CAPÍTULO 7

Serém nega a Cristo, contende com Jacó, exige um sinal e é ferido por Deus—Todos os profetas falaram sobre Cristo e sua expiação—Os nefitas viveram seus dias como errantes, nascidos em meio a tribulações e odiados pelos lamanitas. Aproximadamente 544–421 a.C.

  E então aconteceu que, passados alguns anos, apareceu entre o povo de Néfi um homem cujo nome era Serém.

  E aconteceu que ele começou a pregar ao povo e a declarar-lhes que não haveria Cristo algum. E pregou muitas coisas que eram lisonjeiras para o povo; e isto fez a fim de destruir a doutrina de Cristo.

  E trabalhou diligentemente para desviar o coração do povo, tanto que conseguiu desviar muitos corações; e sabendo que eu, Jacó, tinha fé no Cristo que haveria de vir, procurou muito uma oportunidade para encontrar-se comigo.

  E ele era instruído, de modo que tinha perfeito conhecimento da língua do povo; podia, portanto, usar de muita lisonja e muita eloqüência, de acordo com o poder do diabo.

  E tinha esperança de afastar-me da fé, não obstante as muitas arevelações e o muito que eu vira com referência a estas coisas; porque eu verdadeiramente vira anjos e recebera o seu ministério. E também ouvira a voz do Senhor, verdadeiramente me falando de tempos em tempos; portanto eu não podia ser abalado.

  E aconteceu que ele veio a mim e desta maneira falou-me, dizendo: Irmão Jacó, procurei muito esta oportunidade de falar-te, porque ouvi e também sei que tens andado muito, pregando o que chamas de evangelho, ou seja, a doutrina de Cristo.

  E tu tens desviado muitos deste povo, de maneira que pervertem o caminho correto de Deus e anão guardam a lei de Moisés, que é o caminho correto; e convertes a lei de Moisés na adoração de um ser que dizes que virá daqui a muitos séculos. E agora eis que eu, Serém, declaro-te que isso é blasfêmia; pois nenhum homem sabe de tais coisas, porque bnão pode falar de coisas futuras. E desta maneira Serém contendia comigo.

  Mas eis que o Senhor Deus me derramou na alma o seu aEspírito, de maneira que eu o confundi em todas as suas palavras.

  E disse-lhe: Negas o Cristo que virá? E ele disse: Se houvesse um Cristo, eu não o negaria; sei, porém, que não existe Cristo algum, nem existiu, nem existirá.

  10 E disse-lhe eu: Crês nas escrituras? E ele disse: Sim.

  11 E eu disse: Então não as entendes, porque elas verdadeiramente testificam de Cristo. Eis que te digo que nenhum dos profetas escreveu nem aprofetizou sem ter falado sobre este Cristo.

  12 E isto não é tudo—foi-me manifestado, porque eu vi e ouvi; e foi-me também manifestado pelo apoder do Espírito Santo; sei portanto que, se não houver expiação, toda a humanidade certamente se bperderá.

  13 E aconteceu que ele me disse: Mostra-me um asinal, por esse poder do Espírito Santo mediante o qual sabes tanto.

  14 E eu disse-lhe: Quem sou eu para tentar a Deus, a fim de mostrar-te um sinal do que tu sabes ser averdade? Não obstante, tu negá-lo-ás, porque és do bdiabo. Contudo, não seja feita a minha vontade; mas se Deus te ferir, que seja esse um sinal para ti de que ele tem poder tanto nos céus como na Terra; e também de que Cristo virá. E seja feita a tua vontade, ó Senhor, e não a minha.

  15 E aconteceu que quando eu, Jacó, disse estas palavras, o poder do Senhor desceu sobre ele, de modo que ele caiu por terra. E aconteceu que foi alimentado pelo espaço de muitos dias.

  16 E aconteceu que ele disse ao povo: Reuni-vos amanhã, porque vou morrer; portanto desejo falar ao povo antes de morrer.

  17 E aconteceu que no dia seguinte a multidão se reuniu; e ele falou-lhes claramente, negou as coisas que havia ensinado e confessou o Cristo e o poder do Espírito Santo e o ministério de anjos.

  18 E disse-lhes claramente que havia sido aenganado pelo poder do bdiabo. E falou do inferno e da eternidade e do castigo eterno.

  19 E disse: Temo haver cometido o pecado aimperdoável, porque menti a Deus; pois neguei o Cristo e disse que acreditava nas escrituras; e elas verdadeiramente testificam dele. E por haver assim mentido a Deus, tenho muito medo de que a minha situação seja bterrível; mas a Deus confesso-me.

  20 E aconteceu que após ter dito estas palavras, nada mais pôde dizer e aentregou o espírito.

  21 E a multidão, tendo testemunhado que ele dissera estas coisas quando estava prestes a entregar o espírito, ficou muito assombrada; tanto que o poder de Deus desceu sobre eles e foram adominados, de modo que caíram por terra.

  22 Ora, isso agradou a mim, Jacó, pois havia-o pedido a meu Pai, que estava no céu; ele ouvira, pois, o meu clamor e respondera a minha oração.

  23 E aconteceu que a paz e o amor de Deus foram mais uma vez restaurados entre o povo; e eles aexaminaram as escrituras e não mais deram ouvidos às palavras desse homem iníquo.

  24 E aconteceu que muitos meios foram imaginados para aregenerar os lamanitas e reconduzi-los ao conhecimento da verdade; mas tudo foi em bvão, pois eles deleitavam-se em cguerras e dderramamento de sangue e tinham um eódio eterno contra nós, seus irmãos. E procuravam continuamente destruir-nos com o poder de suas armas.

  25 Portanto o povo de Néfi se fortaleceu contra eles, com suas armas e com todo o seu poder, confiando no Deus e arocha de sua salvação; portanto se tornaram, até aquele momento, vencedores de seus inimigos.

  26 E aconteceu que eu, Jacó, comecei a envelhecer; e como o registro deste povo está sendo escrito nas aoutras placas de Néfi, termino, portanto, este registro, declarando que escrevi segundo o melhor do meu conhecimento, dizendo que o tempo passou para nós e nossa bvida também passou como se fosse um sonho, sendo nós um povo solitário e solene, errante, expulso de Jerusalém, nascido em meio a tribulações num deserto e odiado por nossos irmãos, o que causou guerras e contendas; assim, lamentamo-nos até o fim de nossos dias.

  27 E eu, Jacó, vi que logo deveria baixar à sepultura; portanto disse a meu filho aEnos: Toma estas placas. E transmiti-lhe as coisas que meu irmão Néfi me bordenara; e Enos prometeu obediência às ordens. E termino meu registro nestas placas, tendo escrito pouco; e despeço-me do leitor, esperando que muitos de meus irmãos possam ler minhas palavras. Irmãos, adeus.