L. Tom Perry

Quórum dos Doze Apóstolos

Élder L. Tom Perry na Conferência Geral

Élder Perry causa uma impressão duradoura devido a sua estatura, seu estilo e voz poderosa.

Quando era uma jovem mãe, Roberta Jensen sentou-se no avião tentando alimentar o bebê e manter as outras três crianças quietas — todas com menos de quatro anos. Ela estava exausta, constrangida e sozinha. Ela estava indo para casa, fazer uma visita que tinha como objetivo descansar das pressões de apoiar o marido nos estudos, criar uma jovem família com ele e passar pelas dificuldades de sustentar-se financeiramente. Mas até agora, a viagem havia sido tudo, menos sossegada.

O passageiro do outro lado do corredor era um homem alto e alegre. Quando se falaram, ele se apresentou como Élder L. Tom Perry, do Quórum dos Doze Apóstolos. “Um Apóstolo bem perto de mim”, ela pensou. “Fico imaginando se ele pode sentir o quanto eu estou transtornada e ler os sentimentos que me passam pelo coração.”

Enquanto o avião decolava, as crianças choraram — todas elas. A vergonha de Roberta transformou-se em pânico. Élder Perry colocou de lado sua maleta e perguntou gentilmente: “Posso segurar o bebê?” Durante o resto da viagem, ele cuidou da criança, balançou-o até que dormisse, enquanto uma mãe agradecida acalmava as outras crianças e lhes dava um lanche. Quando o jantar foi servido, ela quis pegar o bebê, mas Élder Perry, ainda sorrindo, disse que o bebê estava dormindo tranquilamente e que não havia necessidade de perturbá-lo.

“Eu sobrevivi à viagem”, disse ela, “e guardei uma lembrança agradável que será uma parte de nossa família para sempre. (…) Ele viu alguém precisando de ajuda e colocou de lado suas próprias necessidades para dar essa ajuda.”

A Família Perry

O jovem Tom (fila de cima, à esquerda) com seus pais, irmãos e irmãs. Élder Perry ainda se lembra do treinamento espiritual que seus pais lhe deram, quando era criança.

Compromisso na Juventude

L. Tom Perry lembra-se do treinamento espiritual que seus pais, Leslie Thomas Perry e Nora Sonne Perry, lhe deram quando era criança. Ele se lembra da sua mãe fiel esperando do lado de fora do seu quarto todas as noites, para se assegurar de que ele fazia suas orações.

O jovem Tom havia-se comprometido a uma frequência perfeita à igreja. Um domingo ele estava doente com amidalite, e seus pais decidiram que o registro de frequência deveria ser rompido. Todos os membros da família saíram para a Igreja, com exceção de Tom e de sua mãe. Mas a família ficou surpresa ao vê-los entrar na capela, alguns minutos depois de a reunião haver começado. Apesar de doente, Tom fez todo o esforço para estar onde deveria estar.

Entre os meninos da vizinhança, Tom era o líder. Árbitros não eram necessários para os seus jogos de bola, devido a sua capacidade de resolver disputas. Como resultado, os jogos eram incrivelmente livres de contendas.

L. Tom Perry no Corpo de Fuzileiros

No Corpo de Fuzileiros, Tom Perry estava entre as primeiras tropas de ocupação a entrarem no Japão, depois da Segunda Guerra Mundial.

L. Tom Perry ao Telefone

Como homem de negócios, L. Tom Perry sentiu ter sido abençoado pelo que aprendeu como conselheiro de um bispo.

Centralizado no Serviço

Élder Perry frequentou a Faculdade Agrícola do Estado de Utah em Logan, Utah, de 1940 a 1941. Depois ele serviu uma missão nos Estados do Norte, onde obteve um grande amor pelo Livro de Mórmon. Semanas após haver voltado, foi convocado para o serviço militar e foi voluntário do Corpo dos Fuzileiros Navais. Ele estava entre as primeiras tropas de ocupação a entrarem no Japão, depois da Segunda Guerra Mundial.

Logo após sua baixa do Corpo de Fuzileiros, no outono de 1946, Élder Perry voltou para Logan e para a Faculdade Estadual Agrícola, onde estudou administração de empresas e graduou-se em 1949. Ele fez um trabalho de pós-graduação em finanças no ano seguinte.

Um administrador de sucesso, o Élder Perry dá crédito aos princípios que aprendeu com as responsabilidades de liderança na Igreja. Contando uma de suas primeiras experiência, disse ele:

“Quando era um rapaz com quase 30 anos, ofereceram-me uma vaga de controlador em uma pequena loja na região Central de Idaho, após apenas seis meses de experiência no comércio varejista. Trabalhei por um mês nesta nova posição, antes que minha família viesse morar comigo. Durante esse mês, eu quase vivi na loja. Trabalhar até de madrugada era algo normal, pois tentava manter-me em dia com as tarefas que me eram atribuídas. Estava em meio a uma época desesperadora, tentando aprender um novo trabalho e manter o ritmo com as responsabilidades que me foram dadas.

“Logo depois de minha família chegar, um carro estacionou em frente a minha casa, uma noite e eu fui convidado a me reunir com um membro da presidência da nossa estaca e um membro do bispado da nossa ala. Fiquei espantado: o conselheiro do bispo fora chamado pelo novo bispo e ele me havia escolhido como segundo conselheiro. Minha primeira reação foi dizer: ‘Não. Estou muito ocupado’, mas o treinamento de meus pais logo gritou mais que minha primeira reação, e eu aceitei servir.”

“Essa primeira experiência no bispado foi a melhor educação que recebi em organização e administração. Descobri que a maneira do Senhor era transferível para os negócios. Ao praticar as técnicas que me foram ensinadas no serviço da Igreja, tornei-me mais eficiente nas minhas designações comerciais. Logo me descobri com mais tempo para a família, para a Igreja e para as responsabilidades administrativas”.

L. Tom Perry com crianças

Como pai de filhos pequenos, L. Tom Perry fez do passar tempo com seus três filhos uma prioridade.

Conseguir Tempo para a Família

Tom Perry fez do passar tempo com sua família, que incluia sua esposa Virginia e três filhos, uma prioridade real. Sempre que possível, Élder Perry envolvia a família em suas atividades na Igreja. Com o passar dos anos eles datilografavam e revisavam discursos, faziam cópias para ele, encontravam citações e histórias e serviam como controladores de tempo.

Seu filho, Lee, falou das vezes que acompanhou o pai como controlador de tempo em designações como orador, enquanto seu pai era um sumo conselheiro na área de Sacramento.

“Ele me dava o seu relógio, e eu me sentava no centro da congregação, a poucas filas da frente. Nós usávamos os sinais dos três macacos — não vejo o mal, não ouço o mal e não falo mal. Se ele não estivesse ereto, eu iria tapar meus olhos. Se estivesse falando muito alto, eu taparia meus ouvidos, e pouco antes de acabar o tempo, eu taparia minha boca”, disse Lee.

L. Tom Perry com a família no anos de 1970

Élder Perry aproveita o tempo com sua família, no início da década de 1970, não muitos anos antes do falecimento da sua esposa, sua filha e de dois dos seus netos.

Élder e Irmã Perry

Irmã Barbara Perry diz que ela e seu marido adoram fazer muitas coisas juntos, incluindo jardinagem, trabalhos domésticos, correr, caminhar e as designações da Igreja.

Escalar a Próxima Montanha

Ao passar pela experiência do falecimento de sua esposa em 1974, sua filha em 1983, e dois de seus netos, o Élder Perry se apoiou em sua fé em um Pai Celestial amoroso: “O Senhor é muito bom. Mesmo que algumas experiências sejam difíceis, Ele enche nossa mente com lembranças e nos dá outras oportunidades. A vida não acaba só porque você passou por uma tragédia — há uma nova montanha para escalar. Não passem muito tempo aborrecidos com o que perderam. Comecem a escalar a próxima montanha”.

Em janeiro de 1976, foi apresentado a Barbara Dayton, e eles se casaram em abril daquele ano, no Templo de Salt Lake. “[Nós] adoramos nossa convivência”, diz a irmã Perry. “Fazemos jardinagem juntos; raspamos tetos. Corremos juntos algumas vezes por semana e damos longas caminhadas”. Sempre que possível, o Élder Perry vai de carro para as designações de conferência em vez de ir de avião, para que possa levar Barbara com ele.

L. Tom Perry foi chamado para o Quórum dos Doze Apóstolos em 6 de abril de 1974, depois de servir como Assistente dos Doze desde 1972. Como Apóstolo de Jesus Cristo, ele presta testemunho especial do Salvador: “Maravilho-me de que o Pai Celestial nos amasse o suficiente para sacrificar Seu Filho, e que tenhamos a garantia reconfortante de que a vida segue para sempre — de que a morte não é o fim. Se aderirmos ao plano do evangelho, haverá grandes bênçãos em reserva para nós. O sistema do Senhor funciona para abençoar nossa vida aqui, bem como nas eternidades vindouras. É a única garantia reconfortante que você pode encontrar na terra. E depois que você a tem, é maior bênção que você irá receber em todos os tempos”.

O Quórum dos Doze Apóstolos

O Quórum dos Doze Apóstolos (abaixo).

Leia a biografia oficial