CAPÍTULO 17

Alma crê nas palavras de Abinádi e escreve-as—Abinádi morre queimado—Ele profetiza enfermidades e morte por fogo para seus assassinos. Aproximadamente 148 a.C.

  E então aconteceu que quando Abinádi havia terminado estas palavras, o rei ordenou a seus asacerdotes que o levassem e fizessem com que fosse morto.

  Mas havia entre eles um cujo nome era aAlma, sendo ele também descendente de Néfi. E era jovem e bacreditou nas palavras que Abinádi dissera, pois tinha conhecimento da iniqüidade da qual Abinádi os acusara; portanto começou a suplicar ao rei que ele não se irasse contra Abinádi, mas que o deixasse partir em paz.

  O rei, porém, enfureceu-se ainda mais e fez com que Alma fosse expulso do meio deles; e enviou seus servos atrás dele para que o matassem.

  Mas ele fugiu e escondeu-se, de modo que não o acharam. E tendo ficado escondido durante muitos dias, aescreveu todas as palavras que Abinádi dissera.

  E aconteceu que o rei ordenou a seus guardas que cercassem Abinádi e prendessem-no; e amarraram-no e jogaram-no na prisão.

  E depois de três dias, havendo-se aconselhado com seus sacerdotes, fez com que o levassem novamente a sua presença.

  E disse-lhe: Abinádi, temos uma acusação contra ti e mereces a morte.

  Pois disseste que o próprio aDeus descerá entre os filhos dos homens; e agora, por causa disto serás morto, salvo se te retratares de todas as palavras que disseste de mal, concernentes a mim e a meu povo.

  Então Abinádi respondeu-lhe: Digo-vos que não me retratarei das palavras que disse concernentes a este povo, pois são verdadeiras; e para que saibais que são verdadeiras, consenti em cair em vossas mãos.

  10 Sim, e padecerei até mesmo a morte, porém não me retratarei de minhas palavras; e elas servirão de testemunho contra vós. E se me matardes, derramareis asangue inocente; e isto também servirá de testemunho contra vós no último dia.

  11 E então o rei Noé estava a ponto de soltá-lo, porque temia suas palavras; porque temia que os julgamentos de Deus caíssem sobre ele.

  12 Mas os sacerdotes levantaram suas vozes contra ele e começaram a acusá-lo, dizendo: Injuriou o rei! Portanto, o rei encheu-se de cólera contra ele e entregou-o para que o matassem.

  13 E aconteceu que o levaram e amarraram-no e flagelaram-lhe a pele com tochas, sim, até a morte.

  14 E então, quando as chamas começaram a queimá-lo, clamou a eles, dizendo:

  15 Eis que, assim como haveis feito comigo, acontecerá que a vossa posteridade fará com que muitos sofram as dores que eu sofro, sim, as dores da amorte pelo fogo; e isto porque eles acreditam na salvação do Senhor seu Deus.

  16 E acontecerá que sereis afligidos por toda espécie de moléstias, por causa de vossas iniqüidades.

  17 Sim, e sereis aferidos por todos os lados; e sereis acossados e dispersos aqui e acolá, assim como um rebanho selvagem é acossado por animais selvagens e ferozes.

  18 E naquele dia sereis caçados e sereis presos por vossos inimigos e então sofrereis, como eu sofro, as penas da amorte pelo fogo.

  19 Assim executa Deus avingança contra aqueles que destroem seu povo. Ó Deus, recebe a minha alma!

  20 E então, havendo Abinádi pronunciado estas palavras, ele caiu, tendo sofrido a morte pelo fogo; sim, tendo sido morto por não querer negar os mandamentos de Deus, tendo selado a verdade de suas palavras com a morte.