CAPÍTULO 3

Mórmon clama arrependimento aos nefitas—Eles conseguem uma grande vitória e vangloriam-se de sua própria força—Mórmon recusa-se a chefiá-los e suas orações por eles são sem fé—O Livro de Mórmon convida as doze tribos de Israel a crerem no evangelho. Aproximadamente 360–362 d.C.

  E aconteceu que os lamanitas não voltaram a guerrear até que se passaram mais dez anos. E eis que eu havia empregado meu povo, os nefitas, no preparo de suas terras e de suas armas, para o dia da batalha.

  E aconteceu que o Senhor me disse: Clama a este povo—Arrependei-vos e vinde a mim e sede batizados e reorganizai a minha igreja; e sereis poupados.

  E eu clamei a este povo, mas foi em vão; e eles não compreenderam que fora o Senhor que os havia poupado e concedera-lhes uma oportunidade de se arrependerem. E eis que endureceram o coração contra o Senhor seu Deus.

  E aconteceu que, passado este décimo ano, perfazendo no total trezentos e sessenta anos desde a vinda de Cristo, o rei dos lamanitas enviou-me uma epístola que me fez ciente de que eles se preparavam para atacar-nos outra vez.

  E aconteceu que eu fiz com que meu povo se reunisse na terra de Desolação, numa cidade situada nas fronteiras, perto da estreita passagem que conduzia à terra do sul.

  E aí colocamos nossos exércitos, a fim de determos os exércitos lamanitas, para que eles não se apoderassem de qualquer de nossas terras; portanto nos fortificamos contra eles com toda a nossa força.

  E aconteceu que no tricentésimo sexagésimo primeiro ano os lamanitas desceram para a cidade de Desolação a fim de guerrear-nos; e aconteceu que nesse ano nós os derrotamos, de modo que eles retornaram a suas próprias terras.

  E no tricentésimo sexagésimo segundo ano desceram novamente para guerrear. E tornamos a derrotá-los e matamos um grande número deles; e seus mortos foram atirados ao mar.

  Ora, por causa deste grande feito que os de meu povo, os nefitas, haviam realizado, começaram a avangloriar-se de sua própria força e a jurar perante os céus que vingariam o sangue de seus irmãos, os quais tinham sido mortos por seus inimigos.

  10 E juraram pelos céus e também pelo trono de Deus que asubiriam para batalhar contra seus inimigos e varrê-los-iam da face da terra.

  11 E aconteceu que eu, Mórmon, recusei-me terminantemente, daí em diante, a ser comandante e chefe deste povo, em virtude de suas iniqüidades e abominações.

  12 Eis que eu os conduzira, apesar de suas iniqüidades, eu os conduzira várias vezes à batalha e amara-os segundo o aamor de Deus que se achava em mim, com todo o meu coração; e o dia inteiro elevava minha alma a Deus, em oração por eles; não obstante era bsem fé, por causa da dureza do coração deles.

  13 E três vezes livrei-os das mãos dos seus inimigos e eles não se arrependeram de seus pecados.

  14 E quando juraram, por tudo que fora aproibido por nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, que subiriam para batalhar contra seus inimigos e vingar-se do sangue de seus irmãos, eis que a voz do Senhor chegou a mim, dizendo:

  15 Minha é a avingança e eu bretribuirei; porque este povo não se arrependeu depois de eu os ter livrado, eis que serão varridos da face da Terra.

  16 E aconteceu que me recusei terminantemente a marchar contra meus inimigos; e fiz como o Senhor me ordenara; e permaneci como testemunha passiva, para manifestar ao mundo as coisas que vi e ouvi, segundo as manifestações do Espírito, o qual dera testemunho acerca de coisas futuras.

  17 Portanto eu avos escrevo, gentios, e também a vós, casa de Israel, que, quando a obra começar, estareis no ponto de preparar-vos para regressar à terra de vossa herança.

  18 Sim, eis que escrevo a todos os confins da Terra; sim, a vós, doze tribos de Israel, que sereis ajulgadas, de acordo com vossas obras, pelos doze que Jesus escolheu como seus discípulos na terra de Jerusalém.

  19 E escrevo também aos remanescentes deste povo, que também serão julgados pelos adoze que Jesus escolheu nesta terra; e eles serão julgados pelos outros doze que Jesus escolheu na terra de Jerusalém.

  20 E estas coisas foram-me manifestadas pelo Espírito; portanto escrevo a todos vós. E por esta razão vos escrevo, para que saibais que deveis todos comparecer ante o atribunal de Cristo, sim, todas as almas que pertencem a toda a bfamília humana de Adão; e deveis comparecer para serdes julgados por vossas obras, sejam elas boas ou más.

  21 E também para que aacrediteis no evangelho de Jesus Cristo, que tereis no meio de vós; e também para que os bjudeus, o povo do convênio do Senhor, tenham outra ctestemunha, além daquele a quem viram e ouviram, de que Jesus, a quem mataram, era o dpróprio Cristo e o próprio Deus.

  22 E quisera persuadir atodos vós, confins da Terra, a vos arrependerdes e a vos preparardes para comparecer perante o tribunal de Cristo.