Mandamentos de Alma a seu filho Helamã.
Abrangem os capítulos 36 e 37

CAPÍTULO 36

Alma testifica a Helamã sua conversão depois de ter visto um anjo—Ele sofreu as dores de uma alma condenada; invocou o nome de Jesus e, então, nasceu de Deus—Doce alegria encheu-lhe a alma—Ele viu multidões de anjos louvando a Deus—Muitos conversos experimentaram o que ele experimentou e viu. Aproximadamente 74 a.C.

  Meu afilho, ouve minhas palavras; pois juro-te que, se guardares os mandamentos de Deus, prosperarás na terra.

  Eu quisera que fizesses como eu fiz, lembrando-te do cativeiro de nossos pais; porque estavam em aservidão e ninguém os poderia salvar a não ser o bDeus de Abraão e o Deus de Isaque e o Deus de Jacó; e ele certamente os livrou de suas aflições.

  E agora, ó Helamã, meu filho, eis que estás na juventude; peço-te, portanto, que ouças minhas palavras e aprendas de mim; porque sei que aqueles que confiarem em Deus serão auxiliados em suas atribulações e em suas dificuldades e em suas aflições; e serão belevados no último dia.

  E eu não quero que penses que asei por mim mesmo—não pelo que é físico, mas pelo espiritual; não pela mente bcarnal, mas por Deus.

  Ora, eis que te digo que, se eu não houvesse anascido de Deus, bnão saberia estas coisas; Deus, porém, pela boca de seu santo anjo fez-me conhecer estas coisas, não por cmérito algum meu.

  Porque andei com os filhos de Mosias, procurando adestruir a igreja de Deus; mas eis que Deus enviou seu santo anjo para deter-nos no caminho.

  E eis que nos falou como se fosse a voz do trovão e toda a terra atremeu debaixo de nossos pés; e caímos todos por terra, porque o btemor de Deus se apoderou de nós.

  Mas eis que a voz me disse: Levanta-te! E levantei-me e pus-me de pé e vi o anjo.

  E ele disse-me: A menos que queiras destruir-te, não mais procures destruir a igreja de Deus.

  10 E aconteceu que caí por terra; e pelo espaço de atrês dias e três noites não pude abrir a boca nem fazer uso das pernas e dos braços.

  11 E o anjo falou-me mais coisas, que foram ouvidas por meus irmãos, mas eu não as ouvi; porque quando ouvi as palavras—A menos que queiras destruir-te, não mais procures destruir a igreja de Deus—fui tomado de grande medo e espanto, temendo ser destruído; e caí por terra, nada mais ouvindo.

  12 Mas fui torturado com aeterno tormento, porque minha alma estava atribulada no mais alto grau e atormentada por todos os meus pecados.

  13 Sim, lembrei-me de todos os meus pecados e iniqüidades, pelos quais me vi aatormentado com as penas do inferno; sim, vi que me havia rebelado contra o meu Deus e que não guardara seus santos mandamentos.

  14 Sim, e que havia assassinado muitos de seus filhos, ou melhor, que os levara à destruição; sim, resumindo, tão grandes haviam sido minhas iniqüidades que a simples idéia de entrar na presença de meu Deus atormentava-me a alma com inexprimível horror.

  15 Oh! pensei eu, se apudesse ser banido e aniquilado em corpo e alma, para não ser levado à presença de meu Deus a fim de ser julgado pelas minhas bobras!

  16 E durante três dias e três noites fui atormentado pelas dores de uma alma acondenada.

  17 E aconteceu que enquanto eu estava sendo assim atormentado e enquanto eu estava aperturbado pela lembrança de tantos pecados, eis que me lembrei também de ter ouvido meu pai profetizar ao povo sobre a vinda de um Jesus Cristo, um Filho de Deus, para expiar os pecados do mundo.

  18 Ora, tendo fixado a mente nesse pensamento, clamei em meu coração: Ó Jesus, tu que és Filho de Deus, tem misericórdia de mim que estou no afel da amargura e rodeado pelas eternas bcorrentes da morte.

  19 E então, eis que quando pensei isto, já não me lembrei de minhas dores; sim, já não fui aatormentado pela lembrança de meus pecados.

  20 E oh! que aalegria e que luz maravilhosa contemplei! Sim, minha alma encheu-se de tanta alegria quanta havia sido minha dor.

  21 Sim, digo-te, meu filho, que nada pode haver tão intenso e cruciante como o foram minhas dores. Sim, meu filho, digo-te também que, por outro lado, nada pode haver tão belo e doce como o foi minha alegria.

  22 Sim, parecia-me ver, assim como nosso pai aLeí viu, Deus sentado em seu trono, rodeado por inúmeras multidões de anjos na atitude de cantar e louvar a Deus; e minha alma sentia o desejo de lá estar.

  23 Mas eis que meus membros recobraram as aforças e levantei-me e declarei ao povo que eu havia bnascido de Deus.

  24 Sim, e desde aquela ocasião até agora tenho trabalhado sem cessar para conseguir trazer almas ao arrependimento; para fazer com que elas aexperimentem a intensa alegria que eu experimentei; para que também nasçam de Deus e bencham-se do Espírito Santo.

  25 Sim, e agora eis que, meu filho, o Senhor me concede imensa alegria com o fruto de meus labores.

  26 Pois por causa da apalavra que me transmitiu, eis que muitos nasceram de Deus e experimentaram, como eu experimentei, e viram olho a olho, como eu vi; portanto conhecem, como eu conheço, as coisas sobre as quais falei; e o conhecimento que possuo é de Deus.

  27 E fui amparado em provas e dificuldades de toda espécie, sim, em todo tipo de aflições; sim, Deus livrou-me da prisão e de grilhões e da morte; sim, e ponho minha confiança nele e ele ainda me alibertará.

  28 E sei que me alevantará no último dia para viver em bglória com ele; sim, e louvá-lo-ei para sempre, pois ctirou nossos pais do Egito e fez com que os degípcios se afogassem no Mar Vermelho; levou nossos pais, por seu poder, para a terra da promissão; sim, e libertou-os da servidão e do cativeiro de tempos em tempos.

  29 Sim, e também tirou nossos pais da terra de Jerusalém; e, ainda, por seu sempiterno poder livrou-os do cativeiro e da aservidão, de tempos em tempos até o dia presente. E lembro-me sempre de seu cativeiro; sim, e tu também deves guardar na lembrança o seu cativeiro, como eu o fiz.

  30 Mas eis que isto não é tudo, meu filho; pois deves saber, assim como eu sei, que, ase guardares os mandamentos de Deus, prosperarás na terra; e também deves saber que, se não guardares os mandamentos de Deus, serás afastado de sua presença. Ora, isto é segundo a sua palavra.