CAPÍTULO 32

Alma ensina os pobres, cujas aflições os haviam tornado humildes—Fé é uma esperança naquilo que não se vê e que é verdadeiro—Alma testifica que anjos ministram entre homens, mulheres e crianças—Alma compara a palavra a uma semente—Ela deve ser plantada e cuidada—Então se transforma em uma árvore da qual se colhe o fruto da vida eterna. Aproximadamente 74 a.C.

  E aconteceu que saíram e começaram a pregar a palavra de Deus ao povo, entrando em suas sinagogas e em suas casas; sim, e até pregavam a palavra nas ruas.

  E aconteceu que, depois de muito trabalho, começaram a ter êxito com a classe apobre; pois eis que os pobres eram expulsos das sinagogas por causa de suas vestimentas grosseiras.

  Portanto não lhes era permitida a entrada nas sinagogas para adorarem a Deus, sendo considerados como imundície porque eram pobres; sim, eram considerados por seus irmãos como escória e eram apobres quanto às coisas do mundo; eram também humildes de coração.

  Ora, enquanto Alma estava pregando e ensinando ao povo no monte Onida, aproximou-se uma grande multidão que se compunha daqueles de quem estávamos falando, que eram os ahumildes de coração por causa da sua pobreza quanto às coisas do mundo.

  E aproximaram-se de Alma e o mais influente deles disse-lhe: aQue deverão fazer estes meus irmãos, pois são desprezados por todos devido a sua pobreza; sim, e principalmente por nossos sacerdotes, pois bexpulsaram-nos de nossas sinagogas, em cuja construção trabalhamos muito com nossas próprias mãos; e expulsaram-nos devido a nossa grande pobreza e não temos um lugar onde adorar nosso Deus; cque devemos fazer?

  E então, quando ouviu isso, Alma voltou-se para ele e olhou com grande alegria, pois viu que suas aaflições verdadeiramente os haviam tornado bhumildes e que estavam cpreparados para ouvir a palavra.

  Portanto ele não falou mais à outra multidão; mas estendeu a mão e clamou aos que via e eram verdadeiramente penitentes; e disse-lhes:

  Vejo que sois ahumildes de coração; e, se assim é, benditos sois.

  Eis que vosso irmão me perguntou: Que devemos fazer?—pois somos expulsos de nossas sinagogas, de modo que não podemos adorar a nosso Deus.

  10 Eis que vos digo: Supondes que não podeis aadorar a Deus a não ser em vossas sinagogas?

  11 E pergunto-vos ainda: Supondes que não podeis adorar a Deus mais que uma vez por semana?

  12 Digo-vos: Ainda bem que vos afastaram de vossas sinagogas, para que sejais humildes e aprendais asabedoria, pois é necessário que aprendais sabedoria; porque foi por terdes sido afastados e desprezados por vossos irmãos, devido a vossa extrema bpobreza, que haveis humilhado vosso coração; porque fostes obrigados a vos humilhardes.

  13 E agora, porque fostes compelidos a ser humildes, benditos sois; porque o homem, às vezes, se é compelido a humilhar-se, procura o arrependimento; e certamente quem se arrepender encontrará misericórdia; e quem encontrar misericórdia e aperseverar até o fim, será salvo.

  14 E agora, como vos disse que por terdes sido compelidos a ser humildes fostes abençoados, não vos parece que serão mais abençoados os que verdadeiramente se humilharem por causa da palavra?

  15 Sim, aquele que verdadeiramente se humilhar e arrepender-se de seus pecados e perseverar até o fim, esse será abençoado—sim, será muito mais abençoado do que aqueles que são compelidos a humilhar-se devido a sua extrema pobreza.

  16 Portanto, benditos são os que se ahumilham sem serem compelidos a ser humildes; ou, em outras palavras, bendito é aquele que acredita na palavra de Deus e é batizado sem relutância no coração, sim, sem ter sido levado a conhecer a palavra ou mesmo sem ser compelido a conhecer antes de acreditar.

  17 Sim, há muitos que dizem: Se nos mostrardes um asinal do céu, saberemos com segurança; então acreditaremos.

  18 Agora vos pergunto: Isso é fé? Eis que vos digo: Não. Porque se um homem sabe uma coisa, não tem motivo para acrer, porque a sabe.

  19 E agora, quão mais amaldiçoado é aquele que aconhece a vontade de Deus e não a pratica, do que aquele que somente acredita ou que somente tem motivo para acreditar e cai em transgressão?

  20 Ora, isto deveis julgar. Eis que vos digo que de um lado é como do outro; e cada homem receberá de acordo com suas obras.

  21 E agora, conforme falei com referência à fé— a não é ter um perfeito conhecimento das coisas; portanto, se tendes fé, tendes besperança nas coisas que se cnão vêem e que são verdadeiras.

  22 E agora, eis que vos digo: Eu quisera que de um lado vos lembrásseis de que Deus é misericordioso para com todos os que acreditam em seu nome; portanto, deseja em primeiro lugar que acrediteis, sim, que acrediteis em sua palavra.

  23 E agora, ele transmite a sua palavra aos homens por intermédio de anjos; sim, anão só aos homens mas também às mulheres. Ora, isso não é tudo; muitas vezes as bcrianças recebem palavras que confundem o sábio e o instruído.

  24 E agora, meus amados irmãos, como desejastes saber de mim o que devereis fazer, por estardes aflitos e serdes rejeitados—ora, não desejo que suponhais que eu pretenda julgar-vos, exceto de acordo com o que é verdade—

  25 Porque não afirmo que todos vós fostes obrigados a vos humilhardes; pois realmente acredito que alguns de vós vos humilharíeis, fossem quais fossem as circunstâncias;

  26 Ora, como disse em relação à fé, que não era um conhecimento perfeito, o mesmo se dá com minhas palavras. A princípio não podereis ter perfeita certeza delas, assim como a fé tampouco é um conhecimento perfeito.

  27 Mas eis que, se despertardes e exercitardes vossas faculdades, pondo à prova minhas palavras, e exercerdes uma partícula de fé, sim, mesmo que não tenhais mais que o adesejo de acreditar, deixai que esse desejo opere em vós, até acreditardes de tal forma que possais dar lugar a uma porção de minhas palavras.

  28 Compararemos a palavra a uma asemente. Ora, se derdes lugar em vosso bcoração para que uma csemente seja plantada, eis que, se for uma semente verdadeira, ou seja, uma boa semente, se não a lançardes fora por vossa dincredulidade, resistindo ao Espírito do Senhor, eis que ela começará a inchar em vosso peito; e quando tiverdes essa sensação de crescimento, começareis a dizer a vós mesmos: Deve ser uma boa semente, ou melhor, a palavra é boa porque começa a dilatar-me a alma; sim, começa a iluminar-me o eentendimento; sim, começa a ser-me deliciosa.

  29 Ora, eis que isso não aumentaria a vossa fé? Digo-vos que sim; não obstante, não cresceu a ponto de transformar-se em perfeito conhecimento.

  30 Mas eis que quando a semente incha e brota e começa a crescer, então deveis dizer que a semente é boa; porque eis que inchou e brotou e começou a crescer. E agora, eis que isto não fortalecerá vossa fé? Sim, fortalecerá vossa fé, pois direis: Eu sei que esta é uma boa semente; porque eis que brota e começa a crescer.

  31 E agora, estais certos de que é uma boa semente? Digo-vos que sim; porque toda semente frutifica segundo sua aprópria semelhança.

  32 Portanto, se uma semente cresce, é boa; mas se não cresce, eis que não é boa; portanto é lançada fora.

  33 E agora, eis que por haverdes feito a experiência e plantado a semente que inchou e brotou e começou a crescer, deveis forçosamente saber que a semente é boa.

  34 E agora, eis que é perfeito o vosso aconhecimento? Sim, vosso conhecimento é perfeito nisto e vossa b permanece adormecida; e isto porque sabeis, pois sabeis que a palavra vos dilatou a alma e sabeis também que ela germinou, que vossa compreensão começa a iluminar-se e vossa cmente começa a expandir-se.

  35 Oh! então isto não é real? Digo-vos que sim, porque é aluz; e o que é luz é bom, porque pode ser discernido; portanto deveis saber que é bom; e agora, eis que, depois de haverdes experimentado esta luz, é perfeito o vosso conhecimento?

  36 Eis que vos digo: Não, nem deveis pôr de lado a vossa fé, porque haveis somente exercido vossa fé para plantar a semente a fim de fazer a expêriencia, para saber se a semente é boa.

  37 E eis que, à medida que a árvore começar a crescer, direis: Tratemos dela com muito cuidado, para que crie raiz, para que cresça e dê frutos. E agora, eis que se a tratardes com muito cuidado, criará raiz e crescerá e dará frutos.

  38 Mas se anegligenciardes a árvore e deixardes de tratá-la, eis que não criará raiz; e quando chegar o calor do sol e a abrasar, secará por falta de raiz; e arrancá-la-eis e lançareis fora.

  39 Ora, isso não é porque a semente não seja boa nem porque o seu fruto seja indesejável, mas porque vosso aterreno é estéril e não cuidais da árvore; não podeis, portanto, obter seu fruto.

  40 E assim, se não cultivardes a palavra, esperando com os olhos da fé o seu fruto, nunca podereis colher o fruto da aárvore da vida.

  41 Se, porém, cultivardes a palavra, sim, cultivardes a árvore quando ela começar a crescer, com vossa fé, com grande esforço e com apaciência, esperando o fruto, ela criará raiz; e eis que será uma árvore que bbrotará para a vida eterna.

  42 E por causa de vosso aesforço e de vossa fé e de vossa paciência em cultivar a palavra para que crie raiz em vós, eis que pouco a pouco colhereis o seu bfruto, que é sumamente precioso, que é mais doce que tudo que é doce, que é mais branco que tudo que é branco, sim, e mais puro que tudo que é puro; e banquetear-vos-eis com esse fruto, até vos fartardes, de modo que não tereis fome nem tereis sede.

  43 Então, meus irmãos, colhereis a recompensa de vossa fé e de vossa diligência e paciência e longanimidade, esperando que a árvore vos dê fruto.