurar as chaves do sacerdócio para a Igreja do Senhor.

Com esse testemunho, tenho lido o Livro de Mórmon todos os dias há mais de 50 anos. Então pareceria razoável se eu tivesse achado que as palavras do presidente Monson eram para outra pessoa. Contudo, assim como muitos de vocês, o incentivo do profeta e sua promessa me encorajaram a fazer um esforço maior. Muitos de vocês fizeram o que eu fiz: oraram com mais fervor, ponderaram mais sinceramente as escrituras e tentaram servir melhor ao Senhor e ao próximo.

O bom resultado disso, para mim e para muitos de vocês, foi o que o profeta prometeu. Os que seguiram de coração seu conselho inspirado passaram a ouvir o Espírito com mais nitidez. Encontramos mais força para resistir à tentação e sentimos mais fé no Cristo ressuscitado, em Seu evangelho e em Sua Igreja viva”.

O presidente Nelson acrescentou seus pensamentos e testemunho:

“Desde o desafio do presidente Monson há seis meses, tenho procurado seguir seu conselho. Entre outras coisas, fiz uma lista mencionando o que o Livro de Mórmon é, o que ele afirma, o que ele contesta, o que ele cumpre, o que ele esclarece e o que ele revela. Olhar para o Livro de Mórmon sob essa perspectiva foi um exercício esclarecedor e inspirador. Recomendo que cada um de vocês faça o mesmo.

(…) Precisamos sentir, no “íntimo” de nosso coração, que o Livro de Mórmon é indiscutivelmente a palavra de Deus. Devemos sentir isso tão profundamente que jamais desejaremos viver um dia sequer sem esse sentimento. Parafraseando o presidente Brigham Young (1801–1877), eu poderia dizer: ‘Gostaria de ter a voz de sete trovões para acordar o povo’ quanto à veracidade e ao poder do Livro de Mórmon”.

A necessidade crucial para os dias de hoje é a mesma. Que no lembremos de que nossa esperança começa nas páginas do Livro de Mórmon, para que aceitemos o desafio de nosso profeta, Thomas S. Monson:

“Imploro que cada um de nós estude em espírito de oração e pondere o Livro de Mórmon todos os dias. Ao fazermos isso, estaremos em condições de ouvir a voz do Espírito, resistir às tentações, vencer a dúvida e o medo e receber a ajuda do céu em nossa vida. Testifico isso de todo o meu coração, em nome de Jesus Cristo. Amém”.