CAPÍTULO 7

O juiz supremo é assassinado, o governo é destruído e o povo divide-se em tribos—Jacó, um anti-Cristo, torna-se rei de uma coligação de tribos—Néfi prega arrependimento e fé em Cristo—Recebe diariamente o ministério de anjos e levanta seu irmão dentre os mortos—Muitos se arrependem e são batizados. Aproximadamente 30–33 d.C.

  Ora, eis que vos mostrarei que não estabeleceram um rei na terra; mas nesse mesmo ano, sim, no trigésimo ano, destruíram, sim, assassinaram o juiz supremo da terra na cadeira de juiz.

  E os do povo dividiram-se, uns contra os outros; e separaram-se em tribos, cada homem segundo sua família, parentes e amigos; e assim destruíram o governo da terra.

  E cada tribo nomeou um chefe ou comandante; e assim se converteram em tribos e chefes de tribos.

  Ora, eis que não havia homem algum entre eles que não tivesse uma grande família e muitos parentes e amigos; portanto, suas tribos tornaram-se sumamente grandes.

  Ora, tudo isto foi feito sem que ainda houvesse guerras entre eles; e toda essa iniqüidade caíra sobre o povo porque eles ase submeteram ao poder de Satanás.

  E os regulamentos do governo foram destruídos devido às acombinações secretas de amigos e parentes dos que haviam assassinado os profetas.

  E causaram grande contenda na terra, de tal forma que a parte mais justa do povo se tornara quase toda iníqua; sim, havia poucos homens justos entre eles.

  E assim, não haviam transcorrido seis anos e a maior parte do povo já se desviara de sua retidão, como o cão que torna a seu avômito ou como a porca, ao seu chafurdar na lama.

  Ora, os dessa combinação secreta, que tanta iniqüidade havia trazido ao povo, reuniram-se e puseram como seu chefe um homem a quem chamavam Jacó;

  10 E chamaram-no rei; portanto, tornou-se rei desse bando iníquo; e ele era um dos principais entre os que haviam votado contra os profetas que testificaram acerca de Jesus.

  11 E aconteceu não serem eles tão numerosos como as tribos do povo, que estavam unidas salvo no tocante às leis, que eram estabelecidas pelos respectivos chefes, cada qual segundo sua tribo; contudo, eram inimigos; embora não fossem um povo justo, estavam, entretanto, unidos em seu ódio contra os que haviam feito convênio de destruir o governo.

  12 Portanto Jacó, sendo rei do bando e vendo que seus inimigos eram muito mais numerosos que eles, ordenou a seu povo que se refugiasse na parte mais longínqua do norte; e que lá se estabelecesse um areino para eles até que os dissidentes se unissem a eles (porque os lisonjeava, dizendo que haveria muitos dissidentes) e se tornassem suficientemente fortes para lutar contra as tribos do povo. E assim fizeram.

  13 E tão rápida foi sua marcha, que logo se viram fora do alcance do povo, que não pôde detê-los. E assim terminou o trigésimo ano; e essa era a condição do povo de Néfi.

  14 E aconteceu que no trigésimo primeiro ano estavam divididos em tribos, cada homem com sua família, parentes e amigos; contudo haviam feito um tratado de não guerrearem entre si; mas não estavam de acordo no que se referia a suas leis e forma de governo, porque se haviam organizado segundo a vontade de seus chefes. Instituíram, porém, leis muito estritas, de que nenhuma tribo deveria ofender outra, de modo que, até certo ponto, tiveram paz na terra; não obstante, seus corações haviam-se desviado do Senhor seu Deus e apedrejaram os profetas, expulsando-os de seu meio.

  15 E aconteceu que aNéfi—tendo sido visitado por anjos e também pela voz do Senhor; tendo portanto visto anjos e sendo testemunha ocular; e tendo recebido poder, a fim de que soubesse a respeito do ministério de Cristo; e sendo também testemunha ocular do rápido retorno do povo, da retidão para a iniqüidade e abominações;

  16 Assim, aflito com a dureza do coração deles e a cegueira de sua mente—foi para o meio deles naquele mesmo ano e começou a pregar ousadamente o arrependimento e a remissão de pecados pela fé no Senhor Jesus Cristo.

  17 E ensinou-lhes muitas coisas; e como todas elas não podem ser escritas e parte delas não bastaria, não foram, portanto, escritas neste livro. E Néfi ensinou com apoder e grande autoridade.

  18 E aconteceu que se zangaram com ele porque tinha maior poder do que eles, sendo-lhes aimpossível não crer em suas palavras, porquanto tão grande era sua fé no Senhor Jesus Cristo que diariamente recebia o ministério de anjos.

  19 E em nome de Jesus expulsava demônios e espíritos aimundos; e até seu irmão ele levantou dentre os mortos, depois de haver sido apedrejado e morto pelo povo.

  20 E o povo viu e testemunhou isso e irou-se contra ele por causa de seu poder; e ele fez também amuitos outros milagres à vista do povo, em nome de Jesus.

  21 E aconteceu que se passou o trigésimo primeiro ano e apenas poucos foram convertidos ao Senhor; mas todos os que se converteram demonstraram ao povo, sinceramente, que tinham sido visitados pelo poder e pelo Espírito de Deus que estava em Jesus Cristo, em quem acreditavam.

  22 E todos aqueles de quem haviam sido expulsos demônios e que haviam sido curados de suas doenças e enfermidades, manifestaram ao povo com toda a sinceridade que o Espírito de Deus agira sobre eles e que haviam sido curados; e também mostraram sinais e fizeram alguns milagres entre o povo.

  23 Assim também se passou o trigésimo segundo ano. E Néfi clamou ao povo, no princípio do trigésimo terceiro ano, e pregou-lhes arrependimento e remissão de pecados.

  24 Ora, quisera também que recordásseis que não houve, dentre os que se arrependeram, quem não tivesse sido abatizado com água.

  25 Portanto Néfi ordenou homens a este ministério, a fim de que todos os que viessem a eles fossem batizados com água; e isto como prova e testemunho, perante Deus e para o povo, de que se haviam arrependido e recebido a aremissão de seus pecados.

  26 E no princípio desse ano muitos receberam o batismo do arrependimento; e assim se passou a maior parte do ano.