CAPÍTULO 9

Os judeus serão coligados em todas as suas terras de promissão—A expiação resgata o homem da queda—Os corpos dos mortos sairão da sepultura e seus espíritos, do inferno e do paraíso—Eles serão julgados—A expiação salva da morte, do inferno, do diabo e do tormento eterno—Os justos serão salvos no reino de Deus—Declaradas as penalidades para os pecados—O Santo de Israel é o guardião da porta. Aproximadamente 559–545 a.C.

  E agora, meus amados irmãos, eu vos li estas coisas para que tenhais conhecimento dos aconvênios que o Senhor fez com toda a casa de Israel—

  Que ele tem falado aos judeus pela boca de seus santos profetas, desde o começo, de geração em geração, até que chegue o tempo em que serão arestituídos à verdadeira igreja e rebanho de Deus, quando serão bcoligados nas cterras de sua herança e estabelecidos em todas as suas terras de promissão.

  Eis que, meus amados irmãos, eu vos digo estas coisas a fim de alegrar-vos e para que alevanteis a cabeça para sempre, por causa das bênçãos que o Senhor Deus conferirá a vossos filhos.

  Pois sei que muitos de vós haveis investigado muito para conhecer as coisas que estão para vir; e sei portanto que não ignorais que nossa carne deverá definhar e morrer; não obstante, veremos a Deus em nosso acorpo.

  Sim, eu sei que sabeis que ele se manifestará na carne aos que habitam Jerusalém, de onde viemos; porque é necessário que seja entre eles; porque é requerido do grande aCriador que se sujeite ao homem na carne e morra por btodos os homens, para que todos possam tornar-se-lhe sujeitos.

  Pois assim como a morte tem efeito sobre todos os homens, para que seja cumprido o aplano misericordioso do grande Criador, deve existir um poder de bressurreição e a ressurreição deve vir ao homem em razão da cqueda; e a queda veio em razão da transgressão; e porque os homens se tornaram decaídos, foram dafastados da presença do Senhor.

  Portanto é necessário que haja uma aexpiaçãobinfinita—porque se a expiação não fosse infinita, esta corrupção não poderia revestir-se de incorrupção. Portanto o cprimeiro julgamento que recaiu sobre o homem deveria ter ddurado eternamente. E se assim fosse, esta carne teria que apodrecer e desfazer-se em sua terra mãe, para não mais se levantar.

  Oh! A asabedoria de Deus, sua bmisericórdia e cgraça! Pois eis que se a dcarne não mais se levantasse, nossos espíritos estariam à mercê daquele anjo que ecaiu da presença do Eterno Deus e tornou-se o fdiabo, para não mais se levantar.

  E nosso espírito deveria tornar-se como ele e nós nos tornaríamos diabos, aanjos de um diabo, a fim de sermos bafastados da presença de nosso Deus e permanecermos com o pai das cmentiras, em miséria, como ele mesmo; sim, como aquele ser que denganou nossos primeiros pais, que se etransformou quase em um fanjo de luz e incita os filhos dos homens a gcombinações secretas de crimes e de toda sorte de obras secretas das trevas.

  10 Oh! Quão grande é a bondade de nosso Deus, que prepara um caminho para nossa fuga das garras desse terrível monstro, sim, aquele monstro, amorte e binferno, que eu chamo morte do corpo e também morte do espírito.

  11 E por causa do caminho de alibertação de nosso Deus, o Santo de Israel, essa bmorte da qual falei, que é a física, libertará seus mortos; essa morte é a sepultura.

  12 E essa amorte da qual falei, que é a morte espiritual, libertará seus mortos; e essa morte espiritual é o binferno; portanto, morte e inferno deverão libertar seus mortos; e o inferno deverá libertar seus espíritos cativos e a sepultura deverá libertar seus corpos cativos; e o corpo e o cespírito dos homens serão drestituídos um ao outro; e é pelo poder da ressurreição do Santo de Israel.

  13 Oh! Quão grande é o aplano de nosso Deus! Porque, por outro lado, o bparaíso de Deus deverá libertar os espíritos dos justos, e a sepultura, libertar os corpos dos justos; e o espírito e o corpo serão creunidos novamente e todos os homens tornar-se-ão incorruptíveis e dimortais e serão almas viventes, tendo um eperfeitofconhecimento, como nós na carne, com a diferença de que o nosso conhecimento será perfeito.

  14 Teremos portanto um aconhecimento perfeito de todas as nossas bculpas e nossa impureza e nossa cnudez; e os justos terão um conhecimento perfeito de sua alegria e sua dretidão, estando evestidos com fpureza, sim, com o gmanto da retidão.

  15 E acontecerá que quando todos os homens tiverem passado desta primeira morte para a vida, tornando-se imortais, deverão comparecer ante o atribunal do Santo de Israel; e virá então o bjulgamento e serão julgados de acordo com o santo julgamento de Deus.

  16 E certamente, como vive o Senhor, pois o Senhor Deus disse-o e é sua eterna apalavra, a qual não pode bpassar, os justos ainda serão justos e os cimundos ainda serão dimundos; portanto os imundos são o ediabo e seus anjos; e irão para o ffogo eterno para eles preparado; e seu tormento é como um glago de fogo e enxofre, cuja chama ascende para todo o sempre e não tem fim.

  17 Oh! A grandiosidade e a ajustiça de nosso Deus! Porque ele executa todas as suas palavras e elas saíram-lhe da boca; e sua lei deve ser cumprida.

  18 Mas eis que os justos, os asantos do Santo de Israel, os que tiverem acreditado no Santo de Israel, os que tiverem suportado as bcruzes do mundo e desprezado a sua vergonha, cherdarão o dreino de Deus, que foi preparado para eles edesde a fundação do mundo; e sua alegria será completa para fsempre.

  19 Oh! Quão grande é a misericórdia de nosso Deus, o Santo de Israel! Porque aliberta seus santos daquele bhorrível monstro, o diabo, e da morte e do cinferno e daquele lago de fogo e enxofre que é tormento sem fim.

  20 Oh! Quão grande é a asantidade de nosso Deus! Pois ele bconhece todas as coisas e não há nada que não conheça.

  21 E ele vem ao mundo para asalvar todos os homens, se eles derem ouvidos a sua voz; pois eis que ele sofre as bdores dos homens, sim, as dores de toda criatura vivente, tanto homens como mulheres e crianças, que pertencem à família de cAdão.

  22 E ele sofre isto para que todos os homens ressuscitem, para que todos compareçam diante dele no grande dia do julgamento.

  23 E ordena a todos os homens que se aarrependam e sejam bbatizados em seu nome, tendo perfeita fé no Santo de Israel, pois do contrário não poderão ser salvos no reino de Deus.

  24 E se não se arrependerem, não acreditarem em seu anome, não forem batizados em seu nome nem bperseverarem até o fim, serão ccondenados, pois o Senhor Deus, o Santo de Israel, disse-o.

  25 Ele deu, portanto, uma alei; e onde bnenhuma lei é dada não há castigo; e onde não há castigo não há condenação; e onde não há condenação as misericórdias do Santo de Israel têm poder sobre eles, por causa da expiação; porque são libertados pelo poder dele.

  26 Pois a aexpiação satisfaz as exigências de sua bjustiça sobre todos a quem cnão foi dada a dlei, sendo assim libertados daquele horrível monstro, morte e inferno, e do diabo e do lago de fogo e enxofre que é tormento sem fim; e são restituídos àquele Deus que lhes deu ealento, que é o Santo de Israel.

  27 Mas ai daquele a quem foi dada a alei, sim, que tem todos os mandamentos de Deus, como nós, e que os transgride e desperdiça os dias de sua provação; porque o seu estado é terrível.

  28 Oh! Quão astuto é o aplano do maligno! Oh! A bvaidade e a fraqueza e a insensatez dos homens! Quando são cinstruídos pensam que são dsábios e não dão ouvidos aos econselhos de Deus, pondo-os de lado, supondo que sabem por si mesmos; portanto sua sabedoria é insensatez e não lhes traz proveito. E eles perecerão.

  29 Mas é bom ser instruído, quando se a ouvidos aos bconselhos de Deus.

  30 Ai, porém, dos aricos que são ricos das coisas do mundo! Porque, sendo ricos, desprezam os bpobres e perseguem os mansos; e seu coração está em seus tesouros; portanto os seus tesouros são seu deus. E eis que seus tesouros também perecerão com eles.

  31 E ai dos surdos, que não querem aouvir; porque perecerão!

  32 Ai dos cegos, que não querem ver, porque também perecerão.

  33 Ai dos incircuncisos de coração, porque o conhecimento de suas iniqüidades feri-los-á no último dia.

  34 Ai do amentiroso, porque será lançado no binferno.

  35 Ai do homicida, que amata deliberadamente, porque bmorrerá.

  36 Ai dos que praticam aprostituição, porque serão lançados no inferno.

  37 Sim, ai dos que aadoram ídolos, porque o diabo de todos os diabos neles se deleita.

  38 E enfim, ai de todos os que morrem em seus pecados; porque avoltarão a Deus e verão sua face e permanecerão em seus pecados.

  39 Ó, meus amados irmãos, lembrai-vos de quão terrível é pecar contra o Santo Deus e também quão terrível é sucumbir às tentações daquele ser aastuto. Lembrai-vos de que ter bmente carnal é cmorte e ter mente espiritual é dvidaeeterna.

  40 Ó, meus amados irmãos, ouvi minhas palavras. Lembrai-vos da grandeza do Santo de Israel. Não digais que falei coisas duras contra vós, porque, se assim o fizerdes, ultrajareis a averdade; porque disse as palavras de vosso Criador. Sei que as palavras da verdade são bduras contra toda impureza, mas os justos não as temem, porque amam a verdade e não se abalam.

  41 Ó, meus amados irmãos, avinde, pois, ao Senhor, o Santo. Lembrai-vos de que seus caminhos são justos. Eis que o bcaminho para o homem é cestreito, mas segue em linha reta adiante dele; e o guardião da dporta é o Santo de Israel; e ele ali não usa servo algum, e não há qualquer outra passagem a não ser pela porta; porque ele não pode ser enganado, pois Senhor Deus é o seu nome.

  42 E a quem quer que bata, ele abrirá; e os asábios e os instruídos e os ricos que são borgulhosos de seu conhecimento e de sua sabedoria e de suas riquezas—sim, estes são os que ele despreza; e a menos que se despojem de todas estas coisas e considerem-se cinsensatos diante de Deus e dhumilhem-se profundamente, ele não lhes abrirá.

  43 As coisas dos sábios e dos prudentes, porém, ser-lhes-ão aocultas para sempre—sim, aquela felicidade que está preparada para os santos.

  44 Ó, meus amados irmãos, lembrai-vos de minhas palavras. Eis que tiro minhas vestimentas e sacudo-as diante de vós; rogo ao Deus de minha salvação que me olhe com seus olhos que atudo vêem; e sabereis portanto, no último dia, quando todos os homens serão julgados por suas obras, que o Deus de Israel testemunhou que bsacudi vossas iniqüidades de minha alma e que me apresento limpo ante ele e estou clivre de vosso sangue.

  45 Ó, meus amados irmãos, afastai-vos de vossos pecados; sacudi as acorrentes daquele que vos quer amarrar firmemente; vinde ao Deus que é a brocha de vossa salvação.

  46 Preparai vossa alma para aquele glorioso dia, quando a ajustiça será administrada aos justos, sim, o dia do bjulgamento, a fim de que não vos encolhais com terrível medo; para que não vos lembreis claramente de vossa horrível cculpa e não sejais compelidos a exclamar: Santos, santos são os teus julgamentos, ó Senhor Deus dTodo-Poderoso—mas conheço minha culpa; transgredi tua lei e minhas transgressões pertencem-me; e o diabo dominou-me, de modo que sou uma presa de sua terrível miséria.

  47 Mas eis, meus irmãos, convém que eu vos acorde para a terrível realidade destas coisas? Atormentaria eu a vossa alma, se vossa mente fosse pura? Seria eu claro para convosco, com a clareza da verdade, se estivésseis livres do pecado?

  48 Eis que, se fôsseis santos, eu vos falaria de santidade; mas como não sois santos e me considerais um mestre, é preciso que eu vos aensine as conseqüências do bpecado.

  49 Eis que minha alma tem aversão ao pecado e meu coração se deleita na retidão; e alouvarei o santo nome de meu Deus.

  50 Vinde, meus irmãos, todos os que tendes sede, vinde às aáguas; e aquele que não tem dinheiro venha comprar e comer; sim, vinde comprar vinho e leite, sem bdinheiro e sem preço.

  51 Portanto não despendais dinheiro naquilo que não tem valor, nem vosso atrabalho naquilo que não pode satisfazer. Ouvi-me atentamente e lembrai-vos das palavras que disse; e vinde ao Santo de Israel e bfartai-vos daquilo que não perece nem pode ser corrompido; e deixai que vossa alma se deleite na abundância.

  52 Portanto, meus amados irmãos, lembrai-vos das palavras de vosso Deus; orai a ele continuamente durante o dia e dai agraças ao seu santo nome durante a noite. Deixai que vosso coração se regozije.

  53 E vede quão grandes são os aconvênios do Senhor e quão grande é a sua condescendência para com os filhos dos homens; e por causa de sua grandeza e de sua graça e bmisericórdia, ele prometeu-nos que nossa semente não seria totalmente destruída, segundo a carne, mas que a preservaria; e em futuras gerações tornar-se-ia um cramo justo para a casa de Israel.

  54 E agora, meus irmãos, quisera falar-vos mais; amanhã, porém, dir-vos-ei o restante de minhas palavras. Amém.