CAPÍTULO 12

Os homens são instáveis, insensatos e rápidos na prática do mal—O Senhor castiga seu povo—A nulidade dos homens é comparada com o poder de Deus—No dia do julgamento os homens alcançarão vida eterna ou condenação eterna. Aproximadamente 6 a.C.

  E assim podemos ver quão falso e também quão inconstante é o coração dos filhos dos homens; sim, podemos ver como o Senhor, na grandeza de sua infinita bondade, abençoa e faz aprosperar os que colocam nele a sua bconfiança.

  Sim, e vemos que é justamente quando ele faz prosperar seu povo, sim, aumentando seus campos, seu gado e seus rebanhos e ouro e prata e toda sorte de coisas preciosas de todo tipo e de todo estilo, preservando-lhes a vida e livrando-os das mãos de seus inimigos, abrandando o coração dos inimigos para que não lhes façam guerra; sim, e, em resumo, fazendo tudo para o bem e a felicidade de seu povo; sim, então é quando aendurecem o coração, esquecendo-se do Senhor seu Deus e bpisando o Santíssimo—sim, e isto em virtude de seu conforto e de sua enorme prosperidade.

  E assim vemos que se o Senhor não acastiga seu povo com numerosas aflições, sim, se não o fere com morte e com terror e com fome e com toda sorte de pestilências, dele não se blembram.

  Oh! Quão insensatos e quão presunçosos e quão malignos e diabólicos e quão arápidos em cometer iniqüidades e quão lentos em praticar o bem são os filhos dos homens! Sim, quão apressados são em dar ouvidos às palavras do maligno e em colocar o bcoração nas coisas vãs do mundo!

  Sim, quão rápidos em se aensoberbecerem; sim, quão rápidos em se vangloriarem e em praticarem toda sorte de iniqüidades; e quão lentos são em se recordarem do Senhor seu Deus e em dar ouvidos a seus conselhos; sim, quão lentos em btrilhar os caminhos da sabedoria.

  Eis que não desejam que o Senhor seu Deus, que os acriou, os bgoverne e reine sobre eles; apesar de sua grande bondade e misericórdia para com eles, desprezam seus conselhos e não o desejam como guia.

  Oh! Quão grande é a anulidade dos filhos dos homens! Sim, são até menos que o pó da Terra.

  Pois eis que o pó da Terra se move de cá para lá, separando-se segundo a ordem de nosso grande e eterno Deus.

  Sim, eis que pela sua voz tremem e aestremecem as colinas e os montes.

  10 E pelo apoder de sua voz desmoronam-se e tornam-se planos, sim, como um vale.

  11 Sim, pelo poder de sua voz treme atoda a Terra;

  12 E pelo poder de sua voz as fundações estremecem, até o centro.

  13 Sim, e se ele diz à Terra—Move-te—ela se move.

  14 Sim, e se ele diz à aTerrabVolta para trás, a fim de que se cprolongue o dia por muitas horas—isso é feito;

  15 E assim, segundo sua palavra, a Terra volta para trás, parecendo aos homens que o sol está parado; sim, e eis que assim é; porque certamente é a Terra que se move e não o sol.

  16 E eis também que se ele diz às aáguas do grande abismo— bSecai—assim sucede.

  17 Eis que se diz a esta montanha—Ergue-te e avai e cai sobre aquela cidade, para que seja soterrada—eis que assim sucede.

  18 E eis que se um homem aocultar um tesouro na terra e o Senhor disser— bAmaldiçoado seja, em virtude da iniqüidade daquele que o escondeu—eis que será amaldiçoado.

  19 E se o Senhor disser—Amaldiçoado sejas para que ninguém jamais te encontre a partir deste dia—eis que homem algum jamais o encontrará.

  20 E eis que se o Senhor disser a um homem—Em virtude de tuas iniqüidades tu serás amaldiçoado para sempre—assim será.

  21 E se o Senhor disser—Em virtude de tuas iniqüidades serás afastado de minha presença—ele fará com que assim suceda.

  22 E ai daquele a quem ele disser isso, porque assim será com aquele que cometer iniqüidade; e não poderá ser salvo; portanto, por essa razão, para que os homens possam ser salvos, foi pregado o arrependimento.

  23 Portanto benditos são os que se arrependem e dão ouvidos à voz do Senhor seu Deus; pois eles serão asalvos.

  24 E permita Deus, em sua grande plenitude, que os homens sejam levados ao arrependimento e às boas obras, para que lhes seja restituída graça por agraça, segundo suas obras.

  25 E eu quisera que todos os homens fossem salvos. Lemos, porém, que no grande e último dia haverá alguns que serão afastados; sim, que serão afastados da presença do Senhor;

  26 Sim, que serão condenados a um estado de infindável miséria, em cumprimento às palavras que dizem: Os que praticaram o bem terão avida eterna; e os que praticaram o mal terão bcondenação eterna. E assim é. Amém.