Jeffrey R. Holland

Quórum dos Doze Apóstolos

Reunião Mundial de Treinamento de Liderança

O Élder Holland fala do fundo do coração aos líderes da Igreja, durante uma reunião mundial de treinamento de liderança.

Jeffrey Holland quando criança

Jeffrey Holland já tinha um brilho nos olhos, mesmo quando ainda criança. Sua mãe lembra-se dele como sempre obediente.

Quando Jeffrey R. Holland serviu como missionário na missão Britânica, uma experiência inicial testificou a ele da verdade e do poder do evangelho.

Certo homem, já com uns oitenta anos — membro da Igreja que consertava bicicletas como meio de vida e sempre cuidava das dos élderes gratuitamente — veio certa noite de bicicleta bater à porta dos missionários sob uma chuva torrencial, pedindo-lhes se poderiam vir e dar uma bênção à sua mulher.

Reconhecimento na Chuva

“Isso realmente me tocou”, disse o Élder Holland. “Fiquei muito tocado que esse senhor de 80 anos se aventurasse, enfrentando a forte chuva do leste da Inglaterra, a fim de procurar a ajuda espiritual de dois rapazes.” O jovem Élder Holland e seu companheiro abençoaram a frágil senhora que morria vagarosamente e com tantas dores, que não dormira nas últimas 48 horas.

“Foi a primeira vez que fiz isso, e era um novo missionário há apenas duas semanas”, disse ele. “Lembro-me de haver deixado o homem idoso e sua esposa lá em cima, no quarto, quando descemos em sua pequena casa, a fim de vestir nossa capa e nos aprontarmos para sair. E então ele desceu — e esse homenzinho gentil, com as mãos sujas de consertar bicicletas — e esfregou os olhos, balbuciando entre suas emoções: ‘Ela agora está dormindo.’

“Lembro-me vividamente de haver saído na chuva e chorado, consciente de uma revelação espiritual — um tipo de sentimento de ‘compreensão-daquilo-que-eu-possuía’. Houve muitas outras coisas consideravelmente mais miraculosas que aconteceram durante minha missão”, admite o Élder Holland, “mas nenhuma delas me tocou mais profundamente do que a primeira manifestação que me causou: um rapaz comum, criado na Igreja, frequentador do seminário do Sul de Utah que, na realidade, nunca estivera em lugar algum, examinar meus próprios valores, meu próprio sacerdócio e minha própria fé — e ver, realmente, que funcionavam.”

Élder Holland em Israel

Em uma visita à Terra Santa, os Hollands desfrutam de tempo com, entre outros, Howard W. Hunter (1907–1995), que mais tarde se tornou o 14º Presidente da Igreja, e James E. Faust (1920–2007), que mais tarde serviu como Segundo Conselheiro na Primeira Presidência.

Sempre Adiante, Sem Nunca Desviar-se

Jeff Holland, filho de Frank D. e Alice Bentley Holland, nasceu em 3 de dezembro de 1940. Ao crescer, revelou-se um líder natural. “Jeff estava em posição de levar seu grupo para longe da Igreja ou em direção a ela, e escolheu sempre seguir em sua direção”, disse Karl Brooks, ex-prefeito de St. George, Utah. Jeff Holland demonstrou aos outros que se pode ter diversão, e ao mesmo tempo, viver o evangelho.

“Ele nunca me causou nenhum problema”, disse sua mãe. “Estava sempre na Igreja e cumpria sempre seus deveres no sacerdócio.” Uma vez, quando jovem, ela permitiu que ele fosse a uma festa, com a condição de que estaria em casa às dez horas da noite. Mais tarde, quando olhou para o relógio e notou que tinha apenas 15 minutos para chegar em casa, correu de uma extremidade à outra de St. George.

Quando estava crescendo, a principal alegria da vida de Jeff Holland eram os esportes. “Eu jogava em qualquer tipo de time que pudesse ser organizado”, disse ele. Um dos benefícios do envolvimento dele com esportes durante o curso secundário foi que isso o manteve perto da mocinha que, mais tarde, se tornaria sua mulher. Patrícia Terry era uma líder de torcidas que se mudara para St. George, logo que iniciara o secundário. Ela e Jeff namoraram durante dois anos antes de sua missão.

Cantar na Conferência Geral

Élder Holland e seu filho Matt cantam juntos durante uma reunião, no Tabernáculo de Salt Lake.

A família Holland

O Élder e a Irmã Holland apreciam passar tempo com os três filhos.

Um Ponto Decisivo Espiritual

Embora fosse ativo na Igreja, apreciasse o seminário e vivesse o evangelho, Élder Holland atribui a fé possuída por Pat à solidez de sua determinação de servir em uma missão, numa época em que não estava claramente delineado que todo jovem digno deveria fazê-lo. Ele olha para trás, para seu serviço como “o principal ponto decisivo espiritual de minha vida — o início dos meus inícios”, no crescimento maduro do evangelho.

Com a chegada de um novo presidente de missão, Marion D. Hanks, chegou a inspiração que mudou seu futuro. “O Presidente Hanks ensinou-me a amar as escrituras, especialmente o Livro de Mórmon”, disse Élder Holland. “Ele exerceu uma profunda influência em minha vida.”

Antes de sua missão, ele tencionara tornar-se médico. Mas, explica, “Voltei de minha missão para casa, acreditando que Deus queria que eu fosse um professor”.

Élder Holland é conhecido por sua habilidade como professor. Antes de ser chamado como Apóstolo, era instrutor e administrador no Sistema Educacional da Igreja, servindo também como presidente da Universidade Brigham Young.

Aprender a Ensinar

Ao voltar, o Élder Holland casou-se com Pat, no Templo de St. George, no dia 7 de junho de 1963. Depois, quando estava prestes a formar-se na Universidade Brigham Young, em 1965, foi-lhe oferecida uma oportunidade de ensinar religião em tempo parcial, na Universidade Brigham Young, no ano seguinte, enquanto trabalhava para conseguir o mestrado em instrução religiosa.

Ao completar seu trabalho de graduação, foi contratado como professor do instituto no Sistema Educacional da Igreja. Depois de um ano ensinando no instituto em Hayward, Califórnia, foi designado diretor do instituto de Seattle [Washington]. Então, sabendo que uma carreira vitalícia no campo da educação significaria a necessidade de mais estudos, incluindo-se um doutorado, em 1970 os Hollands mudaram-se para New Haven, Connecticut, onde ele frequentaria a Universidade Yale. Enquanto estava lá, foi chamado para servir na presidência da estaca.

“Na realidade, o que obtive foi conhecimento em governo da Igreja”, disse ele, falando a respeito de seu chamado. A experiência preparou-o para o serviço em duas outras presidências de estaca e como um representante regional, antes de seu chamado para servir como Autoridade Geral.

Élder e Irmã Holland e o Élder M. Russell Ballard e Irmã Ballard acenam para os espectadores, durante um passeio de carruagem, em 1997.

A Estrada Certa

O Élder e a Irmã Holland têm três filhos. Seu filho Matt lembra-se de que o treinamento espiritual era uma parte da vida familiar diária. Em uma excursão, quando Matt estava com doze anos, teve sua primeira experiência com revelação pessoal.

Voltando de uma viagem exploratória por estradas do interior, ele e o pai chegaram a uma encruzilhada inesperada, não podendo lembrar-se de que estrada tomar. O dia já estava findando, e a escuridão logo os envolveria. Aproveitando uma oportunidade de ensinar, Jeffrey Holland pediu a seu filho que orasse, pedindo orientação. Depois, perguntou ao filho o que sentia, e Matt respondeu que tinha um sentimento forte de que deveriam seguir à esquerda. Respondendo que havia sentido a mesma coisa, seu pai desviou o caminhão para a esquerda. Dez minutos depois, chegaram a um lugar sem saída e voltaram para a outra estrada.

Matt pensou um pouco e depois perguntou ao pai por que receberiam esse tipo de resposta a uma oração. Seu pai respondeu que, com o sol se pondo, sem dúvida esta era a maneira mais rápida de o Senhor lhes dar informações — neste caso, sobre qual era a estrada errada. Agora, embora a outra estrada pudesse não ser conhecida e ter lugares difíceis, eles podiam prosseguir com confiança, sabendo que era a certa.

Através dos anos, os filhos da família Holland sentiam que seu pai estava disponível quando necessário, e essa associação tornou-se ainda mais apreciada, quando Élder Holland foi chamado para o Primeiro Quórum dos Setenta, em 1º de abril de 1989.

O Élder Holland e sua mulher, Patrícia Terry Holland, impressionam aqueles que vêm a conhecê-los, com seu rápido sorriso e sinceridade genuína. Eles se conheceram durante o curso secundário e casaram-se, depois que ele voltou da missão.

Uma Testemunha para toda a Vida

Depois, em 23 de junho de 1994, o futuro de Élder Jeffrey R. Holland foi mais uma vez alterado, quando foi chamado para servir no Quórum dos Doze Apóstolos.

O irmão de Élder Holland, Dennis, lembra-se de que não ficou surpreso com o chamado. “Tudo que Jeff sempre desejou foi ensinar o evangelho aos alunos em uma sala de aula”, disse ele. “Sempre tive certeza de que o Senhor tinha o mesmo objetivo em mente com relação a ele, mas que o tamanho da sala de aula e o número de alunos era em uma escala muito maior do que ele estava prevendo.”

O Élder Holland diz que servir no cargo para o qual foi ordenado tem sido para ele, como para outros que aceitaram o mesmo chamado, um processo refinador para toda a vida. “Empenho tudo o que tenho e tudo que sei como dar, para testemunhar e reafirmar a divindade da vida do Salvador e a restauração do Seu evangelho”, disse ele. “Minha maior alegria e minha solene obrigação é testificar sobre Jesus Cristo onde quer que eu vá e com quem quer que esteja, enquanto eu viver.”

O Quórum dos Doze Apóstolos

O Quórum dos Doze Apóstolos (abaixo).

  • Leia mais biografias da Primeira Presidência e do Quórum dos Doze Apóstolos.

Leia a biografia oficial