CAPÍTULO 4

Alma batiza milhares de conversos—A iniqüidade infiltra-se na Igreja e o progresso da Igreja é obstruído—Nefia é nomeado juiz supremo—Alma, como sumo sacerdote, dedica-se ao ministério. Aproximadamente 86–83 a.C.

  Ora, aconteceu que no sexto ano em que os juízes governaram o povo de Néfi, não houve contendas nem guerras na aterra de Zaraenla;

  Entretanto o povo estava aflito, sim, grandemente aflito pela aperda de seus irmãos e também pela perda de seus rebanhos e manadas; e também pela perda de seus campos de cereais, que haviam sido pisados e destruídos pelos lamanitas.

  E tão grandes eram suas aflições, que todos tinham motivo para lamentar-se; e acreditavam que os juízos de Deus haviam caído sobre eles, devido a suas iniqüidades e abominações; por essa razão foi despertada neles a lembrança de seus deveres.

  E começaram a organizar a igreja mais plenamente; sim, e muitos foram abatizados nas águas do Sidon, unindo-se à igreja de Deus; sim, foram batizados pela mão de Alma, que havia sido consagrado bsumo sacerdote do povo da igreja pela mão de seu pai, Alma.

  E aconteceu que no sétimo ano do governo dos juízes, aproximadamente três mil e quinhentas almas uniram-se à aigreja de Deus e foram batizadas. E assim terminou o sétimo ano em que os juízes governaram o povo de Néfi; e houve paz contínua durante todo aquele tempo.

  E aconteceu, no oitavo ano do governo dos juízes, que o povo da igreja começou a tornar-se orgulhoso, por causa de suas excessivas ariquezas e de suas bfinas sedas e de seus finos tecidos de linho; e pelos seus muitos rebanhos e manadas; e seu ouro e sua prata e toda espécie de coisas preciosas que haviam obtido pelo seu trabalho; e por causa de tudo isso engrandeceram-se a seus próprios olhos e começaram a usar vestimentas muito luxuosas.

  Ora, isto foi motivo de grande aflição para Alma, sim, e para muitos que Alma aconsagrara como mestres e sacerdotes e élderes da igreja; sim, muitos deles ficaram grandemente contristados com a iniqüidade que começara a haver entre seu povo.

  Porque viram e observaram com grande tristeza que o povo da igreja começava a engrandecer-se no aorgulho de seus olhos e a voltar o coração para as riquezas e para as coisas vãs do mundo; que eles começavam a desdenhar uns dos outros e a perseguir os que bnão acreditavam segundo sua própria vontade e prazer.

  E assim, durante este oitavo ano do governo dos juízes, começou a haver grandes acontendas entre o povo da igreja; sim, havia binveja e disputas e malícia e perseguições e orgulho, excedendo até o orgulho daqueles que não pertenciam à igreja de Deus.

  10 E assim terminou o oitavo ano do governo dos juízes; e a iniqüidade na igreja era uma grande pedra de tropeço para aqueles que a ela não pertenciam; e assim o progresso da igreja começou a diminuir.

  11 E aconteceu que no começo do nono ano, Alma viu a iniqüidade na igreja e viu também que o aexemplo da igreja principiava a levar os incrédulos de uma iniqüidade a outra, causando assim a destruição do povo.

  12 Sim, viu grande desigualdade entre eles, alguns se enchendo de orgulho, desprezando os outros, virando as costas aos anecessitados e aos nus e aos bfamintos e aos sedentos e aos doentes e aflitos.

  13 Ora, isso era um grande motivo de lamentação para o povo, enquanto outros se humilhavam, socorrendo os que tinham necessidade de seu socorro, arepartindo seus recursos com os pobres e necessitados, alimentando os famintos e sofrendo toda espécie de baflições por camor a Cristo que haveria de vir, segundo o espírito de profecia;

  14 Aguardando ansiosamente aquele dia, aconservando assim a remissão de seus pecados; estando cheios de grande balegria por causa da ressurreição dos mortos, de acordo com a vontade e poder e libertação de Jesus Cristo das ligaduras da morte.

  15 E então aconteceu que Alma, tendo visto as aflições dos humildes seguidores de Deus e as perseguições que lhes eram infligidas pelo resto de seu povo; e vendo toda a sua adesigualdade, começou a ficar muito triste; mas o Espírito do Senhor não o abandonou.

  16 E ele escolheu um homem sábio entre os élderes da igreja e deu-lhe poder, de acordo com a avoz do povo, para que pudesse, segundo as bleis que haviam sido dadas, decretar leis e fazê-las executar conforme a iniqüidade e os crimes do povo.

  17 Ora, o nome desse homem era Nefia; e ele foi nomeado ajuiz supremo e ocupou a cadeira de juiz para julgar e governar o povo.

  18 Ora, Alma não lhe concedeu o ofício de sumo sacerdote da igreja, mas reservou para si próprio o ofício de sumo sacerdote; entregou, porém, a Nefia a cadeira de juiz.

  19 E assim fez para que ele amesmo pudesse pregar ao povo, ou seja, ao povo de Néfi, a bpalavra de Deus, ca fim de que eles se dlembrassem de seus deveres; e para poder, pela palavra de Deus, abater todo o orgulho e as artimanhas e todas as contendas que existiam entre seu povo, não vendo outro modo de reformá-los, a não ser pela força de um grande etestemunho contra eles.

  20 E assim, no começo do nono ano em que os juízes governaram o povo de Néfi, Alma entregou a cadeira de juiz a aNefia e dedicou-se exclusivamente ao bsumo sacerdócio da santa ordem de Deus, ao testemunho da palavra, de acordo com o espírito de revelação e profecia.